As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A música na paisagem

Jackson Pollock Untitled c. 1943–46
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por MARCELO GUIMARÃES LIMA*

A “composição por imagens” como método em Villa Lobos e em Chico Buarque de Hollanda

Que o compositor trabalha com formas gráficas, a escrita musical, simbolizando a matéria sonora é algo que todos sabem. Que haja uma relação talvez mais profunda ou mais decisiva entre a representação gráfica, a forma visível e a matéria representada na criação musical é uma questão menos evidente e, por isso, menos refletida, ou vice-versa.

É sabido que a paisagem do Rio de Janeiro inspirou Villa Lobos: as formas gráficas da linha das montanhas na baía da Guanabara serviram ao compositor de ponto de partida para o desenho melódico e rítmico na sua Sinfonia n. 6, explicitamente denominada “Sobre a Linha das Montanhas do Brasil”.

A “composição por imagens” como método em Villa Lobos parte da visão da paisagem e seus ritmos lineares, o entrelaçado das cadências visuais, texturas, tonalidades e cores, para a música como uma espécie de “explicitação” do universo sonoro que jaz no fundo das coisas e dos seres, a forma sonora como reverberação purificada dos ritmos do real, possibilitando deste modo a tradução e transfiguração do pulsar das coisas nos ritmos internos da subjetividade.

Concepção essencialmente romântica e estetizante de uma “alma musical universal” e de uma música “pictórica”? Em Villa Lobos, a “recriação” musical da paisagem é, ao mesmo tempo, algo “mais” e algo “menos” do que simples “romantismo” estético.

Na medida em que o romantismo, devidamente considerado, isto é, considerado em seu sentido próprio e amplo, como adiantou Hegel, é o solo profundo da modernidade nas artes, a “dimensão romântica”, isto é, a forma da subjetividade ou a tensão entre subjetividade e forma, está presente em toda obra de arte genuinamente moderna.

Na medida em que o método e a construção consciente e explícita, ou que se quer como tal, definem a modernidade artística, em Villa Lobos o procedimento gráfico e a visualidade e materialidade do signo gráfico como ponto de partida da criação musical, o pensamento por imagens visuais, a “espacialização” da música, a justaposição entre procedimentos e materiais heterogêneos, formas e matérias de natureza diversas, ultrapassa o mero “sentimento romântico” (a “pura espontaneidade” e receptividade emotiva)  e ao seu modo busca o estranhamento, a des-familiarização como condição e método, descrito e teorizado magistralmente pelos formalistas russos no início do século XX, na base dos processos de ruptura dos gêneros, das formas e da própria obra de arte, que marca a passagem entre as épocas artísticas pré e proto modernas no século XIX tardio, e o desenvolvimento da arte moderna como tal.

Marc Ferrez (1843 — 1923) Morro Dois Irmãos visto do Arpoador, Ipanema, Rio de Janeiro, c.1895
Heitor Villa Lobos (1887-1959)

No sentido de registros díspares que se combinam em unidades novas e mutantes, que explicitam as suas formas de construção como processo emergente e como “inquietude” da obra, como síntese “provisória” sempre a se ultrapassar numa abertura ao outro (outro tempo, outro espaço, outro modo possível de ser, etc.), heterogeneidade e alteridade que produzem, deste modo, a identidade da obra e portanto do sujeito que a constitui e é por ela constituído, neste sentido é que a “paisagem musical” em Villa Lobos é obra moderna, isto é, consciente de seus materiais e procedimentos, consciente de seus limites: obra-limite – aquela que vive conscientemente no intervalo entre dois tempos e duas matérias, no hiato da passagem sempre a se refazer, no entretempo, entre o passado e o futuro, entre o que foi e o que será. A síntese artística traduz a experiência humana do tempo como síntese: como presença e devir.

Partitura – desenho de Villa Lobos
Heitor Villa Lobos, 1944

Uma montanha do Rio de Janeiro, o morro “Dois Irmãos”, inspirou, no que poderíamos chamar de “linhagem imaginativa e criativa de Villa Lobos”, a canção homônima de Chico Buarque de Holanda no álbum “Chico Buarque” de 1980.

Dois Irmãos, quando vai alta a madrugada
E a teus pés vão-se encostar os instrumentos
Aprendi a respeitar tua prumada
E desconfiar do teu silêncio

O compositor-poeta contempla a montanha, dia após dia, ou mais propriamente, noite após noite, quando cessa o trabalho do dia e vislumbra, descobre, na imponência e na quietude da montanha, no seu ser-aí, algo como um “outro lugar” e uma “outra face”: na sua materialidade, na solidez da rocha e em seus contornos um ritmo, uma pulsação, como uma vibração sonora se anuncia, se revela.

Penso ouvir a pulsação atravessada
Do que foi e o que será noutra existência
É assim como se a rocha dilatada
Fosse uma concentração de tempos

A rocha dilatada, partida ao meio, deixa entrever o vazio no seu cerne, a sua “outra face”, o não-ser, o nada que a estrutura e define “por dentro”, o reverso e o avesso, que, como “vazio”, como intervalo, como silêncio, o silêncio da rocha, é condição primeira de emergência da musicalidade como unidade de som e silêncio, de movimento e repouso, tensão e distensão, assim como a figura é unidade de luz e sombra.

Marcelo Guimarães Lima – Morro Dois Irmãos, lápis sobre papel, 21,5×28 cm, 2020

A rocha dilatada traz em si as marcas do tempo de sua formação: é um retrato das forças e dos processos que a constituíram, um retrato do seu tempo passado, das suas transformações, como toda forma o é: uma síntese (provisória), um equilíbrio (momentâneo) das forças que a fizeram, fazem e irão desfazer e refazer, tanto material quanto idealmente, no futuro.

É assim como se o ritmo do nada
Fosse, sim, todos os ritmos por dentro
Ou, então, como uma música parada
Sobre uma montanha em movimento

Exemplar neste sentido, a montanha revela ao músico-poeta a síntese dos tempos: os tempos vividos e por vir, os tempos imaginados, os tempos musicais, verbais, os tempos das palavras, das cadências, das melodias possíveis no e pelo silêncio. Por meio, igualmente, dos ritmos gráficos, os tempos da forma e da contra-forma, dos intervalos, dos contrastes entre os sólidos e os espaços vazios, cuja junção nas superfícies define a imagem.

A montanha viva, pulsante e prenhe do tempo, a montanha em movimento guarda em si e revela, como num retrato, a música que, feita imagem, contorno e paisagem, pode ser contemplada: a música parada, a música feita figura, na identidade dos ritmos e das linhas visuais e sonoras.

A melodia é linha, contorno, a harmonia é figura, a música é ao mesmo tempo fluxo e estrutura – estrutura gráfica na página, como em Villa Lobos, traduzindo a paisagem e estrutura da experiência vivida do fluir, da respiração, da energia do corpo em movimento e seus ciclos ativos de afastamento e retorno dinâmico ao equilíbrio: a tradução, em pulsão interna formalizada, da experiência do corpo próprio e do corpo outro no espaço e no tempo.

Algo da “poética do pensamento” ou da “poética da reflexão” de João Cabral de Mello Neto ecoa nos versos de Chico Buarque e nos temas da temporalidade, da matéria, do nada, do ser.  E nos lembra, igualmente, aspectos da escrita “teórica” de Clarice Lispector.

A matéria sonora e imaginativa do autor carioca, no entanto, unindo música e palavras, constituem um universo sensorial e estético próprio, específico da canção: ao mesmo tempo relacionado e distinto do (e, em certo sentido, incomensurável em relação ao) universo da poesia como arte especificamente literária.

A melodia e a harmonização, com lembranças de Debussy segundo a observação próxima e especializada de Edu Lobo, sugerem recorrência e variações cíclicas como explicitação contínua dos temas poéticos em cada uma das estrofes, unificados na imagem da montanha.

Fecha-se o círculo: a música materializada na montanha faz ver ao compositor a fonte de suas canções. A montanha é imagem de um tempo fora do tempo, um tempo fora de si, como a própria criação é descentramento da linguagem e da vivência subjetiva. A criação inverte o sentido comum da compreensão do sujeito poético: a paisagem contempla o artista.

Chico Buarque no palco

*Marcelo Guimarães Lima é artista plástico, pesquisador, escritor e professor.

A presente publicação é versão parcialmente modificada de texto originalmente publicado no antigo blog Malazartes em 2012.

copyright © Marcelo Guimarães Lima, 2020, texto e desenhos originais

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Eugênio Bucci Lorenzo Vitral Boaventura de Sousa Santos Gerson Almeida Henry Burnett Andrew Korybko Eduardo Borges Heraldo Campos Kátia Gerab Baggio Roberto Noritomi Tadeu Valadares Gabriel Cohn Valerio Arcary Flávio Aguiar Daniel Afonso da Silva Julian Rodrigues Chico Alencar Eleonora Albano Francisco de Oliveira Barros Júnior Airton Paschoa Gilberto Maringoni Vladimir Safatle Paulo Sérgio Pinheiro Ladislau Dowbor José Costa Júnior Alexandre de Lima Castro Tranjan Eugênio Trivinho Luiz Carlos Bresser-Pereira Chico Whitaker Annateresa Fabris Vanderlei Tenório Tarso Genro Priscila Figueiredo Mariarosaria Fabris Benicio Viero Schmidt Carlos Tautz José Raimundo Trindade Alexandre Aragão de Albuquerque Michael Löwy Luiz Roberto Alves Caio Bugiato Bruno Machado Leonardo Sacramento Rubens Pinto Lyra Fernão Pessoa Ramos Luis Felipe Miguel Salem Nasser Leonardo Avritzer Walnice Nogueira Galvão Milton Pinheiro José Micaelson Lacerda Morais Celso Favaretto Sandra Bitencourt Marcus Ianoni Érico Andrade Paulo Nogueira Batista Jr Luciano Nascimento João Adolfo Hansen Ronaldo Tadeu de Souza Remy José Fontana Manuel Domingos Neto Afrânio Catani Gilberto Lopes João Lanari Bo Jorge Branco Fábio Konder Comparato Dênis de Moraes Tales Ab'Sáber Thomas Piketty Carla Teixeira Atilio A. Boron João Feres Júnior Roberto Bueno Henri Acselrad Ricardo Antunes Francisco Pereira de Farias José Machado Moita Neto Elias Jabbour Liszt Vieira Michael Roberts José Luís Fiori Manchetômetro Flávio R. Kothe Plínio de Arruda Sampaio Jr. Armando Boito Anderson Alves Esteves Antônio Sales Rios Neto Otaviano Helene João Carlos Salles André Márcio Neves Soares Jorge Luiz Souto Maior Berenice Bento Ricardo Abramovay Luís Fernando Vitagliano Rafael R. Ioris Ronald León Núñez Alysson Leandro Mascaro Dennis Oliveira Francisco Fernandes Ladeira Anselm Jappe Rodrigo de Faria Valério Arcary Daniel Brazil João Sette Whitaker Ferreira Celso Frederico Marcelo Módolo Marcos Aurélio da Silva João Carlos Loebens André Singer Samuel Kilsztajn Marcelo Guimarães Lima Slavoj Žižek Fernando Nogueira da Costa Jean Pierre Chauvin Alexandre de Freitas Barbosa José Geraldo Couto Bernardo Ricupero Lincoln Secco Paulo Capel Narvai Ricardo Musse Igor Felippe Santos Leonardo Boff Bento Prado Jr. Antonio Martins Paulo Martins Marilia Pacheco Fiorillo Eliziário Andrade Antonino Infranca Renato Dagnino Lucas Fiaschetti Estevez Luiz Marques Luiz Werneck Vianna Denilson Cordeiro Paulo Fernandes Silveira Juarez Guimarães Marcos Silva Ricardo Fabbrini Ari Marcelo Solon Luiz Bernardo Pericás Luiz Eduardo Soares Everaldo de Oliveira Andrade Osvaldo Coggiola José Dirceu João Paulo Ayub Fonseca Ronald Rocha Sergio Amadeu da Silveira Vinício Carrilho Martinez Marilena Chauí Mário Maestri Jean Marc Von Der Weid Claudio Katz Eleutério F. S. Prado Daniel Costa Luiz Costa Lima Maria Rita Kehl Bruno Fabricio Alcebino da Silva Yuri Martins-Fontes Luiz Renato Martins Marjorie C. Marona Leda Maria Paulani

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada