Apple e Facebook

Escultura José Resende / Memorial da América Latina, São paulo/ foto: Christiana Carvalho
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por FRANCISCO LOUÇÃ*

A guerra entre a Apple e o Facebook é uma salva de canhão contra a tecnologia do controle

No seu notável livro A Era do Capitalismo da Vigilância, Shoshana Zuboff lembra o Édito de 1513 dos reis de Espanha, que determinava que, ao chegarem, os soldados teriam que ler um “Requerimiento” aos indígenas das Américas, perguntando-lhes se aceitavam submeter-se: “Declaramos ser do conhecimento de todos que Deus é uno e indivisível, há uma só esperança, um só Rei de Castela, dono destas terras: manifestai-vos sem demora, e jurai lealdade ao rei espanhol, como seus vassalos.” O silêncio de quem ignorava a língua destes estranhos soldados vestidos de ferro era tomado como assentimento e autorização para a posse, ou como recusa e sinal para a destruição, o que aliás era o mesmo. Assim, o genocídio reclamou o fundamento jurídico de uma autorização contratual.

Zuboff sugere que as grandes empresas da internet procedem como os conquistadores espanhóis, lendo-nos um “Requerimiento” que é escrito numa língua desconhecida e invoca uma magia inexpugnável. Calando-nos, aceitamos ceder os nossos dados, deixando vigiar a nossa vida e embrulhando-nos em bolhas comunicacionais que constituem colmeias humanas, submetidas às leis da acumulação. Não somos o produto desse comércio, somos os criadores de um excedente informativo que é transformado em lucro por máquinas de manipulação. Se assim for, a guerra entre a Apple e o Facebook é uma salva de canhão contra a tecnologia do controlo.

Maravilhosa pandemia

As cinco maiores empresas de comunicação cresceram 46% em 2020. Valem hoje 7,2 biliões de dólares. Essa abundância culmina uma senda de sucesso: a Apple é a maior empresa do mundo e, desde há quatro anos, mais de 90% do aumento da publicidade está nas mãos da Google e do Facebook. Estes gigantes estão a reformatar a sociedade, criando tecnologias de informação baseadas nos dados sobre a nossa vida, acessos, consumos, viagens e conversas. Usam imagens, mails, localizações, registo de compras, para saberem que somos do FC Porto ou admiradores dos Simpsons, e para criarem os gostos segundo padrões instrumentais que vão sendo apurados. Como na Conquista, isto é facilitado pela concessão a leis permissivas, a cookies autorizados ou a formulários incompreensíveis que subscrevemos com o engodo de os serviços serem gratuitos.

Por isso, a decisão da Apple de permitir a partir de 2021 que os utilizadores bloqueiem o trânsito de dados enfureceu o Facebook que, com a Google, tem constituído o motor desta Conquista. É certo que uns e outros recorrem a práticas semelhantes: o FB comprou o WhatsApp e o Instagram para impedir potenciais concorrentes (e por isso há um processo para separar as empresas); a Apple aplica taxas predatórias a fornecedores de aplicações (e por isso entrou em choque com os criadores do jogo “Fortnite”, a Epic Games). Mas a Apple depende da venda de dispositivos e está mais atrasada nesta indústria de extração de informação, ao passo que os seus rivais precisam dela. Por esta razão, o FB quer impedir que possamos bloquear o seu negócio de pilhagem dos dados: Zuckerberg, não por acaso um aliado de Trump, lançou uma campanha para “dar voz aos pequenos negócios”, na realidade para proteger o seu acesso maximizado à tecnologia de controlo.

MAD

Durante a Guerra Fria, a ameaça de holocausto nuclear era desvalorizada pelo seu potencial MAD (destruição mutuamente assegurada, no acrónimo inglês). Também nesta guerra entre a Apple e o FB existe uma fronteira MAD, pois estas empresas estão ligadas entre si. A Google paga anualmente mais de 10 mil milhões de dólares à Apple para poder operar nos seus telemóveis e computadores; o FB também precisa deles. Ainda não temos um único fornecedor de aparelhos, serviços e redes. Há portanto entre eles um acordo que sobrevive à concorrência, querem a internet como o maior mercado do mundo. Não há inocentes nesta guerra, todas estas empresas querem dominar. Mas há também os índios descontentes.

Por isso, talvez este conflito Apple-FB seja um sinal dos tempos, há uma opinião pública que faz exigências de proteção contra a Conquista. Os índios começaram a traduzir o “Requerimiento” e não gostam do que está escrito.

*Francisco Louçã foi coordenador do Bloco de esquerda (2005-2012, Portugal). Autor, entre outros livros, de A maldição de Midas – A cultura do capitalismo tardio (Cotovia).

Publicado originalmente no site esquerda.net.

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Antonino Infranca Eugênio Bucci Eleutério F. S. Prado Ricardo Abramovay Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Matheus Silveira de Souza Celso Favaretto Rodrigo de Faria Lorenzo Vitral Luiz Bernardo Pericás Leda Maria Paulani Eduardo Borges Ricardo Musse Sandra Bitencourt Andrew Korybko Antonio Martins Ricardo Fabbrini Fábio Konder Comparato Plínio de Arruda Sampaio Jr. Luiz Renato Martins Leonardo Avritzer Luiz Eduardo Soares Ladislau Dowbor Walnice Nogueira Galvão Milton Pinheiro Jean Pierre Chauvin Airton Paschoa Alexandre Aragão de Albuquerque Ari Marcelo Solon Maria Rita Kehl Everaldo de Oliveira Andrade Alysson Leandro Mascaro Lucas Fiaschetti Estevez Heraldo Campos Henry Burnett João Feres Júnior Marcos Aurélio da Silva Manchetômetro Afrânio Catani Boaventura de Sousa Santos Ronaldo Tadeu de Souza Carlos Tautz Chico Alencar Luiz Roberto Alves Luiz Marques Thomas Piketty João Lanari Bo Paulo Capel Narvai Chico Whitaker Mário Maestri João Carlos Loebens Antônio Sales Rios Neto Bento Prado Jr. Bruno Fabricio Alcebino da Silva Vanderlei Tenório Renato Dagnino José Luís Fiori Gerson Almeida Luiz Carlos Bresser-Pereira José Machado Moita Neto Luis Felipe Miguel Marilena Chauí Slavoj Žižek Marcelo Guimarães Lima Elias Jabbour André Singer Flávio Aguiar Alexandre de Freitas Barbosa Alexandre de Lima Castro Tranjan Eleonora Albano Rafael R. Ioris Francisco Fernandes Ladeira Benicio Viero Schmidt Bernardo Ricupero José Costa Júnior Tales Ab'Sáber Jorge Branco Francisco de Oliveira Barros Júnior Juarez Guimarães Denilson Cordeiro Otaviano Helene Flávio R. Kothe Paulo Fernandes Silveira Carla Teixeira Eliziário Andrade Sergio Amadeu da Silveira João Adolfo Hansen Fernão Pessoa Ramos Mariarosaria Fabris Fernando Nogueira da Costa Michael Roberts Caio Bugiato Michael Löwy João Paulo Ayub Fonseca Dênis de Moraes Paulo Sérgio Pinheiro Ronald Rocha Daniel Afonso da Silva Michel Goulart da Silva José Geraldo Couto Celso Frederico Liszt Vieira Gabriel Cohn Andrés del Río Tarso Genro Igor Felippe Santos Annateresa Fabris Anselm Jappe Daniel Costa Claudio Katz Samuel Kilsztajn Priscila Figueiredo Eugênio Trivinho Gilberto Maringoni Remy José Fontana Vladimir Safatle Atilio A. Boron Marilia Pacheco Fiorillo Gilberto Lopes Kátia Gerab Baggio Ronald León Núñez José Raimundo Trindade Lincoln Secco Henri Acselrad Luís Fernando Vitagliano Paulo Martins Luciano Nascimento Vinício Carrilho Martinez Ricardo Antunes Leonardo Sacramento João Carlos Salles Daniel Brazil José Micaelson Lacerda Morais Armando Boito André Márcio Neves Soares Yuri Martins-Fontes Julian Rodrigues Marjorie C. Marona Luiz Werneck Vianna Leonardo Boff Valerio Arcary Bruno Machado Francisco Pereira de Farias Érico Andrade Marcelo Módolo Paulo Nogueira Batista Jr Tadeu Valadares Manuel Domingos Neto José Dirceu Marcos Silva Jorge Luiz Souto Maior Marcus Ianoni Osvaldo Coggiola João Sette Whitaker Ferreira Dennis Oliveira Valerio Arcary Rubens Pinto Lyra Salem Nasser Jean Marc Von Der Weid Berenice Bento

NOVAS PUBLICAÇÕES