As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Por quem as panelas batem?

Imagem: Elyeser Szturm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por Herick Argolo*

Achar que o problema são as “loucuras” de Bolsonaro é ficar restrito a uma visão superficial e ilusória da cena política. É preciso ir muito além.

Há um filme chamado “O Grande Chefe” no qual o dono de uma empresa se faz de gerente e inventa para os seus funcionários um presidente fictício, apontado como o grande responsável por todas as decisões impopulares. Mais tarde, esse real proprietário se vê obrigado a contratar um ator para representar o suposto presidente. Os trabalhadores passam a despejar suas queixas e seu ódio contra o ator, e o burguês fica então resguardado.

Algo bastante semelhante se passa hoje na conjuntura brasileira. Bolsonaro representa o papel de louco que menospreza o coronavírus como uma “gripezinha”, e joga para o colo dos outros os problemas econômicos que virão com a quarentena. A burguesia, preocupada com a retomada dos trabalhadores aos seus postos de trabalho e a continuidade de extração de seus lucros, está por Bolsonaro muito bem representada. O carimbo de genocida, muito verdadeiro, vai para Bolsonaro, não para ela.

Outros dos atores contratados pela burguesia, até agora com papel de coadjuvantes, como a Rede Globo, Folha, Estadão, João Dória, Rodrigo Maia, Alcolumbre, fazem o papel de oposição a Bolsonaro, advertindo que os danos do coronavírus serão grandes, que é necessário o isolamento social, e que é preciso injetar dinheiro nas empresas e dentre os mais pobres (afinal, esses podem se rebelar). Pois bem, se as mortes criarem revolta, os atores coadjuvantes saem como os grandes porta-vozes dos trabalhadores, Bolsonaro enfraquecido e a burguesia estará no controle. Já se os problemas da crise econômica forem muito graves e suas consequências ganharem apelo entre as massas, Bolsonaro ganha o respaldo político, os coadjuvantes permanecem como coadjuvantes e a burguesia estará no controle.

Advirta-se que o conflito entre esses atores é real. As táticas de ambos se chocam, ao mesmo tempo que são complementares para seus patrões. O bolsonarismo defende um isolamento mitigado para combater o coronavírus e tem como bandeira política o fim da democracia, com fechamento do Congresso, STF, controle da grande mídia, etc. Já os atores abrigados nas instituições da democracia burguesa pedem o isolamento social contra o corona. Entre si, alertam que se muitos forem contaminados o dano na economia será ainda maior, pois os trabalhadores doentes não poderão bater ponto e as pessoas não vão consumir. E pedem a ajuda “humanitária” para os mais pobres, além do socorro às empresas. Como bandeira política, esses têm o “Fora Bolsonaro”, e almejam voltar a ser os atores protagonistas que representam a burguesia. Acontece que ambos os lados estão a serviço do mesmo projeto e da mesma classe.

Até aqui, as organizações dos trabalhadores não compreenderam que suas investidas não devem ser simplesmente contra os atores, mas contra seus patrões e seu projeto capitalista neoliberal. Achar que o problema são as “loucuras” de Bolsonaro é ficar restrito a uma visão superficial e ilusória da cena política. É preciso ir muito além. Ficar no panelaço convocado pela Globo, no “Fora Bolsonaro”, numa conjuntura em que as forças populares estão tão em baixa, não resolve seus problemas, nem permite que acumulem força para no futuro resolver. Vão a reboque dos atores coadjuvantes.

Cabe às organizações populares lançar palavras de ordem que, à semelhança sim da Rede Globo, peçam a proteção econômica e humanitária do trabalhador diante da pandemia do Covid-19. Devemos nos diferenciar desses atores em alguns sentidos. Primeiro, requerendo medidas que onerem a burguesia para proteger o trabalhar, como por exemplo o imposto sobre grandes fortunas, fazendo com que os recursos saiam de quem pode e deve pagá-los. Segundo, que sejam medidas robustas, não simples migalhas, suficientes somente para alguma sobrevivência durante a pandemia. Terceiro, nos destacaremos não abrindo mão dessas reivindicações em nenhum momento. Afinal, passado o coronavírus, a burguesia não vai continuar sustentando medidas de socorro aos trabalhadores. Mas a crise econômica permanecerá por muito tempo. Desemprego, atrasos salariais, fome, etc. E os trabalhadores permanecerão necessitando das medidas de auxílio cedidas durante a pandemia e muitas outras. Se haverá luta de classes, saídas autoritárias ou um retorno de antigos representantes burgueses ao comando, dependerá da vanguarda das classes populares. É preciso que não fique iludida e entretida pela cena política.

*Herick Argolo é militante da Consulta Popular em Sergipe.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Vanderlei Tenório Thomas Piketty Celso Favaretto Ronald León Núñez Luciano Nascimento Eugênio Bucci Jean Marc Von Der Weid Slavoj Žižek Vinício Carrilho Martinez Andrew Korybko Bruno Fabricio Alcebino da Silva Flávio Aguiar Walnice Nogueira Galvão Tarso Genro Luiz Werneck Vianna Eleonora Albano Eduardo Borges Armando Boito Marjorie C. Marona Gerson Almeida Ricardo Antunes Liszt Vieira André Márcio Neves Soares Benicio Viero Schmidt João Adolfo Hansen Elias Jabbour Denilson Cordeiro Valerio Arcary Érico Andrade José Micaelson Lacerda Morais Alexandre Aragão de Albuquerque Fábio Konder Comparato Milton Pinheiro Gilberto Lopes José Luís Fiori Airton Paschoa João Sette Whitaker Ferreira Roberto Bueno Antonino Infranca Boaventura de Sousa Santos Heraldo Campos Luiz Eduardo Soares João Feres Júnior Carlos Tautz Gilberto Maringoni Eliziário Andrade Mariarosaria Fabris Chico Alencar Otaviano Helene Alexandre de Lima Castro Tranjan João Carlos Loebens Marilena Chauí Dênis de Moraes Chico Whitaker Carla Teixeira Lorenzo Vitral Berenice Bento Marcos Aurélio da Silva Alexandre de Freitas Barbosa Marcelo Módolo Luis Felipe Miguel Paulo Capel Narvai Michael Roberts Celso Frederico Yuri Martins-Fontes Henri Acselrad Daniel Afonso da Silva Rubens Pinto Lyra Ronald Rocha Sandra Bitencourt Michael Löwy Osvaldo Coggiola Daniel Costa Manuel Domingos Neto Fernão Pessoa Ramos Juarez Guimarães Luiz Bernardo Pericás Ari Marcelo Solon Anderson Alves Esteves Francisco Fernandes Ladeira Jorge Branco Alysson Leandro Mascaro Marcelo Guimarães Lima Luiz Costa Lima Marcos Silva Rafael R. Ioris Everaldo de Oliveira Andrade Luiz Carlos Bresser-Pereira Leda Maria Paulani Francisco de Oliveira Barros Júnior Ricardo Fabbrini Kátia Gerab Baggio Ladislau Dowbor André Singer Samuel Kilsztajn Sergio Amadeu da Silveira Maria Rita Kehl José Machado Moita Neto João Carlos Salles Dennis Oliveira Bruno Machado Priscila Figueiredo Leonardo Boff Antônio Sales Rios Neto Caio Bugiato Luiz Roberto Alves José Raimundo Trindade Valério Arcary Luiz Marques Bento Prado Jr. Paulo Martins Annateresa Fabris Marcus Ianoni José Dirceu Paulo Nogueira Batista Jr Francisco Pereira de Farias Gabriel Cohn Lincoln Secco Vladimir Safatle Leonardo Sacramento Bernardo Ricupero Antonio Martins Daniel Brazil Henry Burnett Plínio de Arruda Sampaio Jr. Luís Fernando Vitagliano Atilio A. Boron Ronaldo Tadeu de Souza Claudio Katz Marilia Pacheco Fiorillo José Costa Júnior Igor Felippe Santos João Lanari Bo Salem Nasser Tadeu Valadares Luiz Renato Martins Afrânio Catani Anselm Jappe Paulo Fernandes Silveira João Paulo Ayub Fonseca Fernando Nogueira da Costa Rodrigo de Faria Roberto Noritomi Jorge Luiz Souto Maior Ricardo Musse Jean Pierre Chauvin Manchetômetro Leonardo Avritzer Mário Maestri Renato Dagnino José Geraldo Couto Lucas Fiaschetti Estevez Paulo Sérgio Pinheiro Julian Rodrigues Eugênio Trivinho Flávio R. Kothe Ricardo Abramovay Tales Ab'Sáber Remy José Fontana Eleutério F. S. Prado

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada