Racionalizações encobridoras

Imagem: Dom J
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ÉRICO ANDRADE & JOÃO PAULO LIMA SILVA E FILHO*

Uma lista de literatas mulheres incomoda muita gente

O que está verdadeiramente em jogo quando discutimos a composição da lista de autoras de literatura obrigatórias para o vestibular da Fuvest nos próximos três anos? Essa foi a pergunta que nos surgiu ao lermos o intrigante documento intitulado “A lista da Fuvest”, postado no site A Terra é Redonda, assinado por um grupo significativo de intelectuais. Este grupo posicionou-se em defesa da pluralidade e da diversidade de critérios para a seleção dos livros de literatura nos vestibulares de 2026 a 2028. Contudo, o texto revela mais sobre seus signatários do que sobre o conteúdo que aparenta defender.

Temos a sensação de que as questões apresentadas, como a suposta ameaça à dignidade da área de literatura, que poderia ser “transformada num saber secundário”, ou ser capturada por uma lógica utilitarista que desvaloriza “a linguagem artística”, são, na verdade, racionalizações encobridoras. Longe de ser um único critério, a escolha exclusiva de autoras mulheres pela Fuvest parece ser uma reação a tantas listas anteriores, predominantemente compostas por homens, sobretudo brancos, ainda que tenha contado com a grande obra de Machado de Assis. Então, por que, de repente, a pluralidade tornou-se um critério prioritário em detrimento de outros critérios?

Na nossa interpretação, há uma sutil camada subjacente aos argumentos apresentados pelos intelectuais, que revela mais do que suas palavras explícitas enunciam. Na verdade, essa discussão parece expor, por meio da defesa aparentemente daquilo que hoje é inquestionável, a saber, da pluralidade (afinal, quem não a defenderia?), a relação íntima entre o mérito acadêmico e os privilégios sociais que o definem. A discussão não é sobre a inclusão, mas sobre quem determina o que deve ser incluído.

Nas ciências sociais, herdamos o conhecimento sobre a relação muitas vezes sutil entre arbítrio e arbitrariedade nas questões culturais. A lição é clara: a seleção de significados que objetivamente define a cultura de um grupo ou classe como um sistema simbólico é arbitrária. Isso se dá porque a estrutura e as funções dessa cultura não podem ser deduzidas de nenhum princípio universal, físico, biológico ou espiritual, não estando conectadas por nenhuma relação interna à “natureza das coisas” ou a uma suposta “natureza humana”. Diante dessa constatação, cabe a quem observa os fenômenos humanos compreender como alguns aspectos arbitrários se apresentam como “princípios universais”, disfarçando-se de “mérito” e “legitimidade”.

A discussão em torno do estabelecimento do cânone literário é, na essência, uma questão profundamente política. A escolha de quais obras serão destacadas como canônicas é permeada por critérios que refletem o poder embutido na seleção do que é considerado “universal” ou “mérito”. O que permanece oculto na carta dos intelectuais é o próprio critério que definiu o cânone majoritariamente branco e masculino, excluindo outras identidades e corpos.

Num país marcado pela desigualdade, as escolhas que parecem neutras e acadêmicas revelam-se, na verdade, influenciadas por um sistema que associa mérito a privilégio. Ao elegerem certas obras como canônicas, os filósofos e intelectuais acabam legitimando não apenas as obras em si, mas também o próprio sistema de escolha que as sustenta.

Essa dissimulação é crucial: esconde a métrica exata que justifica por que outros corpos e identidades foram historicamente excluídos daquele corpus canônico. A aparente neutralidade na defesa do mérito camufla, na realidade, um regime político que perpetua a exclusão e legitima a manutenção de um cânone cultural enviesado.

*Érico Andrade é psicanalista e professor de filosofia na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

*João Paulo Lima Silva e Filho, psicanalista, é doutor em sociologia pela UFPE.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Berenice Bento Michel Goulart da Silva Maria Rita Kehl Daniel Costa Ronaldo Tadeu de Souza Lincoln Secco Milton Pinheiro José Micaelson Lacerda Morais João Paulo Ayub Fonseca Luiz Marques Tarso Genro Luiz Carlos Bresser-Pereira Henri Acselrad Lorenzo Vitral Matheus Silveira de Souza Bruno Fabricio Alcebino da Silva Heraldo Campos Gilberto Maringoni Leonardo Avritzer Rodrigo de Faria André Singer João Adolfo Hansen Ronald Rocha Celso Favaretto Celso Frederico Salem Nasser Flávio R. Kothe André Márcio Neves Soares Francisco de Oliveira Barros Júnior Vladimir Safatle Luiz Werneck Vianna Everaldo de Oliveira Andrade Caio Bugiato Afrânio Catani Paulo Fernandes Silveira Luciano Nascimento Slavoj Žižek Leonardo Boff Annateresa Fabris José Raimundo Trindade Gerson Almeida Jorge Branco Eliziário Andrade Walnice Nogueira Galvão Paulo Nogueira Batista Jr Valerio Arcary Thomas Piketty Fábio Konder Comparato Fernão Pessoa Ramos João Carlos Salles Lucas Fiaschetti Estevez Dênis de Moraes Andrew Korybko Antonino Infranca Manchetômetro Vanderlei Tenório Ladislau Dowbor Julian Rodrigues Antonio Martins Jorge Luiz Souto Maior Antônio Sales Rios Neto Mário Maestri Ricardo Fabbrini Dennis Oliveira Samuel Kilsztajn Paulo Martins Alexandre de Lima Castro Tranjan Jean Marc Von Der Weid Denilson Cordeiro Kátia Gerab Baggio Ricardo Abramovay Gabriel Cohn Vinício Carrilho Martinez Claudio Katz Gilberto Lopes Sandra Bitencourt Remy José Fontana Liszt Vieira Priscila Figueiredo João Lanari Bo Marilena Chauí Benicio Viero Schmidt Sergio Amadeu da Silveira Yuri Martins-Fontes Paulo Capel Narvai Rafael R. Ioris Ricardo Musse Flávio Aguiar Tadeu Valadares Otaviano Helene Armando Boito Carla Teixeira José Machado Moita Neto Atilio A. Boron Eduardo Borges Daniel Afonso da Silva Alexandre de Freitas Barbosa Francisco Pereira de Farias Érico Andrade José Dirceu Luiz Bernardo Pericás Eleonora Albano Eleutério F. S. Prado Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Leda Maria Paulani Henry Burnett Marjorie C. Marona Michael Roberts João Feres Júnior Tales Ab'Sáber Boaventura de Sousa Santos Chico Alencar Eugênio Bucci Jean Pierre Chauvin Renato Dagnino Ronald León Núñez Igor Felippe Santos Luís Fernando Vitagliano Marcelo Módolo Valerio Arcary Marcus Ianoni Carlos Tautz Luiz Renato Martins Michael Löwy Mariarosaria Fabris Francisco Fernandes Ladeira Marilia Pacheco Fiorillo Daniel Brazil Luiz Roberto Alves Juarez Guimarães Ricardo Antunes Chico Whitaker Leonardo Sacramento Luis Felipe Miguel Bernardo Ricupero José Costa Júnior Alysson Leandro Mascaro Marcos Aurélio da Silva Ari Marcelo Solon José Luís Fiori Airton Paschoa Osvaldo Coggiola Luiz Eduardo Soares Andrés del Río José Geraldo Couto Marcos Silva Fernando Nogueira da Costa Paulo Sérgio Pinheiro Bruno Machado Eugênio Trivinho Plínio de Arruda Sampaio Jr. Manuel Domingos Neto Elias Jabbour Anselm Jappe Rubens Pinto Lyra Bento Prado Jr. Alexandre Aragão de Albuquerque Marcelo Guimarães Lima João Sette Whitaker Ferreira João Carlos Loebens

NOVAS PUBLICAÇÕES