As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

O debate de Gênero nas eleições presidenciais

Imagem: Elyeser Szturm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por FLÁVIA BIROLI*

Como nos países vizinhos, a agenda feminista vai se tornando, cada vez mais, parte incontornável da política. E pode render votos

O primeiro debate das eleições presidenciais de 2022 foi atravessado por questões de gênero. Mas para quem pesquisa a política da perspectiva das mulheres, não há debate ou eleição que não seja. A pergunta é porque agora até os mais desavisados parecem reconhecer que o gênero é parte central das disputas.

Começo pelo que não é novo. No debate de domingo, duas candidatas expressaram com clareza suas posições, Simone Tebet (MDB) e Soraya Thronicke (União Brasil). Em 2014, também em agosto, o debate transmitido pela Band trazia três mulheres. A então candidata à reeleição, Dilma Rousseff (PT), estava em primeiro lugar nas pesquisas, seguida por Marina Silva (PSB). Além delas, estava Luciana Genro (PSOL). Marina Silva participaria também dos debates de 2018. Naqueles pleitos, as mulheres já eram mais de 50% do eleitorado brasileiro. A lei que determina um mínimo de 30% de candidaturas de um dos sexos nas listas partidárias existe desde 1997, tendo se tornado mais efetiva após mudanças na lei em 2009 e com a decisão de 2018 que determina um mínimo do fundo partidário e do horário gratuito de propaganda para as candidaturas femininas.

Bem, as mulheres já estavam na roda, a diferença é que os feminismos se expandiram na esfera pública e as identidades políticas assumiram novos padrões de gênero.

Primeiro, ao menos desde 2018, os padrões de rejeição ou intenção de voto podem estar correlacionados ao fato de as pessoas serem homens ou mulheres. As preferências delas não se definem isoladamente, claro. O ponto é que, em conjunto com outras clivagens, o gênero tem sido importante para explicar o voto.

Em segundo lugar, candidatas têm reivindicado mais a identidade de mulheres ou de feministas. O feminismo difuso está em todos os lugares e candidaturas feministas têm chamado mais a atenção nos últimos pleitos. A Câmara dos Deputados tem, desde 2019, uma Frente Parlamentar Feminista e Antirracista. A novidade é que o feminismo se tornou algo a ser reivindicado mesmo que não exista uma relação mais orgânica com movimentos. No debate da Band, Simone Tebet, advogada e política de centro, se definiu como feminista. Incluiu Soraya Thronicke, uma política de direita, nessa caracterização, e ainda ensaiou uma discussão sobre os sentidos do feminismo.

Por fim, a terceira razão para a diferença. Os movimentos feministas expandiram o debate sobre desigualdades e violências de gênero. Com isso, elas foram sendo desnaturalizadas (não é mais “normal” silenciar, assediar, ofender) e politizadas (são problemas coletivos e públicos, e não de cada mulher). Assim, é relevante como os candidatos homens se comportam com as mulheres, se são hostis ou se assumem compromissos com uma sociedade mais justa.

O descontrole do candidato Jair Bolsonaro (PL), ao agredir a jornalista Vera Magalhães quando ela lhe perguntou sobre a relação entre sua posição contra a vacinação e a queda da cobertura vacinal no país, pode estar relacionado ao fato de que ele não encontra lugar nessa nova configuração. Parte de um movimento de reação a agendas igualitárias e de direitos humanos, rejeita décadas de conquistas feministas. Com maior rejeição entre as eleitoras, parece não saber como se referir a elas, como se viu ao falar das “sem marido” ou destacar crédito para “abrir seu salão de beleza”. Em sua trajetória pública, requentou o bordão da “defesa da família” e alternou desprezo e ironia ao tratar de desigualdades salariais e estupro.

A identidade dos homens também é uma questão de gênero, já que esse conceito ilumina relações e o modo como o feminino e o masculino são definidos, em contextos concretos. Ciro Gomes (PDT) referiu-se a sua criação machista e à necessidade de refletir e mudar. Líder nas pesquisas, o ex-presidente Lula (PT), que concentra as maiores taxas de intenção de voto das mulheres, tem preferido tratar do tema apenas indiretamente. Esse é um efeito de 2018, quando os avanços nas políticas para mulheres nos governos petistas foram tomados como “ideologia” pelos conservadores, sofrendo ataques. Faz sentido aceitar esse enquadramento em 2022? O primeiro debate entre presidenciáveis mostrou que não. Como nos países vizinhos, a agenda feminista vai se tornando, cada vez mais, parte incontornável da política. E pode render votos.

*Flávia Biroli é professora do Instituto de Ciência Política da UnB. Autora, entre outros livros, de Gênero e desigualdades: limites da democracia no Brasil (Boitempo).

Publicado originalmente no site Observatório das eleições.

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia. Clique aqui e veja como

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Julian Rodrigues Daniel Afonso da Silva Luiz Werneck Vianna Leonardo Avritzer Érico Andrade João Paulo Ayub Fonseca Luis Felipe Miguel João Lanari Bo Rafael R. Ioris Tadeu Valadares Marcelo Módolo Vladimir Safatle Antonio Martins João Feres Júnior Manuel Domingos Neto Tarso Genro Marcos Silva João Carlos Loebens Luiz Costa Lima André Márcio Neves Soares Michael Roberts Berenice Bento Ricardo Antunes Bruno Fabricio Alcebino da Silva Mariarosaria Fabris Antônio Sales Rios Neto Ronald Rocha Renato Dagnino Paulo Martins Luiz Renato Martins Henri Acselrad Marilena Chauí Luiz Carlos Bresser-Pereira Gilberto Lopes Rubens Pinto Lyra Antonino Infranca Tales Ab'Sáber Jean Pierre Chauvin Lincoln Secco Celso Favaretto Heraldo Campos Francisco de Oliveira Barros Júnior Roberto Bueno Gerson Almeida Manchetômetro João Sette Whitaker Ferreira Walnice Nogueira Galvão Airton Paschoa Luiz Roberto Alves Eliziário Andrade Plínio de Arruda Sampaio Jr. Carla Teixeira Anderson Alves Esteves Alexandre Aragão de Albuquerque Milton Pinheiro Ricardo Fabbrini Marcos Aurélio da Silva Luiz Bernardo Pericás Sandra Bitencourt Denilson Cordeiro Boaventura de Sousa Santos Jean Marc Von Der Weid Marcelo Guimarães Lima Juarez Guimarães Alysson Leandro Mascaro Yuri Martins-Fontes Eleutério F. S. Prado Eduardo Borges Slavoj Žižek Sergio Amadeu da Silveira Elias Jabbour Chico Alencar Vanderlei Tenório Ricardo Musse Chico Whitaker Gilberto Maringoni Andrew Korybko Leonardo Sacramento Lorenzo Vitral Paulo Sérgio Pinheiro Fábio Konder Comparato Fernão Pessoa Ramos Kátia Gerab Baggio Annateresa Fabris Paulo Capel Narvai Igor Felippe Santos Vinício Carrilho Martinez Armando Boito Daniel Brazil Roberto Noritomi José Luís Fiori Caio Bugiato Samuel Kilsztajn Claudio Katz Dênis de Moraes Luciano Nascimento Thomas Piketty Alexandre de Lima Castro Tranjan Remy José Fontana Mário Maestri Otaviano Helene Ronaldo Tadeu de Souza Maria Rita Kehl José Geraldo Couto Michael Löwy Bento Prado Jr. Atilio A. Boron Ari Marcelo Solon Fernando Nogueira da Costa Francisco Fernandes Ladeira Benicio Viero Schmidt Jorge Luiz Souto Maior José Machado Moita Neto Paulo Nogueira Batista Jr João Carlos Salles Everaldo de Oliveira Andrade André Singer Flávio Aguiar Marjorie C. Marona Valerio Arcary Leonardo Boff Salem Nasser Afrânio Catani Ronald León Núñez Luís Fernando Vitagliano José Raimundo Trindade Priscila Figueiredo Bernardo Ricupero Rodrigo de Faria José Micaelson Lacerda Morais Ladislau Dowbor Bruno Machado Anselm Jappe Paulo Fernandes Silveira Celso Frederico Alexandre de Freitas Barbosa Flávio R. Kothe Marcus Ianoni Lucas Fiaschetti Estevez Ricardo Abramovay Jorge Branco Gabriel Cohn Leda Maria Paulani João Adolfo Hansen Eleonora Albano Luiz Eduardo Soares Daniel Costa Luiz Marques José Dirceu Eugênio Bucci Eugênio Trivinho Francisco Pereira de Farias José Costa Júnior Marilia Pacheco Fiorillo Valério Arcary Osvaldo Coggiola Dennis Oliveira Henry Burnett Carlos Tautz Liszt Vieira

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada