Jair Bolsonaro aprisionou a direita

Imagem: Yogendra Singh
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por GERSON ALMEIDA*

A direita tende a ficar cada vez mais restrita aos setores menos sensíveis ao diálogo e prisioneira da liderança tóxica de Jair Bolsonaro

Apesar de um amplo espectro de lideranças conservadoras darem sinais de que pretende viabilizar uma transição negociada e construir um nome alternativo para a direita, Jair Bolsonaro luta desesperadamente para impedir o surgimento de qualquer alternativa ao seu nome.

A convocação de um ato público para tentar transformar em perseguição política as investigações em curso – que já reuniram um conjunto de provas insofismável da conspiração golpista arquitetada no próprio gabinete presidencial –, serviu mais para mostrar a incapacidade de Jair Bolsonaro em continuar hegemonizando o amplo campo conservador e reacionário que ele conseguia galvanizar nos últimos anos.

A amplitude desse campo foi tal, que atraiu apoio político e social suficiente para reger a afinada orquestra que executou o golpe, retirou Dilma Rousseff do governo, impediu Lula de concorrer e guindou um abjeto admirador de torturadores à presidência da república. Uma trama complexa como esta se tornou possível apenas em razão da ampla penetração do bolsonarismo em algumas das principais estruturas do Estado, notadamente no sistema de justiça e nas forças de segurança. Algo que exige medidas profiláticas rigorosas em defesa da democracia, tema não será desenvolvido neste artigo.

O ato realizado na Avenida Paulista mostra pelo menos duas coisas relevantes: (a) Jair Bolsonaro quer reafirmar a sua liderança e não deseja viabilizar qualquer alternativa ao seu nome; (b) a sua base social está se estreitando aos segmentos da ultradireita política e aos setores subordinados ao domínio de lideranças pentecostais, como o protagonismo financeiro e político de Silas Malafaia na sua organização tornaram claro.

Independente do número de pessoas reunidas, o ato mostrou que Jair Bolsonaro não é mais um líder em cuja proximidade todos desejam estar e queiram ostentar. Por exemplo, apenas quatro governadores estiveram presentes: Tarcísio de Freitas (SP), Ronaldo Caiado (GO), Jorginho Mello (SC) e Romeu Zema (MG) e 94 deputados, mostrando que há muita gente querendo ficar distante e não deseja compartilhar fotos com o mito, apesar de Jair Bolsonaro e sua entourage terem jogado pesado para cobrar o apoio dado aos líderes eleitos com o seu apoio e terem constrangido possíveis dissidências.

A fala de Silas Malafaia é o melhor exemplo da atmosfera reinante na manifestação. Enquanto ele repetia a ladainha conhecida contra o STF e chamava as investigações contra os golpistas como perseguição política, um a um dos governadores presentes foram se afastando dele e chegaram a descer do palanque, procurando se distanciar do discurso que esposavam até pouco tempo atrás.

O líder religioso e um dos principais financiadores do ato em defesa dos golpistas mostrou que sentiu o abandono e vociferou contra os aliados: “Cambada de frouxos, covardes e X9. São caras que estão ali, mas não estarão ali. Eles desceram porque são frouxos” (jornal Metrópoles), fazendo exceção ao governador Tarcísio de Freitas por não ter “compactuado com a molecagem”, mesmo que o governador de São Paulo tenha feito questão de demonstrar algum desconforto.

Ou seja, mesmo em um ato destinado a demonstrar força e unidade política para viabilizar as condições para uma anistia política aos já condenados e aos que deverão chegar à prisão pelo caminho pavimentado por fartas provas, as principais lideranças já não conseguem mais transitar à vontade em espaços nos quais costumavam atuar como verdadeiros Popstars. Alguns deles vão e pagam o pedágio necessário para não caírem em desgraça, mas deixaram de lado a submissão que caracteriza a adesão aos líderes de perfil autoritário.

É verdade que Jair Bolsonaro continua sendo um líder influente. Mas é evidente que a vitória de Lula e as provas de que ele e sua guarda pretoriana conspiravam contra a soberania popular do voto estão fazendo com que ele perca capacidade de atrair setores para além daqueles fanatizados pelo ideário da ultradireita e pela cegueira imposta pelos mercadores da fé, que manipulam a palavra de Deus com a finalidade de amealhar poder político e acumular riqueza material.

Assim, a direita tende a ficar cada vez mais restrita aos setores menos sensíveis ao diálogo e prisioneira da liderança tóxica de Jair Bolsonaro, o que evitará a construção de qualquer transição concertada, processo no qual o comprometimento do líder é essencial. O caso mais emblemático disso foi realizado pelo então presidente Lula que, impossibilitado de concorrer uma terceira eleição consecutiva, em 2010, ungiu a sua sucessora e lhe colocou à disposição toda a sua autoridade e legitimidade, sem o qual não seria possível alcançar o objetivo de dar seguimento ao projeto político.

As diferenças entre ambos são tão grandes que, enquanto Jair Bolsonaro convoca um ato para implorar anistia e não consegue mais atrair os setores sociais que outrora ele foi capaz de galvanizar, Lula convocou o ato de 8 de janeiro e reuniu as principais autoridades políticas e do judiciário do país para construir as condições políticas necessárias para a restauração da democracia, do desenvolvimento econômico e social da nação e responsabilizar todos aqueles que se valeram do poder que lhes foi conferido pela democracia para roubá-la do povo brasileiro. É essa unidade do campo democrático que nos está permitindo avançar na punição dos golpistas, muito mais do que foi possível no pós-ditadura.

*Gerson Almeida, sociólogo, ex-vereador e ex-secretário do meio-ambiente de Porto Alegre, foi secretário nacional de articulação social no governo Lula 2.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Razões para o fim da greve nas Universidade Federaisbancos 16/05/2024 Por TADEU ALENCAR ARRAIS: A nova proposta do Governo Federal anunciada dia 15 de maio merece debate sobre continuar ou não a greve
  • Como mentir com estatísticascadeira 51 18/05/2024 Por AQUILES MELO: Os números apresentados pelo governo federal aos servidores da educação em greve mais confundem do que explicam, demonstrando, assim, desinteresse na resolução do problema
  • A “multipolaridade” e o declínio crônico do OcidenteJosé Luís Fiori 17/05/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: A defesa da multipolaridade será cada vez mais a bandeira dos países e dos povos que se insurgem neste momento contra o imperium militar global exercido pelo Ocidente
  • A greve nas universidades e institutos federais não…caminho tempo 17/05/2024 Por GRAÇA DRUCK & LUIZ FILGUEIRAS: As forças de esquerda e democráticas precisam sair da passividade, como que esperando que Lula e o seu governo, bem como o STF resolvam os impasses políticos
  • A liberdade fake e o Marquês de SadeEugenio Bucci 18/05/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: A liberdade fake, a liberdade sádica, que no fundo é a negação de toda liberdade, está levando o Brasil ao naufrágio total
  • O cavalo Caramelocavalo caramelo 15/05/2024 Por LEONARDO BOFF: Há que se admitir que nós não temos respeitado os direitos da natureza com seu valor intrínseco, nem posto sob controle nossa voracidade de devastá-la
  • A universidade operacionalMarilena Chauí 2 13/05/2024 Por MARILENA CHAUI: A universidade operacional, em termos universitários, é a expressão mais alta do neoliberalismo
  • A hora da estrela – trinta e nove anos depoisclareice 20/05/2024 Por LEANDRO ANTOGNOLI CALEFFI: Considerações sobre o filme de Suzana Amaral, em exibição nos cinemas
  • De Hermann Cohen a Hannah Arendtcultura barcos a vela 18/05/2024 Por ARI MARCELO SOLON: Comentário sobre o livro de Miguel Vatter
  • SUS, 36 anos – consolidação e incertezasPaulo Capel Narvai 15/05/2024 Por PAULO CAPEL NARVAI: O SUS não foi o “natimorto” que muitos anteviram. Quase quatro décadas depois, o SUS está institucionalmente consolidado e desenvolveu um notável processo de governança republicana

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES