A extrema-direita da América Latina

Imagem: Hernán Nikolajezyk
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por FRANCISCO LOUÇÃ*

Milei, no estilo, é imitação superlativa de Trump e Bolsonaro; no conteúdo, é portador de um liberalismo arrasador. No fim das contas, é uma prova de que o liberalismo se tornou a extrema-direita na AL

Anarcocapitalista, diz-se ele. Javier Milei é o surpreendente – e distanciado – vencedor das eleições primárias argentinas e pode vir a ser o seu próximo presidente. No estilo, é uma imitação superlativa de Donald Trump e Jair Bolsonaro, que diz admirar: exibicionista, histriónico, reclama ter poderes salvíficos (Jair Bolsonaro não era aclamado como “Messias”?), fez carreira na televisão, e isso é o caminho para o sucesso nestes tempos.

No conteúdo, é portador de um liberalismo arrasador, anuncia que acabará com os Ministérios da Saúde, da Educação e do Desenvolvimento Social, fechará o Banco Central, abolirá a moeda nacional e adotará o dólar e promoverá a venda livre de armas. O que pergunto é como é que o liberalismo se tornou a extrema-direita da América Latina?

Os Chicago boys

Uma primeira resposta está na história recente. A América Latina foi uma das regiões com maior envolvimento de instituições norte-americanas na formação neoliberal das elites, fazia parte da Guerra Fria. No início da década de 1960, o Chile não tinha mais de 120 economistas; em duas décadas, a Universidade de Chicago criou a coluna vertebral de uma nova política económica. Arnold Harberger, o acadêmico que dirigiu este processo de transformação do ensino e de seleção de quadros no Chile e na América Latina, gabava-se de ter formado 300 dirigentes, entre os quais 70 ministros e 15 presidentes de bancos centrais. “A boa economia chega à América Latina” é o título modesto de uma sua publicação.

Sucesso notável: formou Sergio Castro, o ministro da Economia (1974-76) e depois das Finanças (1977-82) da ditadura de Pinochet; no Ministério do Planeamento estava outro dos seus alunos, e não eram os únicos. O resultado é conhecido: as empresas públicas foram vendidas (exceto as minas, oferecidas a generais) e a Segurança social foi privatizada (faliu uns anos mais tarde e teve de ser nacionalizada).

Foram nisso entusiasticamente apoiados pelos gurus do liberalismo europeu e norte-americano. Friedrich Hayek visitou duas vezes o Chile de Pinochet e desdobrou-se em elogios à ditadura, e Milton Friedman, a poucos meses de receber o Nobel, lá esteve a pajear o ditador. Foram recebidos em festa pelos seus discípulos que estavam no governo. Arnold Hagerberg, no terreno, garantia que não havia razão para preocupações com direitos humanos, dado que a embaixada dos EUA, que tinha ajudado a preparar o golpe militar, lhe tinha dito que havia “zero desaparecimentos”. O liberalismo contra as liberdades foi um bom negócio.

Na Argentina, o programa de Chicago teve mais dificuldades. Mas a ditadura também precisou da mesma receita: Martínez de Hoz, o ministro neoliberal da Junta Militar (1976-81), seguiu uma rígida política monetarista e congelou os salários, conquistando o apoio do FMI. Um governo peronista liberal, o de Carlos Menem, deu novo fôlego a esse programa: foi buscar o presidente do Banco Central na ditadura, Domingos Cavallo, e deu-lhe primeiro o Ministério dos Estrangeiros e depois o da Economia.

Domingos Cavallo dolarizou o país, o que Javier Milei agora promete, arruinando os salários e as pensões, entregou a petrolífera nacional à Repsol, a Aerolineas Argentinas à Iberia e a companhia dos telefones à France Telecom e à Telefónica espanhola. No Chile como na Argentina, o avanço do liberalismo destruiu as economias e enriqueceu intermediários, ministros e investidores.

O mercado no seu esplendor

Javier Milei, que tem uma curta carreira política e um partido insignificante, depende exclusivamente da sua tonitruência para aproveitar os vazios criados pela crise social e pela decadência dos partidos tradicionais. E aqui está uma segunda resposta para esta extrema direitização do neoliberalismo latino-americano: cresce na tragédia social.

Todos os ingredientes estão montados: o ex-presidente Mauricio Macri (2015-19) negociou com o FMI um empréstimo de 44 mil milhões de dólares com condições drásticas, e o efeito é uma inflação de 100%, mais uma desvalorização de 22% na semana passada, taxas de juro a 118% e os salários a desaparecer. O governo peronista que se lhe seguiu não quis reverter este caos e o descontentamento popular explodiu.

É aí que aparece Javier Milei. Cavalga o ressentimento com frases simples: “Considero o Estado como um inimigo; os impostos são uma marca da escravatura. O liberalismo foi criado para libertar as pessoas da opressão dos monarcas; neste caso, do Estado.” Promete, portanto, o desmantelamento do Estado e libertar o mercado. Admite a venda de órgãos humanos (o corpo é propriedade), já sugeriu a venda de crianças (os pais são seus proprietários), e adianta medidas mais singelas, como a liberalização total dos despedimentos.

Liberal mas não tanto: defende a proibição do aborto, que foi recentemente legalizado no país, é negacionista climático, “o aquecimento global é outra das mentiras do socialismo”, e detesta o Papa Francisco, um “jesuíta que promove o comunismo”, o mix que já se descobriu noutros dos novos políticos liberais e autoritários.

Quem lê estas linhas não estranhará os temas. No mercado da extravagância, em Portugal, a extrema-direita já propôs em 2019 o fim dos serviços públicos de Educação e Saúde, e o mandatário nacional do Chega defendeu a liberalização do trabalho infantil e a compra e venda de votos. Talvez a Argentina volte a lembrar que tudo é possível nas trevas do desespero social.

*Francisco Louçã é conomista, foi coordenador do Bloco de esquerda de Portugal (2005-2012). Autor, entre outros livros, de A maldição de Midas: a cultura do capitalismo tardio (Cotovia).

Publicado originalmente no site Equerda.net.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
João Adolfo Hansen Eduardo Borges Fernando Nogueira da Costa João Carlos Salles Matheus Silveira de Souza Priscila Figueiredo Juarez Guimarães Eliziário Andrade Alexandre de Freitas Barbosa Luiz Bernardo Pericás Lorenzo Vitral José Raimundo Trindade Yuri Martins-Fontes Ladislau Dowbor Sandra Bitencourt Airton Paschoa Anselm Jappe Antonio Martins Michael Löwy Bruno Fabricio Alcebino da Silva Gerson Almeida Manchetômetro Valerio Arcary Eleutério F. S. Prado Otaviano Helene Jean Pierre Chauvin Andrew Korybko Marcelo Módolo Ricardo Musse Bernardo Ricupero Paulo Martins Flávio R. Kothe Luiz Eduardo Soares José Costa Júnior Antonino Infranca José Micaelson Lacerda Morais Luis Felipe Miguel Benicio Viero Schmidt Alexandre de Lima Castro Tranjan João Carlos Loebens José Machado Moita Neto Carlos Tautz Marilena Chauí Paulo Sérgio Pinheiro Tarso Genro Leonardo Sacramento Ronaldo Tadeu de Souza Ronald Rocha João Feres Júnior Eugênio Trivinho Jorge Luiz Souto Maior Ricardo Fabbrini Everaldo de Oliveira Andrade Afrânio Catani Denilson Cordeiro Manuel Domingos Neto Marilia Pacheco Fiorillo Rubens Pinto Lyra Luiz Carlos Bresser-Pereira André Singer Slavoj Žižek Igor Felippe Santos Milton Pinheiro Luiz Roberto Alves Julian Rodrigues Boaventura de Sousa Santos André Márcio Neves Soares Eugênio Bucci Jean Marc Von Der Weid Paulo Fernandes Silveira Paulo Capel Narvai Ari Marcelo Solon Luciano Nascimento Francisco Pereira de Farias Leda Maria Paulani Chico Whitaker Remy José Fontana Érico Andrade Chico Alencar Celso Frederico Fábio Konder Comparato Lincoln Secco Plínio de Arruda Sampaio Jr. Ricardo Antunes Claudio Katz Luís Fernando Vitagliano Alysson Leandro Mascaro Mariarosaria Fabris Rafael R. Ioris Bruno Machado José Geraldo Couto Henri Acselrad João Lanari Bo Michael Roberts Fernão Pessoa Ramos Ricardo Abramovay Luiz Werneck Vianna Berenice Bento José Dirceu Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Francisco de Oliveira Barros Júnior Daniel Afonso da Silva Salem Nasser Armando Boito Walnice Nogueira Galvão Andrés del Río Daniel Brazil Lucas Fiaschetti Estevez Jorge Branco Dênis de Moraes Mário Maestri José Luís Fiori Vinício Carrilho Martinez Vladimir Safatle Atilio A. Boron Liszt Vieira Tadeu Valadares Luiz Marques Antônio Sales Rios Neto Luiz Renato Martins Vanderlei Tenório Heraldo Campos Dennis Oliveira Michel Goulart da Silva Bento Prado Jr. Marcelo Guimarães Lima Gilberto Maringoni Flávio Aguiar Renato Dagnino Ronald León Núñez Francisco Fernandes Ladeira Elias Jabbour Kátia Gerab Baggio Samuel Kilsztajn Alexandre Aragão de Albuquerque João Paulo Ayub Fonseca Maria Rita Kehl Marjorie C. Marona Annateresa Fabris Rodrigo de Faria Eleonora Albano Caio Bugiato Celso Favaretto Daniel Costa Gabriel Cohn Carla Teixeira Sergio Amadeu da Silveira Henry Burnett Paulo Nogueira Batista Jr Thomas Piketty Leonardo Avritzer Marcos Aurélio da Silva João Sette Whitaker Ferreira Tales Ab'Sáber Osvaldo Coggiola Marcos Silva Valerio Arcary Marcus Ianoni Leonardo Boff Gilberto Lopes

NOVAS PUBLICAÇÕES