Relembrando Paulo Freire

Imagem: Wendy Wei
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JOSÉ LUÍS FIORI*

Os homens se conscientizem e se libertem ao investigar a si mesmos

“En sociedades cuya dinâmica estructural conduce a la dominación de las conciencias, la “pedagogia dominante es la pedagogia de las clases dominantes”. Los métodos de opresión no pueden, contradictoriamente, servir a la liberación del oprimido. En esas sociedades, gobernadas por intereses de grupos, clases y nacionais dominantes, “la educación como prática de la libertad” postula necessariamente una “pedagogia del oprimido” (Ernani Maria Fiori [1])

“Dialética y Libertad” é o título de um “documento de trabalho” que escrevi em 1967, quando participei como “jovem aprendiz” de uma pesquisa – ao lado de Maria Edy Chonchol e Marcela Gajardo – liderada por Paulo Freire, sobre “o universo temático dos camponeses chilenos”, realizada no Instituto de Investigação e Capacitação em Reforma Agrária (ICIRA/FAO), sediado em Santiago do Chile. Essa pesquisa foi feita na mesma época em que Paulo Freira escreveu sua obra clássica, Pedagogia do oprimido (1967-1968) que ele tinha por hábito discutir – quase diariamente – com sua equipe de pesquisa e com outros colegas do próprio ICIRA.

Em 1973, este pequeno texto introdutório à nossa pesquisa, e que me foi encomendado pelo próprio Paulo Freire, foi incluído num livro publicado em Bilbao, Espanha, ao lado de dois artigos de P. Freire e E. M. Fiori. Meu texto foi escrito originalmente em espanhol, mas ao relê-lo agora, depois de 54 anos, decidi traduzir apenas uma parte e republicá-la livremente, não pelo seu valor intrínseco, mas como um documento de uma época que pode ser útil para os estudiosos da educação e da vida de Paulo Freire, e como uma forma de relembrar e homenagear Paulo, que foi para mim um mestre inesquecível, um humanista, e um amigo de toda vida, apesar das distâncias geográficas e a despeito da nossa diferença geracional. Os anos calejaram minhas ideias e minhas esperanças, mas jamais poderei esquecer o otimismo perene de Paulo, e uma lição que me deu logo quando nos conhecemos: “nunca tenha medo de suas próprias ideias, mesmo quando elas mudem através do tempo”.

Dialética e liberdade

Nenhuma ação humana pode ser compreendida fora do contexto histórico de suas relações sociais e culturais, e de suas determinações estruturais; relações dos homens com o mundo, e dos homens com os demais homens, através do mundo. Por isso, a ação humana é sempre interação, comunicação e transformação. Ela não existe sem um sujeito que a intencione, e sem um objeto que seja “intencionado”. Ela é “práxis” e, como tal, possui uma dimensão “finalista” que é definida e orientada por valores que se interconectam dinamicamente, e que se constituem no conteúdo essencial de toda a ação.

Apesar de sua imensa complexidade, é possível falar e classificar as ações humanas em pelo menos dois grandes tipos, segundo a posição hierárquica do ator: as “ações massificadoras ou dominadoras” e as “ações conscientizadoras ou libertadoras”. Nas primeiras, o homem é objeto do próprio homem, ocupando o lugar de “mediador instrumental” entre este e o mundo. Nas outras, os homens se constituem e constroem dialogicamente como sujeitos de um “mundo objeto”. Num caso, os conteúdos e finalidades são impostos por um homem sobre outro, e por um grupo sobre o outro. Já no segundo caso, os conteúdos e finalidades da ação são buscados e realizados de forma conjunta pelos dois “polos” envolvidos em toda e qualquer relação ou situação concreta.

A inspiração originária desta pesquisa sobre a “consciência camponesa”, e deste projeto mais amplo de ação pedagógica proposto por Paulo Freire, nasce do reconhecimento dessa dicotomia fundamental, mas não de um reconhecimento passivo – pelo contrário, de uma opção clara e definida pelos oprimidos. Um projeto de ação pedagógica transformadora que parte da investigação da realidade em movimento das pessoas envolvidas e que depois volta a essas pessoas tematizando e problematizando seus problemas e desafios mais cruciais. Por isso, nesta concepção pedagógica, investigação, tematização e problematização se sucedem e se articulam dialeticamente como momento de um mesmo processo de análise, síntese e superação. Uma ação cultural que parte, portanto, de uma pedagogia dialógica que começa na própria investigação do “universo temático” do povo.

Depois segue com a tematização desde universo para voltar ao povo na forma de conteúdos problemáticos. Esse processo se reinicia e refunda continuamente, na medida em que o povo supera suas experiências no mundo, refletindo sobre elas e integrando-as em uma visão sempre mais compreensiva e crítica, e numa ação transformadora cada vez mais ampla e inclusiva. Reflexão e práxis, portanto, aparecem nesta pedagogia como polos que se envolvem e implicam mutuamente numa superação contínua.

Deste ponto de vista, a educação não é algo que se pensa e estrutura em um mundo vazio de meditações metafísicas. É uma ação e uma intervenção que não podem se dar fora das relações concretas dos homens através do seu mundo. E neste sentido, também, a ação pedagógica não pode escapar da dicotomia proposta no início deste texto. A pedagogia se situa no mundo das ações e relações humanas, e, nestes termos, ela ou é massificadora ou é libertadora, não podendo ser as duas coisas ao mesmo tempo.

Ao postular uma educação que nasce do povo e define seus conteúdos e finalidades com o povo, Paulo Freire defende uma pedagogia “do povo”, e não “para o povo”. “Uma pedagogia em que o oprimido tenha condições de se descobrir e conquistar reflexivamente, como sujeito do seu próprio destino histórico”.1 Uma pedagogia que, ao investigar e tematizar o mundo junto com o povo, faz do mundo do povo um “contínuo retomar reflexivo de seus próprios caminhos de libertação”.2 Uma pedagogia, em última instância, que sendo conscientizadora, se assume e se define plenamente como uma ação “desmassificante” e libertadora, e como uma pesquisa que se propõe ser dialética e política, na medida em que coloca a libertação como um objetivo ético e uma busca permanente.

A proposta básica da pesquisa de Paulo Freire é realizar uma investigação que seja pedagógica, e uma pedagogia que seja ao mesmo tempo investigativa. O processo educativo, segundo Freire, envolve a investigação e a transcende a um só tempo, mas na medida em que a investigação faz parte do processo educativo, ela também deve ser concebida e pensada dialeticamente. Por isso mesmo, a investigação não tenta jamais enclausurar a realidade em um espaço limitado do tempo; ao contrário, procura adequar seu método e suas técnicas ao movimento dinâmico da própria realidade. Propondo como objetivo captar historicamente uma sociedade que está em permanente movimento, envolve-se com o próprio movimento dessa sociedade, ao contrário da antropologia tradicional e da metodologia clássica da sociologia empírica.

Sem aceitar jamais a “coisificação” dos homens e do seu mundo, ao propor a necessidade de fazer do próprio povo “pseudoinvestigado”, o verdadeiro sujeito é investigador do seu mundo e da sua forma de pensar este mundo. A investigação, ao captar e objetivar junto com a comunidade suas próprias situações e desafios existenciais estratégicos, permite que a própria comunidade objetive e critique sua própria situação neste mundo através do diálogo e do exercício da reflexão crítica.

Primeiro, se codificam certas situações existenciais que são depois projetadas e discutidas nos “círculos de investigação”. Depois, é o próprio pensar do povo exposto através dos diálogos que é recodificado na forma de “temas recorrentes” e cruciais que são reapresentados e propostos à discussão do grupo em novos e sucessivos “círculos de cultura”. E é desta forma, através de codificações existenciais e decodificações dialógicas, que avança a investigação, procurando inserir-se dinamicamente na realidade comunitária e histórica do grupo. Desta forma, os “círculos de investigação” e os “círculos de cultura” se seguem de forma contínua, constituindo-se no método pelo qual avançam em conjunto a investigação e a atividade pedagógica, codificando, decodificando e recodificando a vida da comunidade e do mundo “externo”, em conjunto com os pesquisadores.

Desta forma, as distinções entre os dois tipos de “círculos”, impostas pela própria cronologia do processo investigativo e educativo, vão desaparecendo de forma progressiva, transformando os círculos de investigação e cultura numa só realidade, em um só “círculo”, no qual a investigação e a educação se fazem ao mesmo tempo e no mesmo lugar.

Já os participantes dos “círculos de investigação”, ao discutirem suas situações existenciais, começam a distanciar-se e a criticar seu próprio pensamento e sua visão do seu próprio mundo, que vai sendo objetivado e questionado na sua forma de ser anterior ao início do processo investigativo-educativo. Assim os participantes, em conjunto, acabam objetivando sua própria maneira anterior de dizer o seu mundo, assumindo uma nova consciência de si mesmos e do mundo ao redor, sem ver nem conseguir dizer o que de fato estavam vivendo. Desta forma, a própria comunidade se assume como investigadora de si mesma, e esta nova atitude vai-se desenvolvendo cada vez mais nos “círculos de cultura”, onde a comunidade crítica supera reflexivamente suas próprias condições imediatas, capacitando-se para transformar em conjunto o seu mundo real.

Paulo Freire diria que a comunidade emerge de sua “consciência ingênua”, assumindo cada vez mais a postura própria de uma “consciência crítica”. Isso seria uma reprodução, em escala menor, do próprio processo universal de constituição dialética da consciência, como uma consciência histórica movida pela pulsão existencial e histórica da liberdade. Portanto, a atividade de investigação já deve ser – em si mesma – interativa e transformadora, fazendo dos homens “investigados” sujeitos de sua própria superação e realização. E é por isso que se pode dizer ou propor que os homens se conscientizem e se libertem ao investigar a si mesmos.

Deste ponto de vista, o papel do investigador “profissional” termina em um determinado momento, mas a investigação continua na direção do futuro, nas mãos da própria comunidade investigada, e dos pedagogos que seguirão junto com a comunidade, pesquisando e se educando enquanto transformam o mundo. E é neste sentido que se pode dizer que a “investigação temática” se transforma numa prática permanente da liberdade. Ou seja, o processo de investigação e de educação prepara os homens para sucessivas tomadas de decisão. Mas existe uma decisão prévia que inspira toda a pesquisa e que está presente em todas as etapas deste processo que procuramos descrever: a opção e a decisão de desenvolvimento permanente da consciência crítica e de libertação dos homens oprimidos.[2]

*José Luís Fiori é professor do Programa de pós-graduação em Economia Política Internacional da UFRJ. Autor, entre outros livros, de O Poder global e a nova geopolítica das nações(Boitempo).

Notas


[1] FIORI, Ernani Maria. “Aprender a decir su palabra”. In: Freire, P.; Fiori E. M. e Fiori J. L. Educación Liberadora. Bilbao: Zero S.A., 1973, p. 9.

[1] FIORI, José Luís. “Dialética y Libertad”. In: Freire, P.; Fiori E. M. e Fiori J. L. Educación Liberadora. Bilbao: Zero S.A., 1973.

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Sergio Amadeu da Silveira Dennis Oliveira José Geraldo Couto Benicio Viero Schmidt Matheus Silveira de Souza Henry Burnett Michael Löwy Lucas Fiaschetti Estevez Luiz Marques Ricardo Abramovay Fernão Pessoa Ramos Afrânio Catani João Sette Whitaker Ferreira Andrew Korybko Antônio Sales Rios Neto José Dirceu José Costa Júnior Marcelo Módolo Leonardo Sacramento Ricardo Fabbrini Vanderlei Tenório Eduardo Borges Manuel Domingos Neto Luiz Eduardo Soares José Raimundo Trindade Eugênio Trivinho Bento Prado Jr. Claudio Katz Alexandre de Lima Castro Tranjan Mariarosaria Fabris Alexandre de Freitas Barbosa Walnice Nogueira Galvão Henri Acselrad José Micaelson Lacerda Morais Andrés del Río Armando Boito Otaviano Helene Marcos Aurélio da Silva Kátia Gerab Baggio Juarez Guimarães Salem Nasser Luiz Werneck Vianna Gilberto Maringoni André Singer Anselm Jappe Paulo Nogueira Batista Jr João Lanari Bo Eleutério F. S. Prado Luiz Bernardo Pericás Luiz Carlos Bresser-Pereira Jorge Branco Eliziário Andrade Everaldo de Oliveira Andrade João Paulo Ayub Fonseca Luís Fernando Vitagliano Antonino Infranca Rodrigo de Faria Thomas Piketty Berenice Bento Eugênio Bucci Daniel Brazil João Carlos Loebens Marilia Pacheco Fiorillo Bernardo Ricupero Gilberto Lopes Luis Felipe Miguel Antonio Martins Sandra Bitencourt Caio Bugiato Boaventura de Sousa Santos Vinício Carrilho Martinez Érico Andrade Bruno Fabricio Alcebino da Silva Marjorie C. Marona Rubens Pinto Lyra Liszt Vieira André Márcio Neves Soares Marcos Silva Tarso Genro Luiz Roberto Alves Samuel Kilsztajn Yuri Martins-Fontes Igor Felippe Santos Ricardo Musse Paulo Fernandes Silveira Valerio Arcary Flávio Aguiar Marilena Chauí Plínio de Arruda Sampaio Jr. Luiz Renato Martins Chico Alencar Flávio R. Kothe Francisco de Oliveira Barros Júnior Gerson Almeida Manchetômetro Michel Goulart da Silva Julian Rodrigues Marcelo Guimarães Lima Leonardo Boff Dênis de Moraes Daniel Afonso da Silva Bruno Machado Leda Maria Paulani Airton Paschoa Atilio A. Boron Celso Favaretto Carlos Tautz Alexandre Aragão de Albuquerque José Luís Fiori Osvaldo Coggiola Celso Frederico João Feres Júnior Eleonora Albano Annateresa Fabris Denilson Cordeiro Ronald Rocha Luciano Nascimento Francisco Pereira de Farias Ronald León Núñez Ronaldo Tadeu de Souza Paulo Capel Narvai Fernando Nogueira da Costa Ari Marcelo Solon Rafael R. Ioris Lincoln Secco Ladislau Dowbor Renato Dagnino Ricardo Antunes Remy José Fontana Fábio Konder Comparato José Machado Moita Neto Jorge Luiz Souto Maior Anderson Alves Esteves Elias Jabbour Paulo Sérgio Pinheiro Jean Pierre Chauvin Carla Teixeira Priscila Figueiredo Marcus Ianoni Daniel Costa Maria Rita Kehl Francisco Fernandes Ladeira Jean Marc Von Der Weid João Adolfo Hansen Alysson Leandro Mascaro João Carlos Salles Lorenzo Vitral Gabriel Cohn Heraldo Campos Valerio Arcary Tales Ab'Sáber Tadeu Valadares Mário Maestri Chico Whitaker Milton Pinheiro Paulo Martins Vladimir Safatle Slavoj Žižek Michael Roberts Leonardo Avritzer

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada