O regresso de Ubirajara

Imagem: Alejandro Quintanar
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por WALNICE NOGUEIRA GALVÃO*

De importância científica incalculável, trata-se do primeiro fóssil de dinossauro emplumado das Américas

Ubirajara jubatus, cearense do período Cretáceo, levou trinta anos para ser repatriado da Alemanha. De importância científica incalculável, trata-se do primeiro fóssil de dinossauro emplumado das Américas, a desmentir que fossem exclusivos de outros continentes. Os dinossauros estão extintos há milhões de anos, mas alguns deles são ancestrais dos pássaros.

O comércio ilegal de fósseis brasileiros é intenso, antigo e próspero, embora seja raro o flagrante e ainda mais a devolução. Ubirajara repousa agora em casa, no Museu de Paleontologia da Universidade Regional do Cariri. A Chapada do Araripe é conhecida como um dos mais ricos sítios do país em fósseis e pinturas rupestres: sua pilhagem é imemorial. Os paleontólogos brasileiros que lideraram a cobrança contaram com o apoio de colegas do mundo inteiro, o que foi decisivo.

Quem pôs em voga o onomástico foi José de Alencar, oriundo do Ceará, dos mais reputados escritores do Brasil. Autor do romance Ubirajara, contrapartida masculina a Iracema, a virgem dos lábios de mel, foi inspirado pelo Indianismo que era apanágio do Romantismo. Fora isso, quase todos nós temos um primo com esse nome, advindo do período em que era moda dar nomes indígenas aos filhos, ou trocar o seu.

Quem se divertiu com isso foi Gilberto Freyre, que em Casa Grande & Senzala examinou o primeiro surto da moda,provocado pela Independência de 1822. Era sinal de patriotismo. Nesses arroubos antilusitanos, a família de senhores de engenho Fonseca Galvão deixou cair seu sobrenome castiço e o substituiu pelo indígena de Carapeba, horrível, segundo ele.

Mas são boas novas e estão indicando uma auspiciosa mudança nos ventos da descolonização. Depois de longas escaramuças, vimos a França devolver alguns itens para nações da África. Quem deu o exemplo de boa-vontade foi o presidente Emmanuel Macron, o que é supreendente, mas louvável. Só de fósseis, consta que aFrança tem 998 dos nossos, com repatriação solicitada. Os Estados Unidos já restituíram um, em 2021. Ubirajara tornou-se bandeira de um movimento muito mais amplo e sustentado por cientistas de todo o mundo.

Agora, o Egito requereu oficialmente e de novo a Pedra de Roseta, já reivindicada em 2003. Países e museus desconversam, pretextando que são guardiães desses tesouros para toda a humanidade, como reza recente manifesto dos 30 principais museus do mundo: bom exemplo de mentalidade colonialista. O Museu Britânico até já fez uma réplica da Pedra em fibra de vidro e a presenteou aos egípcios, que estão inaugurando o gigantesco museu de Gizé, perto das pirâmides.

Ali se erige moderníssima e ostentatória versão do Museu do Cairo, acanhado e antiquado, mas que ainda detém o recorde de melhor do mundo em egiptologia. Os outros no topo da hierarquia – o de Turim, o de Berlim, o Louvre, o Metropolitan – mesmo somados não lhe chegam aos pés. Pois é nele que estão os despojos de Tutancâmon, o único faraó cuja tumba chegou-nos intacta, todas as outras já submetidas à ação de saqueadores por milênios. Que ingenuidade, pensar que uma cópia pode ser portadora da aura de objeto único…

A disputa pela Pedra de Roseta deriva da invasão do Egito por Napoleão, que foi um fiasco militar e um triunfo científico. Os franceses foram derrotados pelos ingleses, que sequestraram a Pedra e a levaram para Londres. Mas da invasão resultaria a Description de l´Egypte em 10 volumes de texto em grande formato mais 13 de pranchas com ilustrações, concebida no melhor modelo da Encyclopédie.

Napoleão recrutou um “exército de sábios” bem no espírito das Luzes do século XVIII: centenas de naturalistas, zoólogos, botânicos, desenhistas e gravadores, pintores, geógrafos, arquitetos, historiadores, linguistas…

A edição pela Comissão das Ciências e das Artes da expedição, justamente chamada de monumental, levou décadas para ser preparada, em consonância com as toneladas de material que demandaram processamento e organização. Mas hoje pode ser consultada on-line, ou, para quem prefere livros, em edição popular atual, minimalista até no preço, num único volume e tamanho pequeno, com mil páginas.

*Walnice Nogueira Galvão é professora Emérita da FFLCH da USP. Autora, entre outros livros, de Lendo e relendo (Sesc\Ouro sobre Azul).


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Andes x Proifes — a disputa no sindicalismo docentegreve educação 28/05/2024 Por VALTER LÚCIO DE OLIVEIRA: O sindicato sai enfraquecido quando sua direção parte do princípio de que as únicas posições verdadeiramente esclarecidas e legítimas são aquelas que respaldam a suas orientações
  • A hora da estrela – trinta e nove anos depoisclareice 20/05/2024 Por LEANDRO ANTOGNOLI CALEFFI: Considerações sobre o filme de Suzana Amaral, em exibição nos cinemas
  • O bolsonarismo pode voltar ao poder?Valério Arcary 24/05/2024 Por VALERIO ARCARY: O lulismo, ou lealdade política à experiência dos governos liderados pelo PT, permitiu conquistar o apoio entre os muito pobres. Mas a esquerda, embora mantenha posições, perdeu a hegemonia sobre sua base social de massas original.
  • A “multipolaridade” e o declínio crônico do OcidenteJosé Luís Fiori 17/05/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: A defesa da multipolaridade será cada vez mais a bandeira dos países e dos povos que se insurgem neste momento contra o imperium militar global exercido pelo Ocidente
  • Realizando a filosofia — Marx, Lukács e a Escola de…toca discos 25/05/2024 Por ANDREW FEENBERG: A filosofia da práxis é significativa hoje como a tentativa mais desenvolvida dentro do marxismo de refletir sobre as consequências da racionalização da sociedade sob o capitalismo
  • O legado de uma década perdidaRenato Janine Ribeiro 22/05/2024 Por RENATO JANINE RIBEIRO: A esquerda é inteiramente representativa do senso comum de nossa sociedade – tudo de bom que acontece, e tudo de ruim, é só do Presidente
  • O agonizante fim do sionismodistante 22/05/2024 Por SAMUEL KILSZTAJN: O judaísmo não pode ser protegido por furiosos militares israelenses, pois tudo o que os militares fazem é semear tristeza e colher ódio
  • Guaíba – rio ou lago?Rio Guaíba 24/05/2024 Por JOÃO HÉLIO FERREIRA PES: É importante definir juridicamente se o Guaíba é rio ou lago para fins de uma eficaz implantação das políticas públicas de proteção de suas margens
  • Tensões da composição policlassistaMike Chai 27/05/2024 Por ANDERSON ALVES ESTEVES: Greve nos Institutos e Universidades federais desnuda a frente amplíssima
  • Como mentir com estatísticascadeira 51 18/05/2024 Por AQUILES MELO: Os números apresentados pelo governo federal aos servidores da educação em greve mais confundem do que explicam, demonstrando, assim, desinteresse na resolução do problema

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES