As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Aprendemos a lição do covid-19?

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LEONARDO BOFF*

Imaginávamos que teríamos compreendido o sentido profundo da lição que a pandemia nos legou. Não foi o que ocorreu. Tudo parece que voltou à antiga normalidade

Superamos, em grande parte, as ameaças representadas pelo Covid-19 que por três anos colocou em risco a vida de um grande número de pessoas. É verdade que sequelas foram deixadas: o vírus afetou os rins, os pulmões, os intestinos e até o cérebro. De certa forma, ele se instalou em nosso corpo e, provavelmente, como ocorre com a gripe, devemos continuar tomando vacinas protetoras.

Indiscutivelmente, a ação deletéria do vírus fez crescer a nossa consciência ecológica. Basta ver o quanto se escreveu sobre o assunto e as centenas de “lives” sobre o cuidado da Casa Comum, feitas em todos os países e foram se formando grupos ecológicos.

No entanto, em termos sociais e globais, imaginávamos que teríamos compreendido o sentido profundo da lição que a pandemia nos legou. Não foi o que ocorreu. Tudo parece que voltou à antiga normalidade, àquela que trouxe o vírus, seja nas formas de produção que implicariam uma forma mais amigável para com a natureza; a superexploração dos ecossistemas continua; o desflorestamento seja na Amazônia, no Cerrado e no Congo segue a um ritmo preocupante, por mais que os governos façam esforços por limitar a voracidade do capital mundial.

Especialmente a mineração, sendo explorada em quase todos os países, degrada inteiros ecossistemas e prejudica a saúde das pessoas. A escassez de água potável será possivelmente um dos fatores de grandes conflitos nos próximos tempos, pois está cada vez mais escassa e diminuindo seu fluxo em razão das mudanças climáticas.

Talvez o mais grave vazio político seja a não criação de um centro plural de decisões para enfrentar problemas globais (como pandemias, aquecimento global, exaustão da biodiversidade, deteriorização dos solos e das safras etc.) que exigem uma solução global. Prevalecem ainda as obsoletas soberanias, pelas quais cada país procura defender suas vantagens sem tomar em conta o caráter sistêmico dos problemas.

A Carta da Terra (2003) já advertia: “Nossos desafios ambientais, econômicos, políticos, sociais e espirituais estão interligados e juntos podemos forjar soluções includentes (Prâmbulo). Essas soluções includentes exigem um centro plural de gestão global, pois somos advertidos pela melhor ciência das graves crises que estão às portas.

Mais ainda: temos que inaugurar um novo paradigma de como habitar a Casa Comum, porque o atual, ao ser mantido, pode nos levar a gravíssimos desastres ecológico-sociais. O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento de 2022 (PNUD) que vem sob o motto “tempos incertos, vidas instáveis”, deixa claro “que sem uma drástica mudança de rumo, podemos estar caminhando para ainda mais privações e injustiças”.

Anos atrás, em 1990, este mesmo organismo mundial mostrava a relação entre os 5% mais ricos e os 5% mais pobres que era em 1960, de 1 para 30; em 1990 saltou de 1 para 60 e em 1995 de 1 para 74. Atualmente o fosso entre ambos deve ter se agravado muito mais.

Acresce um outro dado que nos faz pensar: a defasagem entre o que nós produzidos com nossa ciência e técnica e o que a natureza produz por ela mesma e que nós a estamos deteriorando dia após dia. A contribuição da natureza na economia atual se aprecia em 33 trilhões de dólares por ano. O produto interno bruto global alcança cerca de 18 trilhões de dólares.

Se fôssemos obrigados a substituir os serviços da natureza, pelo fato de a termos degradado fatalmente, precisaríamos acrescentar ao PIB mundial outros 33 trilhões de dólares, sem saber de onde tirá-los. Como se depreende, tocamos nos limites da Terra. Precisamos de mais de uma Terra e meia para atender ao consumo mundial, especialmente, aquele suntuoso das classes endinheiradas.

Mais e mais nos acercamos ao momento em que a humanidade deve tomar uma decisão, caso queira ainda permanecer sobre este planeta: ou mudamos ou não subsistiremos. Essa é a lição que o Covid-19 nos legou. O tempo de acelera e nós não acompanhamos seu ritmo, ocupados com nossos negócios, com nossos projetos de crescimento, sem se dar conta dos limites de bens e serviços do planeta.

Os tempos são cada vez mais incertos e as vidas cada vez mais instáveis e ameaçadas, particularmente com o novo regime climático irrefreável ao qual nem todos os seres vivos conseguem se adaptar, inclusive boa parte da humanidade.

Diz acertadamente o principal redator do PNUD, Pedro Conceição: “Para navegar na incerteza, precisamos dobrar o desenvolvimento humano e olhar para além da melhoria da riqueza ou da saúde das pessoas. Estes continuam importantes. Mas também precisamos proteger o planeta e fornecer às pessoas as ferramentas necessárias para se sentirem mais seguras, recuperarem o controle sobre suas vidas e terem esperança no futuro”. Esse futuro está em nossas mãos. Mas ele não cai do céu.

*Leonardo Boff é filósofo, teólogo e escritor. Autor, entre outros livros, de A opção Terra: a solução para a Terra não cai do céu (Record).


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Luiz Werneck Vianna Claudio Katz José Geraldo Couto Luiz Roberto Alves Heraldo Campos Armando Boito Alexandre de Lima Castro Tranjan Eleonora Albano João Feres Júnior José Micaelson Lacerda Morais Érico Andrade Gabriel Cohn Ronald León Núñez Walnice Nogueira Galvão Leonardo Sacramento Ronaldo Tadeu de Souza Daniel Brazil Eleutério F. S. Prado Carla Teixeira Eugênio Bucci Marcos Aurélio da Silva Renato Dagnino Bruno Fabricio Alcebino da Silva Tarso Genro Henry Burnett Jorge Branco José Machado Moita Neto Ronald Rocha Elias Jabbour Roberto Bueno Valério Arcary Luiz Eduardo Soares Otaviano Helene Michael Roberts Ricardo Antunes Annateresa Fabris João Adolfo Hansen João Carlos Salles Flávio R. Kothe Lucas Fiaschetti Estevez Airton Paschoa Eugênio Trivinho Luciano Nascimento Alexandre Aragão de Albuquerque Igor Felippe Santos Chico Alencar Salem Nasser Marcelo Guimarães Lima Luiz Renato Martins Francisco Pereira de Farias Leonardo Avritzer Anselm Jappe Ladislau Dowbor Paulo Fernandes Silveira Ari Marcelo Solon Lincoln Secco Lorenzo Vitral Juarez Guimarães Gilberto Maringoni Anderson Alves Esteves Slavoj Žižek Milton Pinheiro José Luís Fiori Francisco de Oliveira Barros Júnior Jean Marc Von Der Weid Jorge Luiz Souto Maior Michael Löwy Flávio Aguiar Carlos Tautz Eduardo Borges Gerson Almeida Henri Acselrad Daniel Costa Liszt Vieira Fábio Konder Comparato Marcelo Módolo Ricardo Abramovay Mário Maestri Everaldo de Oliveira Andrade Bernardo Ricupero André Singer Maria Rita Kehl Manchetômetro Atilio A. Boron Marcus Ianoni Marjorie C. Marona Rubens Pinto Lyra Marilena Chauí Julian Rodrigues Dennis Oliveira Fernando Nogueira da Costa João Sette Whitaker Ferreira Vinício Carrilho Martinez Gilberto Lopes Paulo Capel Narvai Antônio Sales Rios Neto Vanderlei Tenório Alysson Leandro Mascaro Paulo Nogueira Batista Jr Samuel Kilsztajn João Carlos Loebens Marilia Pacheco Fiorillo Bruno Machado Eliziário Andrade Celso Favaretto Antonino Infranca Dênis de Moraes Thomas Piketty Fernão Pessoa Ramos Sergio Amadeu da Silveira Paulo Sérgio Pinheiro Manuel Domingos Neto Celso Frederico Remy José Fontana Yuri Martins-Fontes Marcos Silva Osvaldo Coggiola Plínio de Arruda Sampaio Jr. Rafael R. Ioris Antonio Martins Leda Maria Paulani Sandra Bitencourt Caio Bugiato Paulo Martins Priscila Figueiredo Kátia Gerab Baggio Valerio Arcary Rodrigo de Faria Luiz Bernardo Pericás Jean Pierre Chauvin Bento Prado Jr. Afrânio Catani Tadeu Valadares Alexandre de Freitas Barbosa José Costa Júnior Francisco Fernandes Ladeira Leonardo Boff Berenice Bento Roberto Noritomi José Dirceu José Raimundo Trindade Ricardo Musse Vladimir Safatle Chico Whitaker Daniel Afonso da Silva Andrew Korybko Luiz Carlos Bresser-Pereira Benicio Viero Schmidt Luiz Costa Lima Luis Felipe Miguel André Márcio Neves Soares Boaventura de Sousa Santos Luís Fernando Vitagliano Luiz Marques Ricardo Fabbrini Mariarosaria Fabris João Lanari Bo Tales Ab'Sáber Denilson Cordeiro João Paulo Ayub Fonseca

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada