As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Entre o golpismo e a chacota

Imagem: Khoa Võ
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por CHICO ALENCAR*

Bolsonaro não aceitará a derrota nas urnas

Já está evidente que Jair Bolsonaro não aceitará normalmente a derrota nas urnas. A dúvida é como e quando ele vai querer atropelar o processo eleitoral. Será, de novo, tentando virar a mesa no Sete de Setembro, como ensaiou no ano passado e já ameaça fazer este ano? Será criando confusão, com a ajuda de seus parceiros milicianos, no próprio dia 2 de outubro? Ou será tentando aprovar, com a ajuda dos amigos do Centrão, uma emenda constitucional que adie a eleição?

Uma coisa está clara, porém: a sua reivindicação de que, paralelamente ao voto eletrônico, haja “voto em papel e auditável”, com contagem manual, é mero pretexto para melar o jogo. Afinal, o que fazer se aparecerem centenas de pessoas que, de má-fé, afirmem não terem tido seus votos computados? O pleito seria anulado naquelas seções eleitorais?

Por isso, é preciso ter clara uma coisa: a esta altura, quem quer que ataque o voto eletrônico – por sinal, utilizado na convenção do Partido Liberal (PL) que oficializou a escolha do nome de Jair Bolsonaro como candidato à reeleição há poucos dias – deve ser automaticamente arrolado na relação de golpistas.

Mas Jair Bolsonaro tem se isolado mais e mais.

O espetáculo grotesco que foi a tentativa de desacreditar o sistema eleitoral junto aos embaixadores deu com os burros n’água. E, pior para o presidente, logo em seguida o Departamento de Estado norte-americano emitiu nota reafirmando a confiança na confiabilidade de nossas eleições. Assim, se Jair Bolsonaro der um golpe, seria o primeiro na história da América Latina a ser desencadeado sem o apoio dos Estados Unidos…

Em seguida, mais um torpedo atingiu os planos do presidente: a gigantesca adesão à “Carta às brasileiras e aos brasileiros em defesa do Estado democrático de Direito” que, em três dias passou das 600 mil assinaturas de apoio. E foi endossada por representantes dos maiores bancos e por grandes empresários do país e entidades como a Fiesp, Febraban, além das centrais sindicais.

Assim, vale, de novo, o que foi dito acima: um golpe de Jair Bolsonaro seria o primeiro na história da América Latina a ser desencadeado sem o apoio do grande capital.

Esse quadro afastaria a ameaça de virada de mesa? Infelizmente, não. Não estamos diante de um cidadão normal, mas de um sociopata.

Assim, ao mesmo tempo em que a oposição deve seguir denunciando a fome, a miséria, o desemprego, a carestia e as políticas antinacionais e antipopulares de Bolsonaro, e apresentando suas propostas, deve também continuar mobilizada, denunciando o clima de virada de mesa que o presidente tenta implantar.

Sem aceitar provocações e evitando conflitos abertos, não se deve deixar de ir às ruas, ofertando-as para os neofascistas. Se não vamos fazer enfrentamentos diretos no próprio Sete de Setembro – mantendo apenas o tradicional “Grito dos Excluídos” – já estão sendo organizadas gigantescas mobilizações para o dia 10/9, no fim de semana seguinte. Assim, não abandonaremos as ruas!

Por fim, vale lembrar a importância de tentar resolver a eleição no primeiro turno. Isso vai caracterizar o isolamento social e político de Jair Bolsonaro, abafando o discurso golpista.

Na semana passada foi divulgada mais uma pesquisa Datafolha. Ela não muda o quadro de forma substancial. As recentes medidas eleitoreiras de Jair Bolsonaro (aumento do Auxílio Brasil para R$ 600, vale-gás dobrado, bônus para caminhoneiros e taxistas e queda no preço dos combustíveis) não impactaram de forma significativa, o que ainda pode acontecer em alguma medida. Mas a vitória de Lula no primeiro turno está ao alcance da mão.

Se não é democrático pregar a retirada de candidaturas não competitivas, que são legítimas e têm o direito de se apresentar, é inevitável que, diante desse quadro, o próprio eleitorado faça a opção pelo candidato que tem a possibilidade de liquidar a disputa já no primeiro turno, tornando mais difícil qualquer aventura golpista.

E há, ainda, outro fator: no dia 2 de outubro, estarão sendo eleitos também todos os deputados federais e estaduais, senadores e boa parte de governadores – e muitos deles são da base de Jair Bolsonaro. Essa gente não vai querer a anulação das eleições em que terão conquistado seus mandatos.

Ou Jair Bolsonaro vai afirmar que o resultado foi viciado apenas na eleição presidencial?

Se fizer isso, será motivo de chacota nacional.

*Chico Alencar é professor de história, escritor e vereador pelo Psol na Câmara Municipal do Rio de Janeiro.

 

 

O site A Terra é redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Leda Maria Paulani Bento Prado Jr. Igor Felippe Santos Caio Bugiato José Luís Fiori Leonardo Sacramento Leonardo Boff Slavoj Žižek Anselm Jappe Chico Whitaker Jean Marc Von Der Weid Flávio R. Kothe Eleutério F. S. Prado Heraldo Campos Fábio Konder Comparato Luiz Bernardo Pericás Marcos Aurélio da Silva Sergio Amadeu da Silveira Alysson Leandro Mascaro Tadeu Valadares Marcelo Módolo José Dirceu André Singer Luiz Costa Lima Manchetômetro Andrew Korybko João Feres Júnior Liszt Vieira Luiz Carlos Bresser-Pereira Plínio de Arruda Sampaio Jr. Gilberto Maringoni Juarez Guimarães Boaventura de Sousa Santos Annateresa Fabris Eugênio Bucci Salem Nasser Chico Alencar Alexandre Aragão de Albuquerque Henri Acselrad Roberto Bueno Eleonora Albano Roberto Noritomi Ronald León Núñez Atilio A. Boron Claudio Katz Jean Pierre Chauvin Ricardo Abramovay Marcus Ianoni Jorge Luiz Souto Maior Carlos Tautz Antonino Infranca Antônio Sales Rios Neto Vinício Carrilho Martinez Everaldo de Oliveira Andrade Marilia Pacheco Fiorillo Eliziário Andrade João Lanari Bo Rodrigo de Faria Paulo Sérgio Pinheiro André Márcio Neves Soares Gerson Almeida Bruno Fabricio Alcebino da Silva Celso Favaretto Manuel Domingos Neto Paulo Fernandes Silveira Ricardo Fabbrini Tarso Genro Ricardo Antunes Afrânio Catani João Adolfo Hansen Fernando Nogueira da Costa Vladimir Safatle Armando Boito Ari Marcelo Solon Carla Teixeira Maria Rita Kehl José Geraldo Couto Henry Burnett Marilena Chauí Remy José Fontana João Sette Whitaker Ferreira Anderson Alves Esteves Lucas Fiaschetti Estevez Flávio Aguiar Luiz Roberto Alves Mariarosaria Fabris Luiz Werneck Vianna Antonio Martins Tales Ab'Sáber Gilberto Lopes José Micaelson Lacerda Morais João Carlos Loebens Priscila Figueiredo Milton Pinheiro Mário Maestri José Raimundo Trindade Luís Fernando Vitagliano Daniel Costa Marjorie C. Marona Gabriel Cohn Daniel Brazil Bernardo Ricupero João Carlos Salles Paulo Martins Marcelo Guimarães Lima Paulo Capel Narvai Francisco Fernandes Ladeira Osvaldo Coggiola Kátia Gerab Baggio Rafael R. Ioris Bruno Machado Denilson Cordeiro Benicio Viero Schmidt Eduardo Borges Ladislau Dowbor Walnice Nogueira Galvão Francisco Pereira de Farias Thomas Piketty Valerio Arcary Valério Arcary Elias Jabbour Paulo Nogueira Batista Jr Francisco de Oliveira Barros Júnior Lincoln Secco João Paulo Ayub Fonseca Luiz Eduardo Soares Otaviano Helene Renato Dagnino Julian Rodrigues Sandra Bitencourt Marcos Silva Michael Roberts Daniel Afonso da Silva Alexandre de Lima Castro Tranjan Airton Paschoa Lorenzo Vitral Luiz Renato Martins Fernão Pessoa Ramos Eugênio Trivinho Leonardo Avritzer Ricardo Musse Ronald Rocha Jorge Branco Vanderlei Tenório Dennis Oliveira Ronaldo Tadeu de Souza Celso Frederico Luis Felipe Miguel Dênis de Moraes Luiz Marques Érico Andrade Alexandre de Freitas Barbosa Luciano Nascimento Berenice Bento José Costa Júnior Yuri Martins-Fontes José Machado Moita Neto Michael Löwy Samuel Kilsztajn Rubens Pinto Lyra

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada