As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

O regresso de Ubirajara

Imagem: Alejandro Quintanar
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por WALNICE NOGUEIRA GALVÃO*

De importância científica incalculável, trata-se do primeiro fóssil de dinossauro emplumado das Américas

Ubirajara jubatus, cearense do período Cretáceo, levou trinta anos para ser repatriado da Alemanha. De importância científica incalculável, trata-se do primeiro fóssil de dinossauro emplumado das Américas, a desmentir que fossem exclusivos de outros continentes. Os dinossauros estão extintos há milhões de anos, mas alguns deles são ancestrais dos pássaros.

O comércio ilegal de fósseis brasileiros é intenso, antigo e próspero, embora seja raro o flagrante e ainda mais a devolução. Ubirajara repousa agora em casa, no Museu de Paleontologia da Universidade Regional do Cariri. A Chapada do Araripe é conhecida como um dos mais ricos sítios do país em fósseis e pinturas rupestres: sua pilhagem é imemorial. Os paleontólogos brasileiros que lideraram a cobrança contaram com o apoio de colegas do mundo inteiro, o que foi decisivo.

Quem pôs em voga o onomástico foi José de Alencar, oriundo do Ceará, dos mais reputados escritores do Brasil. Autor do romance Ubirajara, contrapartida masculina a Iracema, a virgem dos lábios de mel, foi inspirado pelo Indianismo que era apanágio do Romantismo. Fora isso, quase todos nós temos um primo com esse nome, advindo do período em que era moda dar nomes indígenas aos filhos, ou trocar o seu.

Quem se divertiu com isso foi Gilberto Freyre, que em Casa Grande & Senzala examinou o primeiro surto da moda,provocado pela Independência de 1822. Era sinal de patriotismo. Nesses arroubos antilusitanos, a família de senhores de engenho Fonseca Galvão deixou cair seu sobrenome castiço e o substituiu pelo indígena de Carapeba, horrível, segundo ele.

Mas são boas novas e estão indicando uma auspiciosa mudança nos ventos da descolonização. Depois de longas escaramuças, vimos a França devolver alguns itens para nações da África. Quem deu o exemplo de boa-vontade foi o presidente Emmanuel Macron, o que é supreendente, mas louvável. Só de fósseis, consta que aFrança tem 998 dos nossos, com repatriação solicitada. Os Estados Unidos já restituíram um, em 2021. Ubirajara tornou-se bandeira de um movimento muito mais amplo e sustentado por cientistas de todo o mundo.

Agora, o Egito requereu oficialmente e de novo a Pedra de Roseta, já reivindicada em 2003. Países e museus desconversam, pretextando que são guardiães desses tesouros para toda a humanidade, como reza recente manifesto dos 30 principais museus do mundo: bom exemplo de mentalidade colonialista. O Museu Britânico até já fez uma réplica da Pedra em fibra de vidro e a presenteou aos egípcios, que estão inaugurando o gigantesco museu de Gizé, perto das pirâmides.

Ali se erige moderníssima e ostentatória versão do Museu do Cairo, acanhado e antiquado, mas que ainda detém o recorde de melhor do mundo em egiptologia. Os outros no topo da hierarquia – o de Turim, o de Berlim, o Louvre, o Metropolitan – mesmo somados não lhe chegam aos pés. Pois é nele que estão os despojos de Tutancâmon, o único faraó cuja tumba chegou-nos intacta, todas as outras já submetidas à ação de saqueadores por milênios. Que ingenuidade, pensar que uma cópia pode ser portadora da aura de objeto único…

A disputa pela Pedra de Roseta deriva da invasão do Egito por Napoleão, que foi um fiasco militar e um triunfo científico. Os franceses foram derrotados pelos ingleses, que sequestraram a Pedra e a levaram para Londres. Mas da invasão resultaria a Description de l´Egypte em 10 volumes de texto em grande formato mais 13 de pranchas com ilustrações, concebida no melhor modelo da Encyclopédie.

Napoleão recrutou um “exército de sábios” bem no espírito das Luzes do século XVIII: centenas de naturalistas, zoólogos, botânicos, desenhistas e gravadores, pintores, geógrafos, arquitetos, historiadores, linguistas…

A edição pela Comissão das Ciências e das Artes da expedição, justamente chamada de monumental, levou décadas para ser preparada, em consonância com as toneladas de material que demandaram processamento e organização. Mas hoje pode ser consultada on-line, ou, para quem prefere livros, em edição popular atual, minimalista até no preço, num único volume e tamanho pequeno, com mil páginas.

*Walnice Nogueira Galvão é professora Emérita da FFLCH da USP. Autora, entre outros livros, de Lendo e relendo (Sesc\Ouro sobre Azul).


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Walnice Nogueira Galvão Leda Maria Paulani Caio Bugiato Paulo Nogueira Batista Jr Luiz Roberto Alves Andrew Korybko João Lanari Bo Daniel Afonso da Silva Heraldo Campos Luiz Eduardo Soares Eugênio Bucci Claudio Katz Bruno Fabricio Alcebino da Silva Jean Marc Von Der Weid Atilio A. Boron Leonardo Avritzer Luís Fernando Vitagliano José Geraldo Couto Sergio Amadeu da Silveira Berenice Bento José Raimundo Trindade Ronald Rocha Eleonora Albano Paulo Martins Érico Andrade Thomas Piketty Eleutério F. S. Prado José Luís Fiori Francisco Fernandes Ladeira Ricardo Fabbrini Chico Alencar Flávio Aguiar Francisco Pereira de Farias Slavoj Žižek Rodrigo de Faria Luiz Werneck Vianna Boaventura de Sousa Santos Osvaldo Coggiola Luciano Nascimento Luis Felipe Miguel Jean Pierre Chauvin Annateresa Fabris Ronaldo Tadeu de Souza Tarso Genro Ladislau Dowbor Afrânio Catani Samuel Kilsztajn Valerio Arcary Eduardo Borges José Micaelson Lacerda Morais Paulo Sérgio Pinheiro Sandra Bitencourt Dennis Oliveira Fernando Nogueira da Costa Vladimir Safatle Gerson Almeida José Dirceu Luiz Renato Martins André Singer Alysson Leandro Mascaro Luiz Carlos Bresser-Pereira Daniel Brazil Salem Nasser Marilia Pacheco Fiorillo Jorge Branco Luiz Bernardo Pericás Celso Frederico Leonardo Sacramento Marcos Silva Henry Burnett Plínio de Arruda Sampaio Jr. Mário Maestri Denilson Cordeiro Milton Pinheiro Antônio Sales Rios Neto Ricardo Abramovay Igor Felippe Santos Eugênio Trivinho Antonino Infranca Gilberto Lopes Julian Rodrigues Rafael R. Ioris Gabriel Cohn Tales Ab'Sáber João Feres Júnior Paulo Fernandes Silveira Elias Jabbour João Carlos Loebens Leonardo Boff Rubens Pinto Lyra Dênis de Moraes Benicio Viero Schmidt José Machado Moita Neto Roberto Noritomi Fábio Konder Comparato Otaviano Helene Henri Acselrad Mariarosaria Fabris Roberto Bueno João Adolfo Hansen Armando Boito Gilberto Maringoni Priscila Figueiredo Renato Dagnino Ricardo Antunes Marcelo Guimarães Lima Lucas Fiaschetti Estevez Fernão Pessoa Ramos Lorenzo Vitral Antonio Martins João Paulo Ayub Fonseca Francisco de Oliveira Barros Júnior Manchetômetro Alexandre Aragão de Albuquerque Marcos Aurélio da Silva Bento Prado Jr. André Márcio Neves Soares Yuri Martins-Fontes Valério Arcary João Sette Whitaker Ferreira Marilena Chauí Marcus Ianoni Maria Rita Kehl Michael Roberts Alexandre de Freitas Barbosa Ari Marcelo Solon José Costa Júnior Remy José Fontana Vanderlei Tenório Anderson Alves Esteves Marjorie C. Marona Carla Teixeira Chico Whitaker Luiz Marques Flávio R. Kothe Carlos Tautz Paulo Capel Narvai João Carlos Salles Michael Löwy Luiz Costa Lima Bruno Machado Alexandre de Lima Castro Tranjan Celso Favaretto Tadeu Valadares Jorge Luiz Souto Maior Airton Paschoa Juarez Guimarães Ronald León Núñez Eliziário Andrade Kátia Gerab Baggio Everaldo de Oliveira Andrade Anselm Jappe Manuel Domingos Neto Marcelo Módolo Vinício Carrilho Martinez Daniel Costa Bernardo Ricupero Lincoln Secco Ricardo Musse Liszt Vieira

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada