Lênin – um teórico sutil e complexo

Imagem: Sasha Kruglaya
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LUÍS FELIPE MIGUEL*

A lição incontornável deixada por Lênin é a de que é possível, de que é necessário, ousar sonhar com um novo mundo e lutar para construí-lo

Neste domingo, completam-se cem anos da morte de Vladímir Ilitch Lênin. Ele foi um dos maiores pensadores marxistas de sua geração, um estrategista político genial e um ser humano admirável.

No Ocidente, o discurso hegemônico tenta vesti-lo com a fantasia do “ditador sanguinário”, um adepto primário da visão de que “os fins justificam os meios”, um Joseph Stálin. O desconhecimento em relação a seu pensamento é gritante. Até um intelectual liberal esclarecido, como Robert Dahl, quanto dedica algumas páginas a ele (em seu Democracy and its critics), não passa de generalizações primárias e comete erros tão pueris quanto chamá-lo de “Nikolai”.

Na esquerda ortodoxa, foi transformado numa espécie de Messias. Sua obra foi tão embalsamada quanto seu corpo, passando a integrar o corpo de escritos sagrados – o “marxismo-leninismo” – que não se podia interpelar, nem aproveitar criticamente, apenas reverenciar.

Mas Vladímir Ilitch Lênin foi um teórico sutil e complexo, cujas contribuições para a estratégia da transformação social, para a compreensão do Estado capitalista e para o estudo do imperialismo continuam merecendo atenção. Foi também um exemplo de militante revolucionário, com dedicação a toda prova e uma incrível capacidade de sacrifício pessoal.

Longe de aceitar a doutrina simplista de que os fins justificam os meios, Vladímir Ilitch Lênin tinha uma consciência aguda do drama da política, tal como enunciado por Maquiavel: a tensão entre princípios e resultados, entre a ação no presente e a responsabilidade pelo futuro.

No tortuoso processo de deflagração da Revolução de Outubro, brilhou a genialidade política de Lênin, que naquele momento foi capaz de decifrar com perfeição a fortuna e encarnar de maneira cabal a virtù.

Só podemos especular qual teria sido o desenvolvimento da Rússia soviética sem sua incapacitação e morte prematuras. Sabemos apenas que, em seu testamento, ele advertiu contra Stálin.

Dedicou sua vida à revolução, mas não foi um bitolado, um ser humano incompleto. Lembro de uma história deliciosa que Jean Cocteau conta em sua entrevista à Paris Review, quando discorre sobre a vida boêmia na Paris do início do século passado: “Naquela época, todos nós nos reuníamos no Café Rotonde. E um homenzinho com uma testa enorme, arredondada e cavanhaque preto às vezes costumava entrar lá para tomar um gole e nos ouvir conversar. E para ‘olhar os pintores’. Uma vez perguntamos ao homenzinho (ele nunca dizia nada, só escutava) o que ele fazia. Disse que tinha a séria intenção de derrubar o governo da Rússia. Todos nós rimos, porque, é claro, tínhamos essa mesma intenção. Era assim aquela época! Era Lênin.”

Não foi um santo – ninguém que se dedica à ação política pode se dar ao luxo de sê-lo. Acertou e errou, como todos nós. A revolução que comandou se perdeu no caminho e pereceu de forma melancólica. Mas sua principal lição nós não podemos apagar: a de que é possível, de que é necessário, ousar sonhar com um novo mundo e lutar para construí-lo.

*Luis Felipe Miguel é professor do Instituto de Ciência Política da UnB. Autor, entre outros livros, de Democracia na periferia capitalista: impasses do Brasil (Autêntica).

Publicado originalmente nas redes sociais do autor.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Bruno Machado Paulo Martins Marcus Ianoni José Costa Júnior Armando Boito Anderson Alves Esteves Luiz Werneck Vianna Valerio Arcary Rafael R. Ioris Chico Whitaker Celso Frederico Carlos Tautz Rubens Pinto Lyra Tadeu Valadares Henri Acselrad Jean Pierre Chauvin Ronald León Núñez Flávio Aguiar Claudio Katz Slavoj Žižek Leonardo Sacramento Samuel Kilsztajn Francisco de Oliveira Barros Júnior José Raimundo Trindade João Feres Júnior Lucas Fiaschetti Estevez Plínio de Arruda Sampaio Jr. André Singer Matheus Silveira de Souza Luiz Eduardo Soares Daniel Afonso da Silva Daniel Brazil Manuel Domingos Neto Eugênio Trivinho Bento Prado Jr. Lincoln Secco Chico Alencar Ari Marcelo Solon Leonardo Avritzer Francisco Pereira de Farias Ronald Rocha Manchetômetro Gabriel Cohn Gerson Almeida Ricardo Musse Daniel Costa Alexandre de Lima Castro Tranjan Otaviano Helene Marcelo Guimarães Lima Eduardo Borges João Paulo Ayub Fonseca Osvaldo Coggiola Michel Goulart da Silva João Sette Whitaker Ferreira Priscila Figueiredo Sandra Bitencourt Francisco Fernandes Ladeira Vladimir Safatle Boaventura de Sousa Santos Heraldo Campos Andrés del Río Luciano Nascimento Bernardo Ricupero Mariarosaria Fabris Eliziário Andrade Marilia Pacheco Fiorillo Annateresa Fabris Bruno Fabricio Alcebino da Silva Jorge Branco Fábio Konder Comparato Andrew Korybko Érico Andrade José Luís Fiori Tarso Genro Antonio Martins Dennis Oliveira Benicio Viero Schmidt Walnice Nogueira Galvão Elias Jabbour Remy José Fontana Luiz Roberto Alves Sergio Amadeu da Silveira Tales Ab'Sáber Henry Burnett Eleonora Albano Thomas Piketty Paulo Sérgio Pinheiro Valerio Arcary Alysson Leandro Mascaro Carla Teixeira Luiz Marques Berenice Bento Yuri Martins-Fontes Jean Marc Von Der Weid Luis Felipe Miguel Ronaldo Tadeu de Souza Fernando Nogueira da Costa Gilberto Maringoni Mário Maestri Afrânio Catani Marcos Silva Celso Favaretto Paulo Fernandes Silveira Vanderlei Tenório Liszt Vieira Luiz Renato Martins Marcos Aurélio da Silva Alexandre Aragão de Albuquerque Maria Rita Kehl Luís Fernando Vitagliano Rodrigo de Faria João Adolfo Hansen Antônio Sales Rios Neto Eugênio Bucci Lorenzo Vitral Airton Paschoa Leonardo Boff Denilson Cordeiro Juarez Guimarães Fernão Pessoa Ramos Ladislau Dowbor Dênis de Moraes Eleutério F. S. Prado Marcelo Módolo Renato Dagnino Marilena Chauí Ricardo Fabbrini João Carlos Salles Atilio A. Boron Milton Pinheiro Everaldo de Oliveira Andrade Luiz Carlos Bresser-Pereira Michael Roberts Paulo Capel Narvai José Micaelson Lacerda Morais Igor Felippe Santos Salem Nasser João Carlos Loebens João Lanari Bo Kátia Gerab Baggio Leda Maria Paulani Ricardo Antunes Flávio R. Kothe Ricardo Abramovay Gilberto Lopes Caio Bugiato Alexandre de Freitas Barbosa Anselm Jappe André Márcio Neves Soares Antonino Infranca José Geraldo Couto Jorge Luiz Souto Maior Paulo Nogueira Batista Jr Luiz Bernardo Pericás José Machado Moita Neto José Dirceu Julian Rodrigues Marjorie C. Marona Vinício Carrilho Martinez Michael Löwy

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada