Negacionismo, barricada da barbárie

Imagem: Elīna Arāja
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LUIZ MARQUES*

A legitimação da realidade paralela é garantida no ativismo das redes sociais, nos quais o democratismo dá voz ao nonsense e ao sentimento de importância dos que, pisados pelos de cima, desejam pisar nos de baixo

A persistência na adesão ao que se convencionou denominar bolsonarismo desafia o entendimento racional. Os indicadores com a reimplantação de programas sociais no país apontam a melhoria na qualidade de vida das pessoas. Mas beneficiário não é igual a empoderado para o tempo futuro. Em simultâneo, a extrema direita logra estimular o fanatismo de militantes cujo empoderamento advém de mobilizações que rastreiam o porvir. Nossas teses se concentram no cérebro, e não no coração:

(a) A crise da democracia deve-se às promessas não cumpridas nos quarenta anos de dominação do neoliberalismo, com restrição dos direitos. Além de um modelo econômico e social, tal regime tornou-se A nova razão do mundo, para evocar o instigante livro de Pierre Dardot e Christian Laval;

(b) O ressentimento em face do sistema meritocrático produz vencedores arrogantes, de um lado, e uma maioria de perdedores ressentidos e raivosos, de outro, alerta Michael J. Sandel, em A tirania do mérito. Muitos desdobraram explicações interessantes a partir desses dois pontos de partida.

Labirinto do negacionismo

Há aspectos ainda pouco explorados sobre os motivos da lealdade de multidões a quem se serve delas como uma massa de manobra, em plena sociedade do conhecimento, da hiperinformação e das taxas crescentes do nível de escolarização e intelecção. No negacionismo, em múltiplas inflexões, encontra-se a chave do enigma para os acontecimentos do fatídico 8 de janeiro, e o ódio destilado.

O conceito de negacionismo não se resume à rejeição das vacinas. A crise da democracia possui uma dimensão com raízes fundas na vida social: “A desconfiança com relação às instituições e aos procedimentos que não se adéquam à ideologia extremista. Os novos populistas minam a crença na ciência, na discussão pública baseada em fatos; minam a confiança em tudo que não reforce os seus preconceitos. Pretendem substituir universidades, especialistas e imprensa livre pelos escritórios de ódio”, escreve Celso Rocha de Barros, na apresentação do Dicionário dos negacionismos no Brasil, organizado por José Szwako e José Luiz Ratton. O negacionismo é a barricada-mor da barbárie.

O “anjo do progresso” de Paul Klee, interpretado por Walter Benjamin, no caso, ajuda a desvendar o mistério. O anjo é empurrado para a frente e avança com a cabeça voltada para trás. O que vê? Os escombros do Congresso Nacional, do Palácio do Planalto e do Supremo Tribunal Federal (STF). Os ataques miram os poderes do establishment em uma versão politicista dos inimigos. Deixam de fora as forças socioeconômicas hegemônicas; ontem, os colonizadores no extrativismo e, hoje, a aliança do agronegócio com o rentismo financeiro. Todos sempre de costas para o mercado interno.

É evidente a demonstração de desprezo das classes dirigentes com a sorte dos povos originários e os escravizados, os trabalhadores precarizados e os setores das classes médias que perdem empregos e esperança com a tecnologia aplicada à inteligência artificial. Como na história de Alice no país das maravilhas, quando o Rei Vermelho pergunta para Alice o que está vendo, ela responde: “Nada”. Impressionado, o rei comenta: “Mas que olhos ótimos você tem”. Se perguntasse aos protagonistas do vandalismo antidemocrático a resposta seria: “Tudo”. E a majestade diria: “Pobres coitados”, na paráfrase de indiferença de Jair Bolsonaro para a tropa de choque abandonada, sem nenhum gesto de solidariedade ou recurso no Pix à defesa da malta, na Justiça. A famiglia acima da República.

Entre a opinião e os valores

A mídia corporativa tem por missão desconsiderar os destroços deixados em cada conjuntura, com o otimismo de Pangloss. Os negacionistas elidem a história. Não se trata de um fenômeno individual, mas social. O importante é a pertença ao grupo para não se sentir à parte do movimento contrário às lutas igualitárias, na modernidade. Daí a assunção midiática da democracia de opinião, em oposição à concepção descrita por Claude Lefort, em A invenção democrática, sobre “a democracia como um processo cumulativo de valores civilizatórios”, que não dá ré. A resiliência mostra que os oprimidos nunca esquecem os crimes hediondos infligidos pelos opressores. A memória se nutre das ruínas.

O jogo de opiniões descoladas da civilização nasce na grande imprensa. Então o debate era se a manipulação ocorria na divulgação de desinformações ou na omissão de informações, ao noticiar ou não uma greve ou um protesto. Os “fatos alternativos” engatinharam, décadas antes de a post-truth virar um salvo-conduto para justificar os golpes, a título de impeachment. Se a ditadura civil-militar ceifa a opinião pública, a extrema direita confere às narrativas um selo de autenticidade à hipocrisia. Cognitivamente iguala o sábio ao palhaço sociopata, quarenta dias de Jesus no deserto à goiabeira.

Na tradição clássica da democracia, herdada da Revolução Francesa, o exercício da cidadania para a avaliação e o controle dos governantes passa pelo acesso às informações, a fim de elaborar um juízo com fundamento. Na pós-verdade, as emoções se sobrepõem aos fatos. As fake news colonizam a esfera pública. Não vale o argumento da autoridade, nem a autoridade do argumento. A nova ágora é a revanche tardia do obscurantismo frente ao Iluminismo. A dúvida acerca dos ideais da sociedade (Marx), dos valores judaico-cristãos (Nietzsche) e do que indivíduos pensam de si mesmos (Freud) é trocada pelo beco das certezas em bolhas autoritárias e totalitárias – los vientres de sus madres.

Brutos, que só amam nos filmes como revelam os feminicídios, se arvoram a ilegítima prerrogativa de resgatar os princípios ultrapassados, historicamente, qual o supremacismo de raça, de gênero, a homofobia e a transfobia. Os ignorantes perdem a vergonha da ignorância, e isso é grave. Para os sociólogos, a vergonha é um fator de coesão e valorização da honestidade. Sem o imperativo moral disciplinador, os comportamentos ficam à deriva. Vide aqueles desembargadores esgrimistas das angústias de machos, no julgamento da menina “sonsa”. Negaram instrumentos atuais para inibir o assédio sexual. Zombaram da linguagem, como se os humanos não fossem seres linguísticos. Se a palavra cura, também pode ferir e humilhar e matar. Prevaleceu a cosmogonia machista, no tribunal.

O aceno ao Estado de exceção

A noção bourdieusiana de “violência simbólica” (dissimulada, por definição) permite compreender a profusão de escolas cívico-militares erguidas para, com o aval da educação, disseminar as Forças Armadas na condição de tertium ou logos da nação brasileira, no último quadriênio. Teoricamente a iniciativa naturaliza o aceite da ordem existente e contempla a conversão do poder instalado em um capital social e símbolo. Acusar o mentor da ideia indigesta de idiota compensa a apatia política da pequena burguesia que dorme com a consciência em paz, refazendo a subordinação pela manhã.

A polarização dos homens de bem contra o comunismo também é ardilosa. “Tanto nossa percepção sensorial como os processos de pensamento que usamos para organizar o mundo à nossa volta são restringidos por uma visão polarizada da realidade, que se baseia em opostos como dia-noite, frio-quente, macho-fêmea, etc.”, salienta Marcelo Gleiser, em A dança do universo. O bolsonarismo transforma a desvalia pessoal em virtude, e os contrastes reais ou imaginários em vingança. Supre a dificuldade política da síntese superior para superar dicotomias, com o aceno ao Estado de exceção.

A extrema direita reforça as hierarquias e abjura o conhecimento, pelo germe de subversão no ato de conhecer. Sua zona de conforto são os preconceitos, o que estreita os laços no conservadorismo. Já as discriminações em sua representação da sociedade fazem coro ao neoliberalismo, na tríade.

A legitimação da realidade paralela (negacionismo) é garantida no ativismo das redes sociais, nos quais o democratismo dá voz ao nonsense e ao sentimento de importância dos que, pisados pelos de cima, desejam pisar nos de baixo. Esse moedor de carne funciona como um gerador de energia no paramento verde-amarelo, com sangue nos olhos. – “Eles passarão, eu passarinho”, depõe o poeta.

*Luiz Marques é professor de ciência política na UFRGS. Foi secretário estadual de cultura do Rio Grande do Sul no governo Olívio Dutra.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Francisco de Oliveira Barros Júnior Milton Pinheiro Paulo Capel Narvai Luiz Carlos Bresser-Pereira Manchetômetro Luiz Bernardo Pericás Carla Teixeira José Luís Fiori Juarez Guimarães João Feres Júnior Jorge Luiz Souto Maior Boaventura de Sousa Santos Luiz Marques Luis Felipe Miguel Sergio Amadeu da Silveira Slavoj Žižek Rodrigo de Faria Chico Alencar Marilia Pacheco Fiorillo Manuel Domingos Neto Luiz Renato Martins Daniel Afonso da Silva Luciano Nascimento Tarso Genro Walnice Nogueira Galvão Fernando Nogueira da Costa Valerio Arcary Eleutério F. S. Prado Samuel Kilsztajn Bruno Machado Jean Marc Von Der Weid Luiz Eduardo Soares Vinício Carrilho Martinez Jorge Branco Flávio Aguiar Ladislau Dowbor Henri Acselrad Alexandre de Freitas Barbosa Paulo Nogueira Batista Jr Luiz Roberto Alves Osvaldo Coggiola Eduardo Borges Celso Frederico Francisco Fernandes Ladeira Gabriel Cohn Anselm Jappe Gerson Almeida Luís Fernando Vitagliano Sandra Bitencourt Marilena Chauí Bento Prado Jr. Michel Goulart da Silva Flávio R. Kothe Paulo Martins Elias Jabbour Daniel Brazil Marcus Ianoni Salem Nasser Jean Pierre Chauvin Leonardo Boff Lorenzo Vitral Bernardo Ricupero Marcos Aurélio da Silva Paulo Sérgio Pinheiro Alexandre de Lima Castro Tranjan João Paulo Ayub Fonseca Antônio Sales Rios Neto Ronald Rocha Andrés del Río Caio Bugiato Francisco Pereira de Farias José Raimundo Trindade João Carlos Loebens Igor Felippe Santos Antonio Martins Everaldo de Oliveira Andrade Ricardo Musse Benicio Viero Schmidt Carlos Tautz Dennis Oliveira Afrânio Catani João Carlos Salles Marcelo Guimarães Lima Lincoln Secco Atilio A. Boron Fernão Pessoa Ramos Tales Ab'Sáber Claudio Katz José Machado Moita Neto Dênis de Moraes Gilberto Lopes Armando Boito Chico Whitaker Annateresa Fabris Érico Andrade Plínio de Arruda Sampaio Jr. Mário Maestri João Sette Whitaker Ferreira André Márcio Neves Soares Michael Roberts Kátia Gerab Baggio Luiz Werneck Vianna Vladimir Safatle Gilberto Maringoni Eugênio Bucci Eleonora Albano Daniel Costa Airton Paschoa Leda Maria Paulani Henry Burnett Anderson Alves Esteves Rubens Pinto Lyra Berenice Bento Andrew Korybko André Singer Ronaldo Tadeu de Souza José Micaelson Lacerda Morais Denilson Cordeiro Alysson Leandro Mascaro Remy José Fontana Marcelo Módolo Renato Dagnino Ricardo Abramovay Ricardo Fabbrini Matheus Silveira de Souza Lucas Fiaschetti Estevez Valerio Arcary Alexandre Aragão de Albuquerque Fábio Konder Comparato Yuri Martins-Fontes Thomas Piketty Marjorie C. Marona José Costa Júnior Leonardo Avritzer Ari Marcelo Solon Vanderlei Tenório Maria Rita Kehl José Dirceu Eliziário Andrade Leonardo Sacramento Antonino Infranca João Lanari Bo Bruno Fabricio Alcebino da Silva Rafael R. Ioris Marcos Silva Eugênio Trivinho Mariarosaria Fabris Michael Löwy Julian Rodrigues Ronald León Núñez Otaviano Helene João Adolfo Hansen José Geraldo Couto Paulo Fernandes Silveira Priscila Figueiredo Liszt Vieira Celso Favaretto Tadeu Valadares Ricardo Antunes Heraldo Campos

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada