As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A trincheira da democracia política

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por TARSO GENRO*

Gabriel Boric enfrenta a primeira grande crise política e de gestão do Estado, pela esquerda, na América do Sul

O anjo da história do quadro de Paul Klee, citado por Walter Benjamin, olha o passado e vê destruição e guerras, mas no futuro ele vê o esfuziante progresso e a esperança. O endereço do Presidente Gabriel Boric em Santiago é quase uma metáfora da sua situação política no Chile: orfandade, liberdade e esperança. Gabriel Boric reside na rua Huérfanos, situada entre as ruas Libertad e Esperanza.

Órfão abandonado pela metade dos eleitores que lhe levaram ao Palácio de La Moneda com 56% dos votos; Liberdade, por ser um candidato de libertação das amarrações fascistas do poder de Augusto Pinochet, para abrir a “Esperanza” num novo Chile, no qual os desejos de cada e de todos se realizem muito além das possibilidades visíveis colocadas pelo mundo real. É a a utopia democrática de um Chile novo, dos desejos de todos e muito além do que lhes permitiria a história de um país saído do fascismo, quando não ocorrera – ainda – todo o acerto das suas contas com o passado.

O Presidente Gabriel Boric enfrenta hoje a primeira grande crise política e de gestão do Estado, pela esquerda, na América do Sul. Depois da crise sistêmica dos partidos de esquerda que ocorreu em escala global, Gabriel Boric solitariamente foi a bola da vez aqui na América do Sul, onde as derrotas já ocorridas em diferentes processos eleitorais no mundo inteiro, foram despejadas contra a juventude chilena insurgente.

Em todo o mundo, a esquerda tradicional, ou entregou os anéis para não perder os dedos, ou entregou o poder com humilhação. Os partidos sociais democratas e comunistas “reformados” foram alvejados – de um lado – pela emergência universal da extrema direita no cenário internacional (sem estarem preparados para enfrentar as novas formas da luta de pelo poder) e – de outro – porque, surpreendidos pelas novas formas de dominação política e de reprodução do capital nas plataformas monetizadas, foram obrigados a conciliar e perder sua autenticidade política.

Em escala mundial, os “mercados do dinheiro” e os novos meios tecnológicos que aniquilaram o tipo de vida comum do mundo do trabalho do século passado, reinam soberanos na política e adaptam, em maior grau, partidos, líderes e movimentos às suas necessidades estratégicas. A trincheira da democracia política, da defesa dos direitos humanos e dos direitos fundamentais, todavia, ainda nos possibilitam recuperar as energias utópicas armazenadas nas revoluções do século passado. E assim se resiste, com certo sucesso, na América do Sul, predominantemente no Brasil, Colômbia e Uruguai, sob o signo das Constituições sociais, que vêm depois de Weimar, bem como da proclamação da era das liberdades configuradas no anúncio revolucionário de que todos “nascem iguais em direitos”.

As devoções do Iluminismo e as promessas das Revoluções claudicam e no seu lugar surgem as demandas de um mar de fragmentos libertários, que apenas revelam que há uma enorme vontade de revolucionar a política moderna, mas sem projeto de sociedade e sem projeto de nação. A mera revolta, sem projeto capaz de ser majoritário e sem capacidade de criar novas elites dirigentes comprometidas com a emancipação vai para o fracasso, ou vai para o vazio: o que dá no mesmo. A vitória do campo popular e libertário no Chile foi uma grande conquista inicial e o Presidente Gabriel Boric é um grande líder político, mas neste momento sem campo de sustentação eleitoral e sem capacidade de governar com hegemonia, pois carente de um projeto social e político de unificação de uma maioria nacional para enfrentar o fascismo. Gabriel Boric ainda pode se recuperar se compreender que precisa se reinventar.

Na verdade as estruturas políticas fragmentárias do campo emancipatório e democrático não serão alternativas de poder democrático se não contarem, para formular seu projeto de uma nova esquerda, com ideias voltadas para o governo e não somente para anarquia dura e alegre do protesto, se não absorverem algo de fundamental das lutas democráticas, das lutas revolucionárias, das lutas corporativas, das concertações e dos avanços, que vem da história da esquerda do século XX. Isto, pelo simples fato que o seu vazio organizativo e a sua incapacidade de unificar um campo majoritário além das mobilizações de rua, lhes atesta – perante sua própria base – como incapazes para exercer o poder na democracia.

Depois da eleição de 2021 – proclamado o resultado – foi realizada a posse de Gabriel Boric em março de 2022. Supunha-se que ele formasse ali um governo de coalizão democrática para tirar daquela vitória brilhante a aplicação de um programa de coesão social e nacional – de afirmação dos direitos humanos e da soberania popular – para enfrentar o assalto do pinochetismo ao poder, desta feita pelas urnas.

Não foi o que ocorreu: o “anjo da história” nele encarnado só teve um olhar para o passado miserável que queria demolir, mas não teve capacidade de abrir suas vistas para um futuro capaz de ser agregador da nação. A nova Constituinte está formada, a partir das últimas eleições para aquele colégio decisório, por uma maioria conservadora e uma forte base parlamentar da extrema direita que vai delinear o futuro próximo do país.

A nova Constituição de 388 artigos – uma colcha de retalhos das lutas sociais e identitárias vindas da Assembleia convocada por pressão dos movimentos sociais na presidência de Sebastian Piñera – foi rejeitada em setembro de 2022, desaprovada por quase 70% dos eleitores chilenos. Os fragmentos que elegeram uma maioria para redigir o novo texto constitucional não se reencontraram na ação política parlamentar e a “velha esquerda” não teve capacidade e organização, não só para intervir no governo de Gabriel Boric de maneira ordenada e colaborativa, como não teve força suficiente para influir na redação de uma Constituição democrática, apta para abrigar os fragmentos sociais e identitários num projeto de nação.

O que se pergunta é se ainda existe a possibilidade de compor uma ampla aliança social e política, de classes e fragmentos, para bloquear o fascismo e alargar a democracia política. Só uma pessoa pode comandar este processo, que exige muita ousadia, sinceridade e independência de espírito: é o jovem Presidente Gabriel Boric que poderá demonstrar, assim, que a democracia tem futuro no Chile e na América do Sul, se for convencido ou convencer-se que fragmentos dispersos, não só não formam uma totalidade, como não atravessam alegre e seriamente as ruas da esperança.

*Tarso Genro foi governador do estado do Rio Grande do Sul, prefeito de Porto Alegre, ministro da Justiça, ministro da Educação e ministro das Relações Institucionais do Brasil. Autor, entre outros livros, de Utopia possível (Artes & Ofícios).


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Celso Frederico Luís Fernando Vitagliano Ricardo Musse Fábio Konder Comparato Annateresa Fabris André Singer Daniel Afonso da Silva Tales Ab'Sáber Flávio Aguiar Osvaldo Coggiola Gabriel Cohn Luiz Marques Ari Marcelo Solon Paulo Martins Marilia Pacheco Fiorillo Lorenzo Vitral Marcelo Módolo Priscila Figueiredo Luis Felipe Miguel Bruno Fabricio Alcebino da Silva Luiz Carlos Bresser-Pereira Rafael R. Ioris Bento Prado Jr. André Márcio Neves Soares João Paulo Ayub Fonseca Leda Maria Paulani João Adolfo Hansen Luiz Werneck Vianna João Sette Whitaker Ferreira João Lanari Bo Afrânio Catani Airton Paschoa Fernão Pessoa Ramos Eleonora Albano Manuel Domingos Neto Michael Roberts Ricardo Antunes Roberto Noritomi Leonardo Boff Eugênio Trivinho Heraldo Campos Eduardo Borges Alexandre de Lima Castro Tranjan Mário Maestri Érico Andrade João Feres Júnior Ronaldo Tadeu de Souza Andrew Korybko Plínio de Arruda Sampaio Jr. Igor Felippe Santos Paulo Fernandes Silveira Flávio R. Kothe Jean Pierre Chauvin José Luís Fiori Berenice Bento Eliziário Andrade Juarez Guimarães Gilberto Lopes Ricardo Fabbrini Ronald Rocha Daniel Brazil Luiz Bernardo Pericás José Micaelson Lacerda Morais Elias Jabbour Bruno Machado Mariarosaria Fabris Henry Burnett Henri Acselrad Salem Nasser João Carlos Loebens Chico Whitaker Boaventura de Sousa Santos Celso Favaretto José Raimundo Trindade Antonino Infranca Luiz Costa Lima Gilberto Maringoni Anderson Alves Esteves Antonio Martins Valério Arcary Marcelo Guimarães Lima Luiz Eduardo Soares Alexandre de Freitas Barbosa Bernardo Ricupero Remy José Fontana José Costa Júnior Paulo Capel Narvai Francisco de Oliveira Barros Júnior Antônio Sales Rios Neto Benicio Viero Schmidt Atilio A. Boron Marcus Ianoni Ricardo Abramovay Sandra Bitencourt Jorge Luiz Souto Maior Dênis de Moraes Maria Rita Kehl Jean Marc Von Der Weid Tarso Genro José Machado Moita Neto Luciano Nascimento Tadeu Valadares Yuri Martins-Fontes Rodrigo de Faria Marcos Silva Francisco Fernandes Ladeira Manchetômetro Michael Löwy Denilson Cordeiro Anselm Jappe Renato Dagnino Paulo Sérgio Pinheiro Samuel Kilsztajn Leonardo Avritzer Valerio Arcary Jorge Branco João Carlos Salles Milton Pinheiro Vinício Carrilho Martinez Marjorie C. Marona Daniel Costa Marcos Aurélio da Silva Julian Rodrigues Liszt Vieira Kátia Gerab Baggio Eleutério F. S. Prado Carlos Tautz Luiz Roberto Alves Francisco Pereira de Farias Vladimir Safatle Leonardo Sacramento Slavoj Žižek Roberto Bueno Eugênio Bucci Thomas Piketty Lucas Fiaschetti Estevez Paulo Nogueira Batista Jr Everaldo de Oliveira Andrade Lincoln Secco Caio Bugiato Dennis Oliveira Claudio Katz Chico Alencar José Geraldo Couto Ronald León Núñez Gerson Almeida Armando Boito Rubens Pinto Lyra Sergio Amadeu da Silveira Alexandre Aragão de Albuquerque Fernando Nogueira da Costa Carla Teixeira Vanderlei Tenório Marilena Chauí Luiz Renato Martins Alysson Leandro Mascaro José Dirceu Ladislau Dowbor Walnice Nogueira Galvão Otaviano Helene

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada