As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A avaliação do governo

Imagem_ColeraAlegria
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por CARLOS RANULFO MELO*

Comentário sobre a pesquisa realizada pelo Instituto da Democracia e da Democratização da Comunicação (INCT)

Jair Bolsonaro vem se isolando na sociedade brasileira. A nova pesquisa do INCT – Instituto da Democracia nos permite dizer algo mais sobre isso. O primeiro ponto a destacar é que apenas 49,2% dos que votaram no atual presidente em 2018 hoje avaliam seu governo como ótimo (18,6%) ou bom (30,6%). Em outras palavras, a questão que melhor demarca campos de opinião entre os brasileiros não é mais aquela que remete ao voto de 2018, mas a que pergunta sobre a avaliação do governo.

Quando cruzamos os dados, a correlação entre a avaliação do governo e questões como (a) o apoio a um golpe militar, (b) o fechamento do Congresso, (c) a presença de militares no atual governo, (d) a imposição pelo STF de limites a atuação do governo, (e) o que fazer se as denúncias de Sergio Moro se revelarem verdadeiras, (f) a avaliação sobre as manifestações que pedem o fechamento do Congresso e/ou do STF, ou ainda (g) o desempenho de Bolsonaro no combate ao COVID-19 se mostra duas a três vezes mais forte do que a correlação entre o voto em 2018 e as mesmas questões.

Os dados gerais da avaliação do governo são: Ótimo (8,5%); Bom (15,7%); Regular (25,5%); Ruim (13,6%); Péssimo (36,7%). A tabela abaixo permite avançar um pouco mais ao cruzar as respostas ótimo, bom e regular com algumas questões do survey.

Questão

Avaliação do governo Bolsonaro
Ótimo Bom Regular
De 1 a 10, dão a Bolsonaro nota igual ou maior que 6 98% 88% 45%
Concordam que se justificaria um golpe de estado no caso de muita corrupção 59% 49% 35%
Consideram justificável que o Presidente, ao enfrentar dificuldades, feche o Congresso e governe sem o Congresso 56% 39% 15%
Concordam que a presença de militares no governo é boa para a democracia 78% 62% 36%
Acham que mesmo se as denúncias feitas por Moro forem verdadeiras Bolsonaro deve continuar no governo 83% 61% 35%
Consideram as manifestações pelo fechamento do Congresso normais em uma democracia 81% 72% 66%
Discordam que o STF imponha limites ao governo 77% 59% 36%
Concordam com a atuação de Bolsonaro na pandemia 73% 49% 22%*

*Existe a opção depende (14%). Os que discordam da atuação somam 64%.

A primeira linha fornece uma informação importante: menos de metade (45%) dos que avaliam o governo como regular dão uma nota acima de 6 para Bolsonaro. Nas demais questões, pode-se perceber que, exceção feita às linhas 2 (golpe de estado) e 6 (manifestações), a diferença entre os percentuais dos que avaliam o governo como bom e regular é expressiva, ficando entre 23 e 27 pontos. Por outro lado, é na avaliação da atuação de Bolsonaro na pandemia que se observa a maior distância entre os percentuais de ótimo e bom: 24 pontos. Esse, sem dúvida, é um ponto no qual o governo parece extremamente vulnerável. E, como sabemos, o problema só tende a aumentar.

Por fim, o que dizer do núcleo duro do bolsonarismo? Uma ideia pode ser fornecida pelo cruzamento entre a avaliação do governo e a nota dada a Bolsonaro. Como a nota varia de 1 a 10, o tamanho desse núcleo vai variar, a depender do ponto que adotarmos na escala. Se cruzamos os percentuais de ótimo/bom com os que dão a Bolsonaro uma nota igual ou maior que 6, o núcleo duro corresponderá a 22% do universo pesquisado. Subindo o sarrafo e tomando como base as notas 7, 8, 9 ou 10 teremos, respectivamente, 21,2%; 19,9%; 14,6% e, por fim, o crème de la crème, 11,4%. Uma alternativa é mantermos o sarrafo na nota 6 e verificarmos o percentual dos que, neste grupo, discordam que o STF imponha limites ao governo ou que consideram que Bolsonaro deva continuar no governo mesmo que as denuncias feitas por Sérgio Moro sejam verdadeiras. Nos dois casos, nosso núcleo dura ficará por volta de 15% do universo pesquisado – patamar semelhante ao encontrado que cruzamos a avaliação ótima/boa com uma nota igual ou superior a 8 para Bolsonaro.

Neste núcleo 56,6% são homens, 41,3% são evangélicos e 50% tem renda familiar entre 3 e 10 salários mínimos. A desproporção é evidente uma vez que esses mesmos grupos correspondem a 45,7%, 24,4% e 33,1%, respectivamente, do total de entrevistados. O núcleo é também desproporcionalmente composto (sempre em relação ao conjunto dos entrevistados) por pessoas brancas, entre 24 e 45 anos e que possuem colegial completo ou não – mas nestes casos as diferenças são menores que as citadas anteriormente.

*Carlos Ranulfo Melo é professor titular do Departamento de Ciência Política da UFMG.

Referência

A pesquisa “A Cara da Democracia no Brasil” realizou mil entrevistas por telefone entre os dias 30/05/2020 e 05/06/2020, com margem de erro de 3.1%. O intervalo de confiança de 95%. A pesquisa é parte de um conjunto de investigações sobre representação, participação e opinião pública no âmbito do Instituto da Democracia e da Democratização da Comunicação (INCT). O survey de 2020 foi precedido por outros realizados em 2018 e 2019.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Paulo Martins Rodrigo de Faria Francisco Fernandes Ladeira Everaldo de Oliveira Andrade Bruno Fabricio Alcebino da Silva Tarso Genro Liszt Vieira Otaviano Helene José Luís Fiori Julian Rodrigues Celso Frederico Gilberto Lopes Sandra Bitencourt Marilena Chauí Roberto Bueno Anderson Alves Esteves Andrew Korybko Leonardo Boff Valerio Arcary Daniel Brazil Carla Teixeira Ronaldo Tadeu de Souza Denilson Cordeiro Paulo Fernandes Silveira João Carlos Loebens Leonardo Avritzer Marcelo Guimarães Lima Luiz Bernardo Pericás Ricardo Fabbrini Benicio Viero Schmidt Heraldo Campos Michael Roberts Eugênio Trivinho Marilia Pacheco Fiorillo Vladimir Safatle Alysson Leandro Mascaro Afrânio Catani Elias Jabbour Chico Alencar Sergio Amadeu da Silveira Eleonora Albano Anselm Jappe Érico Andrade Luis Felipe Miguel José Geraldo Couto José Dirceu José Micaelson Lacerda Morais Luiz Roberto Alves Francisco de Oliveira Barros Júnior Carlos Tautz Maria Rita Kehl Luiz Eduardo Soares Flávio Aguiar José Raimundo Trindade Luciano Nascimento Alexandre Aragão de Albuquerque Kátia Gerab Baggio Boaventura de Sousa Santos Luiz Werneck Vianna Tadeu Valadares Milton Pinheiro Ari Marcelo Solon João Sette Whitaker Ferreira João Paulo Ayub Fonseca Luís Fernando Vitagliano Marcelo Módolo Lorenzo Vitral Fernando Nogueira da Costa Bruno Machado Jean Pierre Chauvin Celso Favaretto Daniel Costa Ricardo Antunes Marcos Silva Manchetômetro João Carlos Salles Mário Maestri Juarez Guimarães Luiz Carlos Bresser-Pereira Ronald Rocha Michael Löwy Walnice Nogueira Galvão José Costa Júnior Renato Dagnino Bento Prado Jr. Jorge Luiz Souto Maior Dênis de Moraes Paulo Nogueira Batista Jr Antonino Infranca Claudio Katz Luiz Marques Priscila Figueiredo Paulo Capel Narvai João Feres Júnior Dennis Oliveira Fernão Pessoa Ramos João Adolfo Hansen Salem Nasser Luiz Renato Martins Mariarosaria Fabris Eduardo Borges Igor Felippe Santos Airton Paschoa Samuel Kilsztajn Eleutério F. S. Prado Gabriel Cohn Lucas Fiaschetti Estevez Antônio Sales Rios Neto André Márcio Neves Soares Gerson Almeida Annateresa Fabris Ricardo Abramovay Ladislau Dowbor João Lanari Bo Jean Marc Von Der Weid Atilio A. Boron Ronald León Núñez Bernardo Ricupero Manuel Domingos Neto Luiz Costa Lima Alexandre de Freitas Barbosa André Singer Eugênio Bucci José Machado Moita Neto Alexandre de Lima Castro Tranjan Rubens Pinto Lyra Armando Boito Gilberto Maringoni Daniel Afonso da Silva Jorge Branco Marcus Ianoni Marcos Aurélio da Silva Fábio Konder Comparato Leonardo Sacramento Roberto Noritomi Marjorie C. Marona Vanderlei Tenório Ricardo Musse Thomas Piketty Plínio de Arruda Sampaio Jr. Slavoj Žižek Caio Bugiato Valério Arcary Tales Ab'Sáber Flávio R. Kothe Lincoln Secco Paulo Sérgio Pinheiro Chico Whitaker Yuri Martins-Fontes Vinício Carrilho Martinez Berenice Bento Rafael R. Ioris Remy José Fontana Osvaldo Coggiola Leda Maria Paulani Antonio Martins Eliziário Andrade Henry Burnett Francisco Pereira de Farias Henri Acselrad

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada