As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Resumo de Robert Walser

Paul Cézanne
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por PRISCILA FIGUEIREDO*

Resumo paradidático de um conto de Robert Walser

(Parte I)

Não percam tempo
lendo estas linhas degradantes,
vão direto ao conto[i]
quanto a mim, a impressão
que me fez azucrina
como as indecisões na vida.
Um golpe duro
ele desferiu nesta leitora,
atordoada tanto quanto ele ficou
com a morte da senhora Wilke.

Esta lhe alugou um quarto —
um dos muitos que ele e seus
personagens viviam a alugar.
Não era uma água-furtada, era a ruína
de uma nobreza antiga,
o quarto e o edifício todo.
O chão e a escada exalavam odor
e som refinado, mas fora de época.
Então ele sentiu que podia se instalar
bem nessa casa. Estava feliz: era um canto
adequado, e nele se revezavam escuridões
claras e escuridões mais sombrias.

A cortina era gasta, mas a qualidade
do tecido e do drapeado mostrava
a elegância insolente de outrora
(a fidalguia que não virou destroço
custa caro, é inviável —
nenhum caminho ela projetou
para pedestres como Walser,
e se oferecesse um, bem, ele veria
o fundo feio de seu fausto,
e correria logo pra estrada).

Para os que amam a beleza
de bolso vazio, o requinte ruinoso é
um contraste que faz sonhar —
nele sentimos certa força moral;
compaixão e respeito é bem o que inspira.

Então ele ficou com o quarto.
Foi quando a senhora Wilke lhe perguntou
o que fazia para viver. “Sou poeta!”, respondeu,
e ela saiu em silêncio — era o que eu
faria também.
Por que a exclamação? Por que o entusiasmo?
Que vexame essa resposta enfática.

Bem, era só o que ele fazia de fato:
escrevia, escrevia, escrevia —
que mais poderia dizer?
Que tinha sido também criado,
(aliás de um conde),
bancário e escriturário,
que por certo disse mil vezes,
mil vezes em dois meses,
(porque mais que isso
não parava empregado)
Prefiro não!, Prefiro não,
martelando qual um passarinho?

Rigorosamente ele era poeta –
mas como não teve vergonha,
não recorreu às meias-palavras?
Não disse: “Mexo com isso, mexo com aquilo”?
Nos anos 20 do século 20
apresentar-se assim já não passava ileso.
Só concluo que devia ser
pura insolência, quem sabe gozação
e um pouco de desprezo.

Tonio Kröger, dando entrada no hotel,
tascou um “escritor?” no campo profissão
ele não desconhecia que a dignidade
do escritor se extinguia.
A interrogação perguntava:
isso vale ainda? isso vocês reconhecem
como um ganha-pão decente?
Posso dizê-lo em bom som?
Pois eu, famoso escritor, já não sei mais,
não boto a mão no fogo por mim…
Entre mim e um delinquente
não vai um estirão, não.

Virando as costas,
talvez pensasse a Senhora Wilke:
“Ah estou frita, albergando um poeta, imagine —
decerto vive, como eu [logo o saberíamos],
da mão para a boca; isso quando há mão
para levar à boca”.
Mas sua reação não foi para ele
um banho de água fria,
pois logo emendou consigo:
“Neste quarto bem poderia
morar um barão”.

Tão alto, tão baixo!
Barão, poeta e bolso vazio —
ah e melancolia, que o embotava
e derrubava na cama por dias.
Ele nos conta dela, conciso,
pela palavra mais simples e antiga.
Seu pensamento descia
o monte do sublime,
ficava estreito, repetitivo:
o mundo é mau, o mundo é injusto.
De minha parte eu pensava: você tem
um dinheiro guardado, Walser?
Alguma retaguarda?

Em todo caso as florestas que atravessava
o traziam de volta pra vida
sussurrando com desvelo de família:
Ei, Robert, deixe essa acídia,
então por nós e outras maravilhas
não vale a pena estar vivo?
Venha nos ver mais vezes,
A natureza te quer bem.

Uma hora a senhora Wilke,
talvez sem bater na porta,
com a maior franqueza o exorta
a sair logo da cama:
“Não gosto nada dessas coisas,
não quero em minha casa
um homem que só fica deitado!”.
Um pensamento prático tem sucesso às vezes
com aqueles a quem tais pensamentos faltam…

[Daí eu associei, não pude evitar:
nossa, foi quase o que disseram, mas
sem eficácia, a Samsa, ao Gregor,
que nunca mais saiu da cama!]

Walser não fez mau juízo da velha
— de uma duas: ou ele quis passar por bonzinho
nos deixando o trabalho sujo de falar mal dela,
ou ele mal se importou com isso.
Ou pode ser que um fato ainda a narrar
tenha vindo a mudar o que ele
já tomava por fixo.

Então saiu mesmo da cama
e ferrou no trabalho, como se diz —
não sei se então se dizia.
Do resto da narrativa vou dar notícia
na segunda parte. Esse resto merece
a maior atenção de que formos capazes.

*Priscila Figueiredo é professora de literatura brasileira na USP. Autora, entre outros livros, de Mateus (poemas) (Bem te vi).

 

Nota


[i] “Senhora Wilke”, traduzido com competência e sensibilidade por Sergio Tellarolli para a coletânea Absolutamente nada (editora 34, 2014).

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Armando Boito Celso Frederico Roberto Noritomi Yuri Martins-Fontes Ricardo Antunes Marjorie C. Marona Eugênio Bucci Sergio Amadeu da Silveira Ronaldo Tadeu de Souza Leda Maria Paulani Renato Dagnino Rodrigo de Faria Dênis de Moraes Marcelo Guimarães Lima Alexandre de Freitas Barbosa Luiz Werneck Vianna Francisco Fernandes Ladeira Luiz Renato Martins Paulo Nogueira Batista Jr Lucas Fiaschetti Estevez Carlos Tautz Paulo Martins João Paulo Ayub Fonseca Leonardo Boff Marcelo Módolo José Machado Moita Neto Mariarosaria Fabris Ari Marcelo Solon Fernando Nogueira da Costa Jean Marc Von Der Weid Flávio Aguiar Rafael R. Ioris Luiz Costa Lima Juarez Guimarães Valério Arcary Bruno Machado Andrew Korybko Eleutério F. S. Prado Gilberto Lopes Eugênio Trivinho Francisco Pereira de Farias Maria Rita Kehl Igor Felippe Santos Liszt Vieira Ronald León Núñez Leonardo Avritzer Valerio Arcary Sandra Bitencourt André Márcio Neves Soares Antônio Sales Rios Neto Otaviano Helene Boaventura de Sousa Santos Benicio Viero Schmidt Everaldo de Oliveira Andrade Lincoln Secco Alexandre Aragão de Albuquerque Gilberto Maringoni Luís Fernando Vitagliano Thomas Piketty Luiz Bernardo Pericás Airton Paschoa Fernão Pessoa Ramos Eduardo Borges Michael Roberts Annateresa Fabris João Carlos Loebens Denilson Cordeiro Slavoj Žižek Michael Löwy Priscila Figueiredo Julian Rodrigues Roberto Bueno João Sette Whitaker Ferreira Remy José Fontana Anderson Alves Esteves Antonino Infranca Luiz Carlos Bresser-Pereira Luciano Nascimento Atilio A. Boron José Dirceu José Micaelson Lacerda Morais João Carlos Salles Ladislau Dowbor Ronald Rocha Milton Pinheiro Gabriel Cohn Luiz Marques André Singer Vladimir Safatle Plínio de Arruda Sampaio Jr. Alysson Leandro Mascaro Rubens Pinto Lyra Marilia Pacheco Fiorillo Luiz Eduardo Soares Francisco de Oliveira Barros Júnior Daniel Costa Jorge Branco Afrânio Catani Luis Felipe Miguel Alexandre de Lima Castro Tranjan Celso Favaretto Ricardo Abramovay Manchetômetro Manuel Domingos Neto Flávio R. Kothe Eleonora Albano José Geraldo Couto João Feres Júnior Tadeu Valadares Bruno Fabricio Alcebino da Silva João Adolfo Hansen Marcus Ianoni Ricardo Fabbrini Leonardo Sacramento Jorge Luiz Souto Maior Carla Teixeira Tarso Genro Bernardo Ricupero Marcos Silva Elias Jabbour Eliziário Andrade Dennis Oliveira Claudio Katz Gerson Almeida Henri Acselrad Caio Bugiato José Costa Júnior Daniel Brazil Tales Ab'Sáber Antonio Martins Érico Andrade Heraldo Campos João Lanari Bo José Raimundo Trindade Osvaldo Coggiola Samuel Kilsztajn Kátia Gerab Baggio Marcos Aurélio da Silva Vinício Carrilho Martinez Henry Burnett Bento Prado Jr. Lorenzo Vitral Chico Whitaker Paulo Capel Narvai Paulo Sérgio Pinheiro Walnice Nogueira Galvão Luiz Roberto Alves Paulo Fernandes Silveira Daniel Afonso da Silva Berenice Bento Mário Maestri Jean Pierre Chauvin Ricardo Musse Marilena Chauí Anselm Jappe Fábio Konder Comparato José Luís Fiori Vanderlei Tenório Chico Alencar Salem Nasser

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada