As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A mãe que virou beija-flor

Sergio Sister, Não,1970, Ecoline, crayon oleoso e hidrográfica sobre papel, 32 x 45 cm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LEONARDO BOFF*

Um mito indígena

Introdução

São muitos irmãos e irmãs nossos indígenas que estão morrendo por causa do Covid-19 e o descaso das políticas genocidas e etnocida do atual Governo.

Dedico-lhes este belo mito-estória dos povos amazônicos sobre o sentido da morte e da entrada na suprema Felicidade. Ela vale também para os familiares dos milhares de falecidos por causa do Coronavírus. Eles merecem a nossa solidariedade e também nossas palavras de cosolo.

Sempre nos perguntamos: como as pessoas falecidas chegam ao céu?  Há uma convicção entre os povos de que todos devem fazer uma viagem. Nessa viagem há provas a passar. Segundo este relato dos povos amazônicos, cada um deve se purificar, tornar-se leve para poder mergulhar para dentro daquele mundo de alegria e de  festa onde estão todos os antepassados e os parentes falecidos.

A nossa tristeza é que, por causa do descaso das atuais autoridades que desprezam e até odeiam os povos originários, muitos pajés estão morrendo, vítimas do Covid-19. Com eles desaparece uma inteira biblioteca de conhecimentos que eles herdaram, enriqueceram e sempre passam às novas gerações. Com sua morte há uma ruptura dolorosa dessa tradição. Eles e nós sofremos e ficamos mais pobres. A todos eles nossa profunda solidariedade e compaixão, sofrendo também  a dor que eles sofrem:

O mito

Em muitas tribos da Amazônia acredita-se que os mortos se transformam em borboletas. Durante o tempo necessário para a purificação, cada qual ganha uma forma adequada. As que se purificam logo, são alvíssimas, com poucas horas de vida e com cores brancas. Penetram diretamente no mundo da felicidade.

As que precisam de mais tempo, são menores, leves e multicores. E as que precisam de muito tempo são maiores, pesadas e com cores escuras.

Todas elas voam de flor em flor, sugando néctar e fortalecendo-se para carregar o próprio peso ao se alçarem ao céu, onde viverão felizes com todos os antepassados e parentes que estão apenas no outro lado da vida. Conta-se naquela floresta a seguinte estória:

Coaciaba, era uma jovem índia, esbelta e de rara beleza. Ficara viúva muito cedo, pois seu marido, valente guerreiro, tombara sob uma flecha inimiga. Cuidava com extremo carinho da única filhinha, Guanambi.

Para aliviar a saudade interminável do marido, passeava, quando podia, pelas margens do rio, vendo as borboletas ou na campina, perto do roçado, onde também esvoaçavam os colibris e outros insetos.

De tanta tristeza, Coaciaba acabou morrendo. Não se morre só de doença, por velhice ou por causa de um vírus maligno da natureza. Morre-se também por saudade da pessoa amada.

Guanambi, a filha, ficou totalmente sozinha. Inconsolável, chorava muito, especialmente, nas horas em que sua mãe costumava levá-la a passear.  Mesmo pequena, só queria visitar o túmulo da mãe. Não queria mais viver. Pedia a ela e aos espíritos que viessem buscá-la e a levassem lá onde  estivesse a sua mãe.

De tanta tristeza, Guanambi foi definhando dia após dia até que também ela morreu. Os parentes ficaram muito penalizados, com tanta desgraça sobrevindo sobre a mesma família.

Mas, curiosamente, seu espírito não virou borboleta como a dos demais índios da tribo. Ficou aprisionado dentro de uma linda flor lilás, pertinho da sepultura da mãe. Assim podia ficar junto da mãe, como havia pedido aos espíritos.

A mãe Coaciaba, cujo espírito  fora, sim,  transformado em borboleta, esvoaçava de flor em  flor sugando néctar para se fortalecer e encetar sua viagem ao céu.

Certo dia, ao entardecer, ziguezagueando  de flor em flor, pousou  sobre uma linda flor lilás. Ao sugar o néctar, ouviu um chorinho triste e doce. Seu coração  estremeceu e quase desfaleceu de emoção. Reconheceu  dentro dela   a vozinha da  filha querida Guanambi. Como poderia estar aprisionada ai? Refez-se da emoção e disse:

-Filha querida, mamãe está aqui com você. Fique tranquila que vou libertá-la para  juntos voarmos para o céu.

Mas deu-se logo conta de que ela era uma levíssima borboleta e que não teria forças para abrir as pétalas, romper a flor e libertar a filhinha querida. Recolheu-se, então, a um canto e, em lágrimas, suplicou ao Espírito criador e a todos os ancestrais da tribo:

-Por amor ao meu  marido, valente guerreiro, morto em defesa de todos os parentes, por compaixão de minha filha órfã, Guanambi, presa no coração da flor lilás, eu vos imploro, Espírito benfazejo e  a vós todos, anciãos de nossa tribo:  transformem-me num passarinho  veloz e ágil, dotado de um bico pontiagudo  para  romper a flor lilás e libertar a minha querida filhinha.

Tanta foi a compaixão despertada por Coaciaba que o Espírito criador e os anciãos da tribo atenderam, sem delongas, a sua súplica. Transformaram-na num belíssimo beija-flor, leve, ágil, que pousou  imediatamente sobre a flor lilás. Sussurrou com voz carregada de enternecimento:

-Filhinha, sou eu, sua mãe. Não se assuste. Fui transformada num beija-flor para vir  libertá-la.

Com o bico pontiagudo, foi tirando com  cuidado pétala por pétala até abrir o coração da flor. Lá estava Guanambi sorridente, estendendo os bracinhos em direção da mãe.

Purificadas e abraçadas voaram alto, cada vez mais alto até chegarem juntas ao céu.

Desde  então se introduziu entre indígenas amazônicos, o seguinte costume: sempre que  morre uma criança órfã, seu corpinho é coberto de flores  lilás, como se estivesse dentro de uma grande flor, na certeza de que a mãe, na forma de um beija-flor, venha  buscá-la para, abraçadas, voarem para o céu, onde estarão eternamente juntas e felizes com todos os antepassados e com todos os demais parentes.

*Leonardo Boff, escritor e teólogo, é autor, entre outros livros, de O casamento entre o céu e a Terra (Mar de Ideias).

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Boaventura de Sousa Santos Renato Dagnino Jorge Luiz Souto Maior Jean Pierre Chauvin Marilena Chauí Henry Burnett Marcelo Módolo Alexandre Aragão de Albuquerque Ari Marcelo Solon Michael Löwy Luiz Eduardo Soares Francisco Pereira de Farias Gerson Almeida Juarez Guimarães Caio Bugiato João Feres Júnior Rodrigo de Faria Luiz Marques Leonardo Boff Alysson Leandro Mascaro Lincoln Secco Liszt Vieira Claudio Katz Roberto Noritomi Luiz Costa Lima Benicio Viero Schmidt Alexandre de Freitas Barbosa Berenice Bento Tales Ab'Sáber Vinício Carrilho Martinez Walnice Nogueira Galvão Fernão Pessoa Ramos Flávio R. Kothe José Raimundo Trindade João Sette Whitaker Ferreira Leonardo Avritzer Carlos Tautz Daniel Costa Bruno Fabricio Alcebino da Silva João Lanari Bo Armando Boito Chico Alencar Ladislau Dowbor Leonardo Sacramento Érico Andrade Leda Maria Paulani Lucas Fiaschetti Estevez Celso Frederico Sergio Amadeu da Silveira Everaldo de Oliveira Andrade Luís Fernando Vitagliano José Costa Júnior Elias Jabbour Luiz Bernardo Pericás Henri Acselrad José Micaelson Lacerda Morais Paulo Sérgio Pinheiro Thomas Piketty Plínio de Arruda Sampaio Jr. João Adolfo Hansen João Carlos Loebens Fábio Konder Comparato Eugênio Trivinho Marjorie C. Marona Antonino Infranca Jorge Branco Lorenzo Vitral Ricardo Antunes Antônio Sales Rios Neto Eliziário Andrade Luciano Nascimento Carla Teixeira José Dirceu Luis Felipe Miguel Luiz Renato Martins Dênis de Moraes Celso Favaretto Gilberto Lopes Antonio Martins Jean Marc Von Der Weid Michael Roberts Tadeu Valadares Sandra Bitencourt Valério Arcary José Luís Fiori Yuri Martins-Fontes Andrew Korybko Ronald Rocha Atilio A. Boron Fernando Nogueira da Costa Chico Whitaker Bento Prado Jr. João Paulo Ayub Fonseca Slavoj Žižek André Márcio Neves Soares Eleutério F. S. Prado Eleonora Albano Ricardo Fabbrini Daniel Afonso da Silva Luiz Werneck Vianna Anselm Jappe Bernardo Ricupero Milton Pinheiro Marcos Aurélio da Silva Manuel Domingos Neto Salem Nasser José Machado Moita Neto Ricardo Abramovay Flávio Aguiar Vladimir Safatle Valerio Arcary Maria Rita Kehl Marilia Pacheco Fiorillo Julian Rodrigues Gabriel Cohn Osvaldo Coggiola José Geraldo Couto Afrânio Catani Francisco Fernandes Ladeira Airton Paschoa Roberto Bueno Tarso Genro Mário Maestri Ronald León Núñez Remy José Fontana Paulo Capel Narvai Paulo Nogueira Batista Jr André Singer Samuel Kilsztajn Francisco de Oliveira Barros Júnior Dennis Oliveira Paulo Fernandes Silveira Mariarosaria Fabris Denilson Cordeiro Kátia Gerab Baggio Anderson Alves Esteves Eugênio Bucci Vanderlei Tenório Igor Felippe Santos Annateresa Fabris Rubens Pinto Lyra Daniel Brazil Rafael R. Ioris Priscila Figueiredo Marcelo Guimarães Lima Heraldo Campos Eduardo Borges Otaviano Helene Gilberto Maringoni Manchetômetro Marcus Ianoni Paulo Martins Marcos Silva Luiz Carlos Bresser-Pereira Ronaldo Tadeu de Souza Alexandre de Lima Castro Tranjan João Carlos Salles Ricardo Musse Luiz Roberto Alves Bruno Machado

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada