As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Amazônia – garimpo, mercúrio e genocídio indígena

Imagem: Tom Fisk
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por SAMUEL KILSZTAJN*

O garimpo de ouro é ilegal em terras indígenas, o descarte de mercúrio na natureza é criminoso, os indígenas são protegidos pela Constituição Brasileira, mas o genocídio segue ininterrupto na Amazônia Legal

No século XVI, os portugueses invadiram e colonizaram as terras do Brasil e promoveram o genocídio dos povos indígenas que habitavam a região. Até meados do século XX, os juruás (brancos alienígenas) haviam se restringido a ocupar, basicamente, apenas o litoral do país. Contudo, com a internacionalização do capital produtivo que se seguiu à Segunda Guerra Mundial, os alienígenas resolveram transferir a capital do país para o interior, de modo a tomar posse do Centro-Oeste e da bacia Amazônica.

Quando a capital foi transferida do Rio de Janeiro para Brasília, diversas etnias indígenas, que haviam sobrevivido às perseguições e ao genocídio perpetrado pelos europeus desde o “descobrimento” do Brasil, tiveram que enfrentar a apropriação de terras que até então não haviam sido cobiçadas pelos juruás. Os invasores, com seus cartórios e títulos de propriedade espúrios, inverteram a ordem dos fatores, comportando-se como se os intrusos fossem os milenares habitantes destas terras.

O genocídio dos indígenas, iniciado no século XVI, ganhou então novo ímpeto. O que para os juruás era ocupar um espaço vazio com um museu futurista a céu aberto, para os indígenas foi o grande assalto às suas terras na segunda metade do século XX, que abriu caminho para a rodovia Transamazônica, durante a ditadura militar, e constitui hoje o pesadelo que sangra vivo na Amazônia legal. No compasso da Transamazônica, o meu colega Antônio Delfim Netto, por meio de incentivos fiscais, distribuiu glebas na Amazônia para as grandes empresas do país, como terras devolutas, embora fossem habitadas por indígenas e sertanejos que possuíam a terra, mas não possuíam títulos de propriedade.

O garimpo é ilegal em terras indígenas e o mercúrio é largamente utilizado na amálgama com o ouro na lavagem do minério na Amazônia. O mercúrio, metabolizado pelos peixes, ao ser ingerido por animais e seres humanos se acumula no sistema nervoso e é altamente tóxico, levando à perda da coordenação motora, danos irreversíveis na reprodução e, em casos extremos, à morte. A intoxicação por mercúrio é conhecida como doença de Minamata, diagnosticada em 1956 em vítimas da contaminação de águas residuais da indústria química japonesa Chisso.

Além do garimpo em terras indígenas ser ilegal, o mercúrio utilizado pelo garimpo do ouro provém do comércio também ilegal agenciado por redes de tráfico internacional. A Constituição Brasileira reconhece o direito dos povos originários de manter sua identidade e, portanto, deveria proteger os indígenas da invasão e exposição ao ávido mercado do garimpo de ouro, que tem arregimentado parte da população indígena na defesa de sua extração.

Estudos da Fiocruz constatam elevados níveis de mercúrio entre os povos Yanomami. O neurologista Erik Jennings, da Secretaria Especial de Saúde Indígena, analisou os níveis de mercúrio no sangue de mais de uma centena de moradores do Alto Tapajós. A ONG Repórter Brasil divulgou os resultados da pesquisa de Erik, com 99% da população examinada apresentando níveis superiores ao considerado seguro pela Organização Mundial da Saúde, alguns com nível até 15 vezes superior ao recomendado. Repórter Brasil também lançou recentemente o documentário Relatos de um correspondente de guerra na Amazônia de Daniel Camargos e Ana Aranha em homenagem a Dom Phillips e Bruno Pereira, assassinados em junho de 2022. O Pulitzer Center on Crisis Reporting, através do programa Rainforest Journalism Fund, com inscrições sempre abertas para novas propostas, tem financiado os custos de viagens de jornalistas, escritores e cineastas e divulgado os trabalhos que retratam a grave situação da Amazônia. O documentário Amazônia, a nova Minamata? de Jorge Bodanzky e Nuno Godolphim denuncia o impacto destrutivo do garimpo de ouro e a contaminação por mercúrio do Vale do Tapajós, território dos Munduruku, que ameaça todos os povos indígenas da Amazônia.

O império da mercadoria, que transborda as relações produtivas, transforma tudo em mercadoria, até montanhas, rios, honra etc. Krenak conta que foi procurado por uma grande rede de supermercados para que intermediasse a produção de 10 mil balaios. A rede de supermercados achava que estava fazendo um favor aos indígenas, oferecendo trabalho a eles, mas o Krenak se recusou dizendo que os indígenas não são idiotas, não são adeptos do fordismo.

A doutrina do progresso é um engodo. A mercadoria sempre justifica o progresso técnico, escondendo-se atrás do dever de atender as necessidades dos pobres, eternamente mantidos pobres para que continuem justificando o progresso. O destino dos pobres é passar necessidades básicas em meio à opulência e ao desperdício dos ricos, que vivem cercados por uma parafernália de novos produtos supérfluos de última geração. Estamos atravessando a Era da distopia, uma sociedade do espetáculo, do consumo, do desperdício e da produção de lixo que convive com uma população que revira o lixo das grandes cidades em busca de alimentos e de materiais recicláveis para revenda.

Pedro Álvares Cabral e seus companheiros não solicitaram visto de entrada às autoridades indígenas para desembarcar nas terras do Brasil. Não solicitaram visto, apropriaram-se das terras dos nativos e ainda saíram caçando seus habitantes, uma atitude muito pouco cortês e nada civilizada desses europeus, muitas vezes justificada com o pretexto de civilizar os indígenas, impondo à força sua verdade sobre a deles. Uma atitude, poderíamos dizer, até selvagem por parte desses imigrantes. Os povos autodenominados civilizados carregam em seu imaginário que sua cultura é superior e invejável, e que todos os povos assim chamados primitivos gostariam de ser civilizados como eles.

Leonardo Boff disse que não nos satisfaz o meio-ambiente, pois queremos o ambiente inteiro. Entre as riquezas da Amazônia, o que eu mais gostaria que fosse preservado é a cultura desses povos originários das terras do Brasil, que continuam militando pela vida, apesar de cinco séculos de assalto e genocídio. Nunca me identifiquei como economista, apesar da vida, por capricho, ter me graduado e qualificado como mestre, doutor e titular em economia; mas faço questão de usar todas estas minhas credenciais para me declarar contra o progresso econômico. E, como não sou nativo, também faço questão de utilizar o nome Samuel Juruá na minha apresentação e correspondência com os indígenas. Faço votos para que possamos todos aprender com esses “primitivos” a nos desfazer do peso e dos grilhões da mercadoria, faço votos para que possamos voltar a nos integrar à terra, às plantas, aos animais e à vida comunitária.

E para onde vai todo esse ouro extraído do subsolo da Amazônia? Por incrível que pareça, depois de extraído, depois de todos os estragos que causa, esse festival de horror, o ouro volta para o subsolo, para o subsolo dos bancos centrais, porque é muito pesado para ser depositado nos pisos superiores de suas sedes. E quando o Banca d’Italia vende ouro para o Deutsche Bundesbank, o ouro não viaja de navio nem de trem; tampouco é carregado da pilha de lingotes da Itália para a pilha de lingotes da Alemanha depositadas em um dos muitos bancos centrais, digamos o Federal Reserve. Basta trocar a plaquinha da pilha de lingotes com o nome Banca d’Italia por uma plaquinha onde se lê Deutsche Bundesbank e estamos conversados.

*Samuel Kilsztajn é Samuel Kilsztajn é professor titular da PUC-SP. Autor, entre outros livros, de Shulem, Returnees e Yiddish (https://amzn.to/3ZkegH7).


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Eleonora Albano Paulo Martins Alexandre de Lima Castro Tranjan Luiz Marques Caio Bugiato Rubens Pinto Lyra Yuri Martins-Fontes Francisco Pereira de Farias Milton Pinheiro Atilio A. Boron Ricardo Abramovay Annateresa Fabris Bernardo Ricupero Jorge Branco Luciano Nascimento Kátia Gerab Baggio Valerio Arcary Celso Frederico Rafael R. Ioris José Geraldo Couto Flávio Aguiar Leonardo Boff Celso Favaretto Tarso Genro Bruno Machado Luiz Werneck Vianna Samuel Kilsztajn Salem Nasser José Machado Moita Neto Ricardo Fabbrini Vinício Carrilho Martinez Denilson Cordeiro Henri Acselrad Fábio Konder Comparato Ricardo Musse Andrew Korybko Eliziário Andrade Paulo Sérgio Pinheiro Berenice Bento Marilena Chauí Flávio R. Kothe Dênis de Moraes Chico Whitaker Luis Felipe Miguel Eleutério F. S. Prado Paulo Capel Narvai João Sette Whitaker Ferreira Julian Rodrigues Boaventura de Sousa Santos Vanderlei Tenório José Luís Fiori Paulo Nogueira Batista Jr Michael Roberts Jean Pierre Chauvin Francisco de Oliveira Barros Júnior Ricardo Antunes Anderson Alves Esteves Antonio Martins Heraldo Campos Ladislau Dowbor Paulo Fernandes Silveira Marilia Pacheco Fiorillo Francisco Fernandes Ladeira Luiz Carlos Bresser-Pereira Slavoj Žižek Rodrigo de Faria Henry Burnett João Carlos Loebens Luiz Costa Lima João Adolfo Hansen Marjorie C. Marona Fernando Nogueira da Costa Renato Dagnino Priscila Figueiredo Juarez Guimarães Marcos Aurélio da Silva Ronald Rocha Jean Marc Von Der Weid João Paulo Ayub Fonseca Valério Arcary Armando Boito Osvaldo Coggiola Roberto Noritomi Sergio Amadeu da Silveira Daniel Costa Daniel Brazil João Carlos Salles Otaviano Helene Anselm Jappe Sandra Bitencourt Marcelo Guimarães Lima Airton Paschoa Carla Teixeira Marcelo Módolo José Micaelson Lacerda Morais Érico Andrade Liszt Vieira Alysson Leandro Mascaro José Costa Júnior Tadeu Valadares Gilberto Lopes Lincoln Secco Eugênio Bucci Igor Felippe Santos Alexandre Aragão de Albuquerque Maria Rita Kehl José Raimundo Trindade Remy José Fontana Luiz Renato Martins Gerson Almeida Lucas Fiaschetti Estevez Chico Alencar Vladimir Safatle Ronaldo Tadeu de Souza Benicio Viero Schmidt Bento Prado Jr. Dennis Oliveira Michael Löwy Manuel Domingos Neto José Dirceu Roberto Bueno Leonardo Sacramento Everaldo de Oliveira Andrade Mariarosaria Fabris Ari Marcelo Solon João Lanari Bo Luiz Roberto Alves Leda Maria Paulani Eugênio Trivinho André Márcio Neves Soares Carlos Tautz André Singer Luís Fernando Vitagliano Gilberto Maringoni Marcos Silva Marcus Ianoni Antonino Infranca Antônio Sales Rios Neto Tales Ab'Sáber Elias Jabbour Lorenzo Vitral Plínio de Arruda Sampaio Jr. Alexandre de Freitas Barbosa Afrânio Catani Manchetômetro Fernão Pessoa Ramos Claudio Katz Walnice Nogueira Galvão Bruno Fabricio Alcebino da Silva Eduardo Borges Luiz Eduardo Soares Daniel Afonso da Silva Jorge Luiz Souto Maior Gabriel Cohn Mário Maestri João Feres Júnior Leonardo Avritzer Ronald León Núñez Thomas Piketty Luiz Bernardo Pericás

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada