As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Minha geração

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por FRANCISCO DE OLIVEIRA BARROS JÚNIOR*

O docente propõe um conjunto de interrogações com o objetivo de construir uma visão ampla e complexa sobre as novas gerações, representadas pelos alunos que participam das disciplinas

Refletir sobre o conceito de geração, a partir de textos musicais e fílmicos, é uma proposta metodológica a ser desenvolvida. Na sala de aula, do ensino fundamental ao superior, professores experimentam relações intergeracionais. Na exposição de um conteúdo, intitulado de “Intergeracionando”, o docente propõe um conjunto de interrogações com o objetivo de construir uma visão ampla e complexa sobre as novas gerações, representadas pelos alunos que participam das nossas disciplinas.

Estamos no campo universitário onde o professor vai projetar em uma tela, imagens e perguntas para serem pensadas. Uma metodologia dialogal, aberta para dar voz aos estudantes que têm, em média, 20 anos. Seguem as fotografias de nomes conhecidos do universo artístico nacional e internacional. Cada imagem vem acompanhada de uma interrogação.

Sigamos o roteiro da exposição: Com os Beatles, indago: “a que geração pertenço?” Estamos no ano de 2023, em tempos paradoxais, ambivalentes e incertos. Progressos e regressões. Em desassossego, propomos um exercício de contextualização histórica da sociedade na qual vive a juventude atual. Os jovens vivendo em riscos, conectados em redes, na cultura consumista das relações mercantilizadas. Companheiros dos avanços e retrocessos, eles fazem história, são de várias tribos e representam a diversidade.

Com os Rolling Stones, vem a seguinte questão: “quais as características da minha geração?” A sociabilidade juvenil encontra novos paradigmas nos espaços digitais ocupados pelos jovens. Munidos de aparelhos eletrônicos, na sociedade telânica, navegam nas redes sociais e constroem as suas cidadanias em movimentações políticas online. Movimentos sociais juvenis agitam o cenário político em um cyberativismo praticado na “sociedade em rede”. Na “era da informação”, sopram ventos sulistas e nortistas de uma mudança social na qual mentes articuladas contestam o poder.

Atitudes contestatórias em um contexto histórico de reinvenção democrática praticada por uma juventude que vive “uma revolução possibilitada pela internet”. “Indignação e esperança” em um mundo transformado, de reformas políticas e emergência de um padrão tecnologizado no modo de promover insurreições e discursos revolucionários (CASTELLS, 2013). No coletivo, indignados e esperançosos empunham a faixa com uma mensagem no plural: “somos a rede social”.

Com Roberto Carlos, pergunto: “que avanços e retrocessos acompanham a minha geração?” Progressos e regressões em um contexto de ambivalências e paradoxos. Longevidade populacional e altos índices de criminalidade. Notícias animadoras e sombrias. Novas barbáries e robótica presentes na sociedade do espetáculo. Inteligência artificial e pobreza dão matérias jornalísticas. Medos medievais são reatualizados. A covid-19 fez um strip-tease revelador das nossas vulnerabilidades e riscos. Como vivemos agora?

Uma jovem de 20 anos, nos dias de hoje, vive em sociedades paradoxais. Os brasis são exemplares. Um país de excluídos curtindo as viralizações das celebridades em suas pornográficas ostentações. “A galáxia da internet” convive com precários estados de bem-estar social. A pergunta antes feita necessita de um exercício de contextualização histórica. Mostrar as múltiplas faces da globalização, do capitalismo parasitário e do neoliberalismo. Quais as suas consequências humanas? Negócios e economia eletrônicos em movimentos milionários e os quadros de exclusão social correndo em paralelo.

Na “vida para consumo” e “a crédito”, “a geração jovem de hoje” conhece “uma sociedade de consumidores”. Nas redes sociais, a juventude é um terreno virginal a ser conquistado e explorado “pelo avanço das tropas consumistas”. “O jovem como lata de lixo da indústria de consumo”. Uma cultura consumista e “agorista”. Inquietos “e em perpétua mudança”, os jovens entram no “culto da novidade”. Em tempos excessivos e de descartabilidade, eles participam da “assombrosa velocidade dos novos objetos que chegam e dos antigos que se vão”. No império do efêmero, em suas curtições internéticas, a juventude navega nas compras virtuais e provoca a curiosidade: quantas horas por dia gasta com smartphones, computadores, telas diversas e outros instrumentos eletrônicos? (BAUMAN, 2013, p.34).

Com Gilberto Gil, indago: “quais os valores que conduzem a minha geração?” De que matrizes procedem? Estão sendo invertidos? No foco, os princípios que norteiam as nossas existências em uma sociedade de mercado, competitiva e violenta. Em termos necropolíticos, injusta, cruel e outros adjetivos desumanos. Um campo de conflitos. O que é valorizado nas relações capitalistas? O nosso pensamento tem sido crítico em relação às ações desumanizadoras observadas no cotidiano? A mercantilização de todas as relações expõe os homens transformados em mercadorias.

Todos os campos, destacando a saúde, a educação, a religião e outras esferas, são atravessadas pela lógica mercadológica, objetiva, calculista e voltada para o máximo de lucratividade. Números, quantidade de viralizações, vendas da bilheteria e audiência numérica são critérios prioritários. A qualidade do que é produzido e promovido está abaixo do objetivo número um: vender. Em termos mais sintonizados com a época atual, viralizar. Noticiário policial, fofocas e ti ti tis envolvendo celebridades, em especial, viralizam e geram milionários negócios.

Glamour, ostentações ao som de funk, badalações e chacinas telanizadas. “A civilização do espetáculo”, seus ópios, tragédias e frivolidades. Janelas indiscretas. Exposição da intimidade e privacidade pessoal desconhecem os limites entre o público e o privado. “Sou visto, logo existo”. Aparecer de qualquer jeito. Os olhos do poder e os seus plantonistas. Vamos ler “1984”, de George Orwell? Nas telas, o “grande irmão” vê o jogo do “vale-tudo”, o time dos que “topam tudo por dinheiro”.

*Francisco de Oliveira Barros Júnior é professor do Departamento de Ciências Sociais da Universidade Federal do Piauí (UFPI).

Referência


BAUMAN, Zygmunt. Sobre educação e juventude: conversas com Riccardo Mazzeo. Rio de Janeiro: Zahar, 2013 (https://amzn.to/3OUEk71).

CASTELLS, Manuel. Redes de indignação e esperança: movimentos sociais na era da internet. Rio de Janeiro: Zahar, 2013 (https://amzn.to/3ONHiu1).


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Afrânio Catani Marilena Chauí Carla Teixeira Alysson Leandro Mascaro Antonio Martins Paulo Sérgio Pinheiro Marcos Silva Otaviano Helene Rubens Pinto Lyra Atilio A. Boron Manchetômetro Roberto Noritomi Anderson Alves Esteves Paulo Nogueira Batista Jr Jorge Luiz Souto Maior Lincoln Secco Gerson Almeida André Singer Mariarosaria Fabris Luiz Eduardo Soares Maria Rita Kehl Slavoj Žižek Luiz Costa Lima Marcus Ianoni Jean Pierre Chauvin Lorenzo Vitral Anselm Jappe Marjorie C. Marona Michael Roberts Tarso Genro Bento Prado Jr. Armando Boito Jorge Branco Valério Arcary Flávio R. Kothe Luís Fernando Vitagliano Carlos Tautz Remy José Fontana Andrew Korybko Tadeu Valadares Samuel Kilsztajn Kátia Gerab Baggio Henry Burnett Manuel Domingos Neto Milton Pinheiro Ricardo Musse João Carlos Salles Paulo Fernandes Silveira Leda Maria Paulani Vladimir Safatle Luiz Carlos Bresser-Pereira Luiz Renato Martins José Geraldo Couto Bruno Fabricio Alcebino da Silva Plínio de Arruda Sampaio Jr. Juarez Guimarães Gabriel Cohn Marcelo Módolo João Paulo Ayub Fonseca Érico Andrade Igor Felippe Santos Bernardo Ricupero Eugênio Trivinho Ronald León Núñez Julian Rodrigues Ricardo Antunes José Luís Fiori Boaventura de Sousa Santos Vinício Carrilho Martinez Francisco Fernandes Ladeira Everaldo de Oliveira Andrade Claudio Katz Luiz Bernardo Pericás Luiz Werneck Vianna Daniel Costa Priscila Figueiredo Bruno Machado Fábio Konder Comparato Daniel Afonso da Silva João Carlos Loebens Yuri Martins-Fontes Michael Löwy Ronaldo Tadeu de Souza João Lanari Bo Paulo Martins Annateresa Fabris Heraldo Campos Eliziário Andrade Leonardo Boff Celso Frederico Airton Paschoa Daniel Brazil João Sette Whitaker Ferreira Dênis de Moraes João Feres Júnior Ari Marcelo Solon Antônio Sales Rios Neto José Raimundo Trindade Roberto Bueno Marilia Pacheco Fiorillo Vanderlei Tenório Ladislau Dowbor Ronald Rocha José Dirceu Eleonora Albano Rafael R. Ioris Elias Jabbour Francisco de Oliveira Barros Júnior Eugênio Bucci Flávio Aguiar Gilberto Lopes Sandra Bitencourt Renato Dagnino Luiz Marques Henri Acselrad Rodrigo de Faria Caio Bugiato Luciano Nascimento Ricardo Abramovay Dennis Oliveira Denilson Cordeiro Walnice Nogueira Galvão Sergio Amadeu da Silveira Alexandre de Lima Castro Tranjan Jean Marc Von Der Weid Mário Maestri Fernão Pessoa Ramos Leonardo Avritzer Lucas Fiaschetti Estevez Antonino Infranca José Micaelson Lacerda Morais Liszt Vieira Thomas Piketty Leonardo Sacramento Benicio Viero Schmidt Eleutério F. S. Prado Alexandre de Freitas Barbosa Francisco Pereira de Farias Marcelo Guimarães Lima Celso Favaretto Osvaldo Coggiola Gilberto Maringoni Fernando Nogueira da Costa André Márcio Neves Soares José Costa Júnior Berenice Bento José Machado Moita Neto Marcos Aurélio da Silva Chico Whitaker Tales Ab'Sáber João Adolfo Hansen Eduardo Borges Chico Alencar Salem Nasser Paulo Capel Narvai Luiz Roberto Alves Valerio Arcary Luis Felipe Miguel Ricardo Fabbrini Alexandre Aragão de Albuquerque

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada