As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Um retrato perturbador

August Kopisch (1799 - 1853), Os Pântanos Pontinos ao pôr do sol, 1848.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LUIZ EDUARDO SOARES*

Em vez de fazer jornalismo, a grande imprensa optou por disputar a direção política do futuro, a hegemonia do dia seguinte, o comando do processo de transição

O dia 29 de maio de 2021 foi glorioso para a resistência antifascista no Brasil. A escala das manifestações nas ruas, apesar dos riscos provocados pela pandemia, representa um marco de magnitude histórica. Por outro lado, no dia seguinte, a grande imprensa nos ofereceu, mais uma vez, o retrato perturbador de suas próprias vísceras expostas. As capas do Globo e do Estadão destacam o “reaquecimento do PIB” e a “reinvenção das cidades turísticas”, respectivamente. A Folha foi mais digna: “Milhares saem às ruas contra Bolsonaro pelo país”, ao lado de foto razoável, embora a reportagem na página A-12 seja decepcionante, um símile político da matéria risivelmente provinciana sobre o jogo da véspera, o empate entre São Paulo e Fluminense.

Como interpretar as escolhas editoriais? O que elas nos dizem sobre a posição das elites e seus cálculos? O que o silêncio eloquente confessa? A comparação com 1984 é trivial, mas pertinente. A Rede Globo custou a admitir a existência do maior movimento de massas até então. Por quê? Ainda defendia a ditadura? Não, naquele momento não se tratava de abraçar-se ao cadáver insepulto do antigo regime, mas de disputar a direção política do futuro, a hegemonia do dia seguinte, o comando do processo de transição.

O que torna as coberturas das manifestações de 29 de maio de 2021 e as de 2016 tão diferentes? Quantas vezes assistimos, perplexos, a reportagens ao vivo da GloboNews sobre protestos anti-Dilma em pequenas cidades do interior, nas quais repórteres constrangidos, ante imagens de praças vazias, se esforçavam por convencer os telespectadores sobre a relevância histórica dos acontecimentos que testemunhavam. Tratava-se de objetividade jornalística ou de engajamento na campanha contra Dilma? O endosso absolutamente acrítico à Lava-Jato, dando curso aos vazamentos que provinham dos acusadores, pingando a conta-gotas nos momentos estrategicamente “oportunos”, concorreu para a exclusão de Lula da disputa, a demonização da política e a emergência da mais torpe e vil presidência de nossa história.

O remédio converteu-se em veneno, porque foram com muita sede ao pote do golpismo, celebraram o pacto fáustico com os apetites mais selvagens em nome da “Ponte para o Futuro”, tornaram austeridade, desregulamentação, meritocracia e minimalização do Estado o credo supremo de sua comum veneração, dispuseram-se a confundir combate à corrupção com a versão cínica de uma suposta guerra santa da sociedade contra o Estado.

A nenhuma leitora, a nenhum leitor minimamente razoável escapará o viés político das operações editoriais, que estruturam hierarquias de relevância, impactando a agenda pública. As fake-news mais tóxicas não são as notícias falsas, passíveis de desmascaramento, mas a desonestidade intelectual que injeta, subrepticiamente, opinião na informação. Essa infecção ideológica se realiza sobretudo por meio da seletividade editorial, no modo de apresentar e hierarquizar as informações. Emitir opiniões é legítimo, infiltrá-las de forma solerte, naturalizando-as, é exercício ilegítimo de um poder imenso que assim se corrompe.

Qual a finalidade do embuste estampado sem pudor, nas manchetes de hoje? Abraçar-se ao cadáver adiado do fascismo brasileiro? Não, esses órgãos têm sido críticos do governo. Trata-se, a meu juízo, como em 1984, guardadas as óbvias diferenças, de disputar a direção política do futuro, o comando do processo de transição para o pós-Bolsonaro. Com ou sem Lula, até onde irá a reestruturação do Estado, em todos os níveis? Quais as posições relativas dos principais atores econômicos? Qual será a inserção do Brasil no mapa geopolítico? Que posição lhe caberá na divisão internacional do trabalho e da produção? Até onde nos levarão os movimentos negros, feministas, por moradia, pela terra? Haverá ou não – e a que preço”; com quais consequências? – enfrentamento ao que tenho denominado “enclave antidemocrático” da segurança pública e da Justiça criminal?

Enquanto o povo vai às ruas, as elites se recolhem, planejando seus lances, e começam, tudo indica, a examinar a hipótese Queremista: Pós-Bolsonaro com Bolsonaro. Não duvidem, meus amigos, minhas amigas: o ardor moralista desses vetustos patriotas é tão volúvel quanto são elásticos seus elevadíssimos valores.

Luiz Eduardo Soares foi secretário nacional de segurança pública (2003). Autor, entre outros livros, de Desmilitarizar – Segurança pública e direitos humanos (Boitempo).

Publicado originalmente no portal Brasil 247.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Mariarosaria Fabris Luiz Werneck Vianna Juarez Guimarães Jorge Branco Eliziário Andrade Anselm Jappe Yuri Martins-Fontes Francisco Pereira de Farias Bruno Machado Gabriel Cohn Leda Maria Paulani Lorenzo Vitral Paulo Capel Narvai Fernando Nogueira da Costa Daniel Costa Alysson Leandro Mascaro Vinício Carrilho Martinez João Paulo Ayub Fonseca Heraldo Campos Roberto Bueno Rubens Pinto Lyra Luiz Eduardo Soares Dênis de Moraes Luciano Nascimento Lucas Fiaschetti Estevez João Lanari Bo Eleonora Albano Ronald León Núñez Carlos Tautz José Raimundo Trindade João Carlos Salles Thomas Piketty Jean Pierre Chauvin Ronald Rocha Gilberto Lopes Luiz Bernardo Pericás José Machado Moita Neto Gilberto Maringoni Caio Bugiato João Adolfo Hansen Luiz Marques Alexandre de Freitas Barbosa Luiz Costa Lima Michael Löwy Ricardo Musse Eugênio Trivinho Henry Burnett Boaventura de Sousa Santos Antonino Infranca Eduardo Borges Samuel Kilsztajn Ricardo Antunes Flávio R. Kothe Marjorie C. Marona Francisco Fernandes Ladeira Flávio Aguiar Otaviano Helene Marilia Pacheco Fiorillo Ladislau Dowbor Francisco de Oliveira Barros Júnior Julian Rodrigues José Dirceu Afrânio Catani Daniel Afonso da Silva Valerio Arcary José Micaelson Lacerda Morais André Márcio Neves Soares Osvaldo Coggiola Gerson Almeida Leonardo Avritzer Leonardo Boff Eugênio Bucci Tarso Genro João Sette Whitaker Ferreira Marilena Chauí Atilio A. Boron Sergio Amadeu da Silveira Benicio Viero Schmidt Ari Marcelo Solon Celso Frederico Bernardo Ricupero Everaldo de Oliveira Andrade Jorge Luiz Souto Maior Chico Alencar Leonardo Sacramento Mário Maestri Marcos Silva Remy José Fontana Eleutério F. S. Prado Tales Ab'Sáber Salem Nasser Manchetômetro Roberto Noritomi Denilson Cordeiro Bruno Fabricio Alcebino da Silva Chico Whitaker João Carlos Loebens Antonio Martins Luiz Carlos Bresser-Pereira Alexandre de Lima Castro Tranjan Priscila Figueiredo Fernão Pessoa Ramos Michael Roberts Liszt Vieira Luis Felipe Miguel Daniel Brazil André Singer Henri Acselrad Annateresa Fabris Marcelo Módolo José Geraldo Couto Lincoln Secco Plínio de Arruda Sampaio Jr. Rodrigo de Faria Vanderlei Tenório Marcelo Guimarães Lima Rafael R. Ioris Ricardo Fabbrini Walnice Nogueira Galvão Maria Rita Kehl Airton Paschoa Paulo Sérgio Pinheiro Luís Fernando Vitagliano Anderson Alves Esteves Celso Favaretto Vladimir Safatle Érico Andrade Andrew Korybko Manuel Domingos Neto Luiz Roberto Alves Marcus Ianoni Tadeu Valadares Luiz Renato Martins Dennis Oliveira Milton Pinheiro Armando Boito Valério Arcary Antônio Sales Rios Neto Paulo Nogueira Batista Jr João Feres Júnior Alexandre Aragão de Albuquerque Renato Dagnino Carla Teixeira Sandra Bitencourt Bento Prado Jr. Paulo Martins José Costa Júnior Kátia Gerab Baggio Berenice Bento Igor Felippe Santos Marcos Aurélio da Silva Paulo Fernandes Silveira Slavoj Žižek Jean Marc Von Der Weid Elias Jabbour José Luís Fiori Ricardo Abramovay Fábio Konder Comparato Ronaldo Tadeu de Souza Claudio Katz

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada