As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Cinema na quarentena: Ken Loach, Luc e Jean-Pierre Dardenne e Maren Ade

Imagem: Elyeser Szturm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por Roberto Noritomi*

Comentário sobre três filmes europeus que abordam as transformações no mundo do trabalho.

Não se pode acusar o cinema de ter passado ao largo dos reveses no mundo do trabalho ocorridos nas últimas décadas. A precarização das relações produtivas e o desemprego massivo ganharam as telas em filmes como Recursos humanos (Cantet, 1999), Segunda-feira ao Sol (Aranoa, 2002), As neves do Kilimanjaro (Guédiguian, 2011) e A lei do mercado (Brizé, 2015).

O ano de 2016 somou mais três obras significativas à lista anterior: Eu, Daniel Blake (Ken Loach), A garota desconhecida (Luc e Jean-Pierre Dardenne) e Toni Erdmann (Maren Ade). Obras de cineastas de destaque na vertente independente, elas possuem o mérito de aportar dimensões distintas de um cenário econômico que envolve migração, crise do sistema previdenciário e o alto escalão das corporações transnacionais. A despeito de suas singularidades estéticas, vale arriscar alguns comentários de circunstância sobre os filmes em conjunto.  

Ken Loach abre o percurso. Desde sempre engajado na luta operária e sintonizado com o calor da hora, o diretor dispara sua câmera contra as agruras do desmantelamento do sistema de atenção previdenciária da Inglaterra (não é difícil perceber ecos de Umberto D (De Sica, 1952)). Ao fazê-lo, ele se incumbiu do destino crepuscular dos trabalhadores de seu país (e do mundo desenvolvido em geral). Daniel Blake é um exemplar dessa classe que viveu seus tempos heroicos, como se entrevê pelo círculo de relações que ainda mantém.

No entanto, envelhecido e adoentado, a grande façanha do hábil carpinteiro se resume a enfrentar os meandros das agências oficiais para obter o auxílio doença. Bem ao estilo do realismo de Loach, uma situação prosaica se converte no eixo dramático cujo desenlace é o que menos tem relevo. O que vale aqui é filmar ao rés do chão, onde as preocupações e tensões se encerram nas necessidades básicas: comida, aluguel, salário etc. Essas limitações objetivas definem todo o raio de ação e de anseios dos personagens. A câmera confere relevo a cada momento daquelas pessoas comuns.

É nesse contexto que Daniel Blake protagonizará o declínio de sua classe e verá ascender a nova geração operária, precarizada e disforme. Isso fica nítido no contraste entre a maestria e o orgulho profissional de Blake e a força de trabalho indefinida e lábil da jovem desempregada Katie. O ofício de Blake está obsoleto e fadado à loja de antiguidades, junto com sua caixa de ferramentas. O saber apurado pela experiência não tem mais valor, nem mesmo para preencher um formulário eletrônico. A reestruturação produtiva atropela Blake e todo o operariado.

Mas para o velho trabalhador o algoz vem na figura do preposto estatal, isto é, a burocracia impessoal e inescrutável que dificulta o acesso ao benefício legal. Eis aí o modelo assistencial neoliberal que leva às raias da humilhação a petição por um direito. Diante dessa opressão burocrática e pétrea, Loach ampara Blake nas relações de amizade e vizinhança. Todavia, apesar do acento nos laços comunitários, o filme tem seu ápice numa reação (a pichação da agência previdenciária) solitária e patética. As organizações sindicais e políticas não mediam mais a luta.

Para os irmãos Dardenne a política não é o que interessa. Nos seus filmes o mundo do trabalho é a arena do conflito ético e não de classes. A garota desconhecida segue a regra. Nele, Jenny Davin é uma médica dedicada que atua na periferia de Liège, lidando com situações sociais contundentes que incluem trabalhadores precarizados, imigrantes ilegais e outros segmentos à margem, entretanto, sua maior preocupação é com o rigor do exercício profissional. Para o bom profissional, a eficiência técnica importa mais do que o paciente.

Esse apego profissional é estremecido após a morte, na proximidade de seu consultório, de uma jovem migrante negra, que estaria viva não fosse o protocolo médico que a impediu de franquear sua porta. A partir daí, movida pela culpa, Davin inicia uma jornada exaustiva para identificar a jovem desconhecida e sanar o que é para ela a maior das injustiças, isto é, um ser humano viver, ou morrer, sem uma identidade.

O filme entra, neste ponto, em outra fase. Se no primeiro momento a obediência cega ao protocolo profissional predomina, no segundo o que sobressai é a flexibilização e a informalidade. Davin se despe dos procedimentos rígidos e se investe da autoridade médica para inquirir pacientes na busca de informações sobre a jovem. A função profissional se converte em postura investigativa a serviço de uma trama policial, e, mais do que tudo, da purgação de uma culpa e de um dilema ético.

No entanto, ao contrário do filme policial, o objetivo aqui não é solucionar um crime, mas desvendar a vítima e reparar uma indignidade humana que transcende as urgências históricas. Se há toda uma causalidade que leva à exploração de migrantes ilegais, a médica não se sente responsável por isso. O deslocamento ético é outro: parte-se do cidadão circunscrito aos interesses imediatos (profissional) e chega-se a uma ordem de valor universal e indeterminado, a Humanidade.

Enfim, a alemã Maren Ade sobe à alta cúpula corporativa. Seu universo é o dos white collars. Os trabalhadores aqui são consultores contratados, e bem pagos, por empresários e acionistas para conferirem roupagem tecnocrata às suas deliberações, antes de tudo, políticas. Ines está dentro desse figurino. Com formação e experiência de longa data, ela assessora uma multinacional petrolífera em operações na Romênia. E logo poderá estar em qualquer outro lugar, nos mais variados ardis para atender à voragem do capital.

O filme procura abordar exatamente essa disponibilidade integral, física e moral, do trabalhador da alta gestão. A vida de Ines se confunde de modo camaleônico, até à intimidade, com a dos decision makers. Ines, porém, não faz parte deles. Dia e noite, ela é submetida a mandos e desmandos, inclusive sofrendo atitudes machistas e outras afrontas. Sua reação, contudo, é serena e às vezes até bem humorada. A consultora está longe das caracterizações maniqueístas; não é a carreirista cínica e sem escrúpulos nem a angustiada reprimida. As situações constrangedoras a que é exposta mostram que o diploma é menos relevante do que sua maleabilidade e impassibilidade. Esses são os atributos que garantem o sucesso e a sobrevivência na rede corporativa.

A perturbação fica por conta do pai, travestido de Toni Erdmann, que invade, por meio do burlesco, a rotina de Ines e tenta resgatá-la para as emoções simples e familiares. Não obstante o tom ferino, para Erdmann o questionável não é o caráter da exploração perpetrada nas ações empresariais que sua filha legitima. Esse é um fato à parte. A vida alternativa não tangencia a política.

Concluída essa breve incursão pelos três filmes, em que pese o esforço crítico dos diretores, percebe-se que as obras não apostam em mudanças a partir do acirramento das contradições inerentes ao mundo do trabalho.  A ousadia se intimida diante do movimento do capital, cuja lógica acumulativa: promove cortes orçamentários, restringe os direitos e o atendimento público (como o Estado informatizado, terceirizado e restritivo de benefícios que subjuga Daniel Blake); invade e desestabiliza países, provoca migração desenfreada e sujeita legiões ao trabalho ilegal (como a garota africana escravizada e prostituída em Liège); especula e interfere nas economias periféricas (como a reestruturação produtiva que Ines assessora e resultará em desemprego e precarização das relações de trabalho).

Em suma, Blake, Ines e a jovem africana se irmanam no mesmo drama. O capital tem dessas coisas. Unifica o destino de trabalhadores e povos.

Para estarem à altura do embate, os filmes poderiam ter sido mais pródigos na abertura de sentidos narrativos. De todo modo, as obras são contribuições necessárias e ávidas de intervenção, o que é um bom sinal nos dias que correm.

*Roberto Noritomi é doutor em sociologia da cultura pela USP.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Paulo Fernandes Silveira Luís Fernando Vitagliano Ricardo Musse Manchetômetro Samuel Kilsztajn Marcus Ianoni Lincoln Secco José Machado Moita Neto Paulo Martins Carla Teixeira Bruno Machado Chico Whitaker Henri Acselrad João Paulo Ayub Fonseca Daniel Afonso da Silva Luciano Nascimento Antonino Infranca Heraldo Campos Eleonora Albano João Feres Júnior Leonardo Sacramento Jean Marc Von Der Weid Luiz Marques Dênis de Moraes Gerson Almeida José Raimundo Trindade Vladimir Safatle Fernando Nogueira da Costa Boaventura de Sousa Santos José Costa Júnior Kátia Gerab Baggio Elias Jabbour Priscila Figueiredo Claudio Katz Ricardo Abramovay Manuel Domingos Neto Paulo Capel Narvai Lucas Fiaschetti Estevez Gilberto Maringoni Bruno Fabricio Alcebino da Silva Leda Maria Paulani Sergio Amadeu da Silveira Lorenzo Vitral Marilia Pacheco Fiorillo Gilberto Lopes Leonardo Boff Caio Bugiato Bernardo Ricupero Renato Dagnino Fernão Pessoa Ramos Celso Favaretto Armando Boito Valerio Arcary Alexandre de Lima Castro Tranjan Érico Andrade Vinício Carrilho Martinez Flávio R. Kothe Daniel Costa Marcelo Módolo Maria Rita Kehl José Luís Fiori Ladislau Dowbor Liszt Vieira Plínio de Arruda Sampaio Jr. José Dirceu Igor Felippe Santos Marcelo Guimarães Lima Ronald León Núñez Otaviano Helene Celso Frederico Valério Arcary Ricardo Antunes Slavoj Žižek Luiz Roberto Alves Jorge Luiz Souto Maior Ari Marcelo Solon Berenice Bento Ronald Rocha Rubens Pinto Lyra Alexandre Aragão de Albuquerque Airton Paschoa Dennis Oliveira Annateresa Fabris Luiz Costa Lima Everaldo de Oliveira Andrade Anselm Jappe Salem Nasser Paulo Sérgio Pinheiro Eleutério F. S. Prado Marilena Chauí André Singer Francisco Fernandes Ladeira João Sette Whitaker Ferreira Roberto Noritomi Marcos Silva José Micaelson Lacerda Morais Andrew Korybko Rodrigo de Faria Denilson Cordeiro Yuri Martins-Fontes Eduardo Borges Vanderlei Tenório Francisco de Oliveira Barros Júnior Atilio A. Boron José Geraldo Couto Flávio Aguiar Rafael R. Ioris Antônio Sales Rios Neto Bento Prado Jr. Leonardo Avritzer João Carlos Salles Henry Burnett Paulo Nogueira Batista Jr Thomas Piketty Gabriel Cohn Daniel Brazil João Adolfo Hansen Marcos Aurélio da Silva Marjorie C. Marona Eliziário Andrade Benicio Viero Schmidt Milton Pinheiro Ricardo Fabbrini Mário Maestri Sandra Bitencourt Afrânio Catani Luiz Renato Martins Luiz Carlos Bresser-Pereira João Carlos Loebens Eugênio Bucci Luiz Eduardo Soares Juarez Guimarães Tadeu Valadares Luiz Bernardo Pericás Mariarosaria Fabris Walnice Nogueira Galvão Tales Ab'Sáber Roberto Bueno Antonio Martins Luis Felipe Miguel Alexandre de Freitas Barbosa Luiz Werneck Vianna Michael Roberts Remy José Fontana André Márcio Neves Soares Carlos Tautz Ronaldo Tadeu de Souza Julian Rodrigues João Lanari Bo Michael Löwy Jean Pierre Chauvin Eugênio Trivinho Tarso Genro Francisco Pereira de Farias Chico Alencar Anderson Alves Esteves Alysson Leandro Mascaro Osvaldo Coggiola Fábio Konder Comparato Jorge Branco

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada