As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A nova economia do Projetamento

Imagem: Luiz Armando Bagolin, Café Laurent, Havana.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ELIAS JABBOUR*

Interrogações e novos desenvolvimentos

Sempre alertei a quem me interroga a respeito que não estou trazendo nada novo no debate em matéria de economia do desenvolvimento. Rangel já tinha lançado as bases conceituais em 1956 e 1959 ao propor um novo marco conceitual que a história estava exigindo dadas as novidades intrínsecas ao projeto Sputinik e a reconstrução europeia. A teoria e a prática do “projetamento” foram abandonadas com a transformação do capitalismo em “capitalismo financeirizado” e o fim da experiência soviética. A China atual é uma repetição gigantesca do que já ocorreu antes e que muitos economistas do desenvolvimento já estudaram. Mas a história, neste caso, não se repete de forma que a China apenas faça de forma melhor o que os outros já fizeram. O debate que propomos é conceitual, sim. Mas principalmente histórico e político.

Analisar somente os instrumentos que a China tem utilizado para alcançar seus objetivos não é difícil. Coordenação, planejamento, geração de demanda via gastos do governo, políticas industriais, mudanças institucionais etc. Nada disso é novo. A nós o novo se resume, inicialmente a dois pontos já estabelecidos em nossa agenda de pesquisa: 1) essa “Nova Economia” surge na mesma época histórica em que uma nova formação econômico-social se consolida, o “socialismo de mercado” e 2) O núcleo desta nova formação econômico-social, o modo de produção socialista, tem sido palco de novos aportes em matéria de plataformas tecnológicas, o que tem alçado a planificação a patamares superiores no país.

Os cientistas sociais em geral, e os economistas em particular, não trabalham com o conceito de formação econômico-social. Eis um limite metodológico sério, pois essa “nova economia”, sua escala, as inovações institucionais que deram margem ao seu surgimento e o impacto direto sobre a vida de 1,3 bilhão de pessoas são impossíveis de ocorrer em uma formação econômico-social de outro tipo ou em uma outra “variante de capitalismo”. O próprio regime de propriedade – que dá base a um regime político de novo tipo que opera na China – dominante nos países capitalistas impede que certos fenômenos anexos à “Nova Economia do Projetamento” ocorressem, a começar pela possibilidade de superação da incerteza keynesiana, algo que nenhum país capitalista o conseguiu e que o socialismo chinês tem dado mostrado ser possível.

A separação entre economia e política é fatal nesse tipo de análise. A grande produção e a finança sob controle do Estado muda completamente a face do sistema econômico: uma economia de prontidão é formada. A Alemanha, os EUA, a Coreia do Sul ou qualquer outro Estado Desenvolvimentista não tem capacidade de fazer, mesmo dentro de seus limites, o que a China está a fazer. A diferença é política. A resposta não está na economia, strictu sensu.

O papel do projeto

Evidente que todo país capitalista “regulado” também opera na base de projetos. Mas a realidade muda quando as tarefas nacionais chinesas são bastante diferentes em relação a alguns países ocidentais. Novos desenvolvimentos institucionais, produtivos e financeiros fazem-se necessário quando ao menos duas questões devem ser respondidas: 1) catching-up tecnológico e 2) necessidade de geração de 13 milhões de empregos urbanos por ano. Uma economia com essa dupla necessidade opera com o aporte de outras ferramentas. Daí o projeto passar a ser elemento fundamental, central – apesar de operacional ao planejamento – em relação ao próprio planejamento.

A questão aí passa a ser o de planificar, em escala gigantesca, a incerteza keynesiana. Até onde se sabe nenhum grande país capitalista do mundo viu-se diante de uma tarefa desta envergadura. Logo, não necessitaram desenvolver novos instrumentos e ferramentas de governo. A teoria e a história são um elemento único. Não se separa um elemento do outro. Como nos lembra Marcio Henrique Monteiro de Castro, neste sentido, o projetamento é uma teoria e uma prática que vai se alimentando com as soluções a questões colocadas historicamente aos planejadores e projetistas chineses. Impossível seria que essa abordagem estivesse sendo gestada nos EUA ou no Brasil. A teoria só surge onde contradições candentes demandam novas soluções, novas sínteses. E a China é esse lugar

Daí vem outro elemento que destacamos: o projeto na China passa a ser um instrumento de governo à serviço da superação das imensas contradições acumuladas no país ao longo das últimas décadas. Dois milhões de homens e mulheres trabalham no dia a dia daquela realidade buscando soluções de catching-up e pleno emprego de forma simultânea. É evidente que a China está inaugurando uma dinâmica de nível superior em matéria de desenvolvimento. A China não somente aplica com maestria o que outras experiências já o fizeram. O “projetamento” pode ser vista tanto como continuidade quanto superação de todo equipamento científico empregado em outros casos desenvolvimentistas de sucesso. A novidade? O projeto não como uma operação contábil, mas como síntese da transformação da razão em instrumento de governo por um determinado bloco histórico disposto a demonstrar a superioridade do socialismo à superação dos grandes dramas que afligem a humanidade. A própria escala com que tudo ocorre na China permite que somente esta formação social seja passível de mostrar e demonstrar novas regularidades em matéria de desenvolvimento econômico.

O debate deve ir além do campo da economia do desenvolvimento. Meu parceiro de empreitada científica, Alexis Dantas, de forma simples e genial o que se trata de fato a “Nova Economia do Projetamento”: uma nova e superior forma de organização política e social. Rangel, no seu tecnicismo, definia o processo nucleado pelo projeto indutor de utilidade. Logo, a “utilidade” no sentido aristotélico do termo, substituiria o valor como o núcleo da sociedade que Rangel pretendia ser socialista. A China está apenas no início deste gigantesco processo histórico. Já se trata de uma economia baseada em grandes projetos voltados à construção de grandes bens públicos.

*Elias Jabbour é professor de Relações Internacionais e de economia na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Autor, entre outros livros, de China: socialismo e desenvolvimento (Anita Garibaldi).

Publicado originalmente no Jornal GGN.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Daniel Brazil Bento Prado Jr. Jorge Luiz Souto Maior Luciano Nascimento Roberto Noritomi Berenice Bento Bruno Machado Mariarosaria Fabris Celso Frederico Alexandre de Freitas Barbosa Caio Bugiato João Adolfo Hansen Chico Whitaker Valerio Arcary Eduardo Borges Yuri Martins-Fontes Luis Felipe Miguel Flávio R. Kothe Renato Dagnino Marcelo Guimarães Lima Daniel Afonso da Silva Bernardo Ricupero Leonardo Sacramento Remy José Fontana José Luís Fiori Ricardo Antunes Plínio de Arruda Sampaio Jr. Gerson Almeida Érico Andrade José Machado Moita Neto Ricardo Fabbrini Marilia Pacheco Fiorillo Leonardo Boff Luiz Carlos Bresser-Pereira Claudio Katz Osvaldo Coggiola Antonino Infranca Jean Pierre Chauvin Carlos Tautz Luiz Renato Martins Ladislau Dowbor Sandra Bitencourt Alexandre Aragão de Albuquerque Carla Teixeira Alysson Leandro Mascaro Annateresa Fabris Vinício Carrilho Martinez Atilio A. Boron João Sette Whitaker Ferreira Walnice Nogueira Galvão José Costa Júnior José Micaelson Lacerda Morais Salem Nasser Ronald León Núñez Luís Fernando Vitagliano Luiz Marques Dennis Oliveira João Feres Júnior Kátia Gerab Baggio João Carlos Salles Tales Ab'Sáber Afrânio Catani Fernão Pessoa Ramos Marcos Silva Otaviano Helene Rafael R. Ioris Henri Acselrad Manuel Domingos Neto Valério Arcary Jorge Branco Anderson Alves Esteves Luiz Bernardo Pericás Samuel Kilsztajn Chico Alencar Paulo Fernandes Silveira André Singer Manchetômetro Mário Maestri Andrew Korybko Milton Pinheiro Everaldo de Oliveira Andrade Ronaldo Tadeu de Souza Dênis de Moraes Paulo Martins Fernando Nogueira da Costa Tarso Genro Ronald Rocha Juarez Guimarães Denilson Cordeiro Boaventura de Sousa Santos Marcus Ianoni Vanderlei Tenório José Geraldo Couto Leonardo Avritzer Paulo Nogueira Batista Jr Francisco de Oliveira Barros Júnior João Carlos Loebens Paulo Capel Narvai Ricardo Musse Leda Maria Paulani Antonio Martins Lincoln Secco Lucas Fiaschetti Estevez Airton Paschoa Ricardo Abramovay Luiz Eduardo Soares Tadeu Valadares Michael Löwy Eleutério F. S. Prado Marjorie C. Marona Eugênio Trivinho Gilberto Maringoni Armando Boito Luiz Werneck Vianna Rodrigo de Faria Francisco Fernandes Ladeira Marcelo Módolo Benicio Viero Schmidt Heraldo Campos Eleonora Albano João Paulo Ayub Fonseca Michael Roberts Paulo Sérgio Pinheiro Francisco Pereira de Farias Anselm Jappe Antônio Sales Rios Neto Fábio Konder Comparato José Dirceu Roberto Bueno Daniel Costa Luiz Roberto Alves Flávio Aguiar Gabriel Cohn Henry Burnett Eliziário Andrade Liszt Vieira Vladimir Safatle Celso Favaretto Priscila Figueiredo Gilberto Lopes Ari Marcelo Solon Thomas Piketty Slavoj Žižek Alexandre de Lima Castro Tranjan Luiz Costa Lima Elias Jabbour Jean Marc Von Der Weid Marcos Aurélio da Silva Maria Rita Kehl João Lanari Bo Sergio Amadeu da Silveira Julian Rodrigues Rubens Pinto Lyra Marilena Chauí Bruno Fabricio Alcebino da Silva Lorenzo Vitral Eugênio Bucci Igor Felippe Santos André Márcio Neves Soares José Raimundo Trindade

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada