As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Comida, sensualidade e exibicionismo virtual

Adir Sodré, Cachos de seios [óleo sobre tela, 100 x 80 cm, 1980]
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por DANIEL BRAZIL*

Comentário sobre o livro “O sensualismo alimentar em Portugal e no Brasil”, de Dante Costa

O sociólogo Gilberto Freyre (1900-1987) costuma encantar os leitores com seu texto fluente, saboroso, literário, onde subverte a ideia de que ensaios sociológicos devem ser pesados, acadêmicos, destituídos de qualquer concessão ao prazer. Casa Grande & Senzala, sua obra mais famosa, é cheia de descrições eróticas, engraçadas, musicais, apaixonadas. Freyre termina seu fabuloso ensaio falando de comida, e quase sentimos o cheiro das tapiocas, dos doces, dos tabuleiros das pretas quituteiras, dos “mocotós, vatapás, mingaus, pamonhas, canjicas, acaçás, abarás, arroz-de-coco, feijão-de-coco, angus, pão-de-ló de arroz, pão-de-ló de milho, rolete de cana, queimados, isto é, rebuçados, etc.”

Toda vez que arrumo as prateleiras e sopeso o alentado volume (uma edição comemorativa dos 80 anos do autor, de 1980, com poemas de Drummond, Bandeira e João Cabral, desenhos de Santa Rosa, Cícero Dias e Poty), releio alguns trechos, fruindo o delicioso estilo do pernambucano.

Há alguns anos ganhei de um amigo um opúsculo editado em 1952 pelo Ministério da Educação e Saúde do Brasil. O título: O sensualismo alimentar em Portugal e no Brasil. O autor, Dante Costa. Confesso que nunca tinha ouvido falar do escritor. Uma pequena pesquisa mostra que escreveu outros títulos relacionados à alimentação, além de livros de viagem e até um O Socialismo.

A tese de Costa é a de que os portugueses têm uma relação de amor com a comida, e os brasileiros, desdém. Lá pelas tantas cita Freyre, claro, mas seu método de pesquisa é baseado na literatura, não em andanças pelos tabuleiros das baianas. Começa por Camões, de onde pinça versos do canto IX dos Lusíadas:

Mil árvores estão ao céu subindo

Como pomos odoríferos e belos:

A laranjeira tem no fruto lindo

A cor que tinha Daphne nos cabelos.

Encontra-se no chão, que está caindo,

A cidreira c’os pesos amarelos;

Os formosos limões, ali cheirando

Estão virgíneas tetas imitando.”

E Camões também fala de “amoras, que o nome tem de amores” entre outras saliências que mostram a forte relação dos portugueses com a comida desde os primórdios da língua. Nosso Dante cita Fialho D’Almeida, Eça de Queiroz (“o caráter de uma raça pode ser deduzido simplesmente do seu método de assar a carne”) e Ramalho Ortigão (“torrentes de ovos de fio brotam de rochedos de nogada, cobertos de chalets de massa, sobre tanques de torrão de Alicante, em que se abeberam pombas de rebuçado e boizinhos de pão-de-ló com chavelhas de açúcar e entranhas de creme.”).

Para ele, escritor brasileiro só fala de fome, não de comida. “A pobreza mutila-lhe muito da alegria. Com as outras, vai-se a alegria de comer”. Segundo Dante Costa, as descrições de jantares e acepipes ”são raras na literatura, porque são raras na vida mediana do povo.” Citando uma conferência de Joaquim Ribeiro, diz que “a fome, no Brasil, começou com a civilização”.

O ensaio foi publicado em 1952. Dante escreveria isso hoje? Se vivesse numa grande cidade brasileira, provavelmente não, a menos que focasse sua análise nas populações mais periféricas. Mas se passeasse pelo sertão nordestino, comprovaria a validade de sua tese. O que não significa que nos rincões mais desprovidos de Portugal a miséria alimentar também não existisse. Afinal, Eça e seus colegas de ofício viviam na cidade, não nos campos. Onde o sexo é só reprodução, não há sensualidade. Onde o ato de comer é somente uma questão de sobrevivência, não há como ser uma refinada fonte de prazer.

Mas o ensaísta se depararia com um fenômeno impressionante, no Brasil contemporâneo: a postagem de fotos de comida nas redes sociais. Significaria uma nova postura do brasileiro em relação à comida? A relação sensual com a alimentação estaria dominada pelo aspecto visual, antes dos outros sentidos?

Depende de que brasileiro estamos falando. Além dos casos clínicos de compulsão ou transtorno alimentar – e existem muitos na internet! –, há um ainda pouco estudado exibicionismo, que não oculta um sentimento de afirmação do nível social através da comida.

Quem era pobre e passou à condição de remediado, ostenta isso através do novo cardápio: “Veja o que eu estou comendo agora!”. A classe média, sempre aspirante ao luxo dos abastados, não perde a chance de, quando pode “comer fora”, ostentar a comilança nas redes. É quase impossível ir a um restaurante em São Paulo e não ver alguém na mesa ao lado fotografando o prato pedido. Desnecessário dizer que os verdadeiramente ricos e os verdadeiramente pobres, por motivos bem diversos, não praticam esse tipo de perversão.

Com a pandemia, este comportamento passou para o ambiente doméstico. Os pratos continuam sendo exibidos ad nauseam, agora com o acréscimo do “eu que fiz”. No entanto, quase sempre se nota o retro gosto de “eu posso”, ou “eu tenho”. Com poucas e honrosas exceções, o que se percebe não é um amor pelo alimento, mas pelo status que este confere ao indivíduo.

Pode-se dizer que a proliferação de programas culinários na TV, aberta ou fechada, na última década, contribuiu para o surgimento dessa nova seita de adoradores de comida. Mas não podemos esquecer o que Dante Costa percebeu, lá na década de 1950: ainda somos um país de famintos, onde esse tipo de exibicionismo não deixa de carregar um incômodo tempero de classe.

*Daniel Brazil é escritor, autor do romance Terno de Reis(Penalux), roteirista e diretor de TV, crítico musical e literário.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Bruno Fabricio Alcebino da Silva Carla Teixeira Flávio Aguiar Luiz Carlos Bresser-Pereira Marjorie C. Marona Luiz Renato Martins Antonio Martins Eliziário Andrade Ricardo Abramovay Daniel Costa Eugênio Bucci Tarso Genro Dênis de Moraes Fernando Nogueira da Costa Francisco de Oliveira Barros Júnior Paulo Fernandes Silveira Paulo Sérgio Pinheiro Leonardo Boff Fábio Konder Comparato Benicio Viero Schmidt Ronald Rocha Otaviano Helene Renato Dagnino Eduardo Borges Rafael R. Ioris Everaldo de Oliveira Andrade Ricardo Musse Walnice Nogueira Galvão Francisco Pereira de Farias Atilio A. Boron Luis Felipe Miguel Vladimir Safatle Yuri Martins-Fontes Ronaldo Tadeu de Souza Anderson Alves Esteves Lucas Fiaschetti Estevez Boaventura de Sousa Santos Paulo Nogueira Batista Jr Luciano Nascimento Leonardo Avritzer Kátia Gerab Baggio Samuel Kilsztajn Vinício Carrilho Martinez Tadeu Valadares Carlos Tautz João Lanari Bo Milton Pinheiro José Luís Fiori Henri Acselrad Julian Rodrigues Roberto Noritomi Sergio Amadeu da Silveira Ari Marcelo Solon José Raimundo Trindade Alysson Leandro Mascaro Michael Roberts Eleutério F. S. Prado Bento Prado Jr. Marcus Ianoni João Carlos Salles Manuel Domingos Neto José Machado Moita Neto Marilena Chauí Airton Paschoa Heraldo Campos Sandra Bitencourt Mariarosaria Fabris Ricardo Fabbrini José Costa Júnior Salem Nasser Chico Whitaker Roberto Bueno Luiz Werneck Vianna Luiz Costa Lima Maria Rita Kehl Paulo Capel Narvai Liszt Vieira Valerio Arcary Ronald León Núñez João Sette Whitaker Ferreira Jean Pierre Chauvin Mário Maestri Antônio Sales Rios Neto Caio Bugiato Elias Jabbour Leda Maria Paulani Eleonora Albano Bruno Machado Gilberto Maringoni André Márcio Neves Soares Paulo Martins Denilson Cordeiro João Feres Júnior Daniel Brazil Alexandre de Lima Castro Tranjan Alexandre Aragão de Albuquerque Eugênio Trivinho Gerson Almeida Jorge Luiz Souto Maior Priscila Figueiredo Juarez Guimarães Gabriel Cohn João Paulo Ayub Fonseca André Singer Ladislau Dowbor Valério Arcary Igor Felippe Santos Vanderlei Tenório Luiz Roberto Alves Remy José Fontana Marilia Pacheco Fiorillo Anselm Jappe Luiz Eduardo Soares Marcelo Guimarães Lima Dennis Oliveira Leonardo Sacramento Annateresa Fabris Ricardo Antunes Luís Fernando Vitagliano Thomas Piketty Fernão Pessoa Ramos Marcelo Módolo Tales Ab'Sáber Michael Löwy Marcos Silva Lorenzo Vitral Chico Alencar Antonino Infranca Érico Andrade Bernardo Ricupero Luiz Marques Armando Boito Manchetômetro Francisco Fernandes Ladeira Slavoj Žižek Afrânio Catani Andrew Korybko Celso Favaretto Lincoln Secco Marcos Aurélio da Silva Jorge Branco Alexandre de Freitas Barbosa Celso Frederico José Geraldo Couto Henry Burnett José Dirceu Rubens Pinto Lyra Plínio de Arruda Sampaio Jr. Berenice Bento Luiz Bernardo Pericás Jean Marc Von Der Weid José Micaelson Lacerda Morais João Adolfo Hansen Gilberto Lopes Claudio Katz João Carlos Loebens Osvaldo Coggiola Rodrigo de Faria Daniel Afonso da Silva Flávio R. Kothe

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada