A embromação de Paulo Guedes

Imagem: Elyeser Szturm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

As medidas cosméticas anunciadas pelo governo não irão impedir que a economia brasileira entre em colapso, num cenário em que se pode prever a queda de milhões de brasileiros na miséria. O resultado será o caos social

Por José Luis Oreiro*

Na noite do dia 16 de março, sua majestade o czar da economia brasileira anunciou seu plano de enfrentamento da crise do coronavírus. Sua apresentação de incríveis seis, isso mesmo, seis slides (onde o primeiro é a capa) já mostra o grau de despreparo do maior enrolador da história da República. No primeiro slide vemos “medidas estruturantes” onde se inclui “pacto federativo”, “PL da Eletrobrás” e “Plano Mansueto”, seja lá o que isso signifique.

Me chamou especialmente atenção um PL com o objetivo de vender a Eletrobrás no momento em que as bolsas de valores no Brasil e no mundo acumulam baixa de mais de 40% nos últimos dois meses. Só pode ser um plano para vender, na bacia das almas, o que restou do patrimônio do povo brasileiro, sabe-se lá para atender quais interesses. Qualquer gestor minimamente responsável diria que este não é o momento adequado para se desfazer de ativos, mas o czar da economia quer aproveitar esse momento para fazer a privatização de uma empresa estratégica para os interesses nacionais (Esperar o que de uma pessoa que diz que ama os Estados Unidos?).

Nos slides seguintes lê-se “até 147,3 bilhões em medidas emergenciais”. Quando se lê no detalhe o que está sendo proposto pelo Ministério da Economia vemos claramente que as medidas propostas se resumem apenas a antecipações de gasto que seriam realizados ao longo de todo o ano de 2020, mas que serão antecipados para o primeiro semestre de 2020. Segundo a assessoria do Senador José Serra o pacote de Guedes prevê um aumento do gasto orçamentário de apenas R$ 3 bilhões ao longo do ano de 2020. Para termos uma ideia de montantes é como tentar parar um trem bala com o disparo de uma bala de revolver.

Enquanto o Ministro Guedes fica brincando de enrolar a sociedade brasileira com medidas cosméticas, os países desenvolvidos montam programas colossais de aumento do gasto público, entre os quais destacam-se o programa francês de cancelamento das contas de aluguel, luz e água (as quais deverão ser pagas pelo Estado) ou ainda a proposta do Senador Mitt Rommey do Partido Republicano dos EUA de dar US$ 1.000 para cada americano adulto. O enorme contraste entre a embromação de Paulo Guedes e as medidas radicais que estão sendo postas em prática pelos países desenvolvidos mostra o grau de despreparo e amadorismo do Ministro da Economia.

A proposta de Rommey poderia e deveria ser adotada no Brasil. As medidas restritivas a locomoção de pessoas e realização de eventos irão afetar pesadamente os trabalhadores informais e por conta própria que serão, do dia para a noite, desprovidos de seus rendimentos e não terão acesso aos benefícios sociais proporcionados aos trabalhadores formais como o seguro desemprego, FGTS e etc. Uma alternativa possível – tal como sugeri as assessorias econômicas do PSDB, PT e PSOL – seria a implementação de um Programa Emergencial de Renda Universal, no qual cada brasileiro adulto, sem emprego formal e com idade entre 14 e 65 anos, teria direito a sacar um valor equivalente a um salário mínimo por mês, durante três meses, em qualquer agência da Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil ou lotéricas, apresentando apenas a sua identidade e CPF.

Um programa com essa abrangência poderia custar o equivalente a R$ 300 bilhões em um ano. Considerando um valor de 1.5 para o multiplicador dos gastos do governo, o acréscimo de PIB gerado por esse programa seria de R$ 450 bilhões. Como o setor público como um todo arrecada cerca de 33% da renda na forma de impostos e contribuições, a arrecadação adicional (relativamente ao cenário em que nada é feito) seria de R$ 150 bilhões, de forma que o déficit primário aumentaria, coeteris paribus, em R$ 150 bilhões ou 2% do PIB. Considerando a severidade da crise que o Brasil irá enfrentar – a exemplo do que outros países já estão enfrentando – trata-se de um programa barato e com cobertura bastante ampla.

A alternativa a esse programa é seguir com a embromação de Paulo Guedes e esperar a economia brasileira entrar em colapso, sem ter uma rede de proteção social capaz de impedir que milhões de brasileiros, nossos irmãos, caiam na miséria absoluta. O resultado será caos social, saques a supermercados e milhares de mortos. A escolha é bem clara. Cabe ao povo brasileiro realizá-la.

*José Luis Oreiro é professor de economia na UnB

Artigo publicado originalmente no blog José Luis Oreiro Economia, Opinião e Atualidades.

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Jorge Luiz Souto Maior Luis Felipe Miguel Bruno Machado Ricardo Musse Afrânio Catani Leonardo Boff Alysson Leandro Mascaro Chico Alencar José Dirceu Remy José Fontana Michael Löwy Bruno Fabricio Alcebino da Silva Benicio Viero Schmidt João Carlos Salles Luiz Werneck Vianna Antonino Infranca João Feres Júnior Marcos Silva Luiz Carlos Bresser-Pereira Walnice Nogueira Galvão Liszt Vieira Tadeu Valadares Rodrigo de Faria Bento Prado Jr. Airton Paschoa Ronald Rocha Francisco Fernandes Ladeira Daniel Afonso da Silva Ricardo Abramovay Luiz Bernardo Pericás Juarez Guimarães Paulo Fernandes Silveira Plínio de Arruda Sampaio Jr. Matheus Silveira de Souza André Márcio Neves Soares Carlos Tautz Caio Bugiato Valerio Arcary Gerson Almeida Alexandre de Freitas Barbosa Fernando Nogueira da Costa Atilio A. Boron Daniel Brazil Salem Nasser Valerio Arcary Alexandre Aragão de Albuquerque Fernão Pessoa Ramos Boaventura de Sousa Santos Celso Frederico Claudio Katz Manuel Domingos Neto Marcelo Guimarães Lima Henri Acselrad Yuri Martins-Fontes Tales Ab'Sáber Ricardo Antunes Marjorie C. Marona Leonardo Sacramento Maria Rita Kehl Luiz Renato Martins Sandra Bitencourt Samuel Kilsztajn Lincoln Secco Gilberto Maringoni Antônio Sales Rios Neto Flávio R. Kothe Jorge Branco Leda Maria Paulani Eugênio Trivinho Paulo Sérgio Pinheiro Gilberto Lopes Priscila Figueiredo Michel Goulart da Silva Andrés del Río Paulo Nogueira Batista Jr Eugênio Bucci Paulo Capel Narvai Ricardo Fabbrini Osvaldo Coggiola Érico Andrade Henry Burnett Kátia Gerab Baggio Lorenzo Vitral José Machado Moita Neto Mário Maestri Elias Jabbour Armando Boito Julian Rodrigues Eleonora Albano Fábio Konder Comparato Luiz Eduardo Soares Leonardo Avritzer Denilson Cordeiro João Adolfo Hansen Rubens Pinto Lyra Berenice Bento Andrew Korybko Rafael R. Ioris Manchetômetro Ronald León Núñez Anselm Jappe Anderson Alves Esteves Renato Dagnino Francisco de Oliveira Barros Júnior Everaldo de Oliveira Andrade Mariarosaria Fabris Luís Fernando Vitagliano Dennis Oliveira Lucas Fiaschetti Estevez Vanderlei Tenório Ronaldo Tadeu de Souza Celso Favaretto Paulo Martins João Paulo Ayub Fonseca André Singer Igor Felippe Santos Vladimir Safatle Marcos Aurélio da Silva Luiz Marques Luiz Roberto Alves Dênis de Moraes Marcus Ianoni Ari Marcelo Solon Gabriel Cohn Vinício Carrilho Martinez João Lanari Bo Carla Teixeira Flávio Aguiar Alexandre de Lima Castro Tranjan Sergio Amadeu da Silveira João Carlos Loebens Jean Marc Von Der Weid Annateresa Fabris Tarso Genro Eleutério F. S. Prado Antonio Martins José Micaelson Lacerda Morais José Luís Fiori Daniel Costa Heraldo Campos José Raimundo Trindade Luciano Nascimento José Geraldo Couto Slavoj Žižek Marilena Chauí Bernardo Ricupero Jean Pierre Chauvin Ladislau Dowbor Marcelo Módolo Thomas Piketty Chico Whitaker Otaviano Helene João Sette Whitaker Ferreira Milton Pinheiro Marilia Pacheco Fiorillo Eliziário Andrade Francisco Pereira de Farias Michael Roberts Eduardo Borges José Costa Júnior

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada