As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A onda antineoliberal

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LUIZ MARQUES*

O neoliberalismo é um modo de vida. O arranjo para enfrentar as disputas do mercado global afeta tanto a estrutura empresarial quanto as disposições emocionais atomizadas

A globalização implicou um horizonte baseado na primazia do mercado, com o Estado-gestor para garantir as liberdades individuais, as quais se confundiam com as liberdades de comércio e de circulação das mercadorias. O freio à intervenção estatal, apoiado no Consenso de Washington (1989) e difundido pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), continha a promessa nunca cumprida em lugar algum para a presentificação do futuro.

No Brasil, o desgoverno obedece a fracassada cartilha. Apta só na propaganda, a política econômica oficial é visível nos semáforos e nos milhões que sofrem a insegurança alimentar. Isto é, a fome, que o inominável afirma inexistir. Agora, ao negacionismo cognitivo (da ciência e do conhecimento), afetivo (da falta de empatia para com os vulneráveis) e político (do Estado de Direito democrático) para impor um regime iliberal, o malfadado mandatário da morte soma a cínica negação da realidade e das estatísticas, tout court.

Nos anos 1990, a imprensa francesa batizou de pensée unique a supremacia que, desde então, se expandiu e transitou de um modelo econômico até um modelo de civilização que (ops) enaltece a “desigualdade” para configurar La nouvelle raison du monde (La Découverte), na interpretação de Pierre Dardot e Christian Laval. As mutações provocadas pelo neoliberalismo, na forma do egoísmo social estimulado pela concorrência em todos os níveis e do hiperindividualismo reforçado pela dessindicalização, contribuíram na estruturação das condições subjetivas para a “nova direita”.

O colonialismo (racismo) e o patriarcado (sexismo) servem de alicerces ao capitalismo, assim como o conservadorismo (na moral e nos costumes) e o neofascismo (autoritário e totalitário) servem de suportes ao neoliberalismo. É sintomático que o primeiro laboratório dos Chicago Boys, orientados por Milton Friedman, tenha ocorrido no Chile sob a ditadura civil-militar de Augusto Pinochet. O ministro Paulo Guedes jacta-se de haver colaborado com o sinistro, e vice-versa. Iguais se atraem.

Contemporaneamente, os liberais rejeitam o termo “neoliberal” usado pelos fundadores da Société du Mont-Pèlerin (1947), dada a conotação pejorativa que assumiu ao longo do tempo. O mesmo no tocante à classificação de “paleoliberal”, por recordar o laissez-faire manchesteriano nos primórdios do capitalismo, descrito por Friedrich Engels, aos 24 anos de idade, em A situação da classe operária na Inglaterra (1845). Semânticas à parte, o ideário que se opôs ao Estado de Bem-Estar Social na Europa, do pós-guerra, buscava uma governabilidade com “menos Marx, mais Mises”.

Winston Ling, pioneiro na plantação de soja (Santa Rosa-RS), numa postagem do Instituto Mises depois apagada, especulou: “As atividades dos indivíduos talentosos desencadeiam mudanças econômicas e tecnológicas que impulsionam o crescimento a longo prazo e criam oportunidades para pessoas medianas (leia-se medíocres) ingressarem no círculo das elites”. Concluiu que “o país precisa de mais desigualdades”. O raciocínio falacioso, de quem inclui no currículo a apresentação do alegórico Posto Ipiranga a Jair Messias, elide a lógica capitalista que pressiona o salário mínimo abaixo do indispensável para repor as energias despendidas no labor, e promove o pauperismo. De resto, a paciência pregada pelo empresário para gozar as inovações da tecnologia é uma aventura sempre mal-sucedida para os pobres, embora repleta de emoções. A “democratização do consumo” desloca o cobiçado objeto de desejo das “elites”; não apaga o imenso fosso entre as classes sociais.

O neoliberalismo é um modo de vida. Começou com metas de redução de custos, reengenharia de gestão e flexibilização das tarefas no trabalho. Desembocou na competição entre os empregados que, a cada dia, devem provar o valor agregado para manter a empregabilidade e os arrochados salários. O arranjo radical para enfrentar as disputas do mercado global afeta, tanto a estrutura empresarial, quanto as disposições emocionais atomizadas. Critérios de avaliação contábeis são utilizados também na autoavaliação dos indivíduos, no espaço doméstico. Em nome da rentabilidade e da produtividade, os consultórios Psi andam lotados. Passeatas sem noção de zumbis da pequena-burguesia, idem. Uns para curarem-se do ressentimento e, outros, para exercitar o ódio miliciano, vandalizar homenagens a Marielle Franco e atacar o Supremo Tribunal Federal (STF).

Distinto do sujeito produtivo do fordismo, o neossujeito bem sucedido na selva urbana caracteriza-se por uma individualidade possessiva, que se traveste de “meritocracia”. Trata-se da persona que aspira a riqueza, ascende no mercado de ações, consome bens de luxo e fura a fila do buffet quando surge a ocasião. A personagem do yuppie, representada por Leonardo DiCaprio no filme O lobo de Wall Street (2013), exprime a dramaturgia hegemônica. Pelo lado do “pobretariado”, para atravessar o mar revolto das finanças, há que tornar a imersão no desemprego e informalidade – de ocupações precárias – em bote de salvamento dos desesperados “empreendedores”. É o que sobra do naufrágio, em que o sentido clássico do trabalho já não confere uma identidade classista para os trabalhadores superexplorados, convertidos em batalhadores pela subsistência, sem organização sindical. A expectativa consiste em refazer os laços de sociabilidade em um coletivo, com carteira assinada.

O Prêmio Nobel de Economia, James Tobin (1918-2002), adepto de “um liberalismo com face humana” que não remonta ao passado, mas a um futuro pós-neoliberal, propunha taxar em 0,1% as transações internacionais no “cassino financeiro”. Segundo os cálculos, seria o suficiente para acabar com a fome no planeta. Desnecessário acrescentar que morreu sem ver a sua humanitária proposição se concretizar. Não sensibilizou o sistema, que se move apenas pela maximização dos lucros. A ideia circulou com simpatia nas edições inaugurais do Fórum Social Mundial (FSM), em Porto Alegre. No Fórum Econômico Mundial (FEM), em Davos, as portas permaneceram fechadas. Nem a crise econômica de 2007-2008, iniciada nos Estados Unidos e logo exportada para os dois hemisférios, nem a crise sanitária pandêmica do coronavírus que enlutou os últimos três anos, e acarretou o fechamento de empresas e empregos, lograram sensibilizar os “donos do poder”.

O paradigma, sintetizado no “equilíbrio fiscal”, bloqueia a solidariedade e o pensamento crítico nos meios de comunicação. É como se a lógica sistêmica, apesar do desgaste na hegemonia absoluta que desfrutava, continuasse sem oposição pública. A concepção monetarista dominante no campo econômico subtrai os adversários, retirando-lhes a legitimidade. O escudo midiático age como uma proteção contra a tomada de consciência sobre os resultados pífios, produzidos pelas políticas do livre mercado, com a redução das funções reguladoras do Estado. A mordaça visa desconstruir o nexo causal para preservar intacto o remédio recomendado pelo FMI. Por isso, a Rede Globo e a Rede Bandeirantes pouparam o “bobo da corte” de perguntas incômodas em contradição com os dogmas compartilhados pela direita, que sabe usar os talheres, e a extrema-direita, que come com as mãos sujas: ambas leais ao bronco Ministério da Economia nos debates atuais sobre as eleições.

Para a mídia corporativa, “tudo deve mudar para que tudo fique como está”, a exemplo do que ensina a obra mestra de Giuseppe Tomasi di Lampedusa, Il Gattopardo. O candidato à reeleição e a suposta “terceira via” comungam o projeto de nação excludente em um simulacro de República. Os “liberais”, diante da fusão das esferas pública e privada, rendem-se ao chavão – “não há alternativa, o totalitarismo do mercado é incontornável”. A pseudo indignação, o derrotismo ou a apatia não mexem nas peças do tabuleiro. Mantêm o jogo indefinido. Entende-se o lamento do Papa Francisco: “Nosso tempo se ressente pela perda do amor e da compaixão”. Os movimentos contra-hegemônicos e a articulação político-eleitoral liderada por Lula da Silva traduzem as palavras do Pontífice em uma plataforma de ação, com estratégias no jogo de xadrez para superar a ordem desigualitária e estender a todas e todos o “direito a ter direitos”. O xeque-mate vem das urnas.

Neste contexto, de reatualização da antiga metáfora sobre a “casa grande” e a “senzala”, com o aumento vertiginoso da polarização social entre os 1% de privilegiados e os 99% de esquecidos à beira da estrada do progresso, o Judiciário amiúde derrapa na curva das iniquidades e estaciona na garagem dos poderosos. As ilegalidades da Lava Jato são a prova mais recente da derrapagem.

“A Justiça, politizada, fragmentou-se e perdeu a prerrogativa de ser a última instância. Sem que mais ninguém fosse capaz de arbitrar os interesses e resolver as desavenças, a divergência se instalou entre amigos, nas famílias e por toda a sociedade. Rompeu-se o nervo civilizatório”, acusa Carlos Melo, no artigo intitulado “Marcha brasileira para a insensatez” (in: Democracia em risco, Companhia das Letras). Erros crassos acarretam consequências. O cineasta José Padilha, diretor da apologética série O mecanismo (2018), que elogiava o ex-juiz Sergio Moro na operação judicial de Curitiba, retratou-se com um mea-culpa: “Eu fui naive, ingênuo. Um monte de gente se iludiu”.

Não obstante, outra racionalidade desponta, fundada na cooperação em defesa do bem comum na sociedade e na natureza. A utopia é necessária para acordar a vontade política (virtú) e modificar o tecido socioeconômico, cultural e ambiental. Se a utopia não existisse, com certeza, precisaríamos inventá-la. Ela é o motor ativo da crítica, do dissenso e da democracia. As Constituições têm esse papel corretivo ao sinalizar como as coisas devem ser, e não como se apresentam na tradição. Sua importância revolucionária advém das metas humanistas explanadas para iluminar os esforços de aperfeiçoamento das instituições republicanas, para garantir o máximo de igualdade e liberdade.

Não se exclui a formação de uma grande onda antineoliberal latino-americana. Vide as vitórias das forças progressistas, na América Latina. A caravana da esperança cruza a Venezuela, a Argentina, a Bolívia, o Peru, o Chile e a Colômbia, com um inegável acúmulo de energia popular no Uruguai, no Equador, no Paraguai e no Brasil, que se prepara para infligir em outubro uma fragorosa derrota às bases de sustentação do neoliberalismo – o neoconservadorismo e o neofascismo. Aos poucos, o espectro das esquerdas deixa para trás a “pane de imaginação”, que marcou o período de refluxo.

A abertura do programa político da “Frente Juntos Pelo Brasil”, para a sociedade civil arrolar contribuições, temas e propostas deram uma mostra de criatividade, humildade e generosidade. De imediato, cerca de cem mil não-filiados ao consórcio de partidos organizados com o PT atenderam ao chamamento. A própria criação das “federações partidárias” oportuniza a realização de uma das bandeiras do simbólico movimento do Maio de 1968, com a pavimentação do caminho para a “imaginação ao poder”. Como apontam Dardot e Laval (op.cit.): “O princípio do comum que emana hoje dos movimentos, das lutas e das experiências remete a um sistema de práticas diretamente contrárias à racionalidade neoliberal e capazes de revolucionar o conjunto de relações sociais”.

A necropolítica negacionista e os perversos índices de desumanidade acarretam ainda milhares de mortes evitáveis. Mas não venceram o povo brasileiro. Uma outra razão do mundo é possível!

*Luiz Marques é professor de ciência política na UFRGS. Foi secretário estadual de cultura do Rio Grande do Sul no governo Olívio Dutra.

 

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Thomas Piketty Armando Boito João Adolfo Hansen Roberto Noritomi Annateresa Fabris Boaventura de Sousa Santos Roberto Bueno Samuel Kilsztajn Érico Andrade Carla Teixeira Rodrigo de Faria Eleonora Albano Ricardo Musse Leonardo Sacramento Luiz Renato Martins Atilio A. Boron Eugênio Trivinho Eliziário Andrade Antônio Sales Rios Neto Slavoj Žižek Francisco Fernandes Ladeira Eduardo Borges José Raimundo Trindade Luiz Carlos Bresser-Pereira Luiz Eduardo Soares Paulo Fernandes Silveira Benicio Viero Schmidt Gerson Almeida Gilberto Lopes Valerio Arcary Fábio Konder Comparato José Costa Júnior Luís Fernando Vitagliano Denilson Cordeiro Maria Rita Kehl João Carlos Salles Liszt Vieira Gabriel Cohn Gilberto Maringoni Manuel Domingos Neto Otaviano Helene Milton Pinheiro Igor Felippe Santos André Singer Tadeu Valadares Anselm Jappe Chico Whitaker Luis Felipe Miguel Marilena Chauí Vinício Carrilho Martinez Ricardo Fabbrini Paulo Capel Narvai Fernão Pessoa Ramos Jorge Luiz Souto Maior Michael Roberts Daniel Costa Juarez Guimarães Dênis de Moraes Marjorie C. Marona Ladislau Dowbor Claudio Katz Rubens Pinto Lyra Alexandre de Freitas Barbosa Luciano Nascimento Vanderlei Tenório Plínio de Arruda Sampaio Jr. Tarso Genro João Lanari Bo Carlos Tautz Julian Rodrigues Francisco de Oliveira Barros Júnior Paulo Nogueira Batista Jr José Machado Moita Neto Luiz Costa Lima Jean Pierre Chauvin Ronaldo Tadeu de Souza Andrew Korybko Kátia Gerab Baggio Priscila Figueiredo Chico Alencar Ricardo Antunes Everaldo de Oliveira Andrade Bruno Machado Francisco Pereira de Farias Alexandre de Lima Castro Tranjan Paulo Sérgio Pinheiro Afrânio Catani Paulo Martins Celso Frederico Dennis Oliveira João Carlos Loebens Alysson Leandro Mascaro Sandra Bitencourt Anderson Alves Esteves João Sette Whitaker Ferreira Yuri Martins-Fontes Celso Favaretto Luiz Marques Valério Arcary Caio Bugiato Luiz Bernardo Pericás Elias Jabbour Sergio Amadeu da Silveira Daniel Brazil Leda Maria Paulani Leonardo Boff Fernando Nogueira da Costa Lincoln Secco Renato Dagnino José Geraldo Couto Heraldo Campos Lucas Fiaschetti Estevez Lorenzo Vitral Mariarosaria Fabris Flávio R. Kothe Berenice Bento Bernardo Ricupero Marcus Ianoni Airton Paschoa Jorge Branco Marcos Silva Luiz Werneck Vianna José Luís Fiori Eugênio Bucci Vladimir Safatle Rafael R. Ioris Jean Marc Von Der Weid Antonino Infranca Remy José Fontana Leonardo Avritzer Bento Prado Jr. Marcelo Módolo Ari Marcelo Solon Osvaldo Coggiola Marilia Pacheco Fiorillo Antonio Martins José Dirceu Bruno Fabricio Alcebino da Silva João Feres Júnior Manchetômetro Henry Burnett Ronald León Núñez Walnice Nogueira Galvão Ronald Rocha Salem Nasser André Márcio Neves Soares Michael Löwy Eleutério F. S. Prado Marcelo Guimarães Lima Luiz Roberto Alves José Micaelson Lacerda Morais João Paulo Ayub Fonseca Henri Acselrad Alexandre Aragão de Albuquerque Mário Maestri Marcos Aurélio da Silva Daniel Afonso da Silva Flávio Aguiar Tales Ab'Sáber Ricardo Abramovay

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada