O embaixador de Ustra

Imagem: Elyeser Szturm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por Oswaldo Malatesta*

Na ocasião do voto de Bolsonaro pelo impeachment de Dilma, o filhote Eduardo estava ao lado. O voto carregou uma homenagem a um dos maiores torturadores que este país teve a infelicidade de conhecer, Carlos Alberto Brilhante Ustra. Na minha opinião, a citação do assassino e torturador dificilmente saiu da cabeça de Jair, já que não acredito ter ele talento para uma ofensa dessas. Eduardo, como pode ser comprovado no vídeo, repete as palavras do pai como se já soubesse de antemão o conteúdo exato do voto. Se não foi ideia sua, sem dúvida já conhecia o teor exato da manifestação e parecia bastante excitado com a situação. Não se trata então de colocar palavras na boca de Eduardo, elas estavam lá, saíram de lá também. Nas palavras dos Bolsonaros o homenageado foi “o pavor de Dilma Rousseff”.

Pavor? Melhor seria usar o termo “terror”. Mas não de Dilma. Ustra foi um terrorista, um terrorista de Estado. O termo “terrorismo de Estado” é utilizado pela Corte Interamericana de Direitos Humanos da Organização dos Estados Americanos (OEA) para designar ações da ditadura civil-militar, tal como a operação Condor, que se estendeu por diversos países da América Latina.

Mas isso não é novidade a ninguém. Eduardo já posou com camiseta homenageando o terrorista Ustra nos corredores da Câmara – inclusive fazendo referência ao supracitado voto, no texto da postagem que acompanhava a foto. Assim como o pai, Eduardo sempre combateu iniciativas que buscassem restaurar a memória e a verdade sobre o período ditatorial brasileiro (1964-1985). Em relação à comissão que investigava os desaparecidos do Araguaia, a posição de Bolsonaro foi de compará-la a cachorros em busca de ossos. Também não faltam à família elogios a outros ditadores latino-americanos, como Pinochet e Stroessner.

Pois bem, como já disse, isso não é novidade. Mas há mais, sempre há mais.

O regime civil-militar brasileiro não torturou e matou apenas civis brasileiros. Segundo a Comissão Nacional da Verdade, ao menos 24 estrangeiros foram mortos ou desaparecidos. A maior parte, 11, eram argentinos. Os outros eram nascidos no Uruguai (3), Bolívia (1), Espanha (1), França (1), Itália (2), Iugoslávia (1), Paraguai (1), Reino Unido (1), Síria (1) e Tchecoslováquia (1).

Diante da entrada de Eduardo para o quadro da diplomacia brasileira, com sua indicação para a embaixada brasileira em Washington, resta saber se ele vai continuar a defender os interesses particulares de sua família e os interesses corporativos do mau militar que seu pai foi, ou se vai adotar postura compatível com o Estado brasileiro, que admitiu, ainda que não em sua totalidade, os crimes praticados por agentes do Estado durante o regime militar.

Imagino como Eduardo, em atividades com seus pares embaixadores de outras nacionalidades, em especial dos países cujos cidadãos foram vitimas do terrorismo de Estado praticado por Brilhante Ustra e outros tantos, iria reagir a questionamentos sobre o destino de tais cidadãos mortos ou desaparecidos. Irá ele chamar os embaixadores de cachorros por estarem interessados em descobrir ossadas? Irá ele dizer que a ditadura “matou foi pouco”? Ou bradará que Ustra vive, ao contrário de suas vítimas?

*Oswaldo Malatesta é cientista social, especializado em relações internacionais

Referências

Sobre as vitimas estrangeiras do regime militar, confira https://midiacidada.org/o-terrorismo-do-estado-brasileiro-contra-os-estrangeiros-durante-a-ditadura-civil-militar-1964-1985/

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Heraldo Campos Fábio Konder Comparato Benicio Viero Schmidt Mário Maestri Ricardo Abramovay Bento Prado Jr. Luciano Nascimento Leonardo Avritzer João Adolfo Hansen Marcos Silva Jorge Branco Tarso Genro Eugênio Bucci Marjorie C. Marona Juarez Guimarães Ricardo Antunes Luiz Roberto Alves Tales Ab'Sáber Daniel Afonso da Silva Caio Bugiato Gilberto Maringoni Fernão Pessoa Ramos Otaviano Helene Bruno Fabricio Alcebino da Silva Lucas Fiaschetti Estevez Luís Fernando Vitagliano Rodrigo de Faria Slavoj Žižek Ricardo Musse Bernardo Ricupero Chico Alencar Leonardo Boff Ronald León Núñez Dênis de Moraes Luiz Werneck Vianna João Paulo Ayub Fonseca Denilson Cordeiro Valerio Arcary Celso Favaretto Fernando Nogueira da Costa André Singer Armando Boito Jean Pierre Chauvin José Luís Fiori Igor Felippe Santos Vladimir Safatle João Sette Whitaker Ferreira Thomas Piketty José Raimundo Trindade Antonino Infranca Renato Dagnino Lorenzo Vitral José Geraldo Couto Ronald Rocha Carla Teixeira Francisco de Oliveira Barros Júnior Daniel Brazil Henry Burnett Maria Rita Kehl Ricardo Fabbrini Daniel Costa André Márcio Neves Soares Luiz Marques Michel Goulart da Silva Andrés del Río Annateresa Fabris Luiz Renato Martins Henri Acselrad Gilberto Lopes Remy José Fontana Marilena Chauí Samuel Kilsztajn Marcelo Módolo Vinício Carrilho Martinez Yuri Martins-Fontes Everaldo de Oliveira Andrade Rubens Pinto Lyra Luiz Bernardo Pericás Walnice Nogueira Galvão Eduardo Borges João Feres Júnior Eliziário Andrade Marcelo Guimarães Lima Alysson Leandro Mascaro Anderson Alves Esteves Alexandre Aragão de Albuquerque Eugênio Trivinho Paulo Martins Celso Frederico Priscila Figueiredo Paulo Fernandes Silveira Antonio Martins Gerson Almeida Alexandre de Freitas Barbosa Manuel Domingos Neto Luiz Carlos Bresser-Pereira Kátia Gerab Baggio Eleutério F. S. Prado Claudio Katz Jean Marc Von Der Weid Paulo Capel Narvai Paulo Sérgio Pinheiro Mariarosaria Fabris Chico Whitaker Atilio A. Boron Francisco Pereira de Farias Berenice Bento Afrânio Catani Leda Maria Paulani Julian Rodrigues Ronaldo Tadeu de Souza Paulo Nogueira Batista Jr Flávio R. Kothe Jorge Luiz Souto Maior Manchetômetro Valerio Arcary José Micaelson Lacerda Morais Marcus Ianoni João Carlos Loebens Michael Roberts Lincoln Secco Plínio de Arruda Sampaio Jr. Michael Löwy Flávio Aguiar Airton Paschoa Tadeu Valadares João Carlos Salles João Lanari Bo Milton Pinheiro Sergio Amadeu da Silveira Marilia Pacheco Fiorillo Osvaldo Coggiola Salem Nasser Bruno Machado Anselm Jappe Sandra Bitencourt Francisco Fernandes Ladeira José Costa Júnior Eleonora Albano Luiz Eduardo Soares Boaventura de Sousa Santos Alexandre de Lima Castro Tranjan Ari Marcelo Solon José Dirceu Marcos Aurélio da Silva Érico Andrade Andrew Korybko Dennis Oliveira Leonardo Sacramento Matheus Silveira de Souza Liszt Vieira Vanderlei Tenório Rafael R. Ioris Elias Jabbour José Machado Moita Neto Carlos Tautz Antônio Sales Rios Neto Luis Felipe Miguel Ladislau Dowbor Gabriel Cohn

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada