A era da pós-verdade

Imagem: Collins
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LUIZ MARQUES*

A desonestidade política ou cognitiva não é novidade, a resposta dada pelo público sim

A pós-verdade é uma expressão associada às redes sociais. A sinonímia não explica o surgimento da post-truth, definida como a abreviação para “as circunstâncias em que os fatos objetivos são menos influentes em formar a opinião pública do que os apelos à emoção e à crença pessoal”. Tampouco explica o Oxford Dictionary fazer dela uma alegoria de nosso tempo, ao escolhê-la a palavra do ano em 2016. A web apenas projeta e propaga mitos para internautas ávidos por teses de conspirações.

O antissemitismo serviu de modelo ao que se tornou a pós-verdade. Os Protocolos dos Sábios de Sião foram a pedra de fundação do futuro de horror, ao trazer à tona as pretensas atas do ancião-chefe de uma reunião hebraica, publicadas pelo jornal russo Znamia (1903). Logo se descobriu que o famoso libelo fora montado pela polícia secreta do regime do czar Alexandre III, da Rússia.

A inautenticidade do texto escandaloso foi comprovada antes do nazismo ascender na Alemanha, o que não impediu que o documento fosse usado para espalhar o ódio e instigar a violência às vítimas das perseguições. “Os Protocolos correspondem à realidade”, anotou Adolf Hitler em Mein Kampf (1925-26). “Encaixam-se nos acontecimentos”, confirmou o notório antissemita Henry Ford. Assim, se difundiu a inexistente conspirata do “cartel de banqueiros judeus”, acusados de responsáveis pela depressão econômica entre guerras. O Holocausto (Shoah) revelou até onde levam os preconceitos.

A teoria inicial da pós-verdade data de 1979, quando Jean-François Lyotard, em La condition postmoderne: rapport sur le savoir, propôs “uma incredulidade em relação às metanarrativas”. A experiência da pós-modernidade exprimiu a perda de sentido das visões totalizantes da história, que prescreviam regras de conduta política e ética válidas universalmente. Acatou-se o relativismo sobre a verdade e passou-se uma régua nas narrativas concorrentes. Um igualitarismo distorcido então invadiu o campo do saber. Era o embrião das “realidades paralelas” que destroem a sociabilidade.

O estrategista da destruição, Steve Bannon, esticou ao paroxismo insigths do filósofo francês com a sugestão de personagens em litígio sobre princípios elementares, para reger as pastas ministeriais (saúde, educação, meio ambiente, relações exteriores, lembram?), em administrações de extrema-direita. O dilema já não estaria em optar por um discurso, mas um lado. No caso, o bolsonarismo.

George Orwell, ao refletir sobre o duelo de versões entre os vencedores e os vencidos na guerra civil espanhola anotou, com espanto: “o peculiar à nossa época é o abandono da ideia de que a história pode ser escrita com veridicidade”. O pertencimento a uma redoma de milenaristas superou as virtudes republicanas. Balanços racionais não funcionam em contextos de anomia institucional.

As evidências perderam o pendão da persuasão que assegurava a estabilidade sociopolítica. As lideranças identificadas com a “direita alternativa”, codinome do populismo extremista ao Norte, confundem a cognição periodicamente, desdizendo-se com desfaçatez e silenciando as objeções com mentiras em cima das mentiras de ontem. Mecanismo que normaliza os disfarces e aumenta a crise de veridicidade. O respeito à verdade que conferia coesão à atividade científica, jurídica, política e comercial ruiu como tudo que era sólido anteriormente, qual a objetividade e a decência.

Mattew D’Ancona, em Pós-Verdade: a nova guerra contra os fatos em tempos de fake news, mostra a escalada simbólica do fenômeno. No Ocidente, primazia da verdade é uma herança do Iluminismo convertida desde o século XVIII no valor cultural para decidir questões públicas e separar o verdadeiro do falso, o certo do errado com critérios epistemológicos. A Filosofia das Luzes enaltecia a razão para deslegitimar o Estado absolutista (“L’État c’est moi”, diria Luís XIV) e postular a liberdade, o progresso, a tolerância, o governo constitucional e o afastamento laico entre a Igreja e o Estado.

A dialética da colonização não permitiu que o programa da modernidade fincasse raízes na Terra brasilis. Sérgio Buarque de Holanda percebeu que a emoção é mais forte que a racionalidade, e a inimizade tão “cordial” (termo etimologicamente derivado de coeur, coração) quanto a amizade, entre nós. O cativeiro da razão é a cordialidade que anda junto à mítica democracia racial, no Brasil.

Campanhas eleitorais ilustram a prevalência dos sentimentos e emoções: a esperança e a resiliência rumo à utopia versus o medo e a aporofobia na direção da distopia. A coerência, a exatidão e a velha rationalité, de acordo com o que se observa, hoje, não são prioridades nos debates entre os políticos profissionais. As performances contam mais. Os veículos de comunicação montam equipes de averiguação do que é falado, em especial pelas candidaturas em pele de cordeiro que esgrimem a preferência pelo neofascismo (e pelo neoliberalismo). A BBC criou grupos para desmascarar as notícias falsas e combater as patologias da pós-verdade. As trapaças correm soltas, Mano Brown.

Nos Estados Unidos, o site PolitiFact de checagem de informações e ganhador do Prêmio Pulitzer avaliou que 69% das declarações de Donald Trump eram “predominantemente falsas”. Elegeu-se. No Reino Unido, a saída da Grã-Bretanha da União Europeia (Brexit) decorreu da máquina de simplificações intelectuais e ressonâncias emocionais. Afirmou-se que o custo semanal para ficar na UE era de R$ 350 milhões de euros. Carreados ao Serviço Nacional de Saúde subsidiariam os médicos e enfermeiros, em vez de encher os bolsos da burocracia de Bruxelas (sede de instituições). Segundo Matthew D’Ancona, “foi a política da pós-verdade em estado puro: o triunfo do visceral sobre o racional, do enganosamente simples sobre o honestamente complexo”. Dê-lhe demagogia.

O negacionismo com incentivo às formatações subjetivas não pretende alcançar nenhuma vitória acadêmica, senão poluir a capacidade de juízo crítico das pessoas; em regra, explorando todas as amarguras de classe. Negacionistas compartilham o delírio do conluio entre governos nacionais e corporações farmacêuticas (Big Pharma) contra a natureza e a humanidade. Alguns se apressam em comprar alimentos orgânicos nas saudáveis feiras ecológicas. Grave é a suspeição sobre vacinações, que fazem as taxas de imunizações descer a ladeira da dúvida. É o que se verifica com o retorno do sarampo, da varíola, da caxumba, da rubéola e da poliomelite. A “revolta da vacina” ressuscitou graças ao diversionismo disruptivo que desacreditou os laboriosos feitos da ciência, para a vida.

Um alto grau de honestidade e confiança é necessário às comunidades para preservar a ordem, impingir as leis, punir os poderosos e gerar a prosperidade coletiva. A desonestidade política ou cognitiva não é novidade, a resposta dada pelo público sim; a indignação deu lugar à indiferença e, por fim, à conivência com os embustes. A desconfiança em relação às instituições do Estado de direito democrático tornou a verdade uma questão de convicção, à parte das provas. A Lava Jato é um produto da subcultura da pós-verdade. O espetáculo medíocre do PowerPoint, estreado por atores do Ministério Público Federal (MPF), consagrou a impostura. Se não houvesse a complacência da sociedade e dos poderes, o ex-juiz e o ex-procurador estariam na cadeia por merecimento e justiça.

O método de aferição prática da verdade soma evidências para não multiplicar a indústria das fake news e as interpretações que substituem os fatos por elucubrações conspiratórias à captura dos novos judeus. “Supere a narrativa. Quem defende os valores (de emancipação) do iluminismo no contexto em transformação – mobilidade frenética, revolução tecnológica, agitação emocional – deve atuar dentro de seus parâmetros. Tudo mais é ilusão”, aconselha Matthew D’Ancona. Para se contrapor à produção do obscurantismo, é preciso buscar significados capazes de libertar o povo.

“Contra o poder de fogo plutocrático, político e algorítmico, a batalha pela verdade é hercúlea”, arrematam os que empreendem o trabalho de Prometeu. O empreendimento é facilitado pelos humoristas que respeitam o politicamente correto e, com talento, ridicularizam os que “não olham para cima”. Ajudam bastante os podcasts e blogs ligados a coletivos e personalidades com biografia forjada nas lutas sociais. A esfera pública é o dique contra patranhas na tela do celular ou nas ruas. Cada um pergunte se importa mais o que pode comprar on-line ou problemas da cidade, do estado e do país; se interage mais com a mídia virtual ou com os amigos presenciais. A falta de inserção no espaço público aduba a pós-verdade, com a indiferença ideológica, a apatia política e a alienação.

A tecnologia digital, com robôs e trolls, além de garantir infraestrutura à circulação de mensagens, presta-se à desinformação com propósito de canalizar as intenções de voto. Ensinar a navegar na internet com discernimento é a missão – ou aventura – cultural urgente de uma época apocalíptica, ameaçada pela guerra nuclear, o aquecimento global e a metamorfose iliberal da democracia.

*Luiz Marques é professor de ciência política na UFRGS. Foi secretário estadual de cultura do Rio Grande do Sul no governo Olívio Dutra.

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Leonardo Sacramento Bernardo Ricupero Fábio Konder Comparato Luís Fernando Vitagliano Eugênio Bucci Thomas Piketty Luiz Roberto Alves Dênis de Moraes Lincoln Secco Ronald Rocha Paulo Martins Ricardo Antunes Berenice Bento Tadeu Valadares Marjorie C. Marona Jean Marc Von Der Weid Manuel Domingos Neto José Luís Fiori Ari Marcelo Solon Jorge Branco Liszt Vieira Sandra Bitencourt Ricardo Musse Denilson Cordeiro Atilio A. Boron Everaldo de Oliveira Andrade Slavoj Žižek Marcos Aurélio da Silva Samuel Kilsztajn Gilberto Maringoni Fernando Nogueira da Costa André Márcio Neves Soares João Carlos Loebens Bruno Fabricio Alcebino da Silva Flávio R. Kothe Érico Andrade Rafael R. Ioris André Singer Ricardo Abramovay Paulo Nogueira Batista Jr José Machado Moita Neto Elias Jabbour Jean Pierre Chauvin Michael Roberts Rodrigo de Faria Carla Teixeira Francisco de Oliveira Barros Júnior Milton Pinheiro Mariarosaria Fabris Michel Goulart da Silva Valerio Arcary Heraldo Campos Armando Boito Daniel Brazil Luis Felipe Miguel Eleonora Albano Lucas Fiaschetti Estevez Luiz Carlos Bresser-Pereira Carlos Tautz João Lanari Bo Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Alexandre Aragão de Albuquerque Alexandre de Freitas Barbosa João Sette Whitaker Ferreira Eleutério F. S. Prado Antonio Martins Antonino Infranca Dennis Oliveira Benicio Viero Schmidt José Costa Júnior Marilia Pacheco Fiorillo Luiz Renato Martins Henri Acselrad Vinício Carrilho Martinez Leonardo Avritzer Celso Frederico Alysson Leandro Mascaro Gabriel Cohn Daniel Costa Priscila Figueiredo Boaventura de Sousa Santos Antônio Sales Rios Neto João Adolfo Hansen Ronald León Núñez Eugênio Trivinho Rubens Pinto Lyra Marcelo Módolo Yuri Martins-Fontes Luiz Marques Francisco Fernandes Ladeira Paulo Fernandes Silveira Matheus Silveira de Souza Mário Maestri Celso Favaretto Julian Rodrigues Luiz Eduardo Soares Eliziário Andrade Marilena Chauí Annateresa Fabris Sergio Amadeu da Silveira Tarso Genro Chico Alencar Michael Löwy Marcus Ianoni Alexandre de Lima Castro Tranjan Kátia Gerab Baggio Ronaldo Tadeu de Souza Walnice Nogueira Galvão Otaviano Helene Osvaldo Coggiola Francisco Pereira de Farias Gerson Almeida Luiz Werneck Vianna Vladimir Safatle Vanderlei Tenório Jorge Luiz Souto Maior João Carlos Salles Chico Whitaker Salem Nasser Plínio de Arruda Sampaio Jr. Tales Ab'Sáber João Feres Júnior Caio Bugiato Marcos Silva Anselm Jappe Henry Burnett José Micaelson Lacerda Morais Paulo Sérgio Pinheiro José Dirceu Renato Dagnino Luciano Nascimento Daniel Afonso da Silva José Raimundo Trindade Juarez Guimarães Ladislau Dowbor Ricardo Fabbrini Bento Prado Jr. Leonardo Boff Andrew Korybko Marcelo Guimarães Lima Andrés del Río Igor Felippe Santos José Geraldo Couto Remy José Fontana Leda Maria Paulani Bruno Machado Maria Rita Kehl Valerio Arcary Eduardo Borges Lorenzo Vitral Gilberto Lopes Fernão Pessoa Ramos Afrânio Catani João Paulo Ayub Fonseca Claudio Katz Airton Paschoa Paulo Capel Narvai Luiz Bernardo Pericás Manchetômetro Flávio Aguiar

NOVAS PUBLICAÇÕES