As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Os epigramas de Ernesto Cardenal

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

As breves composições poéticas do escritor, cardeal, teólogo e ex-ministro do governo sandinista na Nicarágua

Por Afrânio Catani*

Houve certa confusão na imprensa e chegou- se a noticiar a morte, em Manágua, do cardeal nicaraguense Ernesto Cardenal quando, na realidade, quem faleceu foi seu irmão, Fernando Cardenal, também pertencente às fileiras do catolicismo. Confesso que não sou versado em religião e nas políticas da Igreja Católica. Apenas sei que ele era jesuíta e, com a chegada dos sandinistas ao poder, em 1979, integrou a junta de Governo como Ministro da Cultura, exercendo essa função até 1987.

Em 1985 o Papa João Paulo II suspendeu esse defensor da Teologia da Libertação na América Latina, considerando incompatível sua missão sacerdotal com o seu cargo político. Em 1994, Cardenal rompeu com a Frente Sandinista de Libertação Nacional (FSLN). Escreveu poesias, memórias, recebeu vários prêmios literários e, em fevereiro de 2019, o Papa Francisco retirou todas as sanções canônicas a ele aplicadas, reintegrando-o à Igreja Católica Romana.

Confesso, também, que pouco conheço da maioria de seus escritos. Mas conheço, e bem, seus Epigramas. Conto antes uma pequena história. Estava no Chile em janeiro de 1997 e, depois de um congresso na cidade de Talca, retornei à Santiago. Com meu amigo Rob Rix, então professor na Universidade de Leeds, Reino Unido, pegamos o ônibus e fomos à Isla Negra, visitar uma das casas do poeta Pablo Neruda.

Como a espera era grande, após retirarmos nossas senhas, saímos para comer e beber. Calor escaldante; devemos ter ocasionado problemas no estoque de cerveja na região, bebedeira que foi completada em Puerto San Antonio, não longe de Valparaíso. Andamos pelas redondezas e numa tenda de souvenires, por insistência do querido Rob, examinei um livrinho vermelho (sim, livrinho: 6,5 x 4,0 cm) escrito a mão, de Cardenal, intitulado Epigramas (Chile: Gráfica Bauhaus, 1993, 149 págs.). O encanto foi imediato e o exemplar era único e baratinho.

No “Prólogo” (p. 3-7) se informa que a primeira edição dos epigramas ocorreu no México, tendo os mesmos sido escritos entre 1950 e 1956, “pouco antes de Cardenal ingressar no monastério trapista de Gethsemani, Kentucky” (p. 3-4). Mas, afinal, o que são tais epigramas?

São composições poéticas breves a respeito de qualquer tema, geralmente terminando, no caso dos produzidos por aquele que viria a ser religioso, numa tirada engenhosa ou satírica. Nesta obra encontramos epigramas amorosos e políticos e, em alguns, “se fundem ambos os elementos, gestando-se uma autêntica vivência amorosa-política ambivalente” (p. 4-5). Nos primeiros, temos um Ernesto derramado de amor pelo mundo e pelas garotas que amou naquela época, inclusive nomeando-as. Já os políticos circularam bastante, de forma clandestina, durante a ditadura de Anastasio Somoza: “uma poesia testemunhal, de protesto, que chamou a atenção de críticos europeus e americanos” (p. 6-7).

Iniciando-se com uma epígrafe de Catulo – “…pero no te escaparás de mis yambos” [1] –, Cardenal abre com seus epigramas “toda uma caixa de possíveis soluções líricas para o poema social e político em idioma latino-americano” (p. 7) [2]. São exatas 48 peças.

A seguir, algumas amostras do seu talento, escritas entre seus 25 e 30, 31 anos:

“Viniste a/visitarme en/sueños/pero el vacío/que dejaste cuando/te fuiste/fue realidad”.

“Tú has trabajado/veinte años/para reunir veinte/millones de pesos/pero nosotros/daríamos veinte/millones de pesos/para no trabajar/como tú has/trabajado”.

“Uno se despierta/con cañonazos/en la mañana/llena de aviones./Pareciera que/fuera revolución:/pero es el cumpleaños/del tirano”.

“Si tú estás/en Nueva York/en Nueva York/no hay nadie/más/y si no estás en/Nueva York/en Nueva York/no hay nadie”.

“La persona/más próxima/a mí/eres tú,/a la que sin/embargo/no veo hace/tanto tiempo/más que/en sueños”.

“Tú no/mereces/siquiera/un epigrama”.

“A tú despiadada/más cruel que/Tachito”. [Somoza]

“Cuidate, Claudia,/cuando estés conmigo,/porque el gesto/más leve, cualquier/palabra, un suspiro/de Claudia, el menor descuido,/tal vez un día lo/examinen eruditos,/y este baile de/Claudia se recuerde por siglos./Claudia,ya te lo/aviso”.

“Tal vez nos/casemos este/año,/amor mío, y/tengamos una casita./Y tal vez se/publique mi/libro,/y nos vayamos/los dos al/estranjero./Tal vez caiga/Somoza,/amor mío”.

“Me contaron que/estabas enamorada/de otro/y entonces me/fui a mi cuarto/y escribí ese/artículo contra/el Gobierno/por el que estoy/preso”.

“Muchachas que/algún día leáis/emocionadas/estos versos/y soñéis con un poeta: sabed que yo los/hice para una/como vosotras/y que fue en vano”.

“Yo he repartido/papeletas clandestinas./Gritando: Viva la libertad!/en plena calle/desafiando a los guardias armados/yo participé en la/rebelión de abril./Pero palidezco/cuando paso por tu casa/y tu sola mirada/me hace temblar”.

O poeta Cardenal, agora reabilitado, com certeza deve ter vívidas lembranças do passado, o que talvez ainda lhe faça sonhar com Claudia, Myrian, Ileana y con montones de otras muchachas que o motivaram a escrever seus epigramas.

*Afrânio Catani é professor aposentado da USP e professor visitante na UFF.

Notas

[1] Brincadeira de Cardenal com relação a seus versos, referindo-se a yambo (jambo), cláusula rítmica da poesia clássica, grega e latina, formada por duas sílabas, uma breve e outra longa.

[2] Não se menciona a autoria do “Prólogo”. No final do pequeno volume, após os créditos referentes à “Diagramación y Dibujos”, à “Portada y Gráfica”, há a rubrica “Ademas”: “Sra. Isabel. Margarita. Adriana”. Talvez sejam elas as autoras do referido prólogo.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Gabriel Cohn Luiz Costa Lima Rodrigo de Faria Paulo Capel Narvai Leonardo Boff José Raimundo Trindade Antonio Martins José Geraldo Couto Vanderlei Tenório Eduardo Borges Valério Arcary Chico Alencar Ricardo Fabbrini João Paulo Ayub Fonseca João Carlos Salles Luiz Werneck Vianna Alysson Leandro Mascaro Juarez Guimarães Valerio Arcary Vinício Carrilho Martinez Jean Pierre Chauvin Dênis de Moraes Plínio de Arruda Sampaio Jr. Marcelo Módolo Celso Frederico Michael Löwy Henri Acselrad Érico Andrade Denilson Cordeiro Armando Boito Rafael R. Ioris Alexandre de Lima Castro Tranjan Priscila Figueiredo Mário Maestri Tadeu Valadares Ricardo Musse André Singer Roberto Bueno Afrânio Catani Benicio Viero Schmidt Eleutério F. S. Prado Caio Bugiato Slavoj Žižek Leda Maria Paulani Paulo Martins Luiz Carlos Bresser-Pereira Remy José Fontana Fábio Konder Comparato Yuri Martins-Fontes Manuel Domingos Neto Eugênio Trivinho Eleonora Albano João Lanari Bo Jorge Luiz Souto Maior Luiz Bernardo Pericás Osvaldo Coggiola Roberto Noritomi Gilberto Maringoni Luís Fernando Vitagliano Igor Felippe Santos Paulo Nogueira Batista Jr Ronald León Núñez Julian Rodrigues Luciano Nascimento João Carlos Loebens Antonino Infranca Lorenzo Vitral Leonardo Avritzer Otaviano Helene Alexandre de Freitas Barbosa Elias Jabbour Sandra Bitencourt Leonardo Sacramento Ricardo Abramovay Claudio Katz Fernando Nogueira da Costa Marilia Pacheco Fiorillo Berenice Bento José Dirceu Daniel Costa Luis Felipe Miguel Walnice Nogueira Galvão Paulo Fernandes Silveira Anselm Jappe Annateresa Fabris Francisco Pereira de Farias Ronaldo Tadeu de Souza Bruno Fabricio Alcebino da Silva Tales Ab'Sáber Francisco Fernandes Ladeira Marcos Silva Daniel Afonso da Silva Ronald Rocha Thomas Piketty Luiz Renato Martins Jean Marc Von Der Weid Fernão Pessoa Ramos Gilberto Lopes Bruno Machado Marcelo Guimarães Lima João Adolfo Hansen Francisco de Oliveira Barros Júnior Vladimir Safatle Ladislau Dowbor João Sette Whitaker Ferreira José Luís Fiori Luiz Marques Heraldo Campos Flávio R. Kothe Ari Marcelo Solon Manchetômetro Renato Dagnino Anderson Alves Esteves Chico Whitaker Boaventura de Sousa Santos Andrew Korybko Samuel Kilsztajn Maria Rita Kehl Liszt Vieira José Costa Júnior Luiz Roberto Alves Mariarosaria Fabris Bento Prado Jr. Marcus Ianoni Paulo Sérgio Pinheiro Everaldo de Oliveira Andrade Jorge Branco José Micaelson Lacerda Morais Henry Burnett João Feres Júnior Carla Teixeira Alexandre Aragão de Albuquerque Milton Pinheiro Eliziário Andrade Marjorie C. Marona Lincoln Secco André Márcio Neves Soares Marcos Aurélio da Silva Marilena Chauí Eugênio Bucci Flávio Aguiar Dennis Oliveira Kátia Gerab Baggio Gerson Almeida Luiz Eduardo Soares Tarso Genro Airton Paschoa Bernardo Ricupero Celso Favaretto Ricardo Antunes Michael Roberts Salem Nasser Daniel Brazil Rubens Pinto Lyra Antônio Sales Rios Neto José Machado Moita Neto Sergio Amadeu da Silveira Atilio A. Boron Carlos Tautz Lucas Fiaschetti Estevez

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada