As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A emancipação da mulher na Rússia comunista

Anita Malfatti, A Estudante Russa, 1915. Reprodução fotografica Leonardo Crescenti.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por MARCOS AURÉLIO DA SILVA*

O pioneirismo da URSS nas questões de gênero deve ser lido dentro do contexto e das tensões sociais em que esteve inserido

A esquerda que, achando-se muito ortodoxa, se põe a fazer zombarias da militância em defesa das causas em torno das questões de gênero deveria aproveitar o recesso da pandemia para ler alguma coisa a mais e se repensar. O pioneirismo mundial nesta área coube à URSS e a ninguém menos que Lenin, que já nos primeiros anos da revolução fez aprovar um “decreto de descriminalização da homossexualidade na Rússia soviética” (Netto, 2017).

Este pioneirismo mostra o quanto são falazes as teses — geralmente de extração pós-moderna — de que o terreno dos direitos civis simplesmente não era considerado na Rússia pós-revolucionária, limitando-se ela apenas aos problemas econômicos e sociais diretamente ligados ao mundo da produção. Tratava-se já, em uma sociedade que até então não conhecia o conceito de indivíduo, de um processo simultâneo de emancipação social e reconhecimento dos direitos civis.

Que o grande revolucionário russo aceitasse uma visão vanguardista da relação entre o Estado e os indivíduos nas questões sexuais não deve haver dúvida. Mas antes de “louvar” ou “demonizar” o indivíduo Lenin cabe observar o contexto e as tensões sociais em que ele se insere. Ou, ainda melhor, as condições objetivas em que a subjetividade se move.

Logo após a Revolução alguns dirigentes do partido russo entendiam aquele como o momento de uma profunda renovação dos costumes e da moral sexual em geral, o que culminou na teoria do “copo d’água”, — isto é, o sexo fácil e sem complicações, como beber um copo d´agua — e na política do amor livre (Carpinelli, 2017).

Assim, por exemplo, às portas da introdução do segundo código revolucionário russo da família (1926), jornais, revistas de vanguarda e mesmo o cinema assumiram posições bastante ousadas no que diz respeito à moral sexual.

É dessa época o filme “Três em um porão”, do diretor Abram Room, considerado um dos filmes mais anticonformistas da época no que diz respeito à “emancipação feminina e a liberação sexual”, tendo ele enfrentado a questão do “amor a três e, mais em geral, da liberação dos costumes” (Carpinelli, 2017).

Um exemplo desta moral — sexual e amorosa — anticonformista pode ser visto na vida a três que levaram Lília Brik, Óssip Brik e o poeta Maiakóvski (Schnaiderman, 2017). Para se ter uma ideia do pioneirismo soviético, pode-se ler o relato — datado de 1972 — que a este respeito fez Lília Brik: “Agora, no Ocidente, fala-se muito em ‘casamento aberto’, ‘sexo livre’ etc., mas duvido que as pessoas tenham atingido, nesse terreno, a mesma atitude desprendida” (Schnaiderman, 2017).

Certamente não deve ser este um critério para definir o socialismo, como se as antigas relações familiares — tanto quanto o dinheiro, o comércio, o direito e o Estado — devessem ser completamente suprimidas, segundo os preceitos de uma visão palingenética do novo mundo (Losurdo, 2004). E daí se compreender a intervenção de Lenin diante dos entusiasmos com a teoria do amor livre, advertindo que a “nossa juventude ‘ficou agitada (si è scatenata) com a teoria do copo d’agua’” (Carpinelli, 2017).

Ainda assim, são sempre as condições históricas, objetivas, que explicam o maior ou menor fechamento nesta área da vida social. Em 1934 Stalin aboliu a legislação introduzida por Lenin a respeito da homossexualidade, passando esta a ser considerada “problema médico e contravenção” (Netto, 2017). Mas assim como o contexto revolucionário explica a grande ousadia dos primeiros anos, também é ao contexto que se deve recorrer para melhor entender a decisão do Secretário-Geral.

Os anos 30 foram aqueles em que se registrou uma queda constante nas taxas de natalidade, bem como um número impressionante das interrupções de gravidez, dada a legislação que permitia o aborto. E foi este novo contexto demográfico que terminou por impor uma “revisão da legislação familiar”, enfatizando-se “um reforço da ordem, da estabilidade social e do instituto familiar”, incluindo a abolição do aborto — não obstante tudo corresse em paralelo à legitimação e a tutela da maternidade em celibato, determinada pelas mesmas circunstâncias (Carpinelli, 2017).

O problema se intensifica em 1944, dadas as grandes baixas provocadas pela II Guerra. Mas não se pense que a solução teve sempre um resultado regressivo. Tendo perdido 15 milhões de jovens de idade entre 18 e 25 anos nas frentes de batalha, a URSS teve que levar um número maciço de mulheres ao mercado de trabalho (entre 1914 e 1917 as mulheres eram 1/3 da força de trabalho, chegando a 38% na década de 1930 e 56% no ano de 1945), o que levou a um amplo movimento de emancipação feminina (Carpinelli, 2017).

Um exemplo dessa emancipação pode ser medido pela legislação de 1938, que assegurava às mulheres “direitos iguais aqueles dos homens” em campos como o “da vida econômica, estatal, cultural, política e social” — isto em uma sociedade que, à época do tzarismo, tratava as mulheres como um “ser demoníaco, a quem eram reservados na igreja os lugares inferiores, a quem não era concedido aproximar-se do altar e cujo anel matrimonial era de ferro (e não de ouro como para o homem)” (Carpinelli, 2017).

Mas não se pense que as mudanças tiveram que esperar a pressão demográfica, o que seria perder de vista o espírito mesmo da revolução, tal como ele se fez valer nos primeiros anos. Já em 1918 se reconhece o que foram as “affirmative action” de estilo soviético em favor das mulheres, com “numerosas intervenções” que “aboliram a discriminação sexual nos postos de trabalho e na sociedade, protegeram o trabalho das mulheres grávidas e introduziram nas fábricas as licenças obrigatórias de maternidade” (Carpinelli, 2017).

De qualquer modo, as mudanças na legislação familiar dos anos 30 e 40 cobraram o seu preço. Apenas com a legislação da família de 1968 foram superadas as distorções introduzidas em 1936 e 1944, “largamente inspiradas no familhismo e na concepção da mulher como o ‘anjo do fogão’” (Carpinelli, 2017).

*Marcos Aurélio da Silva é professor do Departamento de Geociências da UFSC.

Referências


Carpinelli, C. ‘Donne e famiglia nella Russia bolscevica’. In: Gramsci Oggi, nov. 2017.

Losurdo, D. Fuga da História? A Revolução Russa e a Revolução Chinesa vistas de hoje. Rio de Janeiro: Revan, 2004.

Netto, J. P. ‘Sua grandeza e sua miséria’. Entrevista a Caros Amigos, n. 89, 2017.

Schnaiderman, B. Conversa com Lília Brik. In: Maiakóvski: poemas. Trad. Schnaiderman, Boris; Campos, Haroldo; Campos, Augusto. São Paulo: Perspectiva, 2017.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Luiz Eduardo Soares Milton Pinheiro Paulo Nogueira Batista Jr Eugênio Trivinho Everaldo de Oliveira Andrade Chico Alencar Leonardo Avritzer Luciano Nascimento Celso Favaretto Antônio Sales Rios Neto João Carlos Salles Kátia Gerab Baggio Afrânio Catani Slavoj Žižek Gilberto Lopes Antonio Martins Lucas Fiaschetti Estevez Gabriel Cohn José Raimundo Trindade Eduardo Borges Manchetômetro Ricardo Antunes Eliziário Andrade Fernão Pessoa Ramos Lincoln Secco Ricardo Musse Paulo Martins Ronald Rocha Henry Burnett Sandra Bitencourt Tales Ab'Sáber Eugênio Bucci Marcelo Módolo Tadeu Valadares Benicio Viero Schmidt Bento Prado Jr. Plínio de Arruda Sampaio Jr. Annateresa Fabris Eleonora Albano Alexandre de Lima Castro Tranjan Mariarosaria Fabris Henri Acselrad Luiz Renato Martins Manuel Domingos Neto João Adolfo Hansen Marilena Chauí Anderson Alves Esteves Thomas Piketty João Carlos Loebens Gerson Almeida Alexandre Aragão de Albuquerque Airton Paschoa Leonardo Sacramento Heraldo Campos Luiz Costa Lima Fábio Konder Comparato José Costa Júnior Alexandre de Freitas Barbosa Dênis de Moraes Carla Teixeira Celso Frederico Marcos Aurélio da Silva José Dirceu Otaviano Helene Ari Marcelo Solon Dennis Oliveira André Márcio Neves Soares Vladimir Safatle Valerio Arcary Juarez Guimarães Liszt Vieira José Luís Fiori Michael Roberts Marcos Silva Julian Rodrigues Jean Marc Von Der Weid Sergio Amadeu da Silveira Luís Fernando Vitagliano Salem Nasser Jorge Luiz Souto Maior Remy José Fontana Ronaldo Tadeu de Souza Igor Felippe Santos Vinício Carrilho Martinez Valério Arcary Daniel Brazil Anselm Jappe Gilberto Maringoni Roberto Bueno Antonino Infranca Denilson Cordeiro Lorenzo Vitral Francisco de Oliveira Barros Júnior Luiz Werneck Vianna Marcus Ianoni José Geraldo Couto Maria Rita Kehl Samuel Kilsztajn Tarso Genro Jean Pierre Chauvin Ladislau Dowbor Vanderlei Tenório Jorge Branco Paulo Sérgio Pinheiro Atilio A. Boron Ricardo Fabbrini Rodrigo de Faria Luis Felipe Miguel Paulo Capel Narvai Flávio R. Kothe Berenice Bento Ricardo Abramovay Eleutério F. S. Prado João Sette Whitaker Ferreira Francisco Fernandes Ladeira Roberto Noritomi Mário Maestri Paulo Fernandes Silveira Bruno Fabricio Alcebino da Silva João Feres Júnior Claudio Katz Rafael R. Ioris Flávio Aguiar Armando Boito Daniel Costa Rubens Pinto Lyra Marilia Pacheco Fiorillo José Micaelson Lacerda Morais Andrew Korybko Yuri Martins-Fontes Francisco Pereira de Farias João Lanari Bo Luiz Marques Luiz Carlos Bresser-Pereira Alysson Leandro Mascaro Marcelo Guimarães Lima Osvaldo Coggiola Renato Dagnino João Paulo Ayub Fonseca Luiz Roberto Alves André Singer Boaventura de Sousa Santos Michael Löwy Fernando Nogueira da Costa Leda Maria Paulani José Machado Moita Neto Caio Bugiato Leonardo Boff Elias Jabbour Chico Whitaker Walnice Nogueira Galvão Luiz Bernardo Pericás Ronald León Núñez Érico Andrade Daniel Afonso da Silva Marjorie C. Marona Priscila Figueiredo Bernardo Ricupero Bruno Machado Carlos Tautz

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada