A missão da igreja

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LEONARDO BOFF*

Em defesa de uma Igreja samaritana e cuidadora da vida

Antes de abordar este tema  pretendo fazer duas observações: (i) que mensagem a Mãe Terra quer nos comunicar com a intrusão do Coronavírus que ainda perdura com outras vertentes?; (ii) o confronto de dois paradigmas civilizacionais: o dominus e o frater: qual o seu significado para a atual crise generalizada?

Vamos à primeira observação: além das vacinas e de todos os cuidados contra a propagação do vírus, devemos nos perguntar: de onde vem o vírus? Tudo parece indicar que o vírus é um contra-ataque da Mãe Terra como resultado da agressão secular que o processo industrialista, as grandes corporações com seus dirigentes lhe fizeram, devastando ecossistemas inteiros baseados no acúmulo de bens materiais.

Tocamos os limites ecológicos da Terra a ponto de precisarmos de mais de um planeta e meio para atender ao consumo e principalmente ao suntuoso consumismo de uma pequena parcela da humanidade. A Mãe Terra quer nos dizer: pare com esse tipo de relação violenta contra mim que dou a você todos os dias tudo o que você precisa para viver. Caso contrário, virão outros vírus mais nocivos e eventualmente o Grande Vírus (The Next Big One) contra o qual as vacinas serão ineficazes e grande parte da biosfera poderá ser perigosamente afetada. Ou virão outros eventos extremos, como grandes catástrofes ecológico-sociais.

Tudo indica que tal mensagem não está sendo ouvida pelos chefes de Estado, dirigentes de grandes corporações multinacionais e pela população em geral.Se a ouvissem, teriam que mudar seu modo de produção, de ter lucros absurdos e renunciar a seus privilégios.

É preciso reconhecer que a Covid-19 caiu como um meteoro baixo sobre o capitalismo neoliberal, desmantelando seus mantras: lucro, acumulação privada, competição, individualismo, consumismo, estado mínimo e privatização dos negócios e bens públicos. Entretanto, levantou inequivocamente o dilema: vale mais o lucro ou a vida? Devemos salvar a economia ou salvar vidas humanas? Se tivéssemos seguido tais mantras, estaríamos todos em perigo.

O que nos salvou foi o que falta ao capitalismo: centralidade da vida, solidariedade, cooperação, interdependência entre todos, generosidade e cuidado mútuo com a vida de cada um e com a natureza.

Segunda observação: O atual caos sanitário, ecológico, social, político e espiritual é o desdobramento do paradigma que dominou os últimos três séculos de nossa história, agora globalizada. Os pais fundadores da modernidade do século XVII entendiam o ser humano como o dominus, o maître et possesseur (René Descartes) da natureza e não como parte dela. Para eles a Terra não tem finalidade e a natureza não tem valor em si mesma, mas apenas ordenada ao ser humano que dela pode dispor à vontade.

Esse paradigma modificou a face da Terra, trouxe benefícios inegáveis, mas em sua ânsia de tudo dominar criaram o princípio da autodestruição, de si mesmos e da natureza com armas químicas, biológicas e nucleares. O fim do mundo não é mais coisa de Deus, mas do próprio ser humano que se apropiou da própria morte. Chegamos a tal ponto que o secretário-geral da ONU, António Guterrez, disse recentemente na COP no Egito sobre a mudança de regime climático devido ao aquecimento global que cresce de forma inesperada: “Ou fazemos uma aliança climática ou uma aliança de suicídio coletivo”.

Diante do paradigma do domnius, O Papa Francisco na já citada encíclia Fratelli tutti propõe outro paradigma: do frater, o do irmão e da irmã, o da fraternidade universal e da amizade social (n. 6; 128). Desloca o centro: de uma civilização técnico-industrial, antropocêntrica e individualista para uma civilização de solidariedade, preservação e cuidado de toda a vida.

Sabemos por dados científicos que todos os seres vivos compartilham o mesmo código genético básico, os 20 aminoácidos e as mesmas quatro bases nitrogenadas, desde a célula mais primitiva de 3,8 bilhões de anos, passando pelos dinossauros, pelos cavalos e nos legando. É por isso que somos de fato, e não retórica ou misticamente, irmãos e irmãs. Isso é reafirmado pela Carta da Terra, bem como pelas duas encíclicas ecológicas do Papa Francisco.

Esses dois paradigmas são hoje altamente confrontados. Seguindo o paradigma do senhor e dono que usa o poder para dominar tudo, até as últimas dimensões da matéria e da vida, certamente caminhamos para um armagedom ecológico, com risco de extermínio da vida na Terra. Seria o justo castigo pelas ofensas e injúrias que infligimos à Mãe Terra durante séculos e séculos. Ela continuará seu curso ao redor do sol, mas sem nós.

Com a mudança para o paradigma do frater, do irmão e da irmã, abre-se uma janela de salvação. Vamos superar a visão apocalíptica da ameaça do fim da espécie humana, para uma visão de esperança, de que podemos e devemos mudar de rumo e sermos de fato irmãos e irmãs dentro de uma mesma Casa Comum, incluindo a natureza. Seria uma glória viver e conviver com o ideal andino, do bien vivir em harmonia entre os humanos e com toda a natureza.

 

A ação da Igreja

Este é o contexto no qual deve situar-se a ação da Igreja, que se pretende samaritana e cuidadora de tudo o que existe e vive.

O Papa Francisco de Roma, inspirado pelo outro Francisco, o de Assis, percebeu a gravidade da situação dramática do sistema-Terra e do sistema-vida. Ele formulou uma resposta. Na Laudato Sì: como cuidar da Casa Comum, convidou a todos a uma conversão ecológica global” (n. 5), também “a  uma paixão por cuidar do mundo”…”uma mística que nos encoraja, impulsiona nós, fomenta e dá sentido à ação pessoal e comunitária” (n. 216). No Fratelli tutti foi ainda mais radical: “estamos no mesmo barco, ou todos nos salvamos ou ninguém se salvará” (n. 32).

Acredito que os elementos das duas encíclicas ecológicas do Papa Francisco podem servir de inspiração.

A primeira coisa é pela missão de ser samaritano e cuidador de toda a vida. Mas por onde começar? Aqui o Papa revela sua atitude básica, muitas vezes repetida em encontros com movimentos sociais, seja em Santa Cruz de la Sierra na Bolívia ou mesmo em Roma: “Não esperem nada de cima porque sempre vem mais do mesmo ou até pior; comecem por vocês mesmos”,  “de baixo, de cada um de vocês, para lutar pelo que há de mais concreto e local, até a última esquina do país e do mundo” (Fratelli n. 78). O Papa sugere o que é hoje a ponta da discussão ecológica global: trabalhar o território, o biorregionalismo que permite a verdadeira sustentabilidade, com a agroecologia, uma democracia popular e participativa que humanize as comunidades e articule o local com o universal (Fratelli n.147).

De mãos dadas com a parábola do bom samaritano, faz uma análise rigorosa das várias personagens que entram em cena e aplica-as à economia política, culminando com a pergunta: “com quem te identificas (com o homem ferido na estrada , com o sacerdote, com o levita ou com o estrangeiro, o samaritano, desprezado pelos judeus? Esta pergunta é dura, direta e decisiva. Com qual deles você se parece?” (Fratelli n. 64). O Bom Samaritano torna-se modelo de amor social e político (n. 66).

Como nunca antes na história, a Igreja, seja local ou universal, deve mostrar-se samaritana porque milhões e milhões caíram nas estradas, como os 33 milhões de famintos no Brasil ou que morre de doenças causadas pela fome. É cruel constatar que 1% da humanidade detém mais riqueza de 4,6 bilhões de pessoas. Eles são cruéis e impiedosos.

As Igrejas mostraram-se samaritanas, especialmente com os mais vulneráveis. Uma imensa onda de solidariedade tem se manifestado nos movimentos cristãos que têm oferecido centenas de toneladas de produtos agroecológicos e milhões de pratos de comida aos marginalizados das periferias das cidades.

Curiosamente, o Papa Francisco, no arco do novo paradigma da fraternidade universal e do amor social. dá um significado político a dimensões que sempre foram tratadas no campo da subjetividade, como ternura, cuidado e gentileza. Afirma que “na política há lugar para o amor com ternura: ao mais pequeno, ao mais fraco, ao mais pobre; eles devem nos amolecer e ter o ‘direito’ de encher nossa alma e nosso coração; sim, são nossos irmãos e irmãs e como tais devemos amá-los e tratá-los assim” (Fratelli n. 194).

Ele se pergunta o que é a ternura e responde: “é o amor que se torna próximo e concreto; é um movimento que vem do coração e atinge os olhos, os ouvidos, as mãos” (n. 196). Da mesma forma, define a bondade em seu aspecto político, que significa “um estado de espírito que não é duro, duro, rude, mas afável, gentil, que apóia e conforta. A pessoa que possui esta qualidade ajuda os outros a tornar a sua existência mais suportável” (Fratelli n. 223). Este é um desafio para os políticos, dirigido também aos bispos e aos padres: fazer uma revolução da ternura. Da mesma forma, ele vê a solidariedade como uma forma de “cuidar da fragilidade humana” (Fratelli n.115).

A essência da Igreja, cujas raízes se encontram na comunhão das três Pessoas divinas, reside na communio e não na sacra potestas. O Papa Francisco, especialmente na Laudato Sì, traduz em termos de ecologia moderna e física quântica: um fio comum percorre todo o texto, sustentando “que tudo está relacionado e nada existe fora do relacionamento” (Laudato Sì n. 117; 120).

A missão da Igreja é construir pontes, pontes afetivas entre todos e com a natureza. É reconstruir as relações rompidas pelo individualismo da cultura do capital. De fato, a bioantropologia e a psicologia evolutiva deixaram claro que a essência específica do ser humano é cooperar e relacionar-se com todos. Não existe gene egoísta, formulado por Dawkins no final dos anos 60 do século passado sem nenhuma base empírica. Todos os genes estão inter-relacionados entre si e dentro das células. Nesse sentido, o individualismo, valor supremo da cultura do capital, é antinatural e não tem suporte biológico.

Outro ponto fundamental da missão samaritana da Igreja é o cuidado de toda a criação. O cuidado essencial pertence a todos os seres vivos e, segundo a antiga fábula do cuidado, do escravo Higino, aprofundada por Martin Heideger em O Ser e o Tempo, o cuidado é da essência do humano sem a qual ninguém subsistiria.

O cuidado também é uma constante cosmológica: as quatro forças que sustentam o universo (gravitacional, eletromagnética, nuclear fraca e nuclear forte) atuam sinergicamente com extremo cuidado sem o qual não estaríamos aqui refletindo sobre essas coisas.

O cuidado supõe uma relação amigável da vida, protetora de todos os seres porque os vê como um valor em si mesmo, independente do uso humano. Foi o descuido com a natureza, devastando-a, que fez com que os vírus perdessem seu habitat, preservado por milhares de anos, e passassem para o ser humano. O ecofeminismo deu uma contribuição significativa para a preservação da vida e da natureza com a ética do cuidado, porque o cuidado adquire uma densidade especial nas mulheres.

Outro ponto fundamental na missão da Igreja é a solidariedade. Está no coração da nossa humanidade e por si só é um valor eclesiológico como se pôde constatar nas comunidades da Igreja primitiva.

Os bioantropólogos nos revelaram que, quando nossos ancestrais antropóides buscavam sua comida, eles não a comiam isoladamente. Eles os levaram para o grupo e serviram a todos começando pelos mais novos, depois pelos mais velhos e depois todos os outros. Daí surgiu a comensalidade e um senso de cooperação e solidariedade. Foi a solidariedade que nos permitiu dar o salto da animalidade à humanidade. O que era válido ontem também é válido hoje.

Essa solidariedade não existe apenas entre os humanos. É outra constante cosmológica: todos os seres coexistem, estão envolvidos em redes de relações de reciprocidade e solidariedade para que todos possam se ajudar a viver e coevoluir. Mesmo o mais fraco, com a colaboração de outros, subsiste, tem seu lugar no grupo dos seres e coevolui.

O sistema do capital não conhece a solidariedade, apenas a competição que produz tensões, rivalidades e verdadeiras destruições de outros concorrentes com base na maior acumulação. Hoje o maior problema da humanidade não é o econômico, nem o político, nem o cultural, nem o religioso, mas a falta de solidariedade com os outros seres humanos que estão ao nosso lado. O capitalismo não ama a pessoa, apenas sua capacidade de produção e consumo.

Como cristãos, seguindo Jesus, devemos fazer do fato da solidariedade essencial uma opção consciente: solidariedade desde os últimos e invisíveis, desde aqueles que não contam para o sistema vigente e são considerados como zeros econômicos, dispensáveis. Aqui reside a base espiritual e teológica da Teologia da Libertação, cujo eixo central é a opção pelos pobres, contra a sua pobreza e a favor da sua libertação.

Qual é o projeto social sonhado pelo Papa Francisco, fundado na fraternidade universal e no amor social? O que resulta de seus textos e pronunciamentos é uma “sociedade biocentrada”. A vida com toda a sua diversidade deixa de ter centralidade. A economia e a política estão ao vosso serviço para que esta vida se mantenha na Terra, a Terra seja entendida como Mãe viva e generosa.

Tudo isso não pode ser apenas um projeto formulado intelectualmente com todos os recursos técnicos e científicos de que dispomos. Temos que incorporar algo fundamental: a razão cordial ou sensível. É esse tipo de inteligência que reside no mundo da excelência, que nos move e fomenta a ética, a espiritualidade e o cuidado de tal forma que construímos um vínculo afetivo com a Mãe Terra, Pachamama ou Gaia.

A razão intelectual, importante para dar conta da complexidade de nossas sociedades, tem apenas cerca de 7-8 milhões de anos. A razão cordial ou sensível tem cerca de 2020 milhões de anos e surgiu quando os mamíferos surgiram no processo de evolução. A mãe, ao dar à luz sua criação, a ama, cuida dela e a defende. Nós, humanos, somos mamíferos racionais, repletos de carinho, cuidado e carinho com nossos filhos e filhas.

Hoje essa dimensão afetiva está praticamente ausente nos processos técnico-científicos, típicos do nosso paradigma moderno. É importante enriquecer a razão intelectual com a razão sensível e cordial para nos levar a amar e cuidar da Terra e da natureza. Em sua encíclica Laudato Sí, o Papa Francisco mostra várias vezes poeticamente esse motivo cordial e sensível. Ele vê em São Francisco “o exemplo por excelência de cuidado… tinha um coração universal” (Laudato Sí n. 10). Em outro lugar diz com profunda cordialidade: “Tudo está relacionado e todos nós, seres humanos, caminhamos juntos como irmãos e irmãs em uma maravilhosa peregrinação… que também nos une com ternura ao irmão Sol, à irmã Lua, ao irmão rio e a Mãe Terra” (Laudato Sí n. 92; 86).

Sem o resgate dos direitos do coração, não vamos nos comprometer com a salvação dos “comuns”, nem vamos estabelecer um laço afetivo com a irmã floresta, com a irmã água, enfim, com todos os seres da natureza da qual fazemos parte. Unidos de coração e mente, podemos dar sustentabilidade ao projeto de uma civilização biocentrada. O próximo passo da humanidade é começar a dar forma a esse tipo de civilização, que poderá garantir um futuro abençoado para nossa Casa Comum, a natureza incluído.

Termino com uma frase do livro da Sabedoria, citada pelo Papa na encíclica Laudato Sì (n. 89): “Sim, tu amas todos os seres e não odeias nada do que fizeste, se odiasses alguma coisa  não  a  terias criado… preservas a todos, ó soberano amante da vida” (Sb 11,24.26). Um Deus que é um amante apaixonado da vida não vai permitir que seus filhos e filhas pereçam assim miseravelmente. Esperamos que haja mudanças substanciais na consciência da humanidade, face às ameaças que poderão exterminá-la, o que será, em suma, “uma conversão ecológica global” (Laudato Sí n. 5) e assim continuaremos a viver e brilhar neste pequeno e radiante planeta Terra, nossa Grande Mãe e Casa Comum. Dixit et salvavi animam meam.

*Leonardo Boff é teólogo, filósofo e escritor. Autor, entre outros livros, de Ecologia: grito da Terra-grito dos pobres (Vozes).

 

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Tales Ab'Sáber Heraldo Campos Dennis Oliveira Carla Teixeira Samuel Kilsztajn Osvaldo Coggiola Thomas Piketty Elias Jabbour Carlos Tautz Fernando Nogueira da Costa Ricardo Antunes José Dirceu Remy José Fontana Flávio R. Kothe Fábio Konder Comparato Luis Felipe Miguel Fernão Pessoa Ramos José Raimundo Trindade João Carlos Loebens Daniel Brazil Michael Löwy Atilio A. Boron Yuri Martins-Fontes Ronald Rocha André Singer João Carlos Salles Slavoj Žižek Jean Pierre Chauvin Henri Acselrad Boaventura de Sousa Santos Andrés del Río Paulo Nogueira Batista Jr José Luís Fiori Antonio Martins Eugênio Bucci Dênis de Moraes Jean Marc Von Der Weid Sergio Amadeu da Silveira Valerio Arcary Renato Dagnino Ronaldo Tadeu de Souza Bernardo Ricupero Valerio Arcary Bruno Fabricio Alcebino da Silva Ricardo Musse Paulo Martins Francisco Fernandes Ladeira Henry Burnett Paulo Sérgio Pinheiro Luciano Nascimento Alexandre de Lima Castro Tranjan Anselm Jappe Mariarosaria Fabris Luiz Werneck Vianna Vanderlei Tenório Juarez Guimarães Francisco Pereira de Farias Kátia Gerab Baggio Luiz Eduardo Soares Luiz Marques Tarso Genro Gilberto Lopes Alexandre Aragão de Albuquerque Daniel Afonso da Silva Luiz Roberto Alves José Geraldo Couto Leonardo Boff Bento Prado Jr. Lucas Fiaschetti Estevez Alysson Leandro Mascaro Vinício Carrilho Martinez Lorenzo Vitral José Costa Júnior Luís Fernando Vitagliano Eliziário Andrade Eleonora Albano Julian Rodrigues Vladimir Safatle Marcus Ianoni Manchetômetro Paulo Fernandes Silveira Salem Nasser Leonardo Avritzer Eleutério F. S. Prado Mário Maestri Marcelo Guimarães Lima João Feres Júnior Jorge Luiz Souto Maior Luiz Bernardo Pericás Ari Marcelo Solon Rafael R. Ioris Alexandre de Freitas Barbosa Ronald León Núñez Lincoln Secco Antônio Sales Rios Neto Francisco de Oliveira Barros Júnior Denilson Cordeiro Marcos Silva Eugênio Trivinho Gilberto Maringoni Michael Roberts Priscila Figueiredo Chico Whitaker Rodrigo de Faria Marcos Aurélio da Silva Chico Alencar Flávio Aguiar João Adolfo Hansen Everaldo de Oliveira Andrade Leonardo Sacramento Luiz Carlos Bresser-Pereira Marilia Pacheco Fiorillo Berenice Bento Gerson Almeida Caio Bugiato Marjorie C. Marona Michel Goulart da Silva Benicio Viero Schmidt Antonino Infranca Leda Maria Paulani André Márcio Neves Soares Annateresa Fabris Ladislau Dowbor Daniel Costa Tadeu Valadares Plínio de Arruda Sampaio Jr. Luiz Renato Martins Claudio Katz Celso Favaretto Bruno Machado Marilena Chauí Igor Felippe Santos Milton Pinheiro Marcelo Módolo Ricardo Fabbrini Armando Boito Gabriel Cohn Jorge Branco Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Airton Paschoa Manuel Domingos Neto Paulo Capel Narvai José Micaelson Lacerda Morais Otaviano Helene Afrânio Catani Rubens Pinto Lyra Matheus Silveira de Souza João Paulo Ayub Fonseca Érico Andrade Celso Frederico Liszt Vieira Eduardo Borges João Lanari Bo João Sette Whitaker Ferreira Walnice Nogueira Galvão Ricardo Abramovay Sandra Bitencourt José Machado Moita Neto Andrew Korybko Maria Rita Kehl

NOVAS PUBLICAÇÕES