As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A eleição para a presidência da Câmara

Imagem: Paulinho Fluxuz_
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LUIS FELIPE MIGUEL*

É nas ruas, não nos conchavos de gabinete, que devemos depositar nossos esforços. É à luz dos reflexos nela que a eleição para a presidência da Câmara deve ser pensada

Entendo que seja difícil apoiar o candidato de Rodrigo Maia para a presidência da Câmara dos Deputados. E não ajuda nada dourar a pílula dizendo que ele é um “democrata” ou algo assim. Não é. Ele é um golpista a serviço da pauta regressiva do grande capital. Baleia Rossi, seu possível candidato, tem uma longa folha corrida de desserviços ao país.

Isso tem que ser reconhecido, com total clareza. Ainda assim, acho que a participação no bloco é necessária. A “esquerda” – PSOL, PT, PCdoB, PDT e PSB – teria 132 votos (em 513) na eleição para a presidência da Câmara. Insuficiente para vencer, mas suficiente para levar a eleição para o segundo turno.

Seria melhor então ter lançado uma candidatura própria e negociado apoio só no segundo turno? Eu também pensava assim, mas há fatores a serem considerados – além de que esse trem já passou.

A votação é individual e secreta. A presença de um candidato próprio da “esquerda”, sem chances de vitória, estimularia defecções de deputados de PSB, PDT, PCdoB e até PT, que já estavam barganhando com o grupo de Maia e mesmo com Arthur Lira, o candidato de Bolsonaro. Melhor, portanto, garantir unidade e negociar com mais força.

Além disso, marcar posição na eleição para a presidência da Câmara só fala para os iniciados. Não tem grande repercussão política para além do círculo dos já altamente politizados. Uma negociação feita às claras, que não apague ou minimize as muitas e profundas diferenças que separam a esquerda de Maia, é mais politizadora do que simplesmente marcar posição.

Não se espere também obter de Baleia Rossi o compromisso de pautar o impeachment ou de abrir mão da agenda neoliberal. É ilusório. Mas é possível garantir que os principais ataques às liberdades liberais não serão pautados – como a licença para a polícia matar (“excludente de ilicitude”) ou a mordaça nas instituições de ensino (“escola sem partido”).

A linha divisória na coalizão golpista, entre os que se alinham a Bolsonaro e os que querem marcar distância dele, não está no respeito à democracia, que nenhum dos lados tem. Está no quanto os direitos e liberdades liberais são ou não são preservados.

Há um setor da esquerda para o qual detonar o liberalismo é a prova máxima de radicalidade, então essa diferença se torna irrelevante. No entanto, esses direitos e liberdades (expressão, manifestação, organização, devido processo legal etc.) fazem toda a diferença nas condições em que se trava a luta popular.

Porque é nela – nas ruas, não nos conchavos de gabinete – que devemos depositar nossos esforços. É à luz dos reflexos nela que a eleição para a presidência da Câmara deve ser pensada.

Não é como apoiar um candidato presidencial “de frente ampla” e silenciar o discurso da esquerda. É o contrário. É buscar impedir que se deteriorem ainda mais as condições para que o debate público acolha o discurso da esquerda.

Com habilidade, também é possível arrancar o compromisso de que a pauta de Guedes não será imposta goela abaixo do Congresso. A presença de parlamentares de esquerda na mesa diretora e à frente de comissões é importante com vistas a esse objetivo. A presença no bloco é para garantir isso também.

Por fim, uma derrota de Bolsonaro, que está priorizando fortemente a eleição na Câmara, está longe de ser desimportante. Ela reduz o poder de cooptação da presidência sobre os deputados. E agudiza a disputa interna na direita, entre o bolsonarismo, João Dória e o eixo DEM-MDB que Maia capitaneia.

É bonito? Não é, não. Mas a política não é recomendada para quem tem estômago fraco. Nunca foi.

*Luis Felipe Miguel é professor do Instituto de Ciência Política da UnB. Autor, entre outros livros, de Dominação e resistência: desafios para uma política emancipatória (Boitempo).

 

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Michael Roberts Marilena Chauí Caio Bugiato Daniel Afonso da Silva Daniel Costa Celso Favaretto Lincoln Secco Rafael R. Ioris Bruno Machado Benicio Viero Schmidt Igor Felippe Santos Daniel Brazil Antonino Infranca Celso Frederico Renato Dagnino Roberto Noritomi Tales Ab'Sáber Alexandre de Lima Castro Tranjan Jean Pierre Chauvin Milton Pinheiro Antônio Sales Rios Neto Ricardo Musse Tarso Genro Eleutério F. S. Prado Gilberto Maringoni Leda Maria Paulani Gilberto Lopes Yuri Martins-Fontes Airton Paschoa Ricardo Fabbrini Fernão Pessoa Ramos Eduardo Borges Alexandre de Freitas Barbosa Gabriel Cohn Ricardo Abramovay Rodrigo de Faria Antonio Martins Everaldo de Oliveira Andrade Carlos Tautz Alysson Leandro Mascaro José Micaelson Lacerda Morais Luis Felipe Miguel Plínio de Arruda Sampaio Jr. Walnice Nogueira Galvão Dennis Oliveira José Raimundo Trindade Elias Jabbour Marcos Aurélio da Silva Henri Acselrad Paulo Capel Narvai Manchetômetro Vinício Carrilho Martinez Denilson Cordeiro Julian Rodrigues Afrânio Catani Rubens Pinto Lyra Heraldo Campos Maria Rita Kehl João Carlos Loebens Remy José Fontana Armando Boito Carla Teixeira Paulo Martins Jean Marc Von Der Weid Fernando Nogueira da Costa Chico Alencar Paulo Nogueira Batista Jr Ricardo Antunes Dênis de Moraes Alexandre Aragão de Albuquerque Berenice Bento João Lanari Bo Leonardo Boff Eliziário Andrade José Luís Fiori João Sette Whitaker Ferreira Valério Arcary Slavoj Žižek Marcus Ianoni Marjorie C. Marona Osvaldo Coggiola Chico Whitaker Paulo Fernandes Silveira Flávio R. Kothe José Machado Moita Neto Gerson Almeida Luciano Nascimento Mário Maestri Michael Löwy João Paulo Ayub Fonseca Atilio A. Boron Henry Burnett Vladimir Safatle Priscila Figueiredo Ronaldo Tadeu de Souza Samuel Kilsztajn Bernardo Ricupero Marcos Silva Claudio Katz Francisco Pereira de Farias Anselm Jappe Francisco de Oliveira Barros Júnior Mariarosaria Fabris Eugênio Bucci Valerio Arcary Anderson Alves Esteves Paulo Sérgio Pinheiro Fábio Konder Comparato Ladislau Dowbor Manuel Domingos Neto João Carlos Salles Bruno Fabricio Alcebino da Silva Sandra Bitencourt José Costa Júnior João Adolfo Hansen André Singer Luiz Roberto Alves Jorge Luiz Souto Maior Luiz Renato Martins Leonardo Avritzer Lucas Fiaschetti Estevez Luiz Bernardo Pericás Francisco Fernandes Ladeira Luiz Costa Lima Ronald León Núñez Ronald Rocha Flávio Aguiar Ari Marcelo Solon Marcelo Módolo Vanderlei Tenório Sergio Amadeu da Silveira Luís Fernando Vitagliano Leonardo Sacramento Érico Andrade Luiz Eduardo Soares Annateresa Fabris André Márcio Neves Soares Boaventura de Sousa Santos Salem Nasser José Dirceu Eleonora Albano Juarez Guimarães Liszt Vieira Lorenzo Vitral Roberto Bueno Andrew Korybko Luiz Carlos Bresser-Pereira Luiz Werneck Vianna Kátia Gerab Baggio José Geraldo Couto Marilia Pacheco Fiorillo Marcelo Guimarães Lima Tadeu Valadares Thomas Piketty Eugênio Trivinho Jorge Branco Otaviano Helene João Feres Júnior Luiz Marques Bento Prado Jr.

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada