As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

O Brasil em Moïse

Dora Longo Bahia, A polícia vem, a polícia vai, 2018 Acrílica sobre vidro laminado trincado 50 x 80 cm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por RODRIGO MAIOLINI REBELLO PINHO*

Falar de um solo sem cisões decerto não é tratar deste Brasil, ainda pátria de mercadores sem rubor

O assassinato de Moïse Kabamgabe põe diante dos olhos do mundo, uma vez mais, como em uma anatomia em corpo vivo, as tripas disto que se chama Brasil. Expõe um passado que não foi superado, que tampouco subsiste como mero resquício, mas vive como legado. Como mortos agarrando vivos pelos cabelos, pulsa a via colonial escravista de objetivação do capital.

Ora, o que é o infame quiosque Tropicália senão um empreendimento comercial voltado a satisfazer estômagos e fantasias gringas? O que é o Brasil senão uma máquina de moer a própria gente, que se alimenta de sua carne e de seu sangue, para satisfazer necessidades estrangeiras?

Um Moïse torturado e assassinado à beira da praia, as vagas que vem e vão a marulhar, o vento a assoviar, alvos e turísticos casais a comprar cerveja gelada, passando os olhos com desassombro por um corpo negro amarrado e amordaçado, já inerme e inerte, como se de um componente natural da inútil paisagem se tratasse.

O Atlântico ao fundo do Tropicália talvez não fosse a paisagem mais apropriada ao martírio de Moïse, mas sim a orgânica lama tinta de sangue a escorrer dos morros de Petrópolis pelos braços do capital, que destrói os dois únicos mananciais de toda riqueza: a natureza e o ser humano.

A morte de Moïse Kabamgabe nos dá ganas de clamar que Colombo feche a porta desses mares. Pois Moïse escapou da vida no Congo para encontrar aqui a morte. Antes da realidade última ainda experimentou a exploração. Trabalhou no Tropicália, serviu turistas, dormiu na areia, trabalhou no dia seguinte, não recebeu, exigiu o que era seu e, por isso, morreu. Morreu no passeio público, atrapalhando o tráfego, pois sua mãe, como uma Antígona, não aceitou o silêncio iníquo e parou o trânsito de carros, cujo incômodo assim deu à luz a morte de Moïse.

Além da esperança, estranha nessa terra, Moïse aqui chegou carregando nas malas nada além das marcas todas dos construtores todos estranhos dessa terra: trabalhadores, negros, imigrantes. Mas se Moïse não nasceu expropriado, não nasceu negro e não nasceu imigrante, se foi o mundo quem o tornou trabalhador, negro e imigrante, há de se perguntar, uma e mil vezes, se um solo social que não fosse cindido em classes, que não fosse desirmanado em raças, que não fosse cravejado de Estados nacionais, se seria um tal solo fértil para que vicejassem o fato, os autores e a vítima do crime horrendo?

Mas falar de um solo sem cisões decerto não é tratar deste Brasil, ainda pátria de mercadores sem rubor, ainda terra que já no nome revela o seu rosto sanguíneo, o seu fim mercantil.

De tudo o que se possa dizer, nada há de consolar os que ficam da tão injusta partida de quem se vai tão torpemente tolhido de receber o mínimo que lhe era devido pelo capitalismo bandeirante, liberticida e de butim.

Resta, todavia, aos vivos, viver. E, vivendo, revolver este solo putrefato, a fim de que jamais a ele volte um Moïse em cinza, mas dele brote um Moïse em flor.

*Rodrigo Maiolini Rebello Pinho é mestre em história pela PUC-SP.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Antonino Infranca Claudio Katz Vladimir Safatle Berenice Bento Jean Marc Von Der Weid Benicio Viero Schmidt João Carlos Loebens Eleutério F. S. Prado Marcus Ianoni Rubens Pinto Lyra Marilena Chauí Luis Felipe Miguel Francisco Pereira de Farias Renato Dagnino Rafael R. Ioris Bruno Machado Luiz Carlos Bresser-Pereira José Raimundo Trindade Bernardo Ricupero Everaldo de Oliveira Andrade Ricardo Fabbrini Manchetômetro Igor Felippe Santos Paulo Martins Dênis de Moraes Eliziário Andrade Heraldo Campos Celso Favaretto Anderson Alves Esteves Luiz Bernardo Pericás João Paulo Ayub Fonseca Fábio Konder Comparato Airton Paschoa Yuri Martins-Fontes Carla Teixeira Eugênio Bucci Tarso Genro Gerson Almeida Denilson Cordeiro Paulo Sérgio Pinheiro Rodrigo de Faria Antônio Sales Rios Neto Dennis Oliveira Daniel Afonso da Silva André Singer Armando Boito João Feres Júnior Marcelo Módolo Paulo Fernandes Silveira Luiz Marques Bento Prado Jr. Luiz Renato Martins Celso Frederico Kátia Gerab Baggio Vinício Carrilho Martinez Julian Rodrigues Roberto Bueno Gabriel Cohn Ricardo Abramovay Ari Marcelo Solon Michael Löwy João Lanari Bo Henri Acselrad Marcos Aurélio da Silva Daniel Costa Samuel Kilsztajn Eugênio Trivinho Ronald Rocha Luiz Werneck Vianna José Machado Moita Neto Ronald León Núñez Luiz Roberto Alves Flávio R. Kothe Sergio Amadeu da Silveira Paulo Capel Narvai Ladislau Dowbor Walnice Nogueira Galvão Alexandre de Freitas Barbosa Ricardo Musse Valerio Arcary Leonardo Boff José Costa Júnior André Márcio Neves Soares Leonardo Avritzer Vanderlei Tenório Remy José Fontana Bruno Fabricio Alcebino da Silva Manuel Domingos Neto Roberto Noritomi José Luís Fiori Chico Alencar Francisco de Oliveira Barros Júnior Lorenzo Vitral Slavoj Žižek Marcos Silva Atilio A. Boron Lincoln Secco Boaventura de Sousa Santos Francisco Fernandes Ladeira Luciano Nascimento Ricardo Antunes Fernando Nogueira da Costa Elias Jabbour Thomas Piketty Alysson Leandro Mascaro Michael Roberts Gilberto Lopes Juarez Guimarães Leda Maria Paulani Marjorie C. Marona Marcelo Guimarães Lima Mário Maestri Paulo Nogueira Batista Jr Luís Fernando Vitagliano Caio Bugiato Salem Nasser Daniel Brazil Fernão Pessoa Ramos Carlos Tautz Andrew Korybko Luiz Eduardo Soares Otaviano Helene João Adolfo Hansen Afrânio Catani Annateresa Fabris Lucas Fiaschetti Estevez Jorge Branco Luiz Costa Lima Alexandre Aragão de Albuquerque Marilia Pacheco Fiorillo Gilberto Maringoni Flávio Aguiar João Carlos Salles Mariarosaria Fabris Eduardo Borges Alexandre de Lima Castro Tranjan Maria Rita Kehl Ronaldo Tadeu de Souza Chico Whitaker João Sette Whitaker Ferreira Tales Ab'Sáber Érico Andrade Eleonora Albano Leonardo Sacramento José Geraldo Couto Henry Burnett Osvaldo Coggiola Jean Pierre Chauvin Milton Pinheiro Sandra Bitencourt Tadeu Valadares Anselm Jappe Priscila Figueiredo José Dirceu José Micaelson Lacerda Morais Jorge Luiz Souto Maior Plínio de Arruda Sampaio Jr. Liszt Vieira Valério Arcary Antonio Martins

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada