As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A esquerda na pós-pandemia

Imagem: Stela Grespan
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por TARSO GENRO*

A hora da esquerda: agora ou só daqui a muito tempo

É preciso construir dentro da ordem as capilaridades políticas, econômicas e morais, que bloqueiem o fascismo nas suas raízes e o capitalismo na sua reprodução da vida comum, onde ela se expande sem piedade e sem solidariedade. É preciso bloquear a voz da irracionalidade com a voz da razão e da igualdade.. Tempo passado, tempo presente e tempo futuro, nunca estiveram tão compactados no cotidiano como agora: é preciso  construir a ordem nova dentro da vida perversa atual, sem medo e com destemor.

No jornal português Público, no dia 5 de setembro, Boaventura Sousa Santos publica um artigo – dos melhores que li até hoje – sobre a chamada situação “pós-pandemia”. É a indeterminada situação política – ainda sem marcos temporais e sem encerramento previsto – desafiando os sinais firmes da evidência empírica, intimando a nossa teoria política emergencial, já em estado visivelmente depressivo. O título  do artigo é muito sugestivo e para nós deve soar como meio desesperado: “A hora da esquerda: agora ou só daqui a muito tempo.”

Embora o texto trate da situação portuguesa, em especial, Boaventura registra três lições às forças de esquerda (e a todos que não desistiram da democracia e da república) que cabem plenamente no cenário brasileiro. É inevitável falarmos nestas lições para prepararmos o reverso do fascismo, que avança sobre o Estado, amparado numa improvável aliança com o que tem de mais esperto, corrupto e insensível, no campo do liberalismo rentista. Os enunciados feitos por Boaventura são universais e portanto adaptáveis para pensar a crise em qualquer aldeia deste insensato mundo.

Primeira lição: os cidadãos em momentos de crise são protegidos pelo Estado, não pelo mercado. E sabem disso. Não se trata de uma questão de “má” moralidade das instâncias mercantis, mas da sua situação objetiva. Elas estão ali para dar lucro, não para fazer proteção social e se o empreendimento não funcionar por esta via ele morre na concorrência e, com ele, desaparecem os próprios empregos. De outra parte, se em situação de crise sanitária o funcionamento do mercado deve ser restringido -para evitar o contágio- o funcionamento do Estado deve ser expandido para combatê-lo. A superioridade do Estado em relação ao mercado na crise é a superioridade evidente do Estado Social sobre o Estado de Direito tradicional, no qual o direito de propriedade é absoluto e as questões sociais são apenas casos para a Polícia e, no fascismo, para as milícias.

A segunda lição refere às relações cidade-campo, à oferta e circulação dos alimentos da agricultura familiar, sadios, orgânicos e de procedência menos duvidosa do que aqueles que são oferecidos “em abstrato” no mercado tradicional oligopolizado. Refere esta lição, também, à valorização das lojas e feiras de proximidade – para oferta destes alimentos – a sua comercialização e produção cooperadas, à entrega domiciliar personalizada e às novas relações de confiança pessoal -entre ofertantes e compradores- que apontam para a possibilidade da construção de “modos de vida” e de consumo, com maiores possibilidades de entendimento entre produtores e consumidores, que inclusive podem influir na tipologia e no comportamento dos grandes negócios atacadistas.

O MST, a Via Campesina e os agricultores familiares, no entorno da cidades de todos os portes, não só demonstraram que o comércio, a industrialização e a produção de alimentos sadios -fora do circuito do grande agronegócio- podem ser tanto um instrumento pelo qual se incentiva a solidariedade para combater a fome, como igualmente pode mudar -aqui e agora- uma boa parte da vida comum. E o faz adiantando exemplos para o futuro, que apontem para um controle do sociometabolismo do capitalismo,
rentista e oligopolizado, que é sempre para mais renda concentrada e mais miséria diversificada.

O terceiro exemplo que nos lega a tragédia da Pandemia diz respeito à legislação do trabalho, cuja flexibilização anárquica demonstra que as precariedades que substituem a proteção ao emprego e o trabalho contratual clássico, só criam  formas de vulnerabilidades agravadas. No concreto, ao invés de financiar as empresas na crise -mormente as pequenas e médias, que são as maiores ofertantes de emprego- os Governos “liberais” financiam os Bancos privados, cada vez mais próximos da especulação com dinheiro público e cada vez mais distantes das empresas que produzem os bens de consumo e empregos para o mercado interno.

A precariedade, a informalidade e o desemprego -nesta hipótese- só podem ser amortecidos pelas ajudas emergenciais, que não só aumentam a dívida  pública, mas também alimentam o reinado dos bancos que financiam o Estado, permanentemente devedor. O mundo pós-Pandemia, na verdade, hoje só existe como ficção da ciência política. Ele será o que permitirmos que ele seja, pela ausência da nossa voz complacente ou pela nossa energia política, despertada pela solidariedade na luta contra o fascismo, o negacionismo e a corrupção.

Grande alertas do grande Boaventura.

*Tarso Genro foi governador do Estado do Rio Grande do Sul, prefeito de Porto Alegre, ministro da Justiça, ministro da Educação e ministro das Relações Institucionais do Brasil.

 

 

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Ladislau Dowbor Thomas Piketty Ronald León Núñez Luiz Roberto Alves João Lanari Bo Tadeu Valadares Renato Dagnino Claudio Katz Chico Alencar Alexandre de Lima Castro Tranjan Luiz Bernardo Pericás Anderson Alves Esteves Anselm Jappe Marjorie C. Marona Eleutério F. S. Prado Leonardo Avritzer Boaventura de Sousa Santos Carla Teixeira Marcus Ianoni José Machado Moita Neto Francisco Fernandes Ladeira Fábio Konder Comparato Afrânio Catani Remy José Fontana Ricardo Fabbrini Flávio Aguiar Rubens Pinto Lyra Roberto Noritomi Kátia Gerab Baggio Liszt Vieira Alysson Leandro Mascaro Bernardo Ricupero Jorge Luiz Souto Maior Eugênio Trivinho Jorge Branco Denilson Cordeiro Walnice Nogueira Galvão Manuel Domingos Neto Milton Pinheiro Rafael R. Ioris José Costa Júnior Mariarosaria Fabris Luciano Nascimento Slavoj Žižek Atilio A. Boron Henry Burnett João Carlos Salles Ronaldo Tadeu de Souza Chico Whitaker Eliziário Andrade Ricardo Abramovay Fernão Pessoa Ramos Mário Maestri Valerio Arcary Ricardo Musse Luiz Werneck Vianna Marcos Silva Annateresa Fabris Leda Maria Paulani Michael Löwy André Singer Plínio de Arruda Sampaio Jr. Vladimir Safatle Valério Arcary Marcelo Guimarães Lima João Paulo Ayub Fonseca Luís Fernando Vitagliano Paulo Nogueira Batista Jr José Micaelson Lacerda Morais Daniel Costa Paulo Martins Paulo Fernandes Silveira Luiz Carlos Bresser-Pereira Leonardo Sacramento Antônio Sales Rios Neto Luiz Eduardo Soares Marilena Chauí Dênis de Moraes Benicio Viero Schmidt Igor Felippe Santos Bruno Machado Érico Andrade Daniel Brazil João Carlos Loebens Jean Pierre Chauvin Elias Jabbour Lincoln Secco Jean Marc Von Der Weid Alexandre de Freitas Barbosa Francisco de Oliveira Barros Júnior Paulo Sérgio Pinheiro Luiz Renato Martins Armando Boito Fernando Nogueira da Costa Henri Acselrad Lucas Fiaschetti Estevez Antonino Infranca Gerson Almeida Leonardo Boff Eugênio Bucci Maria Rita Kehl José Raimundo Trindade Lorenzo Vitral Carlos Tautz João Sette Whitaker Ferreira Sandra Bitencourt Bento Prado Jr. Bruno Fabricio Alcebino da Silva Ricardo Antunes Dennis Oliveira Gilberto Maringoni Gabriel Cohn Celso Frederico Luis Felipe Miguel Ari Marcelo Solon Marilia Pacheco Fiorillo Airton Paschoa Marcos Aurélio da Silva Vanderlei Tenório Luiz Marques Heraldo Campos Marcelo Módolo Tarso Genro Alexandre Aragão de Albuquerque Daniel Afonso da Silva Ronald Rocha João Feres Júnior Luiz Costa Lima Everaldo de Oliveira Andrade Antonio Martins Andrew Korybko Vinício Carrilho Martinez Paulo Capel Narvai Samuel Kilsztajn Tales Ab'Sáber Caio Bugiato José Geraldo Couto Rodrigo de Faria João Adolfo Hansen Michael Roberts Juarez Guimarães Osvaldo Coggiola Sergio Amadeu da Silveira Celso Favaretto José Luís Fiori Francisco Pereira de Farias Yuri Martins-Fontes Eleonora Albano Julian Rodrigues Manchetômetro Otaviano Helene Eduardo Borges André Márcio Neves Soares José Dirceu Salem Nasser Flávio R. Kothe Roberto Bueno Berenice Bento Gilberto Lopes Priscila Figueiredo

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada