No meio do caminho tinha um vírus!

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Agora todos os sinais devem ser fechados. É grave. Sim. É o fim do mundo? Claro que não. A humanidade, se colocar a ciência a serviço da vida e não do lucro, superará mais essa

Por Chico Alencar*

As cidades não podem parar. A economia não pode parar. Nós não podemos parar. Só que não.

Não está começando uma virtuosa e necessária parada global pelo clima, contra a fome, por uma sociedade menos consumista e mais justa e democrática. Infelizmente não. Quem está paralisando as engrenagens do sistema, como revolucionário algum conseguiria, é um vírus microscópico, em nova e ainda desconhecida “edição”.

“Me perdoe a pressa, é a alma dos nossos negócios”, cantou Paulinho da Viola. Agora todos os sinais devem ser fechados. É grave. Sim. É o fim do mundo? Claro que não. A humanidade, se colocar a ciência a serviço da vida e não do lucro, superará mais essa.

A China, onde foram percebidos os primeiros casos da doença, já está, pelo esforço coletivo e rigoroso, reduzindo os episódios. Curva descendente da epidemia, lá. Em ascensão na Europa, o novo epicentro, e nas Américas, e no Brasil. Não é exagero nem fantasia, senhores do poder!

Ouvir a ciência – que já está avançando na descoberta da gênese e do combate à pandemia – é fundamental. Tomar cuidados práticos, literalmente ao alcance das mãos, também. Sem pânico, sem desatenção.

Não aglomerar, nesse momento, é ser socialmente responsável. Só os fanáticos “negacionistas”, infectados pela raiva, não entendem. Ou replicam os pequenos ajuntamentos autoritários da politicalha insalubre.

Da aflição à reinvenção!

Esse corona nos provoca! Quem sabe vai até nos ajudar a sermos mais atentos, solidários, generosos? Aprender a recolocar nossos valores em ordem: primeiro, o cuidado. Com a vida, com os semelhantes, com a natureza.

Aprender, a empresa privada, que é preciso reduzir a ganância e os horários de trabalho, alterar turnos, reduzir o rush da condução lotada, garantindo empregos e salários. Aprender a trabalhar de casa, os que têm trabalho, quase um privilégio nessa nova (?) (des)ordem mundial.

Aprender a ter disciplina individual, sem a pressão social do escritório, da loja, da fábrica, da escola, que fomos orientados a entender como únicos “lugares” produtivos.

Aprender a não ir ao shopping – esses templos modernos do “Deus Mercado”. Aprender a não se impressionar com as especulações da Bolsa – a ciranda nefasta e oportunista do capital financeiro, que afeta até pequenos poupadores.

Aprender a – sem cinema, teatro, futebol, show – ler um bom livro e retomar conversas há tanto tempo interrompidas. Aprender a meditar, rezar, deixar-se invadir pela arte, por que não? Na Itália, os cantos cantados das janelas do isolamento formam um lindo coral de esperança.

Reaprender a viver: a encontrar o universo em um grão de areia, a viajar pelo mundo sem sair de casa. Curtir o bom contágio dos próximos mais próximos, sabendo que eles representam nossa plural Humanidade, da qual estamos momentaneamente apartados.

Em breve voltaremos a nos reunir, acrescentados: sem tantas mortes a chorar, com muitos “vírus” a espalhar: o da fraternidade, o da generosidade, o do respeito à igualdade entre todos os seres humanos e à sua rica e saudável diversidade.

*Chico Alencar é professor, escritor e ex-deputado federal pelo PT e pelo PSOL

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Franz Kafka, espírito libertárioFranz Kafka, espírito libertário 13/06/2024 Por MICHAEL LÖWY: Notas por ocasião do centenário da morte do escritor tcheco
  • A sociedade da história mortasala de aula parecida com a da história usp 16/06/2024 Por ANTONIO SIMPLICIO DE ALMEIDA NETO: A disciplina de história foi inserida numa área genérica chamada de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas e, por fim, desapareceu no ralo curricular
  • Sobre a ignorância artificialEugenio Bucci 15/06/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: Hoje, a ignorância não é uma casa inabitada, desprovida de ideias, mas uma edificação repleta de baboseiras desarticuladas, uma gosma de densidade pesada que ocupa todos os espaços
  • Um olhar sobre a greve das federais de 2024lula haddad 20/06/2024 Por IAEL DE SOUZA: Com alguns meses de governo, comprovou-se o estelionato eleitoral de Lula, acompanhado do seu “fiel escudeiro”, o Ministro da Fazenda, Fernando Haddad
  • Carta ao presidenteLula 59mk,g 18/06/2024 Por FRANCISCO ALVES, JOÃO DOS REIS SILVA JÚNIOR & VALDEMAR SGUISSARDI: “Concordamos plenamente com V. Exa. quando afirma e reafirma que ‘Educação é investimento, não é gasto’”
  • Retomar o caminho da esperançafim de tarde 21/06/2024 Por JUAREZ GUIMARÃES & MARILANE TEIXEIRA: Cinco iniciativas que podem permitir às esquerdas e centro-esquerdas brasileiras retomarem o diálogo com a esperança majoritária dos brasileiros
  • Chico Buarque, 80 anoschico 19/06/2024 Por ROGÉRIO RUFINO DE OLIVEIRA: A luta de classes, universal, particulariza-se no requinte da intenção construtiva, na tônica de proparoxítonas proletárias
  • Por que estamos em greve?estátua 50g 20/06/2024 Por SERGIO STOCO: Chegamos a uma situação de penúria das instituições de ensino federal
  • Manual teológico do neopentecostalismo neoliberaljesus salva 22/06/2024 Por LEONARDO SACRAMENTO: A teologia transformou-se em coaching ou fomentador da disputa entre trabalhadores no mundo do trabalho
  • Oportunismo, doença infantil do esquerdismocadeira 5 18/06/2024 Por HERLON MIGUEL: Considerações sobre a greve na Universidade Federal da Bahia

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES