Lula: a entrevista

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por TADEU VALADARES*

Considerações sobre as dificuldades de um futuro terceiro governo de Luís Inácio

A entrevista concedida dia 19 de janeiro de 2022 à mídia alternativa foi um fantástico show de competência política. Lula é o candidato único, nosso, para o momento único, trágico-esperançoso, que vivemos.

Lula, nossa âncora, nosso âncora, está afiadíssimo. Não se trumbica em nenhum momento. Comunica como nunca e acumula força a cada instante. De alguma forma lava nossa alma a cada intervenção pública, linha sem ponto de quebra desde maio passado. Daí que pense, e as pesquisas disponíveis confirmam esse sentimento meu: com Lula temos alta probabilidade, real, de derrotarmos seja o infame que ainda ocupa a chefia do executivo, seja o chefe da gangue curitibana. Talvez Lula sequer chegue a enfrentar o candidato da extrema direita, qualquer que seja ele, no segundo turno.

Segundo a maioria da esquerda convencional, o êxito desse intento de risorgimento social-democrático será mais do que “assegurado”, tal como “evidenciam” os exercícios aritméticos e geométricos, variáveis como as asas de certos aviões, quando a chapa Lula-Alckmin for oficializada e a dupla de atacantes entrar em campo contra adversários que têm pouca tração própria, dadas suas biografias, as condições atuais do país e a dimensão da tarefa.

Mas a partir desse anúncio ‘decisivo’ será também indispensável computar, nos quatro anos que nos reservará a volta à chefia do executivo, o custo político, anímico, ideológico efetivo da anistia que de fato já concedemos a grande parte dos que nos golpearam. Eles, cavalheiros impecáveis, todos Cavaleiros da Santa Ordem da Malta, nos estão gentilmente contraofertando benesses e bençãos. Eles, embebidos no valor supremo da reciprocidade e na fé inabalável: gentileza gera gentileza; esquecimento produz esquecimento.

Isso de custos, lucros, perdas e ganhos, contas de armazém machadiano ou anotações em surrados cadernos de fluviais aviadores dos antigos seringais, ah, isso surgirá, como a história gosta de confirmar, pouco a pouco, pouco a pouco, passado o momento celebratório que, depois de tanto calvário, merecidamente viveremos no final deste ano. Sursum corda!! três vezes, sem esquecer de que acumular, acumular, acumular é o brado de Moisés e todos os profetas desde quando, ah, sabemos bem.

Realista contumaz, viciado nisso de que a realidade não é o que parece aos nossos olhos desarmados (olhos, mãos e braços), estimo, enólogo amador, que o ano da grande safra do vinho das ilusões será o próximo. Viveremos, boa parte de 2023, certeza minha, narcotizados por nossa vitória eleitoral. Nossa e deles…

O ano seguinte, à maneira de compensação, bem pode vir a ser o do começo da cura da ressaca, o primeiro dos três que completarão o novo tempo de Lula e de nossas esperanças. Dou por descontado que nosso sucesso não tem como se mostrar nem mesmo aproximadamente completo, chegado dezembro de 2026. O mundo e o Brasil decaíram notavelmente desde 2002/2003. Minha expectativa, e vai ver que peco tanto pelo otimismo da razão desgastada quanto pelo pessimismo da vontade que recusa a prisão do onírico, é sóbria. Que nossas frustrações sejam relativas, apenas relativas. No fundo, em sendo assim, poderão ser lidas como renovado sinal de que a distância entre intenção e gesto abre seu leque. Outra vez.

Somos tão parecidos aos EUA, e Lula tem tantas semelhanças retóricas com Biden… Vidas paralelas que se encontram no infinito dos trilhos urbanos. Tomara Lula escape do anticlimático destino de Biden. Tomara escapemos todos do que a esquerda estadunidense amplamente entendida vive há mais de ano.

Lá, ao que tudo indica – salvo gigantesca e improvável mobilização popular dos que integram a esquerda do Partido Democrata, apoiados tática e estrategicamente pela “esquerda social” que dessa primeira se distingue –, no mesmo mês em que aqui venceremos a pior ameaça autoritária desde 1964, o governo Biden perderá a câmara de representantes. Na prática, já perdeu o senado, Biden derrotado por Sinema e Manchin, dois senadores democratas muy amigos, ambos pertencentes ao que a esquerda do partido democrata e a esquerda fora do partido chamam de corporate democrats

Que Lula e nós tenhamos melhor sorte, apesar de toda a colcha de retalhos de nossas melhores expectativas estar sendo costurada com a linha das convergências imaginárias, e com a agulha, coisa estranha, invenção talvez brasileira, feita do cuspe do desejo cuidadosamente congelado até a petrificação que permite cumpra sua delicada função de urdidura. Resistirão, colcha, retalho e agulha, à luz forte da Terra do Sol arada há séculos pelo que é torto? Por quanto tempo os acertos in fieri se manterão? De seguro, nisso tudo, só temos, mesmo, o dedal chamado Lula.

E, sim, levantemos as mãos para o céu porque Lula está à frente dessa última ou mais recente tentativa democrático-restauradora que se vê, algo à Pangloss, como calculada ruptura. Sem Lula seríamos insignificante farinha em pó no pirão do establishment que, raposa e ouriço a um só tempo, já está astuciosamente nos perdoando, temporariamente, via seus jornalistas oficiais, por nossas passadas “audácias irresponsáveis”…Alguns, na esquerda, chegam a orgasmos múltiplos com isso.

Já imaginou se Lula falece e Alckmin assume? Ele ou outro Alckmin qualquer, o nome é marca de fantasia, a composição química real é o que conta, nunca esquecer. Ê mundo velho brasileiro sem porteira.

Mas, verdade tintim por tintim, do princípio ao fim, não dá para mais, não dá para convencer Lula e quem mais conta no partido de que o momento pede por Napoleão, audácia, sempre e mais audácia, por mínima que ela afinal se revele. Inarredáveis, os que são hegemônicos no partido, apesar da grita programática, e a meu ver coberta de razão de Genoíno, Falcão, Pomar, Arcary, Altmann e muitos outros, muitas outras. Eles todos, os protestantes, integram um setor do arco da esquerda incomodado – haja art of the understatement… – com o que tem (quase) tudo para emergir, pouco depois de iniciado o governo, como frustração prenunciadora de incalculável decadência.

Para quem no essencial das equações político-eleitorais é apenas eleitor, e este é o meu caso, ou no máximo difusor micro de uma ou outra ideia crítica, o realismo raso e seu par constante, o idealismo exangue, aconselham: na falta de melhor, melhor nos preparamos para tudo fazer pela vitória de Lula e X, nome de direita que se tornou confiável… Alquimia, alquimias.

Fazer, esse, que pode ser justificado com base nas certezas sentimentais ingênuas que animam a maior parte do eleitorado messiânico de esquerda, ou movido pelas dúvidas dos que levam em conta o frágil progresso que sempre foi tempestuoso desde ao menos os anos 20 do século passado se pensamos nos “18 do Forte” completando 100 anos, ou nos dois séculos de nossa máxima ambiguidades, a instaurada em 1822, ela afinal submergida pelo golpe militar de 1889.

Como disse Lula na entrevista espetacular do dia 19 – sei que não lhe estou sendo fiel ipsis litteris –, é nos mobilizarmos, quando a chapa que é mais do que chapa for anunciada, para dar o melhor de nós mesmos com vistas a levá-la a vitória tão espetacular como a entrevista. Contra vento e maré, e como sempre, a mau tempo, boa cara.

Isso faremos. 2022 é o que importa. Derrotar o inominável e Moro, essencial. Depois dançar com Shiva a dança da nossa história. Como sempre, a ela submetidos. Como sempre, nós, os que sabem que a equação não fecha, querendo mudar um pouco a movimentação desorientadora do enigmático deus.

Tadeu Valadares é embaixador aposentado.

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Juarez Guimarães Valerio Arcary José Geraldo Couto Lorenzo Vitral João Carlos Salles Afrânio Catani Michael Löwy Liszt Vieira Luciano Nascimento Gilberto Maringoni Alexandre de Lima Castro Tranjan Salem Nasser José Luís Fiori Luiz Roberto Alves Eleutério F. S. Prado Érico Andrade Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Henri Acselrad Tadeu Valadares André Márcio Neves Soares Osvaldo Coggiola Chico Whitaker Marilena Chauí Daniel Brazil Eugênio Trivinho João Feres Júnior José Micaelson Lacerda Morais Maria Rita Kehl Paulo Martins Sandra Bitencourt Milton Pinheiro Daniel Costa Eduardo Borges Marilia Pacheco Fiorillo Ricardo Musse Alysson Leandro Mascaro Celso Favaretto Jean Marc Von Der Weid Renato Dagnino Bruno Fabricio Alcebino da Silva Manuel Domingos Neto Ronaldo Tadeu de Souza Kátia Gerab Baggio Airton Paschoa Antônio Sales Rios Neto Marjorie C. Marona Yuri Martins-Fontes Everaldo de Oliveira Andrade Ricardo Fabbrini Leonardo Avritzer Bento Prado Jr. Luiz Carlos Bresser-Pereira Annateresa Fabris Eleonora Albano Antonino Infranca José Dirceu Celso Frederico Michael Roberts Fábio Konder Comparato Rodrigo de Faria Luis Felipe Miguel Luiz Marques Leonardo Sacramento André Singer Marcelo Guimarães Lima João Sette Whitaker Ferreira Mariarosaria Fabris José Raimundo Trindade Fernando Nogueira da Costa Alexandre de Freitas Barbosa Luís Fernando Vitagliano Benicio Viero Schmidt Leda Maria Paulani Ari Marcelo Solon José Costa Júnior Priscila Figueiredo Francisco de Oliveira Barros Júnior Anselm Jappe Tarso Genro Jorge Branco Walnice Nogueira Galvão Lincoln Secco Vladimir Safatle Valerio Arcary Carlos Tautz Luiz Renato Martins Luiz Werneck Vianna Ronald León Núñez Alexandre Aragão de Albuquerque Claudio Katz Jean Pierre Chauvin Jorge Luiz Souto Maior Marcos Aurélio da Silva Mário Maestri Paulo Fernandes Silveira Dênis de Moraes Igor Felippe Santos João Lanari Bo Flávio R. Kothe Eliziário Andrade Atilio A. Boron Paulo Capel Narvai Ricardo Antunes Ronald Rocha Berenice Bento Matheus Silveira de Souza João Paulo Ayub Fonseca Rafael R. Ioris Elias Jabbour Lucas Fiaschetti Estevez Marcelo Módolo José Machado Moita Neto Luiz Eduardo Soares Remy José Fontana Ricardo Abramovay Marcus Ianoni Francisco Fernandes Ladeira Rubens Pinto Lyra João Carlos Loebens Henry Burnett Denilson Cordeiro Ladislau Dowbor Manchetômetro Sergio Amadeu da Silveira Andrés del Río Otaviano Helene Gabriel Cohn Armando Boito Bruno Machado Paulo Sérgio Pinheiro Heraldo Campos Chico Alencar Dennis Oliveira Gerson Almeida Flávio Aguiar Daniel Afonso da Silva Gilberto Lopes Michel Goulart da Silva Andrew Korybko Antonio Martins Fernão Pessoa Ramos Vanderlei Tenório Eugênio Bucci Samuel Kilsztajn Bernardo Ricupero Julian Rodrigues Tales Ab'Sáber Vinício Carrilho Martinez Slavoj Žižek Caio Bugiato Francisco Pereira de Farias Thomas Piketty Leonardo Boff Luiz Bernardo Pericás Boaventura de Sousa Santos João Adolfo Hansen Paulo Nogueira Batista Jr Plínio de Arruda Sampaio Jr. Marcos Silva Carla Teixeira

NOVAS PUBLICAÇÕES