As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Conjecturas sobre o caso Evergrande

Jan Martel (1896–1966), Maquette for Arbre Cubiste (Cubist Tree), 1925.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por PAULO NOGUEIRA BATISTA JR.*

Chance zero de que a China resolva permitir um colapso da empresa

Conjecturas? Poderia indagar, perplexo, o leitor. A perplexidade seria compreensível. Os economistas gostam de se apresentar como fiéis aos fatos e, mais ainda, aos hard facts. Ah, leitor, mas um dos segredos mais bem guardados da nossa profissão é que não dispomos quase nunca, para não dizer nunca, de hard facts.

Pode-se até mesmo duvidar se há algo que se possa apresentar como “fatos”, sem aspas. O fato é que “não há fatos, só interpretações”, como dizia Nietzsche. Em geral, mas particularmente no campo da economia. Todos os nossos fatos, especialmente os soft facts, estão contaminados por perspectivas, valores, conjecturas. Sem querer complicar desnecessariamente, o único fato é que não existem fatos – e mesmo esse fato pode ser questionado. E o economista, em particular, está sempre discorrendo sobre temas que ele não domina verdadeiramente.

Bem, isso a título de simples introdução. O meu tema hoje é a China e, dentro dela, o rumoroso caso Evergrande. Ora, para a China vale a fortiori o que foi dito nos primeiros parágrafos. Por pelo menos dois motivos. O primeiro é que os chineses não têm o menor respeito pela transparência. Cultuam, ao contrário, a opacidade mais radical. O segundo motivo é que tudo que se diz e se lê sobre a China no Ocidente está irremediavelmente afetado por medos profundos. Os ocidentais, em especial os americanos, temem, por um lado, a concorrência geopolítica da China. Em consequência, existe há muito tempo, desde os anos 1990 pelo menos, uma torcida feroz contra a China. Já perdi a conta de quantas vezes economistas e organizações ocidentais previram o colapso da economia chinesa. Até agora, todas as previsões negativas se mostraram erradas. E os chineses continuaram, impávidos, a sua ascensão econômica no mundo.

Mas há uma outra razão para a torcida contra a China. É que os americanos não querem ter de explicar a seu distinto público interno e externo como é possível que um sistema econômico tão diferente do capitalismo ocidental possa ser tão bem-sucedido no longo prazo, deixando na poeira as economias desenvolvidas dos dois lados do Atlântico Norte e, também, o Japão. Como explicar que uma economia profundamente estatizada e controlada pelo Estado – que se autodesigna como “socialista de mercado” – possa exibir um dinamismo persistente, desafiando invariavelmente o pessimismo dos seus críticos e as doutrinas econômicas tradicionais? Eis aí um tema para um ensaio de no mínimo 800 páginas, que dificilmente um ocidental teria condições de escrever.

Chego, enfim, ao tema deste artigo: os problemas financeiros da gigantesca incorporadora Evergrande. E feitas todas as ressalvas acima, peço vênia para apresentar as minhas modestas conjecturas.

Não me parece, primeiramente, que o caso Evergande possa ser considerado um “momento Lehman”, como tem sido dito repetidamente na mídia ocidental. Ou seja, não será um evento capaz de desencadear uma crise sistêmica na economia chinesa e na economia internacional. Para começo de conversa, cabe lembrar que o colapso do banco de investimentos Lehman, em 2008, foi um ponto fora da curva em termos das práticas ocidentais. As autoridades monetárias e fiscais dos EUA cometeram a imprudência de deixar uma instituição financeira importante quebrar, provocando uma corrida contra outras instituições dos dois lados do Atlântico Norte. Decidiram dar uma “lição de moral” a uma entidade financeira particularmente irresponsável, mas foram obrigados a bater em rápida retirada diante da crise financeira sistêmica que se configurou.

Não acredito que venha a ocorrer um colapso da Evergrande, no sentido de inadimplências seguidas de falência. O Estado chinês não assiste ao drama da companhia de braços cruzados. Trata-se da segunda maior incorporadora imobiliária de uma economia que depende especialmente da construção imobiliária e dos investimentos em infraestrutura. A construção responde por uma parte expressiva da formação bruta de capital fixo.

Chance zero de que o Estado resolva permitir um colapso para dar uma lição de moral. Haverá, então, um “risco moral”? Em outras palavras, para evitar um risco sistêmico a China estaria disposta a dar um mau exemplo, salvando empresários irresponsáveis? Esse raciocínio, leitor, me parece um exemplo de aplicação indevida do modo ocidental de pensar à realidade completamente diferente da China. A empresa e suas obras serão “salvas”, de alguma maneira, e parece provável que o Estado se encarregue de honrar a maioria das suas obrigações, pelo menos as internas que são a maior parte do passivo. Mas os empresários, acionistas e executivos serão responsabilizados, provavelmente com uma severidade incomum no Ocidente. Que sentido faz falar em “risco moral”?

Evidentemente, a intervenção não será fácil para a China. A Evergrande é uma empresa de grande porte e haverá expressivo custo fiscal na absorção de suas obrigações pelo Estado ou por empresas públicas. Parte dessas obrigações, as dívidas bancárias internas, já são indiretamente passivos com o Estado, uma vez que a quase totalidade do sistema financeiro chinês é estatal. Porém, a China pode bancar esses custos. O Estado chinês tem o que os americanos chamam de “deep pockets” e pode arcar com o prejuízo – tanto mais que ele é sobretudo interno, dado que as dívidas da companhia são preponderantemente em yuan.

Mais preocupante para a China é o efeito adverso que a crise da Evergrande terá sobre a taxa de crescimento da economia do país. Depois de uma rápida recuperação no primeiro semestre, as projeções de crescimento do PIB já vinham sendo rebaixadas em razão do novo surto de COVID-19 associado à variante delta. Deve haver agora diminuição adicional do crescimento. Isso se deve não só a dimensão da Evergrande e à já referida importância da construção imobiliária para a economia do país, mas também ao aumento das dúvidas e incertezas. A Evergrande é um caso isolado? Ou há mais empresas em dificuldades no setor?

Para o resto do mundo, o principal canal de contágio parece ser comercial, já que as dívidas externas da Evergrande são relativamente pequenas. A China é a maior parceira comercial para grande parte, senão a maior parte, dos países. Assim, o Brasil, por exemplo, sofre não apenas porque tem na China o principal mercado para suas exportações, mas também porque uma desaceleração chinesa prejudica outros países que são importantes clientes para o País. Como a China é a maior economia do planeta (por paridade de poder de compra), a retração do seu ritmo de crescimento afetará o crescimento do resto da economia mundial.

*Paulo Nogueira Batista Jr. é titular da cátedra Celso Furtado do Colégio de Altos Estudos da UFRJ. Foi vice-presidente do Novo Banco de Desenvolvimento, estabelecido pelos BRICS em Xangai. Autor, entre outros livros, de O Brasil não cabe no quintal de ninguém: bastidores da vida de um economista brasileiro no FMI e nos BRICS e outros textos sobre nacionalismo e nosso complexo de vira-lata (LeYa).

Versão ampliada de artigo publicado na revista Carta Capital em 01 de outubro de 2021.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Mário Maestri João Feres Júnior Eduardo Borges Annateresa Fabris Francisco Pereira de Farias Celso Frederico Ricardo Antunes Marilena Chauí Gabriel Cohn Luiz Bernardo Pericás Bento Prado Jr. João Paulo Ayub Fonseca Gilberto Maringoni André Márcio Neves Soares Jean Pierre Chauvin Salem Nasser Marcus Ianoni José Luís Fiori Michael Löwy Fernando Nogueira da Costa Luís Fernando Vitagliano Marjorie C. Marona José Geraldo Couto Ricardo Abramovay Luciano Nascimento Bruno Fabricio Alcebino da Silva João Adolfo Hansen Caio Bugiato Érico Andrade Antonino Infranca Marcos Aurélio da Silva Eugênio Bucci Luiz Marques Benicio Viero Schmidt Igor Felippe Santos Sandra Bitencourt Luiz Carlos Bresser-Pereira Alexandre de Lima Castro Tranjan Leonardo Avritzer Leonardo Sacramento Henri Acselrad Jorge Luiz Souto Maior Rubens Pinto Lyra João Carlos Salles Heraldo Campos Dênis de Moraes José Costa Júnior Vanderlei Tenório Tarso Genro Eugênio Trivinho Luis Felipe Miguel Antônio Sales Rios Neto Julian Rodrigues Yuri Martins-Fontes Mariarosaria Fabris Liszt Vieira Luiz Eduardo Soares Antonio Martins Anselm Jappe Vinício Carrilho Martinez Paulo Capel Narvai Paulo Sérgio Pinheiro João Sette Whitaker Ferreira Francisco Fernandes Ladeira Lucas Fiaschetti Estevez Kátia Gerab Baggio Airton Paschoa Thomas Piketty Atilio A. Boron José Micaelson Lacerda Morais Denilson Cordeiro Berenice Bento Juarez Guimarães Ricardo Fabbrini Marcelo Módolo Priscila Figueiredo Marilia Pacheco Fiorillo Alysson Leandro Mascaro Carlos Tautz Michael Roberts Vladimir Safatle Valério Arcary Luiz Renato Martins Remy José Fontana Ricardo Musse Chico Alencar Henry Burnett Samuel Kilsztajn Leonardo Boff Daniel Costa Slavoj Žižek Chico Whitaker Elias Jabbour Everaldo de Oliveira Andrade Marcelo Guimarães Lima Renato Dagnino Tadeu Valadares Carla Teixeira Luiz Costa Lima Francisco de Oliveira Barros Júnior José Raimundo Trindade Milton Pinheiro Armando Boito José Dirceu Otaviano Helene Ladislau Dowbor Anderson Alves Esteves Fernão Pessoa Ramos Eleonora Albano Luiz Roberto Alves Manchetômetro Gerson Almeida André Singer Rodrigo de Faria Boaventura de Sousa Santos Lincoln Secco Plínio de Arruda Sampaio Jr. Sergio Amadeu da Silveira Luiz Werneck Vianna Gilberto Lopes Andrew Korybko Claudio Katz Bruno Machado Maria Rita Kehl Bernardo Ricupero Manuel Domingos Neto Ari Marcelo Solon Flávio R. Kothe Eliziário Andrade Dennis Oliveira João Carlos Loebens Celso Favaretto Flávio Aguiar Tales Ab'Sáber Paulo Martins Roberto Noritomi Leda Maria Paulani Ronald León Núñez José Machado Moita Neto Jorge Branco Marcos Silva Alexandre de Freitas Barbosa Fábio Konder Comparato Paulo Nogueira Batista Jr Ronaldo Tadeu de Souza Alexandre Aragão de Albuquerque Roberto Bueno João Lanari Bo Paulo Fernandes Silveira Ronald Rocha Lorenzo Vitral Afrânio Catani Eleutério F. S. Prado Daniel Afonso da Silva Walnice Nogueira Galvão Jean Marc Von Der Weid Osvaldo Coggiola Rafael R. Ioris Daniel Brazil Valerio Arcary

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada