As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A terceira hipótese

Imagem_Elyeser Szturm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por Eugênio Trivinho*

Longe da dicotomia jurídico-política conservadora, o Brasil dispõe de horizonte democrático mais frutífero, a ser articulado antes e durante o processo de impeachment

A falsa encruzilhada jurídico-política da crise presidencial no Brasil radica atualmente em duas alternativas: (1) ou manter na Presidência da República um ex-militar e pró-miliciano inconfesso, tutelado, como “laranja”, pelos generais e com cada vez menos apoio multilateral para dar um golpe de Estado de tipo clássico, “fechando o tempo” sobre as liberdades civis no território nacional; (2) ou destituir o hóspede do Palácio do Planalto por vias legais – com afastamento ou impeachment – e permitir a posse do Vice-Presidente, que dispõe de mais racionalidade estratégica, habilidade política, credibilidade institucional e apoio ativo nas Forças Amadas e na sociedade civil (em condições, portanto, de eventualmente desfechar o mesmo sinistro).

Essa dicotomia conservadora, precária em tudo, tornou-se mais evidente após a pandemia do COVID-19 ter rompido a alfândega sanitária do país, no final de fevereiro passado. Nesse ínterim, os episódios picarescos protagonizados pelo hóspede do Palácio, incluindo a demissão do Ministro da Saúde em meio ao avanço virótico, evidenciou seu total despreparo executivo e ausência de liderança em prol do enfrentamento consistente da situação. O ex-militar revelou-se o pomo desabrido dos próprios esforços governamentais, em vez de o lastro principal da superação.

Como, a essa altura de várias crises imbricadas, nem a ingenuidade política escolheria flexibilizar a segunda hipótese – por exemplo, mediante sutura em prol de garantias republicano-democráticas à luz da Constituição Federal de 1988 –; e como o afastamento ou o impeachment do hóspede do Palácio já constitui questão de decência pública urgente, a prudência recomenda focar outra costura, em hipótese mais radical – do latim radicalis, referente à radix, raiz, isto é, in casu, raiz política de base, radix popularis –, uma alternativa mais independente, virtuosa e frutífera, para além dos binarismos convencionais do imaginário político conservador. Os fundamentos estratégicos dessa costura, já circulante, se traduzem em três ações conexas, a saber:

(1) exigir a destituição dos dois mandatários (Presidente e Vice-Presidente), com esteio em preceitos constitucionais e legais;

(2) empossar, POR TEMPO DETERMINADO, uma Junta Civil formada por parlamentares da Câmara dos Deputados e do Senado Federal; e

(3) realizar, NO PRAZO MAIS RÁPIDO POSSÍVEL, novas eleições presidenciais (no momento mais oportuno, em sintonia com a superação da pandemia do COVID-19 no país).

Essa hipótese (ou outra similar, ainda melhor), vicejante ali onde reside a potência política primeira, o povo, está plenamente prevista no Artigo 1º, Parágrafo único, da Carta Magna brasileira. O dispositivo, para lembrá-lo, regra que o poder, emanando do povo, pode ser exercido diretamente, sem mediações, desde que dentro dos marcos constitucionais.

Do ponto de vista da progressão de efeitos políticos após uma ideia começar a circular –momento que este artigo apenas subscreve, reforçando-o –, pouco importa se ela precisa enfrentar forte oposição e/ou seja recebida com reservas. Esse preceito se valida tanto em esferas onde deveria haver menos “fogo amigo”, quanto diante de uma transição institucional militarizada como tendência legalista mais “natural”, o que, além de equivocado, é engodo. O horizonte da terceira hipótese – de realização de novas eleições – é, certamente, difícil. Pior, porém, é a agenda de transição que vigora e/ou o que pode ocorrer depois, caso outro imaginário político não seja reinvidicado.

Depois da dramática experiência de 21 anos de ditadura militar-civil-empresarial, do resultado do pleito de 2018 e de pouco mais de um ano de descalabro neoliberal sob corolário neofascista (civil, militar, policial e miliciano), as forças de esquerda e progressistas no Brasil sabem, no sangue, mais que quaisquer outras, que um vacilo importante em matéria de democracia e liberdade é capaz de colocar, com luvas brancas, os horizontes de milhões de pessoas na mesa dos piores agouros.

A rigor, a terceira hipótese é, como carta na mesa, muito simples. Para dar o que pensar, não carece, por ora, de mais palavras.

*Eugênio Trivinho é professor de comunicação e semiótica da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP).

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Ronaldo Tadeu de Souza Bruno Machado Roberto Noritomi Jean Pierre Chauvin Jean Marc Von Der Weid Marcos Aurélio da Silva Tales Ab'Sáber Daniel Brazil Milton Pinheiro André Singer Atilio A. Boron José Dirceu Fábio Konder Comparato Alysson Leandro Mascaro Osvaldo Coggiola Vanderlei Tenório Denilson Cordeiro Anderson Alves Esteves Celso Frederico Benicio Viero Schmidt Roberto Bueno Remy José Fontana Luciano Nascimento Daniel Costa Marcus Ianoni Celso Favaretto Marilia Pacheco Fiorillo Chico Whitaker Dennis Oliveira Elias Jabbour Bruno Fabricio Alcebino da Silva Manchetômetro Henri Acselrad Eugênio Bucci Claudio Katz André Márcio Neves Soares Érico Andrade Paulo Sérgio Pinheiro Heraldo Campos Rodrigo de Faria Luiz Werneck Vianna Maria Rita Kehl Andrew Korybko Julian Rodrigues Lincoln Secco Priscila Figueiredo João Carlos Loebens Plínio de Arruda Sampaio Jr. Eduardo Borges Armando Boito Anselm Jappe Airton Paschoa Ari Marcelo Solon Francisco Fernandes Ladeira Gabriel Cohn João Feres Júnior Gilberto Lopes Sergio Amadeu da Silveira Leonardo Sacramento Luiz Bernardo Pericás Igor Felippe Santos Boaventura de Sousa Santos Juarez Guimarães Thomas Piketty José Costa Júnior Caio Bugiato Antonio Martins Michael Roberts Antonino Infranca Carlos Tautz Chico Alencar Sandra Bitencourt Manuel Domingos Neto Alexandre Aragão de Albuquerque Henry Burnett Luís Fernando Vitagliano Paulo Fernandes Silveira Paulo Capel Narvai Kátia Gerab Baggio Carla Teixeira Annateresa Fabris Fernando Nogueira da Costa Vinício Carrilho Martinez Lorenzo Vitral José Raimundo Trindade Ronald León Núñez Marjorie C. Marona Dênis de Moraes Samuel Kilsztajn Afrânio Catani Alexandre de Freitas Barbosa José Machado Moita Neto Luiz Marques João Adolfo Hansen Bernardo Ricupero José Micaelson Lacerda Morais Paulo Martins Jorge Branco João Carlos Salles João Paulo Ayub Fonseca Ricardo Fabbrini José Geraldo Couto Flávio R. Kothe Berenice Bento Ricardo Abramovay Everaldo de Oliveira Andrade Michael Löwy Valério Arcary Renato Dagnino Slavoj Žižek José Luís Fiori Fernão Pessoa Ramos Marilena Chauí Marcelo Módolo Mário Maestri Luiz Carlos Bresser-Pereira Eleutério F. S. Prado Francisco Pereira de Farias Rubens Pinto Lyra Luiz Eduardo Soares Alexandre de Lima Castro Tranjan Ronald Rocha Leonardo Avritzer Marcos Silva Bento Prado Jr. Lucas Fiaschetti Estevez Vladimir Safatle Tadeu Valadares Leda Maria Paulani Liszt Vieira Ricardo Musse Luiz Roberto Alves Leonardo Boff Gilberto Maringoni Tarso Genro Gerson Almeida Rafael R. Ioris Luis Felipe Miguel Salem Nasser Ricardo Antunes Yuri Martins-Fontes Francisco de Oliveira Barros Júnior Eleonora Albano Paulo Nogueira Batista Jr Eugênio Trivinho Flávio Aguiar Luiz Renato Martins João Lanari Bo Eliziário Andrade Mariarosaria Fabris Daniel Afonso da Silva Jorge Luiz Souto Maior Ladislau Dowbor Antônio Sales Rios Neto Walnice Nogueira Galvão Valerio Arcary Luiz Costa Lima João Sette Whitaker Ferreira Otaviano Helene Marcelo Guimarães Lima

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada