As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Anistia nunca mais

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por VLADIMIR SAFATLE*

Na América Latina, quem deixou impunes os crimes do passado viu eles se repetirem

Muitas vozes alertam o Brasil sobre os custos impagáveis de cometer um erro similar àquele feito há 40 anos. No final da ditadura militar, setores da sociedade e do governo impuseram o silêncio duradouro sobre os crimes contra a humanidade perpetrados durante os vinte anos de governo autoritário. Vendia-se a ilusão de que se tratava de astúcia política.

Um país “que tem pressa”, diziam, não poderia desperdiçar tempo acertando contas com o passado, elaborando a memória de seus crimes, procurando responsáveis pelo uso do aparato do Estado para a prática de tortura, assassinato, estupro e sequestro. Impôs-se a narrativa de que o dever de memória seria mero exercício de “revanchismo” – mesmo que o continente latino-americano inteiro acabasse por compreender que quem deixasse impunes os crimes do passado iria vê-los se repetirem.

Para tentar silenciar de vez as demandas de justiça e de verdade, vários setores da sociedade brasileira, desde os militares até a imprensa hegemônica, não temeram utilizar a chamada “teoria dos dois demônios”. Segundo ela, toda a violência estatal teria sido resultado de uma “guerra”, com “excessos” dos dois lados. Ignorava-se, assim, que um dos direitos humanos fundamentais na democracia é o direito de resistência contra a tirania. Já no século XVIII, o filósofo John Locke, fundador do liberalismo, defendia o direito de todo cidadão e de toda cidadã de matar o tirano. Pois toda ação contra um Estado ilegal é uma ação legal. Note-se: estamos a falar da tradição liberal.

Os liberais latino-americanos, porém, têm essa capacidade de estar sempre abaixo dos seus próprios princípios. Por isso, não é surpresa alguma ouvir o ministro do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli declarar, em pleno 2022, pós-Bolsonaro: “Não podemos nos deixar levar pelo que aconteceu na Argentina, uma sociedade que ficou presa no passado, na vingança, no ódio e olhando para trás, para o retrovisor, sem conseguir se superar (…) o Brasil é muito mais forte do que isso”.

Afora o desrespeito a um dos países mais importantes para a diplomacia brasileira, um magistrado que confunde exigência de justiça com clamor de ódio, que vê na punição a torturadores e a perpetradores de golpes de Estado apenas vingança, é a expressão mais bem-acabada de um país, esse sim, que nunca deixou de olhar para o retrovisor. Um país submetido a um governo que, durante quatro anos, fez de torturadores heróis nacionais, fez de seu aparato policial uma máquina de extermínio de pobres.

Alguns deveriam pensar melhor sobre a experiência social de “elaborar o passado” como condição para preservação do presente. Não existe “superação” onde acordos são extorquidos e silenciamentos são impostos. A prova é que, até segunda ordem, a Argentina nunca mais passou por nenhuma espécie de ameaça à ordem institucional. Nós, ao contrário, enfrentamos tais ataques quase todos os dias dos últimos quatro anos.

Nada do que aconteceu conosco nos últimos anos teria ocorrido se houvéssemos instaurado uma efetiva justiça de transição, capaz de impedir que integrantes de governos autoritários se auto-anistiassem. Pois dessa forma acabou-se por permitir discursos e práticas de um país que “ficou preso no passado”. Ocultar cadáveres, por exemplo, não foi algo que os militares fizeram apenas na ditadura. Eles fizeram isso agora, quando gerenciavam o combate à pandemia, escondendo números, negando informações, impondo a indiferença às mortes como afeto social, impedindo o luto coletivo.

É importante que tudo isso seja lembrado neste momento. Porque conhecemos a tendência brasileira ao esquecimento. Este foi um país feito por séculos de crimes sem imagens, de mortes sem lágrimas, de apagamento. Essa é sua tendência natural, seja qual for o governante e seu discurso. As forças seculares do apagamento são como espectros que rondam os vivos. Moldam não apenas o corpo social, mas a vida psíquica dos sujeitos.

Cometer novamente o erro do esquecimento, repetir a covardia política que instaurou a Nova República e selou seu fim, seria a maneira mais segura de fragilizar o novo governo. Não há porque deleitar-se no pensamento mágico de que tudo o que vimos foi um “pesadelo” que passará mais rapidamente quanto menos falarmos dele. O que vimos, com toda sua violência, foi o resultado direto das políticas de esquecimento no Brasil. Foi resultado direto de nossa anistia.

A sociedade civil precisa exigir do governo que se inicia a responsabilização pelos crimes cometidos por Jair Bolsonaro e seus gerentes. Isso só poderá ser feito nos primeiros meses do novo governo, quando há ainda força para tanto. Quando falamos em crimes, falamos tanto da responsabilidade direta pela gestão da pandemia, quanto pelos crimes cometidos no processo eleitoral.

O Tribunal Penal Internacional aceitou analisar a abertura de processo contra Jair Bolsonaro por genocídio indígena na gestão da pandemia. Há farto material levantado pela CPI da Covid, demonstrando os crimes de responsabilidade do governo que redundaram em um país com 3% da população mundial contaminada e 15% das mortes na pandemia. Punir os responsáveis não tem nada a ver com vingança, mas com respeito à população. Essa é a única maneira de fornecer ao Estado nacional balizas para ações futuras relacionadas a crises sanitárias similares, que certamente ocorrerão.

Por outro lado, o Brasil conheceu duas formas de crimes eleitorais. Primeiro, o crime mais explícito, como o uso do aparato policial para impedir eleitores de votar, para dar suporte a manifestações golpistas pós-eleições. A polícia brasileira é hoje um partido político. Segundo, o pior de todos os crimes contra a democracia: a chantagem contínua das Forças Armadas contra a população. Forças que hoje atuam como um estado dentro do Estado, um poder à parte.

Espera-se do governo duas atitudes enérgicas: que coloque na reserva o alto comando das Forças Armadas que chantageou a República; e que responsabilize os policiais que atentaram contra eleitores brasileiros, modificando a estrutura arcaica e militar da força policial. Se isso não for feito, veremos as cenas que nos assombraram se repetirem por tempo indefinido.

Não há nada parecido a uma democracia sem uma renovação total do comando das Forças Armadas e sem o combate à polícia como partido político. A polícia pode agir dessa forma porque sempre atuou como uma força exterior, como uma força militar a submeter a sociedade. Se errarmos mais uma vez e não compreendermos o caráter urgente e decisivo de tais ações, continuaremos a história terrível de um país fundado no esquecimento e que preserva de forma compulsiva os núcleos autoritários de quem comanda a violência do Estado. Mobilizar a sociedade para a memória coletiva e suas exigências de justiça sempre foi e continua sendo a única forma de efetivamente construir um país.

*Vladimir Safatle é professor titular de filosofia na USP. Autor, entre outros livros, de Maneiras de transformar mundos: Lacan, política e emancipação (Autêntica).

 

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Francisco Pereira de Farias Yuri Martins-Fontes Bento Prado Jr. Tales Ab'Sáber Ricardo Abramovay João Carlos Loebens Alexandre de Lima Castro Tranjan Paulo Capel Narvai Roberto Noritomi Lincoln Secco Celso Favaretto José Raimundo Trindade Afrânio Catani Alexandre Aragão de Albuquerque Marilena Chauí Ronald León Núñez Salem Nasser João Paulo Ayub Fonseca Osvaldo Coggiola Michael Roberts Fernando Nogueira da Costa Marcos Aurélio da Silva Gabriel Cohn Eduardo Borges Valerio Arcary Antonio Martins Gerson Almeida Vinício Carrilho Martinez Francisco Fernandes Ladeira João Lanari Bo Manchetômetro Walnice Nogueira Galvão Gilberto Lopes Henry Burnett Celso Frederico Daniel Costa Paulo Sérgio Pinheiro Denilson Cordeiro Renato Dagnino Alexandre de Freitas Barbosa Rafael R. Ioris Érico Andrade Julian Rodrigues Boaventura de Sousa Santos José Micaelson Lacerda Morais José Geraldo Couto Milton Pinheiro Luiz Marques Ricardo Musse Antonino Infranca Valério Arcary Roberto Bueno Liszt Vieira Elias Jabbour Rubens Pinto Lyra André Singer Dennis Oliveira Armando Boito Maria Rita Kehl Bruno Fabricio Alcebino da Silva Jorge Luiz Souto Maior Rodrigo de Faria Mariarosaria Fabris Priscila Figueiredo Andrew Korybko Michael Löwy Paulo Nogueira Batista Jr Otaviano Helene Marcelo Módolo Luiz Carlos Bresser-Pereira Fábio Konder Comparato Kátia Gerab Baggio Marcelo Guimarães Lima Henri Acselrad João Sette Whitaker Ferreira Lucas Fiaschetti Estevez Luís Fernando Vitagliano Sergio Amadeu da Silveira Eleutério F. S. Prado Tarso Genro Gilberto Maringoni Fernão Pessoa Ramos André Márcio Neves Soares Jorge Branco Everaldo de Oliveira Andrade Paulo Fernandes Silveira Ladislau Dowbor Luiz Roberto Alves Thomas Piketty Carlos Tautz Ricardo Antunes Daniel Brazil Luciano Nascimento Benicio Viero Schmidt Jean Pierre Chauvin José Luís Fiori Luiz Eduardo Soares Antônio Sales Rios Neto Eliziário Andrade Luiz Werneck Vianna Ronaldo Tadeu de Souza Chico Whitaker Manuel Domingos Neto Caio Bugiato João Feres Júnior José Machado Moita Neto Plínio de Arruda Sampaio Jr. João Adolfo Hansen Daniel Afonso da Silva Lorenzo Vitral Carla Teixeira Ricardo Fabbrini Mário Maestri Tadeu Valadares Marilia Pacheco Fiorillo Annateresa Fabris José Dirceu Luiz Renato Martins Paulo Martins Luis Felipe Miguel Eleonora Albano Jean Marc Von Der Weid Marcus Ianoni Eugênio Bucci Leonardo Boff Airton Paschoa Bernardo Ricupero Igor Felippe Santos Leonardo Avritzer Remy José Fontana Vladimir Safatle Ronald Rocha Samuel Kilsztajn Ari Marcelo Solon Sandra Bitencourt Bruno Machado Berenice Bento Luiz Costa Lima Leonardo Sacramento Anselm Jappe João Carlos Salles Marjorie C. Marona Anderson Alves Esteves Dênis de Moraes Slavoj Žižek Vanderlei Tenório Francisco de Oliveira Barros Júnior Luiz Bernardo Pericás Claudio Katz Chico Alencar Flávio Aguiar Atilio A. Boron José Costa Júnior Leda Maria Paulani Juarez Guimarães Flávio R. Kothe Marcos Silva Heraldo Campos Alysson Leandro Mascaro Eugênio Trivinho

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada