As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A sociedade autofágica

Imagem: Lucio Fontana
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por OLGARIA MATOS*

Considerações sobre o livro recém-editado de Anselm Jappe

A sociedade autofágica é um livro especial, não apenas pela rigorosa erudição nas questões do sujeito moderno, mas por que o faz reunindo fetichismo e narcisismo, Marx a Freud, autores marxistas clássicos aos hererodoxos, os frankfurtianos Adorno e Horkheimer aos neofreudianos, como Marcuse e Eric Fromm, com o que nos auxilia na inteligibilidade da mutação civilizacional do presente.

Trata-se de um livro “ para além”. Para além de Para o além do princípio de prazer e para além da teoria marxiana do valor. “Para além” no sentido de uma intepretação própria da tradição dos Manifestos, o Manifesto à Preguiça, o Manifesto Oulipo, o Manifesto Surrealista, analisados por Anselm Jappe, como também o Manifesto Comunista de Marx e Engels. Não por acaso essa filiação se completa ao final do livro em suas “teses”, novas “Teses sobre Feuerbach”. Manifesto em sentido etimológico e político: etimológico – tomar firmemente à mão, em que nada é pressuposto ou implícito, pois é elaborada a genealogia do mal-estar contemporâneo, do capitalismo e da natureza anárquica do mercado mundial. Político: com suas análises Anselm Jappe reinventa uma forma de contestação e intervenção intelectual e prática.

O autor desenvolve seu pensamento tendo por eixo as ideias de valor no âmbito do trabalho abstrato e do sujeito narcisista, encerrado em seu próprio “Eu”, sem contato com a exterioridade e a alteridade e, assim, esvaziado de seu estatuto racionalista e seu ideário emancipatório. Associados fetichismo e narcisismo, instaura-se a cultura do excesso e do deslimite – na violência, terrorismos, uso de drogas, esportes radicais –, com o fim da cultura letrada, a Weltliteratur de um Goethe e do goetheano Marx, que ainda mantinha sua natureza de barreira contra a barbárie.

O empobrecimento cultural e os avanços da automação no trabalho, a proletarização do operário e a destituído de seus saberes, as novas mídias e tecnologias são, por sua independentização crescente do controle humano, o novo espectro que ronda não apenas a Europa, mas o planeta, unificado por elas. Ampliando também as análises de Max Weber e Georg Simmel, o autor indica os processos de intelectualização, formalização e racionalização da vida individual e coletiva, abrangendo a esfera pública, privada e a da intimidade.

Eis por que o momento fundacional do sujeito cartesiano, o “ penso, logo existo” já revela, mostra Anselm Jappe, um ideal de emancipação comprometido com a alienação, pois uma coisa é pensar, outra é existir. Não se trata, porém, de revolucionar o sujeito no sentido teórico ou das revoluções históricas – da transformação do sujeito e do mundo, mas de mudar a vida. O capitalismo do crescimento pelo crescimento, da inovação pela inovação vai para o futuro como o anjo da história de Klee nas reflexões de Walter Benjamin: é empurrado para o futuro de costas, para o qual vai às cegas.

Este livro constitui uma nova “dialética do esclarecimento”. Não por acaso, Capitalismo autofágico começa pela referência ao mito de Erisícton, figuração da violência, do desejo ilimitado, pelo que é punido pela deusa Deméter que lhe impõe uma fome insaciável, e quanto mais alimentado, mais faminto. Essa bulemia, mostra Anselm Jappe, é constitutiva do capitalismo que desconhece medida e interditos, o que é proibido e o consentido, o totem e o tabu. O mito de Erisícton desempenha o papel de uma máxima, contendo uma sabedoria exemplar, trazendo consigo um conselho, um “ensinamento” fundado em conceitos.

Se os filósofos como Platão e Aristóteles criticam a mitologia, não é pelo fato do mito ser fantasioso e, assim desvalorizado e sem importância para o conhecimento e para a existência; ao contrário, consideravam que a mitologia continuava sendo a grande fonte de compreensão do sentido das coisas, devendo ser lidos alegoricamente e não em sua literalidade. Assim Chronos devorador de seus filhos, destruidor do que ele mesmo gera, que dá vida e depois destrói, é o tempo. Razão pela qual Erisícton é o herói da excedência, da pleonexia da contemporaneidade, da sexualidade alienada, do niilismo.

Com o mito, Anselm Jappe redimensiona o pensamento de Aristóteles – que julgava a poesia mais verdadeira e superior à história – pois esta trata do que aconteceu, e a poesia do que é possível acontecer, como também o de Heródoto que, historiador, faz a crônica só do que passou, o historiador oferece uma série de dados, mas não se preocupa com o central da experiência humana.

Por isso, o mito de Erisícton revistado por Anselm Jappe vai desdobrando seus sentidos, expondo as disfunções que o capitalismo narcísico e autofágico cria e das quais necessita, como o fim da autoridade, da família, dos valores comuns compartilhados, das diferenciações substituídas pelo relativismo das diferenças particulares. Como no Manifesto comunista, neste livro os conceitos são “palavras de combate”.

*Olgaria Matos é professora titular de filosofia na Unifesp. Autora, entre outros livros, de Palíndromos filosóficos: entre mito e história (Unifesp).

 

Referência


Anselm Jappe. A sociedade autofágica: capitalismo, desmesura e autodestruição. São Paulo, Elefante, 2021, 336 págs.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Osvaldo Coggiola Thomas Piketty Paulo Martins Luiz Carlos Bresser-Pereira Claudio Katz Leonardo Avritzer Atilio A. Boron Annateresa Fabris Berenice Bento Heraldo Campos Luís Fernando Vitagliano Lincoln Secco Slavoj Žižek Marcelo Módolo Luis Felipe Miguel Renato Dagnino Fernando Nogueira da Costa Elias Jabbour Juarez Guimarães Rubens Pinto Lyra Samuel Kilsztajn Bruno Machado Liszt Vieira Chico Alencar Luiz Eduardo Soares Fernão Pessoa Ramos Manchetômetro Jean Pierre Chauvin Francisco de Oliveira Barros Júnior Henry Burnett Michael Roberts Eleutério F. S. Prado Luiz Bernardo Pericás José Geraldo Couto Alexandre de Freitas Barbosa Celso Frederico Jorge Luiz Souto Maior Alexandre de Lima Castro Tranjan Gilberto Maringoni Leda Maria Paulani Tarso Genro João Paulo Ayub Fonseca Jean Marc Von Der Weid Ronald Rocha Paulo Nogueira Batista Jr Ladislau Dowbor Anselm Jappe João Adolfo Hansen Mariarosaria Fabris Salem Nasser Ricardo Fabbrini José Micaelson Lacerda Morais Afrânio Catani Remy José Fontana Leonardo Sacramento Airton Paschoa Gerson Almeida Luiz Marques Paulo Fernandes Silveira Vanderlei Tenório Michael Löwy Igor Felippe Santos Kátia Gerab Baggio Yuri Martins-Fontes Ricardo Abramovay Flávio R. Kothe Antonio Martins Marilia Pacheco Fiorillo Valerio Arcary Marjorie C. Marona Ricardo Musse Dennis Oliveira Roberto Noritomi João Carlos Loebens Ricardo Antunes Antonino Infranca Jorge Branco Fábio Konder Comparato Gabriel Cohn Daniel Costa Everaldo de Oliveira Andrade Marcus Ianoni Anderson Alves Esteves Boaventura de Sousa Santos André Márcio Neves Soares Sergio Amadeu da Silveira Tadeu Valadares Francisco Fernandes Ladeira Paulo Sérgio Pinheiro Benicio Viero Schmidt José Dirceu Eduardo Borges João Lanari Bo Tales Ab'Sáber Marcos Silva Bruno Fabricio Alcebino da Silva Eleonora Albano José Raimundo Trindade Marcos Aurélio da Silva Priscila Figueiredo Bento Prado Jr. Rodrigo de Faria Ronaldo Tadeu de Souza Luiz Renato Martins Daniel Brazil Marcelo Guimarães Lima Maria Rita Kehl Roberto Bueno Daniel Afonso da Silva Caio Bugiato Gilberto Lopes Milton Pinheiro Eugênio Trivinho Luiz Werneck Vianna Carlos Tautz Francisco Pereira de Farias Marilena Chauí Eugênio Bucci Alysson Leandro Mascaro Érico Andrade Carla Teixeira André Singer Antônio Sales Rios Neto Luiz Costa Lima Flávio Aguiar Paulo Capel Narvai Ronald León Núñez Lorenzo Vitral Vinício Carrilho Martinez Julian Rodrigues Henri Acselrad Dênis de Moraes Mário Maestri Plínio de Arruda Sampaio Jr. Lucas Fiaschetti Estevez João Sette Whitaker Ferreira Vladimir Safatle Ari Marcelo Solon Eliziário Andrade José Costa Júnior José Luís Fiori Armando Boito Bernardo Ricupero Luciano Nascimento Sandra Bitencourt Rafael R. Ioris Otaviano Helene Walnice Nogueira Galvão Leonardo Boff José Machado Moita Neto Alexandre Aragão de Albuquerque Luiz Roberto Alves Manuel Domingos Neto Denilson Cordeiro João Carlos Salles João Feres Júnior Celso Favaretto Valério Arcary Andrew Korybko Chico Whitaker

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada