Neutralização do terror

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por MANUEL DOMINGOS NETO*

Diante da previsível derrota eleitoral de Jair Bolsonaro, suas hostes podem entrar em modo doidice cruel

As apreensões com a baderna anunciada para o dia 7 de setembro foram atenuadas. O repúdio à quebra da institucionalidade tem sido vigoroso. Além da manifestação da Faculdade de Direito da USP, houve o espetáculo da posse de Alexandre Morais na presidência do STE. Muitos assistiram o vexame do presidente da República no auditório. Foi um lance de recuperação da moralidade institucional.

A repercussão das reportagens de Guilherme Amado sobre empresários golpistas também desestimulou a baderna. Os milionários com devem estar com as barbas de molho. Com o bom desempenho eleitoral de Lula, sentem que em breve pode lhes faltar proteção. É fundamental que respondam por seus atos. A impunidade anima malfeitores.

Um dos fatores de desestímulo às manobras golpistas baseadas na contestação às urnas eletrônicas foi o posicionamento das autoridades de Washington. Quais as razões para os Estados Unidos, com seu histórico de patrocínio de golpes em muitos países, não endossar os sonhos do baderneiro alojado do Planalto?

Washington talvez queira reduzir a imprevisibilidade do quadro político latino-americano. Os Estados Unidos estão em guerra para evitar ou retardar a perda da hegemonia na ordem mundial. Não lhes interessa uma América Latina convulsionada, agravando as incertezas.

Além disso, os Estados Unidos vivem dramáticas tensões internas decorrentes da atuação da extrema direita. O FBI alertou na última sexta-feira, dia 12, sobre o perigo de atentados por parte de apoiadores de Donald Trump.

Depois de a polícia realizar busca na casa do ex-presidente, agentes federais e outros funcionários da segurança pública foram ameaçados. Na rede social de Donald Trump, ativistas são convocados para matar. Um homem foi preso na Pensilvânia depois de postar que abateria muitos agentes do FBI antes de morrer.

Nos Estados Unidos, não há coesão entre os republicanos. Muitos temem o ambiente de terror, mas os que apoiam Donald Trump são ativos e perigosos. Pedem a extinção do FBI e o desmonte do Departamento de Justiça. Já mostraram audácia no Capitólio. Lobos solitários podem deixar o país em pane. Práticas violentas são costumeiras na política estadunidense, mas as instituições deste país se empenharam mais em exportar o terrorismo do que em estimular seu uso interno.

Tendências políticas dos Estados Unidos sempre rebatem no Brasil, penetrando na sociedade e nas instituições. As técnicas da Lava-jato foram importadas, assim como o neoconservadorismo das fileiras. No Exército, o introdutor do neoconservadorismo radical no foi o general Avelar Coutinho, copiador de autores estadunidenses. Seu discurso foi endossado por oficiais destacados, como o ex-comandante Villas-Boas.

Diferentemente das instituições estadunidenses, que praticam o terrorismo além-fronteiras, as brasileiras têm longo histórico de uso interno do terror. Esta semana, inclusive, as labaredas do inferno receberam um dos mais sanguinários terroristas da história brasileira, Sebastião Curió, que fez carreira no Exército.

O hábito de práticas violentas contra opositores explica o apoio castrense à candidatura de um conhecido terrorista à presidência da República. Esse homem, desde novinho, defende o choque e o pavor. Diante de sua previsível derrota eleitoral, suas hostes podem entrar em modo doidice cruel.

Se registramos nos últimos dias um desanuviamento de tesões, não cabem descuidos. A defesa da democracia deve ser permanente. Não há outra forma de neutralizar a índole terrorista da extrema direita.

*Manuel Domingos Neto é professor aposentado da UFC/UFF, ex-presidente da Associação Brasileira de Estudos de Defesa (ABED) e ex-vice-presidente do CNPq.

 

⇒O site A Terra é redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.⇐
Clique aqui e veja como.

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Samuel Kilsztajn Jean Pierre Chauvin Eduardo Borges Leda Maria Paulani Mariarosaria Fabris Antônio Sales Rios Neto Gilberto Maringoni André Singer Flávio Aguiar Dênis de Moraes Daniel Afonso da Silva Elias Jabbour Benicio Viero Schmidt Eugênio Trivinho Osvaldo Coggiola Claudio Katz Walnice Nogueira Galvão Marilena Chauí Caio Bugiato João Feres Júnior Rodrigo de Faria Leonardo Avritzer Rubens Pinto Lyra Vinício Carrilho Martinez Luiz Marques Chico Whitaker Boaventura de Sousa Santos Michael Löwy Marcelo Guimarães Lima José Micaelson Lacerda Morais João Adolfo Hansen Vladimir Safatle João Paulo Ayub Fonseca Paulo Sérgio Pinheiro Bernardo Ricupero Daniel Costa Francisco de Oliveira Barros Júnior Manuel Domingos Neto Luiz Bernardo Pericás Antonio Martins Carla Teixeira Leonardo Sacramento Luiz Renato Martins Alexandre de Oliveira Torres Carrasco José Machado Moita Neto Fernão Pessoa Ramos Ari Marcelo Solon Ricardo Fabbrini Chico Alencar Priscila Figueiredo Marcus Ianoni João Lanari Bo João Carlos Loebens Daniel Brazil Marcos Silva Henri Acselrad Michel Goulart da Silva Andrew Korybko Paulo Fernandes Silveira Atilio A. Boron Renato Dagnino Bruno Fabricio Alcebino da Silva Alexandre de Lima Castro Tranjan José Dirceu Paulo Martins Valerio Arcary Tales Ab'Sáber Matheus Silveira de Souza Marcos Aurélio da Silva Manchetômetro Gerson Almeida Thomas Piketty Alexandre de Freitas Barbosa Alexandre Aragão de Albuquerque Henry Burnett Luiz Roberto Alves Eliziário Andrade Ricardo Abramovay Gilberto Lopes Paulo Capel Narvai Sandra Bitencourt Ladislau Dowbor Francisco Pereira de Farias Leonardo Boff André Márcio Neves Soares Eugênio Bucci Dennis Oliveira Salem Nasser Lorenzo Vitral Marilia Pacheco Fiorillo Igor Felippe Santos Armando Boito Carlos Tautz Remy José Fontana Heraldo Campos Tadeu Valadares Mário Maestri Eleutério F. S. Prado Milton Pinheiro Afrânio Catani Celso Favaretto José Raimundo Trindade João Carlos Salles Alysson Leandro Mascaro Luís Fernando Vitagliano Anselm Jappe Bento Prado Jr. Jorge Branco Lucas Fiaschetti Estevez Flávio R. Kothe Lincoln Secco Valerio Arcary Paulo Nogueira Batista Jr Fernando Nogueira da Costa Plínio de Arruda Sampaio Jr. Ronald León Núñez Ronaldo Tadeu de Souza Luiz Eduardo Soares Denilson Cordeiro Andrés del Río Michael Roberts Airton Paschoa Yuri Martins-Fontes João Sette Whitaker Ferreira Luis Felipe Miguel José Geraldo Couto Tarso Genro Marcelo Módolo Ricardo Antunes Francisco Fernandes Ladeira Julian Rodrigues Sergio Amadeu da Silveira Bruno Machado Slavoj Žižek Juarez Guimarães José Costa Júnior Luiz Carlos Bresser-Pereira Otaviano Helene Ricardo Musse Liszt Vieira Maria Rita Kehl Érico Andrade Luiz Werneck Vianna Vanderlei Tenório Luciano Nascimento Eleonora Albano Everaldo de Oliveira Andrade Ronald Rocha Antonino Infranca Berenice Bento Gabriel Cohn Fábio Konder Comparato Jean Marc Von Der Weid Jorge Luiz Souto Maior Marjorie C. Marona José Luís Fiori Celso Frederico Kátia Gerab Baggio Annateresa Fabris Rafael R. Ioris

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada