As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A intersecção entre arte e ciência

Sergio Sister, 1969, Ecoline, crayon oleoso,lápis e caneta hidrografica, 29,5 x 44 cm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por DANIEL BRAZIL*

Dois livros que conjugam arte e ciência de forma clara e elegante

A literatura de divulgação científica foi inventada no século XX, e pouco a pouco conquistou um espaço nas livrarias – quando havia livrarias – e catálogos. Em meio a muita mistificação, autores como Carl Sagan, Richard Dawkins ou Stephen Jay Gould tornaram-se clássicos do gênero, seja explicando a Física moderna ou o legado de Darwin. A academia mais carrancuda ainda vê com desconfiança esse tipo de literatura, mas o número crescente de cursos de divulgação científica, de teses e de seminários sobre o tema mostra uma abertura para o desejável diálogo da ciência com a sociedade.

Uma das ferramentas mais fascinantes para promover esta aproximação é a arte. Não é por acaso que muitos artistas, de diversas áreas, se interessaram pela ciência, e vice versa. Um deles é o escritor, diretor e roteirista de cinema Jean-Claude Carrière.

Famoso pela parceria com Buñuel, que rendeu obras primas como O fantasma da liberdade, A bela da tarde e O obscuro objeto de desejo, Carriére também escreveu roteiros inesquecíveis para Andrzej Wajda (Danton – O processo da revolução), Philip Kaufman (A insustentável leveza do ser) e vários diretores franceses, como Rappeneau (Cyrano de Bergerac). Sua maior façanha talvez tenha sido adaptar o poema épico indiano Mahabharata para o cinema, o que rendeu um filme de quase cinco horas de duração, dirigido pelo inglês Peter Brook.

Carrière foi também diretor da principal escola francesa de cinema, e se declara apaixonado pela Física moderna. Chegou a escrever uma obra de ficção sobre Einstein, mas seu grande livro de divulgação científica chama-se Conversas sobre o Invisível (Brasiliense, 1988), e que há muito merece uma nova edição.

Trata-se de uma longa, detalhada e saborosa conversa com dois físicos, Jean Aldouze e Michel Cassé, sobre relatividade, a origem do universo, microfísica, astrofísica e física quântica. Fruto de conversas mantidas semanalmente onde os assuntos se encadeiam naturalmente com referências literárias, pictóricas e, claro, cinematográficas, o livro discute os conceitos mais impenetráveis da Física moderna, que Carrière considerava a Grande Ciência do século XX, de forma clara e elegante.

Também no campo da Física, vale a pena conhecer outro autor, o argentino Alberto Rojo. Professor da Oakland University, em Michigan, publicou vários livros de física quântica e de divulgação científica. Portenho de nascimento, manteve durante muito tempo uma coluna jornalística no jornal Crítica de La Argentina, onde depurou a escrita límpida, direta, sem rebuscamentos desnecessários. Pra completar, o cara é músico. Violonista com discos gravados tocou com Mercedes Soza e Charly Garcia, compôs peças populares e sinfônicas.

Rojo escreveu um fascinante livro chamado Borges e a mecânica quântica, editado no Brasil pela Unicamp, ainda em catálogo. Trata-se de uma coletânea de artigos que investigam a intersecção entre arte e ciência. A tese central é a de que, na história da humanidade, várias descobertas científicas foram intuídas ou antecipadas por escritores, pintores, músicos e poetas. E desfia uma série maravilhosa de exemplos, que começa em Homero, passa por Shakespeare e termina em – lógico – Jorge Luís Borges.

Para Rojo, o famoso conto “Jardim dos Caminhos que Se Bifurcam” é uma tradução literária perfeita do universo proposto pela física quântica. Borges teria sido o primeiro a enunciar uma alternativa para o tempo linear: tempos cíclicos, tempos múltiplos, espaço relativos, o Aleph do espaço-tempo. O curioso é que o próprio Borges, entrevistado por Rojo, declarou que não entendia patavinas de física. Ao receber uma breve explicação sobre os mundos paralelos que se tornaram possíveis depois da física quântica, respondeu pensativo: “Como são criativos os físicos!”

Rojo pertence a esta rara espécie de cientista que tem alma de artista. Cultua Leonardo da Vinci – modelo maior – e costura com habilidade citações de Poe, Cortazar, Calvino, Einstein, Van Gogh, Dante, H.G.Wells, Otavio Paz e até a Bíblia, sem perder o rigor. Seu principal mérito, como escritor, é não parecer pedante ou professoral, seguindo a mesma trilha iluminada de Jean-Claude Carrière.

Dois escritores admiráveis que, partindo de polos opostos, encontram-se na realização plena de conjugar arte e ciência de forma acessível e prazerosa.

*Daniel Brazil é escritor, autor do romance Terno de Reis (Penalux), roteirista e diretor de TV, crítico musical e literário.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Chico Whitaker Antônio Sales Rios Neto Antonio Martins Osvaldo Coggiola Fernando Nogueira da Costa Milton Pinheiro Jean Marc Von Der Weid João Carlos Salles Michael Löwy Marcelo Módolo Walnice Nogueira Galvão Chico Alencar Antonino Infranca Alysson Leandro Mascaro João Paulo Ayub Fonseca Manuel Domingos Neto Marcelo Guimarães Lima Mário Maestri Marcos Aurélio da Silva Thomas Piketty Tarso Genro Anderson Alves Esteves Dennis Oliveira Bruno Fabricio Alcebino da Silva Carla Teixeira Eugênio Trivinho Juarez Guimarães Samuel Kilsztajn Gilberto Lopes Luis Felipe Miguel Rodrigo de Faria José Machado Moita Neto Paulo Fernandes Silveira Paulo Martins Alexandre de Freitas Barbosa Marcus Ianoni Fábio Konder Comparato Celso Favaretto Renato Dagnino Celso Frederico Valerio Arcary Luciano Nascimento Bruno Machado João Adolfo Hansen Érico Andrade Ronald Rocha Gerson Almeida Jorge Branco André Singer Daniel Afonso da Silva Ricardo Abramovay Paulo Sérgio Pinheiro Berenice Bento João Lanari Bo Michael Roberts Luiz Marques Flávio R. Kothe Luiz Costa Lima Luiz Bernardo Pericás Tales Ab'Sáber José Luís Fiori Caio Bugiato Heraldo Campos Mariarosaria Fabris Airton Paschoa Vinício Carrilho Martinez Remy José Fontana Manchetômetro José Costa Júnior João Feres Júnior Andrew Korybko Marilena Chauí Benicio Viero Schmidt Francisco Pereira de Farias Ladislau Dowbor Otaviano Helene Elias Jabbour Maria Rita Kehl Slavoj Žižek Vladimir Safatle José Dirceu João Sette Whitaker Ferreira Plínio de Arruda Sampaio Jr. Lorenzo Vitral Eduardo Borges José Geraldo Couto Annateresa Fabris Eugênio Bucci Luiz Carlos Bresser-Pereira Francisco de Oliveira Barros Júnior Everaldo de Oliveira Andrade Ronald León Núñez Eleutério F. S. Prado Luís Fernando Vitagliano Marilia Pacheco Fiorillo Armando Boito Kátia Gerab Baggio Rubens Pinto Lyra Paulo Capel Narvai Roberto Noritomi Henri Acselrad Daniel Brazil Luiz Eduardo Soares Leonardo Boff Eliziário Andrade Bernardo Ricupero Marjorie C. Marona Ricardo Fabbrini Jorge Luiz Souto Maior Ari Marcelo Solon Anselm Jappe Boaventura de Sousa Santos Jean Pierre Chauvin Gabriel Cohn Leda Maria Paulani Sandra Bitencourt Afrânio Catani Julian Rodrigues Igor Felippe Santos Denilson Cordeiro Tadeu Valadares Liszt Vieira Claudio Katz Daniel Costa Ricardo Antunes Ronaldo Tadeu de Souza Leonardo Sacramento Salem Nasser Eleonora Albano Valério Arcary Fernão Pessoa Ramos Lincoln Secco Paulo Nogueira Batista Jr Marcos Silva Gilberto Maringoni Dênis de Moraes Henry Burnett Carlos Tautz Lucas Fiaschetti Estevez Francisco Fernandes Ladeira Luiz Werneck Vianna Alexandre Aragão de Albuquerque José Micaelson Lacerda Morais João Carlos Loebens Ricardo Musse Bento Prado Jr. Leonardo Avritzer Sergio Amadeu da Silveira Atilio A. Boron Priscila Figueiredo Yuri Martins-Fontes Roberto Bueno Luiz Roberto Alves Luiz Renato Martins Alexandre de Lima Castro Tranjan Flávio Aguiar José Raimundo Trindade André Márcio Neves Soares Rafael R. Ioris Vanderlei Tenório

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada