As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

As pesquisas, agora com Lula

Imagem: Anderson Antonangelo
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por SIMÃO PEDRO*

Lula trouxe esperança para grandes parcelas de brasileiros e do mundo de que outro caminho é possível para o Brasil

Nos últimos dias saíram pesquisas de opinião avaliando o desempenho do governo neste momento de intensificação da crise sanitária e social e a preferência do eleitorado para candidatos à presidência a partir do fato novo da volta de Lula ao jogo político-eleitoral.

Lula, de fato, entrou como um meteoro na cena política. Além da entrevista que deu na quarta-feira, dialogando com os trabalhadores e população pobre e acenando para o setor médio e partidos do centro político, pregando união contra o genocídio patrocinado por Bolsonaro, passou a agir para intermediar a compra de vacinas Sputinik pelos governadores junto ao Fundo Soberano da Rússia e ontem em entrevista na CNN internacional cobrou dos países ricos sua responsabilidade na distribuição das vacinas para todos os países afetados e também cobrou de Joe Biden que lidere processo de democratização do acesso das vacinas para o Brasil e outros países.

Lula trouxe esperança para grandes parcelas de brasileiros e do mundo de que outro caminho é possível para o Brasil sair do atoleiro causado pelo golpe de 2016.

Bolsonaro, como era esperado, subiu na avaliação negativa e caiu na avaliação positiva dos brasileiros, no momento mais terrível da Pandemia que ceifou a vida de 280 mil brasileiros (20% do total de mortos no mundo). Esse fato foi registrado pela pesquisa do DataFolha publicada ontem em hoje: 44% consideram seu governo ruim/péssimo e 22% consideram bom/ótimo. Sua gestão é avaliada como regular por 24%. Para 56%, Bolsonaro é incapaz de liderar o País (em janeiro era 50%). Para 42% ele é avaliado como capaz (era 46%). Para 54% é ruim/péssima a condução do governo no enfrentamento da Pandemia.

Já as pesquisas para saber qual a preferência dos brasileiros para presidente se a eleição fosse hoje, a novidade é a disparada de Lula, a manutenção de Bolsonaro na faixa dos 30% e o fraco desempenho dos outros concorrentes de centro, como Moro, Dória e Ciro e suas altas rejeições.

A pergunta que muitos se fazem é como ele mantém esses índices de aprovação considerando sua gestão tenebrosa em relação à Pandemia e a deterioração da situação social e econômica dos brasileiros?

Bolsonaro tem em média 30% de aprovação e faz tudo pra manter esse percentual: entregou a política econômica para o mercado com aumentos de alimentos e combustíveis – e agora a subida os juros – apoia o agronegócio expansionista, deu isenções tributárias para pastores, decretou liberação de armas e munições para atender as milícias, distribuiu cargos e privilégios para membros do Exército, além, é claro, da manutenção de uma ainda ativa e potente rede de fake News contra seus oponentes, processada por gabinetes e robôs a alimentar seus seguidores. Essa é sua estratégia, além da retórica sempre agressiva e intimidatória, ainda mais agora que passa a ser acusado de ser genocida com mais veemência.

Para ele não faz diferença como anda a pandemia e seus milhares de mortos diários. Se algo soar diferente ele troca o ministro, mas cada um que entra piora o número de mortes e infectados.

Ele é um psicopata genocida que sempre foi assim. O pior disso é que a sociedade brasileira tem aceitado com muita passividade a ida ao matadouro dos seus familiares, amigos e ela própria.

Enquanto isso, Lula passa a crescer nas pesquisas. A da revista Fórum com a Offerwise revela que Lula praticamente dobrou suas intenções de votos no primeiro turno desde a última edição, em novembro (link abaixo). Num provável 2º turno bateria Bolsonaro por 38% x 33,8%. No 1º turno e de forma estimulada (o pesquisador apresenta os nomes para o entrevistado), Lula crava 31,2% e Bolsonaro 30,7%. Neste cenário Ciro teria 7,4% e Dória 6,4%, enquanto 24,3% apontam que nenhum. Num outro cenário com mais nomes, Bozo ficaria com 29,2%, Lula 27,1%, Moro 7,8%, Ciro com 6,2%, Dória 4,5%, Amoedo 1,8%, Boulos 1,5% e Flávio Dino com 0,2%.

Muito parecida, a pesquisa do DataPoder/Band mostrou ontem os seguintes números: num provável 2º turno Lula vence Bolsonaro por 41% a 37%. No primeiro turno Lula venceria com 34% dos votos, seguido de Bolsonaro com 30%, Moro com 6%, Ciro com 5%, Amoedo com 3%, Mandetta com 2%, brancos/nulos 10% e não sabe 3%. Nesta pesquisa chama a atenção as taxas de rejeições dos prováveis candidatos. Lula tem o melhor desempenho com 40%. Seus adversários tem os seguintes índices: Dória 65%, Moro 60%, Ciro 56-%, Huck 54% e Bolsonaro 53%.

Chama a atenção o derretimento de candidatos do chamado centro ou direita, com a entrada de Lula no circuito, como Dória, campeão de rejeição, Moro, Ciro e Luciano Huck.

Tudo indica que os que não votaram ou votaram nulo tem migrado para o lado antibolsonarista, pelos índices de rejeição ao combate à pandemia. Segundo a pesquisa do DataFolha, 54% dos brasileiros rejeitam a condução do governo na Pandemia. Bolsonaro é apontado por 43% como o principal culpado pela tragédia. Sobre o impechament, ainda não há uma maioria definida (50% são contra a e 46% a favor).

Lula é o único líder político que tem conseguido chacoalhar as estruturas da oposição e fazer Bolsonaro perder o rumo. Sua entrevista na CNN internacional, reverbera no mundo todo. No discurso e coletiva de imprensa da semana passada após conquistar sua inocência e ter suas sentenças anuladas pelo STF, bateu sem dó em Bolsonaro e seu desgoverno, apresentando um conjunto de propostas para enfrentar a crise atual em defesa do povo trabalhador e do nosso País, deixando evidente que ele é quem tem as melhores condições de pôr fim ao reinado dos neofascistas e neoliberais.

Mas só Lula não adianta. Os governadores do Nordeste deram um grande passo na compra da vacina Sputnik. Mas poucos prefeitos decretam o lockdown ou têm algum reforço de auxílio emergencial. Só a política de criar leitos não adianta, apenas fortalece o vírus. Sem vacinas, sem auxílio emergencial e sem apoio para o comércio e serviços ficarem fechados, o combate ao vírus é inócuo.

Os movimentos de oposição ao Bolsonaro tem que persistir na luta por vacinas já e em massa, auxílio emergencial de no mínimo 600 reais e apoio aos pequenos e médios empresários para que segurem suas contas e ajudem a manter empregos. E precisam continuar combatendo as fake news e denunciando as ameaças e ações criminosas de Bolsonaro, que tendem a se tornar mais violentas e ameaçadoras como sempre faz quando é acuado. A conscientizar a população é tarefa de todos. Ainda vivemos num estado de exceção e o Estado Democrático de Direito precisa ser resgatado.

A luta do Fora Bolsonaro é difícil, mas mais necessária do que nunca! “A vida requer coragem!” nos lembra o poeta!

*Simão Pedro foi deputado estadual (2003-2015) e secretário municipal de serviços no governo de Fernando Haddad.

Referências


https://revistaforum.com.br/noticias/pesquisa-forum-lula-dobra-em-intencao-de-votos-e-venceria-bolsonaro-se-eleicao-fosse-hoje/

https://www.band.uol.com.br/noticias/lula-e-ciro-venceriam-bolsonaro-em-um-2o-turno-aponta-pesquisa-poderdata-band-16341172/amp

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Rodrigo de Faria José Micaelson Lacerda Morais Everaldo de Oliveira Andrade Boaventura de Sousa Santos Jean Pierre Chauvin Armando Boito Slavoj Žižek Flávio R. Kothe Bruno Machado Tarso Genro Tales Ab'Sáber Luiz Costa Lima Ricardo Musse Luiz Werneck Vianna Luciano Nascimento Eugênio Trivinho José Luís Fiori Eliziário Andrade Marilia Pacheco Fiorillo Alysson Leandro Mascaro Bruno Fabricio Alcebino da Silva Caio Bugiato Carlos Tautz Sergio Amadeu da Silveira Lorenzo Vitral Berenice Bento Julian Rodrigues Antonino Infranca Alexandre Aragão de Albuquerque Gilberto Lopes Valerio Arcary Annateresa Fabris Antônio Sales Rios Neto Celso Favaretto Alexandre de Lima Castro Tranjan Renato Dagnino Ari Marcelo Solon Tadeu Valadares Eugênio Bucci João Carlos Loebens André Singer Alexandre de Freitas Barbosa Ricardo Abramovay João Paulo Ayub Fonseca Thomas Piketty Francisco de Oliveira Barros Júnior Fábio Konder Comparato Marcelo Guimarães Lima Paulo Fernandes Silveira Carla Teixeira João Lanari Bo Chico Alencar Roberto Bueno Luiz Roberto Alves Mário Maestri Liszt Vieira Atilio A. Boron Dennis Oliveira Valério Arcary Bernardo Ricupero Andrew Korybko Paulo Nogueira Batista Jr Jorge Luiz Souto Maior Michael Roberts Claudio Katz Manuel Domingos Neto Leonardo Boff Ronald León Núñez Jean Marc Von Der Weid Remy José Fontana Luís Fernando Vitagliano Luiz Renato Martins Eleonora Albano Vanderlei Tenório Paulo Martins João Sette Whitaker Ferreira Luiz Marques Henry Burnett Salem Nasser Érico Andrade Ronaldo Tadeu de Souza Anderson Alves Esteves Maria Rita Kehl Ricardo Fabbrini Flávio Aguiar Elias Jabbour Gabriel Cohn Airton Paschoa Afrânio Catani Rubens Pinto Lyra Vladimir Safatle Leonardo Sacramento Gilberto Maringoni Antonio Martins Juarez Guimarães Paulo Sérgio Pinheiro Michael Löwy Ladislau Dowbor Gerson Almeida Sandra Bitencourt Marcos Aurélio da Silva Bento Prado Jr. Marjorie C. Marona Walnice Nogueira Galvão Fernão Pessoa Ramos Luiz Bernardo Pericás José Raimundo Trindade Benicio Viero Schmidt Chico Whitaker Samuel Kilsztajn João Adolfo Hansen Rafael R. Ioris Osvaldo Coggiola Plínio de Arruda Sampaio Jr. João Feres Júnior Jorge Branco José Machado Moita Neto Francisco Pereira de Farias André Márcio Neves Soares Celso Frederico Denilson Cordeiro Milton Pinheiro Francisco Fernandes Ladeira João Carlos Salles José Dirceu José Costa Júnior Daniel Afonso da Silva Leonardo Avritzer Heraldo Campos Henri Acselrad Vinício Carrilho Martinez Roberto Noritomi José Geraldo Couto Paulo Capel Narvai Daniel Brazil Luiz Carlos Bresser-Pereira Yuri Martins-Fontes Mariarosaria Fabris Marcus Ianoni Lucas Fiaschetti Estevez Leda Maria Paulani Luiz Eduardo Soares Ricardo Antunes Luis Felipe Miguel Lincoln Secco Fernando Nogueira da Costa Manchetômetro Kátia Gerab Baggio Priscila Figueiredo Ronald Rocha Marilena Chauí Dênis de Moraes Eleutério F. S. Prado Igor Felippe Santos Marcos Silva Otaviano Helene Eduardo Borges Marcelo Módolo Anselm Jappe Daniel Costa

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada