O mercado somos todos nós

Imagem: Mike Chai
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JOSÉ MACHADO MOITA NETO*

O poderoso discurso sobre o “mercado” funciona como uma soft power para determinar os destinos políticos e econômicos da sociedade

Tomar a parte pelo todo ou o todo pela parte pode ser responsável por alterações semânticas das palavras. Isso pode ser um movimento linguístico comum, uma estratégia discursiva planejada ou ambas as possibilidades. O mercado, um conceito nas ciências econômicas e um fato da realidade cotidiana, compreende o conjunto de trocas de bens e serviços e os ambientes físicos e virtuais que as asseguram. O mercado financeiro é uma pequenina parte desse todo que é o mercado e, por precisão técnica, não se deve simplificar a expressão “mercado financeiro” para “mercado”. Não há ingenuidade nessa simplificação.

A expressão “mercado financeiro” não goza da mesma neutralidade do termo “mercado”, portanto, toda vez que for conveniente para um agente, a simplificação é acionada para promover o mercado financeiro. As necessidades dos agentes do mercado financeiro são transmitidas como voz e sentimento do “mercado”, desse modo opera-se mais uma modificação pela personificação do mercado financeiro. Desse modo, agentes de mercado ou seus prepostos montam uma cena que torna difícil distinguir entre o ventríloquo e seu boneco e anunciam tudo o que o “mercado” deseja. Desse modo, esta nova entidade “mercado”, fruto da simplificação e da personificação, não tem mais qualquer relação com as ciências econômicas e sim com interesses restritos do capital financeiro.

O poderoso discurso sobre o “mercado” funciona como uma soft power para determinar os destinos políticos e econômicos da sociedade. Contudo, essa não é a única estratégia para emplacar o discurso sobre o mercado. Para ser hegemônico, esse discurso precisa ser reproduzido em todas as camadas sociais. Dois acontecimentos diferentes colaboraram para a hegemonia dessa prática discursiva: (a) a explosão de produtos financeiros que chegam ao alcance de quase todo consumidor; (b) a expansão do conceito de empresário, que passa incluir também qualquer empreendedor individual.

A granularidade dos produtos financeiros cola o destino do “investidor” ao destino do mercado financeiro. A premissa oculta é “Qualquer coisa que ameaça o mercado, ameaça quem dele se beneficia”. Isso une o proprietário de uma ação na bolsa e o proprietário de bilhões de ações, por exemplo. A reflexão que o ganho financeiro de (nano)investidores é insignificante em relação a deterioração do espaço público, quando se prioriza o mercado financeiro, nunca é provocada. O colapso do coletivo é um risco aceitável em nome do “mercado”.

A ampliação da categoria de empresário reduz a contraposição antiga de capital versus trabalho. Entre quem detinha dinheiro e os meios de produção e aqueles que nada a tinha, apenas a sua força de trabalho. O antigo discurso da luta de classe foi derrotado dentro do próprio campo das práticas discursivas tornando-se anacrônico. A reflexão sobre quem explora e se apropria em relação ao trabalho dos (nano)empresários ainda não encontrou um arcabouço claro em que se possa se transformar em um slogan militante como o foi o que conclamava a união entre explorados.

A simplificação da expressão para mercado, a personificação do mercado com voz e sentimentos de seus agentes, a colaboração voluntária de quem muito perde em nome de um pequeno ganho e a ilusão de pertença ao grupo privilegiado da sociedade formam um sólido conjunto ideológico de respeito ao mercado como um ente sobrenatural que não pode ser contrariado. Esse bloco de pensamento hegemônico é o que favorece interpretar um movimento de queda de ações ou de subida do dólar como provocada por uma atitude específica de um agente político e não como uma reação especulativa de agentes financeiros.

Os discursos hegemônicos são aqueles que dispensam qualquer pensamento crítico pois se reforçam, se clonam e cooptam todos os escalões da sociedade e de todos os poderes. Há uma doutrinação que se reproduz em toda parte. É ubíquo. Usando a linguagem do filme Matrix, abraçar o discurso hegemônico sobre o “mercado” é escolher a ignorância abençoada (pílula azul) que não traz aparente dor ou sacrifício. O mundo matrix, construído pelo discurso do mercado, vem mostrando déjà vu e “erros” constantemente (por exemplo, a crise da financeira 2007-2008) mas nem por isso perde seguidores. É um discurso robusto. Esse texto é uma fracassada resistência!

*José Machado Moita Neto é professor aposentado da Universidade Federal do Piauí (UFPI) e pesquisador da UFDPar.

 

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Daniel Afonso da Silva Luiz Bernardo Pericás Leda Maria Paulani Eugênio Bucci Leonardo Sacramento João Feres Júnior André Márcio Neves Soares Berenice Bento Igor Felippe Santos Everaldo de Oliveira Andrade Celso Frederico Rafael R. Ioris Carla Teixeira Alysson Leandro Mascaro Ricardo Antunes Marilia Pacheco Fiorillo Luciano Nascimento Ladislau Dowbor Heraldo Campos Jorge Luiz Souto Maior José Geraldo Couto Michael Löwy Boaventura de Sousa Santos Tarso Genro Ricardo Fabbrini João Sette Whitaker Ferreira Fábio Konder Comparato Sandra Bitencourt Francisco Pereira de Farias Dênis de Moraes Plínio de Arruda Sampaio Jr. Ronald Rocha Ricardo Abramovay Manuel Domingos Neto Paulo Fernandes Silveira Bernardo Ricupero Lucas Fiaschetti Estevez João Lanari Bo Leonardo Boff Dennis Oliveira José Luís Fiori Milton Pinheiro Gerson Almeida Paulo Nogueira Batista Jr Manchetômetro Matheus Silveira de Souza Celso Favaretto Vladimir Safatle Lincoln Secco Julian Rodrigues Atilio A. Boron Flávio R. Kothe Francisco de Oliveira Barros Júnior Francisco Fernandes Ladeira Luiz Marques Paulo Sérgio Pinheiro Remy José Fontana Alexandre Aragão de Albuquerque Eliziário Andrade Luiz Renato Martins Daniel Brazil André Singer Antônio Sales Rios Neto Tales Ab'Sáber Andrew Korybko Marcelo Módolo Benicio Viero Schmidt Luiz Eduardo Soares Walnice Nogueira Galvão Chico Whitaker Alexandre de Freitas Barbosa Jean Pierre Chauvin Marilena Chauí Henry Burnett Otaviano Helene Gabriel Cohn José Costa Júnior Eleutério F. S. Prado Maria Rita Kehl José Dirceu Chico Alencar Renato Dagnino Kátia Gerab Baggio Bento Prado Jr. Mariarosaria Fabris Ronaldo Tadeu de Souza Carlos Tautz Luiz Roberto Alves João Carlos Salles Elias Jabbour Flávio Aguiar Antonino Infranca Vinício Carrilho Martinez Yuri Martins-Fontes Caio Bugiato José Micaelson Lacerda Morais Michel Goulart da Silva Anselm Jappe Bruno Fabricio Alcebino da Silva Eduardo Borges Rodrigo de Faria Marcus Ianoni Eugênio Trivinho Gilberto Lopes Valerio Arcary José Machado Moita Neto Luiz Werneck Vianna Denilson Cordeiro Ricardo Musse Ronald León Núñez Gilberto Maringoni Priscila Figueiredo Vanderlei Tenório Marjorie C. Marona Luis Felipe Miguel Marcos Aurélio da Silva Valerio Arcary Fernando Nogueira da Costa Slavoj Žižek Tadeu Valadares Antonio Martins João Paulo Ayub Fonseca João Adolfo Hansen Daniel Costa Sergio Amadeu da Silveira Paulo Martins Armando Boito Juarez Guimarães Érico Andrade Airton Paschoa Michael Roberts Jorge Branco Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Fernão Pessoa Ramos Rubens Pinto Lyra Annateresa Fabris Ari Marcelo Solon Mário Maestri Alexandre de Lima Castro Tranjan Liszt Vieira Bruno Machado José Raimundo Trindade Luiz Carlos Bresser-Pereira Salem Nasser Andrés del Río João Carlos Loebens Luís Fernando Vitagliano Eleonora Albano Leonardo Avritzer Lorenzo Vitral Claudio Katz Afrânio Catani Thomas Piketty Marcos Silva Marcelo Guimarães Lima Henri Acselrad Samuel Kilsztajn Paulo Capel Narvai Jean Marc Von Der Weid Osvaldo Coggiola

NOVAS PUBLICAÇÕES