A nova economia do Projetamento

Imagem: Luiz Armando Bagolin, Café Laurent, Havana.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ELIAS JABBOUR*

Interrogações e novos desenvolvimentos

Sempre alertei a quem me interroga a respeito que não estou trazendo nada novo no debate em matéria de economia do desenvolvimento. Rangel já tinha lançado as bases conceituais em 1956 e 1959 ao propor um novo marco conceitual que a história estava exigindo dadas as novidades intrínsecas ao projeto Sputinik e a reconstrução europeia. A teoria e a prática do “projetamento” foram abandonadas com a transformação do capitalismo em “capitalismo financeirizado” e o fim da experiência soviética. A China atual é uma repetição gigantesca do que já ocorreu antes e que muitos economistas do desenvolvimento já estudaram. Mas a história, neste caso, não se repete de forma que a China apenas faça de forma melhor o que os outros já fizeram. O debate que propomos é conceitual, sim. Mas principalmente histórico e político.

Analisar somente os instrumentos que a China tem utilizado para alcançar seus objetivos não é difícil. Coordenação, planejamento, geração de demanda via gastos do governo, políticas industriais, mudanças institucionais etc. Nada disso é novo. A nós o novo se resume, inicialmente a dois pontos já estabelecidos em nossa agenda de pesquisa: 1) essa “Nova Economia” surge na mesma época histórica em que uma nova formação econômico-social se consolida, o “socialismo de mercado” e 2) O núcleo desta nova formação econômico-social, o modo de produção socialista, tem sido palco de novos aportes em matéria de plataformas tecnológicas, o que tem alçado a planificação a patamares superiores no país.

Os cientistas sociais em geral, e os economistas em particular, não trabalham com o conceito de formação econômico-social. Eis um limite metodológico sério, pois essa “nova economia”, sua escala, as inovações institucionais que deram margem ao seu surgimento e o impacto direto sobre a vida de 1,3 bilhão de pessoas são impossíveis de ocorrer em uma formação econômico-social de outro tipo ou em uma outra “variante de capitalismo”. O próprio regime de propriedade – que dá base a um regime político de novo tipo que opera na China – dominante nos países capitalistas impede que certos fenômenos anexos à “Nova Economia do Projetamento” ocorressem, a começar pela possibilidade de superação da incerteza keynesiana, algo que nenhum país capitalista o conseguiu e que o socialismo chinês tem dado mostrado ser possível.

A separação entre economia e política é fatal nesse tipo de análise. A grande produção e a finança sob controle do Estado muda completamente a face do sistema econômico: uma economia de prontidão é formada. A Alemanha, os EUA, a Coreia do Sul ou qualquer outro Estado Desenvolvimentista não tem capacidade de fazer, mesmo dentro de seus limites, o que a China está a fazer. A diferença é política. A resposta não está na economia, strictu sensu.

O papel do projeto

Evidente que todo país capitalista “regulado” também opera na base de projetos. Mas a realidade muda quando as tarefas nacionais chinesas são bastante diferentes em relação a alguns países ocidentais. Novos desenvolvimentos institucionais, produtivos e financeiros fazem-se necessário quando ao menos duas questões devem ser respondidas: 1) catching-up tecnológico e 2) necessidade de geração de 13 milhões de empregos urbanos por ano. Uma economia com essa dupla necessidade opera com o aporte de outras ferramentas. Daí o projeto passar a ser elemento fundamental, central – apesar de operacional ao planejamento – em relação ao próprio planejamento.

A questão aí passa a ser o de planificar, em escala gigantesca, a incerteza keynesiana. Até onde se sabe nenhum grande país capitalista do mundo viu-se diante de uma tarefa desta envergadura. Logo, não necessitaram desenvolver novos instrumentos e ferramentas de governo. A teoria e a história são um elemento único. Não se separa um elemento do outro. Como nos lembra Marcio Henrique Monteiro de Castro, neste sentido, o projetamento é uma teoria e uma prática que vai se alimentando com as soluções a questões colocadas historicamente aos planejadores e projetistas chineses. Impossível seria que essa abordagem estivesse sendo gestada nos EUA ou no Brasil. A teoria só surge onde contradições candentes demandam novas soluções, novas sínteses. E a China é esse lugar

Daí vem outro elemento que destacamos: o projeto na China passa a ser um instrumento de governo à serviço da superação das imensas contradições acumuladas no país ao longo das últimas décadas. Dois milhões de homens e mulheres trabalham no dia a dia daquela realidade buscando soluções de catching-up e pleno emprego de forma simultânea. É evidente que a China está inaugurando uma dinâmica de nível superior em matéria de desenvolvimento. A China não somente aplica com maestria o que outras experiências já o fizeram. O “projetamento” pode ser vista tanto como continuidade quanto superação de todo equipamento científico empregado em outros casos desenvolvimentistas de sucesso. A novidade? O projeto não como uma operação contábil, mas como síntese da transformação da razão em instrumento de governo por um determinado bloco histórico disposto a demonstrar a superioridade do socialismo à superação dos grandes dramas que afligem a humanidade. A própria escala com que tudo ocorre na China permite que somente esta formação social seja passível de mostrar e demonstrar novas regularidades em matéria de desenvolvimento econômico.

O debate deve ir além do campo da economia do desenvolvimento. Meu parceiro de empreitada científica, Alexis Dantas, de forma simples e genial o que se trata de fato a “Nova Economia do Projetamento”: uma nova e superior forma de organização política e social. Rangel, no seu tecnicismo, definia o processo nucleado pelo projeto indutor de utilidade. Logo, a “utilidade” no sentido aristotélico do termo, substituiria o valor como o núcleo da sociedade que Rangel pretendia ser socialista. A China está apenas no início deste gigantesco processo histórico. Já se trata de uma economia baseada em grandes projetos voltados à construção de grandes bens públicos.

*Elias Jabbour é professor de Relações Internacionais e de economia na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Autor, entre outros livros, de China: socialismo e desenvolvimento (Anita Garibaldi).

Publicado originalmente no Jornal GGN.

 

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Sobre a ignorância artificialEugenio Bucci 15/06/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: Hoje, a ignorância não é uma casa inabitada, desprovida de ideias, mas uma edificação repleta de baboseiras desarticuladas, uma gosma de densidade pesada que ocupa todos os espaços
  • Franz Kafka, espírito libertárioFranz Kafka, espírito libertário 13/06/2024 Por MICHAEL LÖWY: Notas por ocasião do centenário da morte do escritor tcheco
  • A sociedade da história mortasala de aula parecida com a da história usp 16/06/2024 Por ANTONIO SIMPLICIO DE ALMEIDA NETO: A disciplina de história foi inserida numa área genérica chamada de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas e, por fim, desapareceu no ralo curricular
  • Fortalecer o PROIFESsala de aula 54mf 15/06/2024 Por GIL VICENTE REIS DE FIGUEIREDO: A tentativa de cancelar o PROIFES e, ao mesmo tempo, fechar os olhos para os erros da direção da ANDES é um desserviço à construção de um novo cenário de representação
  • Hélio Pellegrino, 100 anosHelio Pellegrino 14/06/2024 Por FERNANDA CANAVÊZ & FERNANDA PACHECO-FERREIRA: Na vasta elaboração do psicanalista e escritor, ainda há um aspecto pouco explorado: a luta de classes na psicanálise
  • Carta ao presidenteLula 59mk,g 18/06/2024 Por FRANCISCO ALVES, JOÃO DOS REIS SILVA JÚNIOR & VALDEMAR SGUISSARDI: “Concordamos plenamente com V. Exa. quando afirma e reafirma que ‘Educação é investimento, não é gasto’”
  • A armadilha de Volodymyr Zelenskystar wars 15/06/2024 Por HUGO DIONÍSIO: Quer Zelensky consiga o seu copo cheio – a entrada dos EUA na guerra – ou seu copo meio cheio – a entrada da Europa na guerra –, qualquer das soluções é devastadora para as nossas vidas
  • A PEC-65: independência ou patrimonialismo no Banco Central?campos neto cavalo de troia 17/06/2024 Por PEDRO PAULO ZAHLUTH BASTOS: O que Roberto Campos Neto propõe é a emenda constitucional do almoço grátis para a futura elite do Banco Central
  • Introdução a “O capital” de Karl Marxcultura vermelho triangular 02/06/2024 Por ELEUTÉRIO F. S. PRADO: Comentário sobre o livro de Michael Heinrich
  • A greve das Universidades e Institutos federaisvidros corredor 01/06/2024 Por ROBERTO LEHER: O governo se desconecta de sua base social efetiva ao afastar do tabuleiro político os que lutaram contra Jair Bolsonaro

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES