As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A operação comandada pela Polícia Federal

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por MANUEL DOMINGOS NETO*

O Brasil persiste sem instrumentos de força para respaldar decisões soberanas em política externa e as Forças Armadas brasileiras continuam integrando oficiosamente o vasto esquema militar comandado pelo Pentágono

As operações de busca e apreensão na residência de generais próximos de Jair Bolsonaro e a prisão de dois oficiais superiores deixou confiantes os que prezam a democracia. Quem grita, “sem anistia”, sentiu-se contemplado. Muitos salientaram tratar-se de momento histórico sem precedentes e aplaudem a coragem do ministro Alexandre de Moraes. A maioria aceita a ideia de que a democracia venceu. Nestes tempos obscuros, é bom demais ter algo de relevante a comemorar.

Mas, caberia pensar… ao acatar decisões judiciais desta monta, as corporações, profundamente envolvidas em manobras antidemocráticas nos últimos anos, não passam a falsa noção de que, repentinamente, em lance inédito, assumem seriamente a institucionalidade do jogo democrático?

Uma ação da Justiça, por contundente que seja, teria o condão de alterar a velha tendência castrense de interferir no jogo político?

Mais sensato seria imaginar que a postura dos comandantes revela a satisfação diante da prevalência dos desígnios das fileiras.

O atual governo não mostrou disposição para alterar as orientações da Defesa Nacional e, consequentemente, reformar instituições militares ineptas para dizer não ao estrangeiro hostil e aptas ao controle da sociedade.

O militar continua pautando o governo em matéria de Defesa. O ministro José Múcio assume com todas as letras sua condição de “representante” das Forças, abdicando da condição de integrante da corrente política sufragada nas urnas.

Como se sabe, a condução da política de Defesa guarda implicações diretas com os mais variados domínios da atuação do Estado, em particular com as relações externas, a Segurança Pública, o desenvolvimento técnico- científico e industrial. A política de Defesa é uma peça-chave da integração sul-americana. Ao ditar a Política de Defesa o militar se imiscui como quer nas entranhas do Estado e da sociedade. Em outras palavras, persiste exercendo a tutela configurada ao longo do regime republicano.

O atual governo assegura a continuidade de práticas corporativas ancestrais que garantem a priorização do combate ao “inimigo interno” em detrimento da capacidade de dizer não ao potencial agressor estrangeiro. O Brasil continua sustentando extensas fileiras terrestres e evitando priorizar sua capacidade aeronaval; persiste sem instrumentos de força para respaldar decisões soberanas em política externa. As Forças Armadas brasileiras continuam integrando oficiosamente o vasto esquema militar comandado pelo Pentágono.

Vitoriosos no embate político principal, os comandos militares acatam o sacrifício de alguns dos seus em troca da preservação da capacidade de ingerir nos negócios públicos e na vida social. 

Hoje, em essência, ao tempo em que a institucionalidade democrática mostra vigor, foi dado um passo importante para conter a corrosão da imagem das Forças Armadas. Talvez seja esse o significado mais relevante da operação comandada pela Polícia Federal: o acatamento da decisão judicial ocorre como ato de proteção corporativa.

Os comandantes sabiam da impossibilidade de sair incólumes depois da aventura em que se meteram ao apadrinhar Jair Bolsonaro e respaldar seus desmandos. Afinal, atuaram em favor da prisão de Lula e confraternizaram com baderneiros reunidos diante dos quartéis. Em sua trágica aventura, envolveram o conjunto das corporações. Nenhum comandante de unidade militar deixou de, pelo menos, prevaricar.

O preço a pagar pela preservação das instituições militares seria o sacrifício de alguns camaradas, os mais notoriamente associados ao ex-presidente.

Mas nada garante que o jogo de cena em curso se desenvolva de forma exitosa. Os oficiais hoje investigados se comportarão altivamente na defesa de suas corporações? Aceitarão ser punidos solitariamente preservando a imagem das fileiras?

Eis uma hipótese remota, se considerarmos a conduta do coronel Mauro Cid, que forneceu elementos preciosos aos investigadores. Difícil imaginar homens arrogantes e truculentos, como os generais Augusto Heleno e Braga Netto resignando-se ao cárcere. Mais fácil é imaginá-los atirando, inclusive em seus desafetos fardados. A caserna cultiva camaradagem e desafeições.

Quanto ao ex-presidente, pior ainda. Quem aposta no padrão moral de Jair Bolsonaro? Na cadeia, esse homem, com arrobas de crimes nas costas, poderá bater com a língua nos dentes e desmontar o imaginário coletivo tão cultivado pelas fileiras. Não seria surpresa caso seja silenciado.

Qualquer que seja o rumo dos acontecimentos, o fato é que estamos longe do final de um triste e trágico capítulo da história brasileira.

*Manuel Domingos Neto é professor aposentado da UFC, ex-presidente da Associação Brasileira de Estudos de Defesa (ABED). Autor, entre outros livros de O que fazer com o militar – Anotações para uma nova Defesa Nacional (Gabinete de Leitura).


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Paulo Capel Narvai Dennis Oliveira Everaldo de Oliveira Andrade Osvaldo Coggiola Chico Alencar Caio Bugiato Airton Paschoa Bruno Machado Dênis de Moraes Alexandre Aragão de Albuquerque Ari Marcelo Solon Mário Maestri Paulo Fernandes Silveira Jean Marc Von Der Weid Ricardo Musse Heraldo Campos Fernando Nogueira da Costa José Geraldo Couto Eleonora Albano Lucas Fiaschetti Estevez Eduardo Borges Luiz Marques José Dirceu Marilena Chauí Leda Maria Paulani Bento Prado Jr. Paulo Sérgio Pinheiro Eleutério F. S. Prado Andrew Korybko Gilberto Lopes André Márcio Neves Soares Slavoj Žižek André Singer Antonio Martins Mariarosaria Fabris Roberto Bueno Samuel Kilsztajn João Paulo Ayub Fonseca João Sette Whitaker Ferreira Marjorie C. Marona Priscila Figueiredo Eliziário Andrade Sergio Amadeu da Silveira Anderson Alves Esteves Vladimir Safatle Ronaldo Tadeu de Souza Flávio R. Kothe Alexandre de Lima Castro Tranjan Érico Andrade Ricardo Fabbrini Annateresa Fabris Marcus Ianoni José Micaelson Lacerda Morais Carla Teixeira Ronald León Núñez Otaviano Helene Anselm Jappe Manuel Domingos Neto Michael Löwy Ricardo Abramovay Michael Roberts Armando Boito Berenice Bento Henri Acselrad Antônio Sales Rios Neto Francisco de Oliveira Barros Júnior Manchetômetro Eugênio Bucci Bruno Fabricio Alcebino da Silva Paulo Martins Carlos Tautz Yuri Martins-Fontes Elias Jabbour Walnice Nogueira Galvão José Raimundo Trindade Renato Dagnino Ladislau Dowbor Daniel Afonso da Silva Ricardo Antunes Jorge Luiz Souto Maior Marcos Aurélio da Silva João Lanari Bo Jean Pierre Chauvin Chico Whitaker Boaventura de Sousa Santos Luiz Costa Lima Salem Nasser Luís Fernando Vitagliano Tarso Genro Sandra Bitencourt Marcelo Guimarães Lima Igor Felippe Santos Luis Felipe Miguel Gabriel Cohn Plínio de Arruda Sampaio Jr. Thomas Piketty José Luís Fiori Luiz Renato Martins Lincoln Secco Alexandre de Freitas Barbosa Daniel Costa Alysson Leandro Mascaro Lorenzo Vitral José Machado Moita Neto Rubens Pinto Lyra Juarez Guimarães Tales Ab'Sáber Kátia Gerab Baggio Luiz Carlos Bresser-Pereira Rafael R. Ioris Marcos Silva João Adolfo Hansen Luiz Bernardo Pericás Rodrigo de Faria Marcelo Módolo João Feres Júnior Jorge Branco Afrânio Catani Daniel Brazil Marilia Pacheco Fiorillo Ronald Rocha Luiz Roberto Alves Atilio A. Boron Benicio Viero Schmidt Fábio Konder Comparato Vinício Carrilho Martinez João Carlos Loebens Vanderlei Tenório Francisco Fernandes Ladeira Claudio Katz Tadeu Valadares Eugênio Trivinho Henry Burnett Luiz Eduardo Soares Fernão Pessoa Ramos Leonardo Sacramento Bernardo Ricupero Gilberto Maringoni Liszt Vieira Paulo Nogueira Batista Jr Maria Rita Kehl Milton Pinheiro Leonardo Avritzer Luiz Werneck Vianna Julian Rodrigues Leonardo Boff João Carlos Salles Flávio Aguiar Gerson Almeida Celso Favaretto Luciano Nascimento Roberto Noritomi Valério Arcary Antonino Infranca Remy José Fontana Denilson Cordeiro Celso Frederico Valerio Arcary Francisco Pereira de Farias José Costa Júnior

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada