Desmond Tutu (1931-2021)

Imagem: Taryn Elliott
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JULIA CONLEY*

O significado do ativista e religioso para a África do Sul e o mundo

Deixando um legado de luta em defesa dos povos oprimidos na África do Sul e por todo o mundo, o arcebispo Desmond Tutu faleceu no domingo, 26 de dezembro, aos 90 anos de idade, na cidade de Cape Town – supostamente em razão de um câncer.

Defensores dos direitos humanos, da equidade em saúde, da justiça econômica e da não-violência homenagearam Tutu, quem ajudou a liderar o movimento anti-apartheid na África do Sul e da Comissão da Verdade e Reconciliação posteriormente formada.

O grupo independente Os Anciãos (The Elders), composto por líderes globais engajados em prol da justiça e da boa governança, afirmou que seu “comprometimento com a paz, o amor, e a igualdade fundamental de todos os seres humanos irá perdurar, inspirando as gerações futuras.”

“Os Anciãos não seriam o que são hoje sem a sua paixão, seu comprometimento e sua aguçada bússola moral,” disse Mary Robinson, ex-presidente da Irlanda e atual presidente dos Anciãos. “Ele me inspirou a ser uma ‘prisioneira da esperança’, em sua frase inimitável. [Tutu] era respeitado por todo o mundo devido à sua dedicação à justiça, à igualdade e à liberdade. Hoje, estamos de luto por sua morte mas afirmamos nossa determinação em manter suas crenças vivas.”

Tutu foi o primeiro presidente dos Anciãos, de 2007 as 2013, depois de conquistar reconhecimento internacional por seu trabalho liderando os sul-africanos negros na luta contra o sistema do apartheid, que ele condenava como “terrível” enquanto insistia em métodos não-violentos de protesto.

Ele proclamava que o apartheid era uma ameaça à dignidade e a humanidade de ambos os sul-africanos negros e brancos, e convocava os líderes internacionais a impor sanções ao governo do país em protesto contra o sistema do apartheid, uma demanda que levou duas vezes à revogação de seu passaporte por autoridades sul-africanas.

“Se você fica neutro em situações de injustiça, você escolhe o lado do opressor”, diz a famosa frase de Tutu durante a luta contra o apartheid. “Se um elefante pisa na cauda de um rato e você diz que é neutro, o rato não apreciará sua neutralidade.”

Em 1984, Tutu recebeu o prêmio Nobel da paz por suas ações. Depois da queda do sistema do apartheid, em 1994, presidiu a Comissão da Verdade e Reconciliação, cujo objetivo era fornecer um registro da violência e das injustiças perpetradas pelo governo sob o sistema. O arcebispo procurou estabelecer uma “justiça restauradora”, oferecendo compensações aos sobreviventes e anistia aos agressores que cooperaram com o inquérito.

Tutu era um duro crítico das desigualdades econômicas e raciais que persistiam na África do Sul após o fim formal do sistema do apartheid, acusando, em 2004, o presidente Thabo Mbekide de servir a um pequeno número de elites enquanto “muitos dentre os nossos vivem em uma condição extenuante, humilhante e desumanizante de pobreza.”

“Você é capaz de explicar como uma pessoa negra acorda, hoje, em um gueto esquálido, quase 10 anos após sua libertação?” Disse Tutu em 2003. “Depois vai trabalhar na cidade, que ainda é majoritariamente branca, em mansões palacianas. E, no fim do dia, retorna para a miséria?”

Para além de sua terra natal, Tutu era um franco crítico do militarismo e do imperialismo no norte global, cobrando que o ex-presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, e o ex-primeiro ministro do Reino Unido, Tony Blair, fossem processados pela Corte Criminal Internacional pela invasão e ocupação do Iraque.

Tutu também era um defensor dos diretos dos palestinos e um crítico das políticas violentas de Israel que atingiam milhões de pessoas em Gaza e na Cisjordânia, comparando seu tratamento com o sistema do apartheid.

Em 2014, enquanto as Forças de Defesa de Israel realizavam ataques que mataram mais de 2.100 palestinos – em sua maioria civis – Tutu escreveu um artigo exclusivo para o jornal israelense Haaretz, convocando um boicote global a Israel.

Ele clamou aos israelenses que “ativamente desassociassem-se, junto com suas profissões, do planejamento e da construção de infraestruturas relacionadas a perpetuação de injustiças, incluindo a barreira de separação, os terminais de segurança e os checkpoints, e os assentamentos construídos em territórios palestinos ocupados.”

“Aqueles que continuam a fazer negócios com Israel, que contribuem com um sentimento de ‘normalidade’ na sociedade israelense, estão realizando um desserviço ao povo de Israel e da Palestina,” escreveu Tutu. “Eles estão contribuindo com a perpetuação de um status quo profundamente injusto. Aqueles que colaboram com o isolamento temporário de Israel estão dizendo que os israelenses e os palestinos são igualmente merecedores de dignidade e paz.”

Naquele mesmo ano, Tutu convocou um desinvestimento global na indústria de combustíveis fósseis nos mesmos moldes das sanções internacionais que apoiara contra a África do Sul, e que ajudaram a acabar com o apartheid.

“Vivemos em um mundo dominado pela ganância”, escreveu Tutu ao The Guardian. “Permitimos que os interesses do capital se sobrepusessem aos interesses dos seres humanos e da Terra. Está claro que [as empresas] simplesmente não vão desistir; elas ganham dinheiro demais com isso.”

“Pessoas conscientes precisam romper seus laços com empresas que financiam a injustiça das mudanças climáticas”, continuava Tutu. “Podemos, por exemplo, boicotar eventos, equipes esportivas, e programas midiáticos financiados por empresas de combustíveis fósseis… Podemos encorajar cada vez mais nossas universidades, municipalidades e instituições culturais a romper seus laços com a indústria de combustíveis fósseis.”

Tutu também era reconhecido por sua luta global em defesa dos direitos LGBTQ+, suas demandas pelo fim do negacionismo da AIDS na África do Sul e, mais recentemente, seus esforços no combate a desinformação sobre as vacinas contra a Covid-19.

“O bispo Tutu significava tanto para tantas pessoas”, disse o reverendo Dr. William Barber II, copresidente da Campanha do Pobres nos Estados Unidos. “Agradecemos a Deus por sua vida. Que nós, que acreditamos na liberdade e na justiça, sejamos para sempre o seu legado”.

*Julia Conley é jornalista.

Tradução: Daniel Pavan.

Publicado originalmente no portal Common Dreams.

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Dennis Oliveira Bruno Fabricio Alcebino da Silva Daniel Brazil Luiz Bernardo Pericás Priscila Figueiredo Ricardo Abramovay Flávio R. Kothe Gabriel Cohn Gilberto Maringoni Luiz Roberto Alves Eleutério F. S. Prado Michael Löwy Eugênio Bucci José Dirceu Jorge Branco Luiz Werneck Vianna Ronaldo Tadeu de Souza Chico Whitaker Alexandre de Lima Castro Tranjan Jean Marc Von Der Weid Andrew Korybko Andrés del Río Ari Marcelo Solon Daniel Costa Chico Alencar Érico Andrade Maria Rita Kehl Tarso Genro Celso Frederico Carla Teixeira Eugênio Trivinho André Márcio Neves Soares Armando Boito Ricardo Fabbrini Juarez Guimarães Paulo Sérgio Pinheiro Francisco Pereira de Farias Afrânio Catani Milton Pinheiro Kátia Gerab Baggio Luiz Carlos Bresser-Pereira Caio Bugiato Anselm Jappe Leonardo Sacramento Luís Fernando Vitagliano Luiz Marques Osvaldo Coggiola Bento Prado Jr. Heraldo Campos Manchetômetro Jorge Luiz Souto Maior Eleonora Albano Tales Ab'Sáber Antonino Infranca Lorenzo Vitral Marcus Ianoni Sandra Bitencourt Paulo Nogueira Batista Jr Antônio Sales Rios Neto Luiz Eduardo Soares João Feres Júnior Otaviano Helene Remy José Fontana Rafael R. Ioris Fábio Konder Comparato João Carlos Salles Claudio Katz Alysson Leandro Mascaro Slavoj Žižek Denilson Cordeiro João Carlos Loebens Ronald Rocha Lincoln Secco Renato Dagnino Eliziário Andrade Ricardo Musse João Lanari Bo Lucas Fiaschetti Estevez Alexandre de Freitas Barbosa Thomas Piketty Manuel Domingos Neto Francisco Fernandes Ladeira José Raimundo Trindade João Paulo Ayub Fonseca Rodrigo de Faria Henry Burnett Walnice Nogueira Galvão Jean Pierre Chauvin Bernardo Ricupero João Adolfo Hansen Luiz Renato Martins Flávio Aguiar Luis Felipe Miguel Mariarosaria Fabris Julian Rodrigues Tadeu Valadares José Machado Moita Neto Henri Acselrad Plínio de Arruda Sampaio Jr. Yuri Martins-Fontes Michel Goulart da Silva Francisco de Oliveira Barros Júnior Daniel Afonso da Silva Leonardo Avritzer Salem Nasser Annateresa Fabris Marcelo Módolo Luciano Nascimento Samuel Kilsztajn José Luís Fiori Ladislau Dowbor José Micaelson Lacerda Morais Ricardo Antunes José Costa Júnior Gerson Almeida Valerio Arcary Alexandre Aragão de Albuquerque Michael Roberts Liszt Vieira Mário Maestri Igor Felippe Santos João Sette Whitaker Ferreira Fernando Nogueira da Costa Boaventura de Sousa Santos Marjorie C. Marona Carlos Tautz Rubens Pinto Lyra Berenice Bento Valerio Arcary Antonio Martins Paulo Capel Narvai Marcos Aurélio da Silva Vinício Carrilho Martinez Paulo Fernandes Silveira Benicio Viero Schmidt Marilia Pacheco Fiorillo Elias Jabbour Fernão Pessoa Ramos Leonardo Boff Vladimir Safatle Leda Maria Paulani Gilberto Lopes Everaldo de Oliveira Andrade Dênis de Moraes José Geraldo Couto Airton Paschoa Celso Favaretto Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Vanderlei Tenório Atilio A. Boron André Singer Marilena Chauí Matheus Silveira de Souza Sergio Amadeu da Silveira Bruno Machado Marcelo Guimarães Lima Eduardo Borges Marcos Silva Ronald León Núñez Paulo Martins

NOVAS PUBLICAÇÕES