A reabertura precipitada

Imagem_Oto Vale
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por RICARDO GEBRIM*

Seguimos no rumo do caos, com o perigo do neofascismo buscando se aproveitar da situação

A principal contradição geopolítica mundial dos últimos anos é o conflito entre o imperialismo dos EUA e a China reforçada com sua aliança estratégica com a Rússia. Ela determina as grandes decisões estratégicas das potências mundiais e se revela em inúmeros embates em todo o mundo. Apesar de perder terreno na economia e na política, os EUA mantêm a supremacia militar. Além de suas numerosas bases espalhadas por todo o mundo, gastam parte considerável do expressivo orçamento em sustentar estruturas militares de seus aliados, tais como os países do Báltico, Ucrânia e Polônia.

Perder a corrida geopolítica e sustentar-se centralmente nas armas, projeta um cenário de previsível elevação de tensões militares, com o crescimento de conflitos localizados e ataques provocativos. Nesse contexto, ganha relevância analisar se uma das consequências da atual crise impulsionada pela pandemia, será compreender que a superação econômica e política da China sobre os EUA, que já avançava a largos passos, dará, agora, um salto de qualidade nos próximos anos.

Segundo o ranking anual de riqueza mundial (Global Wealth Report, 2019), divulgado pelo banco suíço Credit Suisse, a China já superou os EUA.  Por sua vez, o jornal Financial Times previu – a partir de cálculos feitos com dados do Fundo Monetário Internacional e anteriores a pandemia – que a China ultrapassará definitivamente os EUA em 2023, também em relação ao Produto Interno Bruto nominal.

O fato determinante desse previsível salto de qualidade na ultrapassagem foi a rapidez na retomada da produção industrial chinesa após o surto da pandemia. Graças à agilidade em promover medidas sociais restritivas, o surto de Covid-19 originado em Wuhan, província de Hubei, foi contido em tempo recorde, possibilitando que as fábricas retomassem amplamente à produção em tempo integral.

Não é casual que ocorra uma acelerada busca de investidores internacionais por títulos soberanos chineses. Com a pandemia, mesmo a China sendo o centro do primeiro surto, a procura pelos papéis cresceu significativamente, demonstrando que o pragmatismo capitalista já a percebe como o refúgio seguro e rentável.

Enquanto isso, nos EUA, Trump, assim como seu pupilo Bolsonaro, afrontou as evidências científicas, propagandeou medicamentos não comprovados, minimizou os impactos da doença e afastou os que insistiram em seguir políticas públicas baseadas em critérios técnicos. Tudo em nome de uma imediata retomada da produção econômica. Mesmo diante da catástrofe do número de mortos, instiga sua equipe de assessores da Casa Branca para atacar Anthony Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas, órgão público responsável por aconselhar o presidente nas políticas para combater a pandemia do novo coronavirus.

Além da postura irresponsável e genocida do governo de Trump, as desigualdades sociais e a ausência de um sistema público de saúde potencializaram a propagação do vírus, mantendo a curva em ascensão apesar dos fartos recursos econômicos para adquirir testes e investir em pesquisas para uma vacina ou novos medicamentos.

A nova onda de infecções e as restrições às atividades comerciais ameaçam os sinais iniciais de recuperação da economia estadunidense que, pelo segundo mês consecutivo, conseguiu gerar parte dos empregos perdidos durante a pandemia. A consequência da assimetria entre as políticas chinesas e estadunidenses é que a disparada de novos casos de coronavirus nos EUA obrigam uma nova quarentena com economias estaduais sendo fechadas mais uma vez, retardando a desejada retomada da plena capacidade de produção.

Em resumo, a estratégia da China de eliminar o vírus antes de tentar uma grande reabertura da economia revelou-se uma decisão certa, na comparação com os EUA, confirmando a previsão de que estará em melhores condições de avançar e ganhar terreno na disputa mundial.

Estudos recentes sobre a experiencia da gripe espanhola (1918 a 1920)  demonstraram que a recuperação econômica em 43 cidades estadunidenses após o fim do surto foi mais rápida onde as autoridades municipais adotaram medidas de isolamento para conter a expansão da epidemia, em comparação com locais que não atuaram para reduzir o contágio.

No Brasil, a postura genocida de Bolsonaro é cada vez mais reproduzida por governadores e prefeitos pressionados pela reabertura irresponsável – exatamente porque acontece quando as curvas oficiais de contaminações e de mortes se revelam muito distantes de mínimo parâmetro de estabilização que justifique uma medida tão arriscada.

Como se previa, as mortes recaem fundamentalmente sobre as classes trabalhadoras, revelando a crueldade de nossa desigualdade social e atingem cinco vezes mais a população negra.

A insuficiência de testes e dados confiáveis sobre as mortes nos lançam num voo cego, no qual o ministro interino da Saúde é um militar ironicamente com formação de paraquedista e graduação avançada de salto livre.

As maiores cidades brasileiras estão reabrindo suas atividades quando a curva do número de mortes ainda se mostra estável e até mesmo em ascensão. Segundo a pesquisa EpiCovid-19, coordenada pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel) e financiada pelo Ministério da Saúde, até o fim de junho, apenas 3,8% da população brasileira já tinha sido exposta ao virus. Um dado que sugere que a tragédia ainda pode se expandir de forma avassaladora antes que uma vacina tenha eficácia e possa ser aplicada em toda a população.

É certo que estamos assistindo uma corrida sem precedentes pelas vacinas, inovações farmacêuticas e novas ferramentas para enfrentar a pandemia. No entanto, dificilmente conseguirão impedir o que nos espera nos próximos meses. Seguimos no rumo do caos, com o perigo do neofascismo buscando se aproveitar da situação.

Um novo cenário mundial vai se desenhando rapidamente. Perda da supremacia dos EUA, avanço da China em aliança com a Rússia, agravamento súbito das condições de vida das massas em todo o mundo e provável aumento das tensões internacionais.

*Ricardo Gebrim é advogado e membro da Direção Nacional da Consulta Popular

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Carlos Tautz João Feres Júnior André Singer Denilson Cordeiro Michel Goulart da Silva Juarez Guimarães Marcus Ianoni Julian Rodrigues Milton Pinheiro Jorge Branco Manchetômetro Tadeu Valadares Salem Nasser Fernando Nogueira da Costa Flávio Aguiar Chico Whitaker Maria Rita Kehl Bruno Machado Luiz Carlos Bresser-Pereira Mariarosaria Fabris Leda Maria Paulani Slavoj Žižek José Luís Fiori Valerio Arcary José Raimundo Trindade Luiz Roberto Alves Lucas Fiaschetti Estevez João Carlos Loebens Gilberto Maringoni Ricardo Fabbrini Fábio Konder Comparato Luiz Marques Celso Frederico Gerson Almeida Andrés del Río Henri Acselrad Alysson Leandro Mascaro José Geraldo Couto Marilena Chauí Claudio Katz Daniel Brazil Antonino Infranca Ladislau Dowbor Matheus Silveira de Souza Boaventura de Sousa Santos Vladimir Safatle João Adolfo Hansen Henry Burnett Afrânio Catani Dennis Oliveira Caio Bugiato Jorge Luiz Souto Maior Francisco Pereira de Farias José Dirceu Leonardo Boff Priscila Figueiredo Paulo Nogueira Batista Jr Paulo Fernandes Silveira Sandra Bitencourt Armando Boito Valerio Arcary Yuri Martins-Fontes Ricardo Musse Francisco Fernandes Ladeira Vinício Carrilho Martinez Paulo Sérgio Pinheiro Ronaldo Tadeu de Souza Everaldo de Oliveira Andrade Ricardo Antunes Marilia Pacheco Fiorillo Eleutério F. S. Prado João Carlos Salles João Sette Whitaker Ferreira Marcelo Módolo Jean Pierre Chauvin Gilberto Lopes José Costa Júnior Alexandre Aragão de Albuquerque Luiz Werneck Vianna Plínio de Arruda Sampaio Jr. Paulo Capel Narvai Lincoln Secco João Lanari Bo Rafael R. Ioris Otaviano Helene André Márcio Neves Soares Leonardo Avritzer Elias Jabbour Leonardo Sacramento Samuel Kilsztajn Michael Roberts Daniel Costa Chico Alencar Annateresa Fabris Heraldo Campos Flávio R. Kothe Rodrigo de Faria Ari Marcelo Solon Luiz Renato Martins Marcos Aurélio da Silva Celso Favaretto Marcelo Guimarães Lima Walnice Nogueira Galvão Berenice Bento Daniel Afonso da Silva Lorenzo Vitral Airton Paschoa Luis Felipe Miguel Bernardo Ricupero Marjorie C. Marona José Machado Moita Neto Remy José Fontana Eugênio Trivinho Tales Ab'Sáber Érico Andrade Eleonora Albano Igor Felippe Santos Jean Marc Von Der Weid Ronald Rocha Anselm Jappe Andrew Korybko Ronald León Núñez Rubens Pinto Lyra Thomas Piketty Kátia Gerab Baggio Sergio Amadeu da Silveira Vanderlei Tenório Luís Fernando Vitagliano Dênis de Moraes Osvaldo Coggiola Fernão Pessoa Ramos Benicio Viero Schmidt Eduardo Borges Carla Teixeira Liszt Vieira Manuel Domingos Neto Ricardo Abramovay Atilio A. Boron Antônio Sales Rios Neto Michael Löwy Tarso Genro Paulo Martins Bento Prado Jr. Eliziário Andrade Marcos Silva Luiz Bernardo Pericás João Paulo Ayub Fonseca Antonio Martins Renato Dagnino Anderson Alves Esteves Luciano Nascimento José Micaelson Lacerda Morais Francisco de Oliveira Barros Júnior Alexandre de Freitas Barbosa Gabriel Cohn Alexandre de Lima Castro Tranjan Bruno Fabricio Alcebino da Silva Luiz Eduardo Soares Mário Maestri Eugênio Bucci

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada