As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Carta a Manuela D’Ávila

Paul Klee (1879–1940), Jardins do Templo, 1920.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JULIAN RODRIGUES*

Você vem suportando tudo sem se curvar, com dignidade e leveza

Manu, Manu

É muito ódio sobre seus ombros, sua linda. Demais da conta. A brutalidade crua deles ultrapassa qualquer racionalização política que a gente tente fazer. Sabemos quem eles são e como operam. Conhecemos todos os mecanismos manejados nos últimos anos. A gente conhece a forma como espalham a violência, sabemos o quão nojentos são. A violência desses neofascistas tem foco. Odeiam em primeiro lugar as mulheres, as pessoas negras, as LGBT e todas progressistas.

A rede de mentiras e perseguição começou bem antes, não foi? Muito antes da maioria de nós perceber o que seria essa máquina extremista de moer gente de esquerda. Bem antes da popularização do conceito de fake news – ou da compreensão das engrenagens difamatórias. Algumas de nós fomos atacadas prioritariamente – digamos assim. Jean, Maria do Rosário e você, Manu, foram vítimas quase exclusivas em determinado período, das redes violentas da extrema-direita. Como se tudo fosse um ensaio do que viria a ser o modus operandi – o padrão do bolsonarismo em ascensão.

Claro, não há só os poucos alvos mais visados. Disseminam preconceito generalizadamente. A ofensiva neofascista matou Marielle,  depôs Dilma, prendeu Lula, inventou mamadeiras de piroca para barrar a eleição de Haddad. E você despertou um ódio extra-forte-plus-adicional  na malta fascistoide.

Os caras não toleram de jeito maneira uma mulher linda, inteligente e popular.. Uma mina que é comunista desde a adolescência. Que tem muito voto. Que é articulada. Que defende os direitos humanos. Que é feminista – falando  abertamente a favor dos direitos sexuais/reprodutivos das mulheres – ainda por cima, amiga das LGBT.  Nunca antes na história desse país uma mulher de 37 anos havia sido candidata à vice-presidência da República. Tem noção? Veja bem: uma mulher comunista, jovem, bonita, articulada e feminista.

Pensa no nosso amigo. Jean: bicha preta nordestina,  socialista, carismática,  inteligente. Virou deputada – foi   demais para  os caras.  Então:  Manuela D’ávila: mulher  – radical e ampla,  que sempre namorou quem ela quis  e quando quis, jovem, empoderada, com tatoos  – e mais  um caminhão de  votos. Que decidiu ser mãe (sem abdicar da sua trajetória  como figura pública).

Você vem suportando tudo sem se curvar, com dignidade e leveza. Foi para cima dos machistas, das tropas bolsonaristas (muitas vezes sem nem mesmo contar com o apoio integral da esquerda).

Vice-presidenta, prefeita de Porto Alegre. Tocando sua vida pessoal, estudando, escrevendo seus livros, refletindo – nunca abaixou a cabeça para as falanges obscurantistas. Essa turba bolsonarista, uma macharada (sim, é tudo homem branco- cis-hetero) segue te perseguindo – cometendo violências inomináveis contra sua pequenita Laura, contra você, contra sua família.

Jean Wyllys, Tatiana Lionço, Márcia Tiburi, Larissa Bombardi entre outros alvos preferenciais dos fascistas optaram pelo autoexílio. Você, todavia, decidiu ficar. Caminhar tocando sua vida, seus projetos, seguir pintando seu cabelo de todas as cores possíveis. Eles não são capazes de aceitar que essa moça Manu escreveu uma dissertação de mestrado ao mesmo tempo em que fazia campanha para ser vice-presidenta do país. Tá ligada que é too much para esse bando de fascistoides ressentidos ?

Nem consigo imaginar os efeitos perversos, dolorosos dessa violência política incessante na sua vida cotidiana. Haja saúde mental. Mas sei que você é forte, resiliente – se armou. Hoje Manuela é uma das lideranças da esquerda brasileira que melhor entende do ponto de vista teórico os desafios da comunicação – e é uma das maiores influencers da esquerda.

A gente se conhece desde sempre (viva o movimento estudantil) e você sabe que sempre fui teu fã (mesmo, às vezes irritando meu PT). Te desejo muita casca dura, sabedoria e leveza. O futuro da esquerda brasileira passa por alguns talentosos jovens quadros socialistas, com formação política, carisma, antenadas com as pautas contemporâneas. Ou seja: passa, entre muitas, por você, necessariamente.

Desde agora até 2022 estamos diante do desafio de derrotar o bolsonarismo e eleger Lula. Você é peça-chave nessa guerra, independente de qual posição vier a ocupar. Bora, como Jean, cuspir na cara dos fascistas again e sempre. Se cuida. Abraça forte o Duca – beijinho na Laura. Nas horas mais duras, lembra que “you´re not alone”.

*Julian Rodrigues é professor e jornalista, ativista LGBTI e de Direitos Humanos

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Roberto Noritomi Jorge Luiz Souto Maior José Costa Júnior Marcelo Módolo Sandra Bitencourt Lucas Fiaschetti Estevez Alysson Leandro Mascaro Rafael R. Ioris Marilena Chauí Renato Dagnino João Lanari Bo Francisco Pereira de Farias Slavoj Žižek Lorenzo Vitral Denilson Cordeiro Caio Bugiato Eliziário Andrade Atilio A. Boron Ricardo Abramovay Gilberto Maringoni Armando Boito Gerson Almeida Mário Maestri Gabriel Cohn Vladimir Safatle Luiz Werneck Vianna Anderson Alves Esteves Ricardo Fabbrini Julian Rodrigues Luiz Roberto Alves Érico Andrade Marcos Silva Benicio Viero Schmidt Dênis de Moraes Celso Frederico Fábio Konder Comparato Alexandre Aragão de Albuquerque João Feres Júnior André Singer André Márcio Neves Soares Ari Marcelo Solon Vinício Carrilho Martinez Sergio Amadeu da Silveira Marjorie C. Marona Igor Felippe Santos Alexandre de Lima Castro Tranjan Ronald León Núñez Walnice Nogueira Galvão Luis Felipe Miguel Daniel Brazil Flávio Aguiar Luiz Carlos Bresser-Pereira João Carlos Salles Chico Alencar Jean Marc Von Der Weid Tales Ab'Sáber Afrânio Catani Tarso Genro Carla Teixeira Bruno Fabricio Alcebino da Silva Paulo Fernandes Silveira Paulo Sérgio Pinheiro Francisco Fernandes Ladeira Luiz Marques Michael Roberts Eduardo Borges Berenice Bento Annateresa Fabris Valerio Arcary Eugênio Trivinho Elias Jabbour Rubens Pinto Lyra Daniel Afonso da Silva Mariarosaria Fabris Manuel Domingos Neto Fernão Pessoa Ramos Luiz Costa Lima Gilberto Lopes Yuri Martins-Fontes Dennis Oliveira Leda Maria Paulani Celso Favaretto Henri Acselrad Ronaldo Tadeu de Souza Osvaldo Coggiola Lincoln Secco Otaviano Helene Milton Pinheiro João Sette Whitaker Ferreira Rodrigo de Faria José Raimundo Trindade Thomas Piketty Priscila Figueiredo Tadeu Valadares José Geraldo Couto Paulo Capel Narvai Ricardo Antunes Claudio Katz Heraldo Campos Plínio de Arruda Sampaio Jr. João Carlos Loebens Antonio Martins Alexandre de Freitas Barbosa Samuel Kilsztajn Andrew Korybko Eugênio Bucci Ronald Rocha Salem Nasser Luís Fernando Vitagliano Manchetômetro Jean Pierre Chauvin João Paulo Ayub Fonseca Leonardo Avritzer Jorge Branco José Machado Moita Neto Airton Paschoa Marcos Aurélio da Silva Everaldo de Oliveira Andrade Bento Prado Jr. José Micaelson Lacerda Morais Bernardo Ricupero Boaventura de Sousa Santos Carlos Tautz Luiz Renato Martins Bruno Machado Eleutério F. S. Prado Valério Arcary Marcus Ianoni Luciano Nascimento Antonino Infranca Remy José Fontana Anselm Jappe Liszt Vieira Antônio Sales Rios Neto José Dirceu José Luís Fiori Luiz Bernardo Pericás Maria Rita Kehl Juarez Guimarães Roberto Bueno Michael Löwy Paulo Martins Eleonora Albano Leonardo Boff João Adolfo Hansen Chico Whitaker Marcelo Guimarães Lima Marilia Pacheco Fiorillo Henry Burnett Ladislau Dowbor Ricardo Musse Francisco de Oliveira Barros Júnior Daniel Costa Luiz Eduardo Soares Flávio R. Kothe Vanderlei Tenório Fernando Nogueira da Costa Paulo Nogueira Batista Jr Leonardo Sacramento Kátia Gerab Baggio

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada