Quem teme a arte e a cultura?

Giovanni Battista Piranesi (1720–1778), Prisões da Imaginação, 1761.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LUIZ MARQUES*

A desconstrução da arte e da cultura é para que não propaguem práticas de emancipação da opressão

 

A subversão da liberdade

A ideia de “liberdade” é subvertida na ruminação bolsonariana. O fim almejado com a prestigitação é um regime de exceção, no país. O meio para alcançar a meta implica assumir uma subjetividade dúbia, entre a hipocrisia (quando oculta a intenção de enganar) e o cinismo (quando exibe a intenção de enganar), no trabalho diário de solapa das instituições.

A liberdade atenta contra si mesma, no bolsonarismo. Proíbe as mostras de obras artísticas que problematizam os valores do colonialismo (racismo) e do patriarcado (sexismo), com métodos intimidadores – vandalização das peças, agressão aos artistas e ao público nas exposições. O obscurantismo não ousa colocar em questão a própria visão de mundo. Os protestos de grupos religiosos e do Movimento Brasil Livre (MBL), depois de 2013, desmarcaram diversos eventos em nome da normoheterossexualidade e das hierarquias tradicionais de mando / obediência. Jogou-se simpatia no moinho da extrema-direita e cancelamento no ímpeto criativo.

A cinebiografia de Marighella, com direção de Wagner Moura e o talento de Seu Jorge no papel principal, lançada e premiada em Berlim em 2019, só desembarcou nos cinemas brasileiros em 2021, por pretextados “problemas burocráticos”. O guerrilheiro foi tido como Inimigo Público N° 1 da ditadura militar. O personagem foi transformado em Inimigo Público N°1 pela Secretaria de Cultura, do Inominável. E perseguido, agora, não pelo Departamento de Ordem Política e Social (DOPS), mas pela Agência Nacional de Cinema (Ancine). Daí a demora em estrear em solo pátrio. No ínterim, a direita procurou desqualificar o filme sob a alegação fake de que o cofundador da Aliança Libertadora Nacional (ALN) era branco. Mentira, era negro, o que aumentou a sede de vingança das furibundas elites escravagistas, desafiadas pelo baiano.

Os valores democráticos encarnados pelo líder revolucionário interpelavam a imposição no território nacional de uma “tirania”, motivo da revolta dos grupos políticos que pegaram em armas para reaver a democracia. Deve-se a um dos fundadores do liberalismo, o princípio do “direito à rebelião” dos governados contra os governantes que assumem o poder de Estado, sem dispor do consentimento explícito do povo, lê-se nos capítulos finais do Segundo Tratado do Governo Civil (1662), de John Locke. Marighella não precisava de Marx para legitimar a opção pela guerrilha, bastava-lhe evocar o ícone liberal. Injustificada era a covarde ditadura.

Em prol da dominação do capital, a reação verde-oliva combateu a coragem idealista. A intolerância atrasou em vinte e um anos o relógio da civilização. A contradição dos conservadores, ontem e hoje, reside em habitar uma sociedade em movimentação e achar que podem parar o ciclo com assertivas a-históricas diante das mudanças políticas, sociais e de costumes. “O projeto de Bolsonaro, para ser executado com ingredientes de sangue e morte, depende da utilização de mecanismos de controle e coerção sobre a sociedade”, diz Heloísa Starling, in: Linguagem da Destruição (Companhia das Letras, orgs. H. Starling, M. Lago e N. Bignotto). Sai da frente, gente.

O cinismo deu as caras na fala do vice Hamilton Mourão sobre as escaramuças pela volta do regime de caserna. O general fez uso do nonsense, ao aplicar o predicado da liberdade de expressão para acabar com a democracia. Fez de conta que a liberdade está descontextualizada do processo cumulativo de valores civilizatórios, quando era óbvio o apelo golpista contrário à Carta Magna. É o que se aprende na Escola Superior de Guerra (ESG)? Reinaldo Azevedo acerta: “os bolsonaristas creem que a liberdade de expressão confere o direito de cometer crimes”.

 

A ira dos pré-modernos

Os remanescentes da pré-modernidade não descansam. Em suas insônias, sempre aparece o receio dos avanços igualitaristas em face da dinâmica do progresso. Não surpreende que se indignassem perante o quadro de Gustave Courbet, no Museu d’Orsay, focado no ventre e no sexo da mulher. A Origem do Mundo é a criação plástica mais censurada em séculos. Prova da interseccionalidade existente entre o capitalismo e a imemoriável repressão do feminino.

Pintada em 1866, a obra veio a público em 1995. A censura impedia que fosse admirada até em sala privée. A tela pertenceu a Jacques Lacan. A família doou-a ao Estado francês, após a morte do psicanalista. Há imagens de uma artista que, de costas para a moldura, abre as pernas e expõe a genitália. Seguranças do Museu tentam cobrí-la, circunstantes a aplaudem.

A arte tem função catártica (purgação, alívio de tensão), para uns. Para outros, de conscientização política. Em comum, o questionamento da realidade. Para Martin Heidegger, o papel da arte é desocultar a verdade de um ente, revelar o seu ser e abrir uma perspectiva que desacomode o observador, e o situe na história. Não espantam os ataques à arte e à cultura.

O mais destacado representante do conservadorismo contemporaneamente, Roger Scruton, em Pensadores da Nova Esquerda (Realizações), refuta a concepção de Sartre que considera o livre agir dos indivíduos capaz de gerar a si mesmo e o mundo ao redor – lançando um no outro. A objeção descortina o núcleo anti-humanista da posição scrutoniana.

“Qualquer adoção de um sistema de valores, que seja representado de modo tão objetivamente justificado, constitui uma tentativa de transferir minha liberdade para o mundo dos objetos, de forma a perdê-la. O desejo por uma ordem objetiva (onde podemos escolher) é prova de má-fé e perda da liberdade, sem a qual nenhuma ordem moral seria concebível”, disparou com irritação o fellow da British Academy. Faltaria transcedentalismo ao humanismo.

A liberdade teria pressupostos que não se subsomem à racionalidade das escolhas na realidade. Afinal, qual o lugar de Deus na arquitetura das decisões existenciais imaginadas pelo pensador francês? Nenhum. A liberdade não reside na possibilidade do livre-arbítrio, mas no compromisso com o transcendental. A crítica é típica dos conservadores, que recorrem a instâncias divinas para explicar atos moralistas em temas como o aborto ou a eutanásia. O antídoto está na historicização para desperenizar suas convicções, com o recurso da razão dialética.

 

A pulsão pela destruição

“O discurso de Bolsonaro é direcionado àquele que tem poder, ainda que dentro de uma situação subalternizada. É o dono de uma birosca que tem poder sobre o garçon, o pastor de porta de garagem sobre seu fiel, o marido que deseja submeter sua esposa, o guarda da esquina que tem poder sobre os transeuntes, o motorista que tem poder sobre pedestres e ciclistas, o cafetão que tem poder sobre a prostituta, entre outros. Bolsonaro assobia para quem tem poder e a mensagem é clara: não tenha medo de exercê-lo”, debulha Miguel Lago (op. cit.). O sartreano se debruça sobre a a consciência para decidir. O bolsonariano exerce a vontade de potência.

O fechamento de mais de trezentos Pontos de Cultura e o veto à Lei Paulo Gustavo, que direcionava R$ 3,86 bilhões do superávit financeiro do Fundo Nacional de Cultura (FNC) aos estados e municípios, para fomento de atividades e produtos culturais, moveram-se pelo temor do estímulo no plano do pensar / sentir a um contrapoder frontal à pasteurização das percepções. Os minguados aportes à educação e à ciência em 2020, 2021 e 2022 foram os mais baixos desde os anos 2000. Neste ano, o orçamento do Ministério da Ciência e Tecnologia e Inovações (R$ 720 milhões) ficou 78% abaixo do registrado em 2010 (R$ 3,34 bilhões). Sem que o titular da pasta tugisse. No Ministério da Educação (MEC), os recursos à pesquisa diminuíram (87%) na Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) e no Conselho Nacional de Pesquisas (CNPq). Dados do Observatório Legislativo Brasileiro (OLB), da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). “O Brasil não é para amadores”, comentava Tom Jobim.

A destrutividade que alia o neoconservadorismo ao neofascismo e ao neoliberalismo é devastadora. O caos é planejado. Tudo vai de mal a pior porque tudo vai bem, capiche?

O presidente em decurso é um saudosista do rumor de botas, orientado pela pulsão de destruição do modelo político e social que desenhou a Constituição de 1988, depois de uma década marcada pelas maiores mobilizações populares já vistas na trajetória da República Federativa. Sem o que o genial Sistema Único de Saúde (SUS) jamais teria vindo à tona. As políticas educacional e cultural são emblemáticas da lógica beligerante que guia o combate à intelligentsia.

Mas nada evoca mais o elã desconstrutivo do que o poder fatual, em revanche, de Bolsonaro sobre os oito mil militares na administração central, incluso generais. Todos devendo continência ao tenente desqualificado por indisciplina, e aposentado como capitão aos trinta e três anos de idade. Somente por subterrâneas injunções, não foi expulso das Forças Armadas.

“Os fardados repetem de forma protocolar o respeito e a consideração aos valores republicanos. No entanto, nos momentos de crise, suas falas revelam o autoritarismo e o espírito antirrepublicano que circundam seus corações e mentes”, anota Luiz Gonzaga Belluzzo (Carta Capital). Voltem aos quartéis; política é para civis. É hipocrisia querer contar votos nas eleições. Melhor contar árvores na Amazônia, antes que na cara de pau o Miliciano-em-Chefe entregue para o multibilionário Elon Muskas as riquezas florestais. Por ora, com as milícias de garimpeiros e madeireiros ilegais, de fazendeiros e agroindustriais invasores de terras indígenas e públicas.

O bolsonarismo subverte o conceito de liberdade para mentir sobre la verità effettuale della cosa. A devastação da Amazônia, que aturde o planeta, é negada na Organização das Nações Unidas (ONU). “O fato de ser uma floresta úmida, não pega fogo”, disse o Pinóquio. Claro, espontaneamente, não pega, exceto se alguém provocar o incêndio. Passados quatro anos da posse, a fala do mandatário em março de 2019 nos Estados Unidos foi a única profecia, com efeito, realizada num mandato em que nada construiu: “Nós temos é que desconstruir muita coisa”. A desconstrução da arte e da cultura é para que não propaguem práticas de emancipação da opressão.

*Luiz Marques é professor de ciência política na UFRGS. Foi secretário estadual de cultura do Rio Grande do Sul no governo Olívio Dutra.

 

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Razões para o fim da greve nas Universidade Federaisbancos 16/05/2024 Por TADEU ALENCAR ARRAIS: A nova proposta do Governo Federal anunciada dia 15 de maio merece debate sobre continuar ou não a greve
  • Como mentir com estatísticascadeira 51 18/05/2024 Por AQUILES MELO: Os números apresentados pelo governo federal aos servidores da educação em greve mais confundem do que explicam, demonstrando, assim, desinteresse na resolução do problema
  • A “multipolaridade” e o declínio crônico do OcidenteJosé Luís Fiori 17/05/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: A defesa da multipolaridade será cada vez mais a bandeira dos países e dos povos que se insurgem neste momento contra o imperium militar global exercido pelo Ocidente
  • A greve nas universidades e institutos federais não…caminho tempo 17/05/2024 Por GRAÇA DRUCK & LUIZ FILGUEIRAS: As forças de esquerda e democráticas precisam sair da passividade, como que esperando que Lula e o seu governo, bem como o STF resolvam os impasses políticos
  • O cavalo Caramelocavalo caramelo 15/05/2024 Por LEONARDO BOFF: Há que se admitir que nós não temos respeitado os direitos da natureza com seu valor intrínseco, nem posto sob controle nossa voracidade de devastá-la
  • A universidade operacionalMarilena Chauí 2 13/05/2024 Por MARILENA CHAUI: A universidade operacional, em termos universitários, é a expressão mais alta do neoliberalismo
  • O negacionismo ambiental e a inundação de Porto Alegreporto alegre aeroporto alagado 14/05/2024 Por CARLOS ATÍLIO TODESCHINI: Porto Alegre tem o melhor sistema de proteção contra cheias do Brasil. É considerado um “minissistema holandês”. Por que esse sistema falhou em sua função de evitar que a cidade fosse alagada?
  • A mão de OzaJoao_Carlos_Salles 14/05/2024 Por JOÃO CARLOS SALLES: O dever do Estado brasileiro e a universidade contratada
  • A liberdade fake e o Marquês de SadeEugenio Bucci 18/05/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: A liberdade fake, a liberdade sádica, que no fundo é a negação de toda liberdade, está levando o Brasil ao naufrágio total
  • SUS, 36 anos – consolidação e incertezasPaulo Capel Narvai 15/05/2024 Por PAULO CAPEL NARVAI: O SUS não foi o “natimorto” que muitos anteviram. Quase quatro décadas depois, o SUS está institucionalmente consolidado e desenvolveu um notável processo de governança republicana

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES