As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

As instituições não funcionaram

Imagem: Matheus Natan
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por KÁTIA GERAB BAGGIO*

As instituições falharam na defesa da democracia

Durante os últimos anos, e ainda hoje, escutamos que as instituições brasileiras funcionaram — e que continuam funcionando.

Não! As instituições brasileiras não funcionaram para defender a democracia e o Estado Democrático de Direito.

Se tivessem funcionado devidamente, Dilma Rousseff não teria sofrido um impeachment sem crime de responsabilidade comprovado; Lula não teria sido condenado e preso sem provas de que tivesse cometido qualquer crime; e Jair Bolsonaro teria tido seu mandato de deputado federal cassado, com a devida perda dos direitos políticos, por falta de decoro parlamentar — em inúmeras ocasiões, incluindo atitudes agressivas contra colegas do Congresso, como o senador Randolfe Rodrigues, então no PSOL, em 2013; e a deputada federal Maria do Rosário (PT), em 2014 —, além de incontáveis manifestações racistas, misóginas e/ou homofóbicas. E por elogios a um torturador reconhecido como tal pelo Judiciário: o coronel do Exército Carlos Alberto Brilhante Ustra, falecido em 2015, que foi diretor do Destacamento de Operações e Informações – Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-Codi), órgão subordinado ao Exército, em São Paulo, de setembro de 1970 a janeiro de 1974, durante a ditadura militar.

No dia 17 de abril de 2016, na votação pela admissibilidade do processo de impeachment da ex-presidente Dilma, o então deputado Jair Bolsonaro declarou, no plenário da Câmara: “Perderam em 64, perderam agora em 2016. Pela família e pela inocência das crianças em sala de aula, que o PT nunca teve [sic]; contra o comunismo; pela nossa liberdade; contra o Foro de São Paulo; pela memória do Coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, o pavor de Dilma Rousseff; pelo Exército de Caxias; pelas nossas Forças Armadas; por um Brasil acima de tudo e por Deus acima de todos, o meu voto é sim”.

Ao mencionar Ustra como “o pavor de Dilma Rousseff”, Bolsonaro admitiu, mesmo que tenha negado posteriormente, o passado de torturador do coronel falecido. E não foi cassado por elogio à tortura, como deveria ter sido. O processo, então aberto no Conselho de Ética da Câmara, foi arquivado, em 9 de novembro de 2016, sob a alegação de que “o deputado apenas expressou sua livre opinião política, amparado na inviolabilidade parlamentar”.

Aceitou-se que Jair Bolsonaro agredisse colegas parlamentares. Aceitou-se que defendesse um torturador, assim reconhecido pelo Judiciário. Aceitou-se que um notório defensor da ditadura militar mantivesse o seu mandato parlamentar.

As instituições falharam na defesa da democracia. Permitiram que um herdeiro dos porões da ditadura militar chegasse ao cargo mais importante da República, com o voto de mais de 57 milhões de brasileiros e brasileiras, conscientes ou ignorantes do seu passado — e presente — imerso no horror da ditadura, da tortura e das milícias.

Que as instituições, finalmente, funcionem, aprovando a destituição de Jair Bolsonaro da Presidência da República, por crimes de responsabilidade comprovados.

*Kátia Gerab Baggio é professora de História das Américas na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Chico Whitaker Francisco de Oliveira Barros Júnior Mário Maestri Elias Jabbour Luis Felipe Miguel Manuel Domingos Neto Marjorie C. Marona Bruno Machado Michael Löwy Luiz Eduardo Soares Luiz Costa Lima Marcelo Módolo Sergio Amadeu da Silveira Priscila Figueiredo Eugênio Trivinho Marcelo Guimarães Lima Paulo Capel Narvai Alysson Leandro Mascaro Sandra Bitencourt Yuri Martins-Fontes João Lanari Bo Érico Andrade Marilena Chauí Vanderlei Tenório Luiz Carlos Bresser-Pereira Salem Nasser Ari Marcelo Solon Plínio de Arruda Sampaio Jr. Lincoln Secco André Singer João Carlos Loebens Henry Burnett Fernando Nogueira da Costa Eleutério F. S. Prado Paulo Nogueira Batista Jr Paulo Sérgio Pinheiro Afrânio Catani Dênis de Moraes Gilberto Lopes Valério Arcary Eduardo Borges José Machado Moita Neto Igor Felippe Santos Eleonora Albano Anderson Alves Esteves Paulo Martins Celso Favaretto Roberto Bueno Leda Maria Paulani Everaldo de Oliveira Andrade Julian Rodrigues Ronald Rocha Francisco Fernandes Ladeira Thomas Piketty Ronald León Núñez Daniel Afonso da Silva Tales Ab'Sáber Henri Acselrad Valerio Arcary Jorge Luiz Souto Maior Bernardo Ricupero Marcos Silva Carla Teixeira Vinício Carrilho Martinez Airton Paschoa Eugênio Bucci Alexandre de Lima Castro Tranjan Milton Pinheiro Marcus Ianoni Berenice Bento Dennis Oliveira Osvaldo Coggiola Slavoj Žižek Carlos Tautz Caio Bugiato João Paulo Ayub Fonseca José Geraldo Couto Antonino Infranca João Sette Whitaker Ferreira Atilio A. Boron Luís Fernando Vitagliano Marilia Pacheco Fiorillo Armando Boito José Luís Fiori José Costa Júnior Lorenzo Vitral Fernão Pessoa Ramos Gabriel Cohn Ricardo Musse Luciano Nascimento Remy José Fontana Ricardo Abramovay Flávio Aguiar Kátia Gerab Baggio Gilberto Maringoni Michael Roberts Renato Dagnino Gerson Almeida Mariarosaria Fabris Flávio R. Kothe Luiz Marques Alexandre Aragão de Albuquerque Fábio Konder Comparato Leonardo Sacramento Vladimir Safatle André Márcio Neves Soares Luiz Roberto Alves Rubens Pinto Lyra Jorge Branco Anselm Jappe Paulo Fernandes Silveira João Feres Júnior Liszt Vieira Marcos Aurélio da Silva Daniel Brazil Bento Prado Jr. Leonardo Avritzer Rafael R. Ioris Ladislau Dowbor Roberto Noritomi Benicio Viero Schmidt Heraldo Campos Luiz Bernardo Pericás Antonio Martins Leonardo Boff Tarso Genro José Dirceu Samuel Kilsztajn João Carlos Salles Ricardo Fabbrini Ricardo Antunes João Adolfo Hansen Manchetômetro Francisco Pereira de Farias Lucas Fiaschetti Estevez Claudio Katz Celso Frederico Boaventura de Sousa Santos Rodrigo de Faria Jean Marc Von Der Weid Bruno Fabricio Alcebino da Silva Annateresa Fabris Luiz Werneck Vianna Walnice Nogueira Galvão José Micaelson Lacerda Morais Daniel Costa Jean Pierre Chauvin Antônio Sales Rios Neto José Raimundo Trindade Ronaldo Tadeu de Souza Alexandre de Freitas Barbosa Juarez Guimarães Otaviano Helene Luiz Renato Martins Denilson Cordeiro Eliziário Andrade Andrew Korybko Maria Rita Kehl Chico Alencar Tadeu Valadares

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada