As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Cartão vermelho

Imagem: Marcio Costa
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ANDRÉ SINGER*

A promessa de Bolsonaro de que não permitirá a retirada de benefícios dos mais pobres indica uma virada nos rumos do governo

Jair M. Bolsonaro disse, no decorrer da semana, que irá dar cartão vermelho a quem, dentro de sua equipe de governo, falar em corte de benefícios. Podem-se inferir desta afirmação algumas indicações sobre as intenções do presidente. A primeira coisa que cabe notar é o estilo da linguagem, a escolha de uma metáfora ligada ao futebol visando uma forma de comunicação de fácil compreensão, a opção por um discurso que é muito direto e talvez efetivo.

Bolsonaro está se referindo às notícias de que havia na equipe econômica estudos que propunham como fonte de recursos para o programa Renda Brasil o congelamento de benefícios tanto das pessoas carentes com necessidades especiais como dos idosos que recebem aposentadorias, medida que produziria uma economia nos próximos dois anos de 10 bilhões de reais.

Ele está avisando para a população de menor renda que não tirará recursos dela, o que configura uma novidade. Até então, durante seu mandato como presidente, Bolsonaro nunca havia se comportado desse modo. Tudo indica que ele está reorientando suas ações em função dos resultados das pesquisas de popularidade, pois demonstra visivelmente que está preocupado com a eleição de 2022 e com o fato de que para ser reeleito terá que garantir o apoio da maioria. Acredito que se trata de uma virada no interior do governo Bolsonaro.

Isso não significa que esse assunto esteja resolvido. Há uma mudança de linguagem, a escolha deliberada de uma linguagem popular voltada para a população de menor renda, para essa parcela que não fora objeto de uma preocupação especial do governo Bolsonaro até muito recentemente. No entanto, do ponto de vista efetivo, ainda cabe resolver o problema econômico para que a mudança não fique apenas no discurso.

Para modificar a situação na prática faz-se necessário garantir fontes de recursos para essa parcela da população. O presidente Bolsonaro tem dito que a despeito de ter sido um programa estabelecido no governo Lula, o programa Bolsa Família será mantido. Na situação em que estamos – sob os efeitos de uma crise econômica grave, decorrente da pandemia – não será suficiente apenas manter esse programa, ele terá que ser ampliado, se é que atual presidente realmente busca o apoio da população de menor renda.

Para isso, o governo precisa de novos recursos. Bolsonaro terá de enfrentar a sua própria equipe econômica, comprometida com uma política liberal na qual não há espaço para ampliação de programas como o Bolsa Família.

*André Singer é professor titular de ciência política na USP. Autor, entre outros livros, de O lulismo em crise (Companhia das Letras).

Texto estabelecido a partir de entrevista concedida a Gustavo Xavier, na rádio USP.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Gilberto Lopes Igor Felippe Santos Otaviano Helene Benicio Viero Schmidt Eugênio Trivinho Lorenzo Vitral João Feres Júnior Andrew Korybko Luiz Werneck Vianna Yuri Martins-Fontes Leonardo Avritzer Leonardo Boff Boaventura de Sousa Santos Ricardo Musse Leda Maria Paulani Berenice Bento Valério Arcary Sandra Bitencourt Leonardo Sacramento Armando Boito Gerson Almeida Luiz Costa Lima Antonino Infranca Paulo Sérgio Pinheiro João Carlos Loebens Luiz Bernardo Pericás Alexandre Aragão de Albuquerque José Raimundo Trindade Rodrigo de Faria Érico Andrade Anselm Jappe Samuel Kilsztajn Eugênio Bucci Roberto Bueno Carlos Tautz Chico Alencar Alexandre de Freitas Barbosa Juarez Guimarães Ricardo Abramovay Annateresa Fabris Henry Burnett Francisco Fernandes Ladeira Mariarosaria Fabris Alysson Leandro Mascaro Tales Ab'Sáber Marcelo Módolo Luiz Carlos Bresser-Pereira Antônio Sales Rios Neto Walnice Nogueira Galvão Milton Pinheiro José Dirceu Fernão Pessoa Ramos Fernando Nogueira da Costa Gabriel Cohn José Geraldo Couto José Machado Moita Neto Ladislau Dowbor Tarso Genro Paulo Nogueira Batista Jr Roberto Noritomi Paulo Martins João Adolfo Hansen Denilson Cordeiro Fábio Konder Comparato Sergio Amadeu da Silveira Kátia Gerab Baggio Thomas Piketty João Paulo Ayub Fonseca Flávio Aguiar Ricardo Antunes Airton Paschoa Bernardo Ricupero Liszt Vieira Osvaldo Coggiola Marcos Silva Michael Roberts Paulo Capel Narvai Antonio Martins Celso Frederico Luciano Nascimento Bruno Fabricio Alcebino da Silva Gilberto Maringoni Ricardo Fabbrini José Micaelson Lacerda Morais Vanderlei Tenório João Carlos Salles Luís Fernando Vitagliano Manuel Domingos Neto Luis Felipe Miguel Priscila Figueiredo Mário Maestri Eduardo Borges Heraldo Campos Marjorie C. Marona Carla Teixeira Renato Dagnino Julian Rodrigues Lucas Fiaschetti Estevez Michael Löwy Afrânio Catani Manchetômetro Marilena Chauí Maria Rita Kehl Remy José Fontana Daniel Costa Daniel Brazil Marilia Pacheco Fiorillo Jorge Branco Eleutério F. S. Prado Paulo Fernandes Silveira Ronald León Núñez Anderson Alves Esteves Luiz Marques José Costa Júnior Atilio A. Boron Daniel Afonso da Silva Bruno Machado André Singer João Sette Whitaker Ferreira Valerio Arcary Salem Nasser Elias Jabbour Jean Marc Von Der Weid Luiz Renato Martins Eleonora Albano João Lanari Bo Rafael R. Ioris Jorge Luiz Souto Maior André Márcio Neves Soares Dênis de Moraes Ronaldo Tadeu de Souza Bento Prado Jr. Luiz Eduardo Soares Ronald Rocha Everaldo de Oliveira Andrade Marcelo Guimarães Lima Henri Acselrad Chico Whitaker Jean Pierre Chauvin Lincoln Secco José Luís Fiori Celso Favaretto Luiz Roberto Alves Vladimir Safatle Rubens Pinto Lyra Francisco de Oliveira Barros Júnior Alexandre de Lima Castro Tranjan Eliziário Andrade Tadeu Valadares Claudio Katz Vinício Carrilho Martinez Dennis Oliveira Francisco Pereira de Farias Ari Marcelo Solon Slavoj Žižek Marcos Aurélio da Silva Plínio de Arruda Sampaio Jr. Flávio R. Kothe Marcus Ianoni Caio Bugiato

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada